O Brasil é melhor do que a sua seleção

foto: Veja
foto: Veja

título original: Balanço

Antonio Prata, na Folha de S.Paulo

Tem muita gente afirmando que o fiasco de 2014 foi pior do que o de 1950. Futebolisticamente, não dá pra negar: em 50, ficamos em segundo, por um único gol. Aqui, acabamos em quarto, tomando sete dos alemães, na semi, mais três dos holandeses, na disputa pelo terceiro lugar. A reação do país lá e cá, contudo, sugere que a derrota de 2014 não deixará, fora dos gramados, nem sombra da cicatriz uruguaia.

Diz a lenda que em 50, depois do jogo, havia banquetes abandonados pelas ruas, sendo devorados por pombas e vira-latas. O povo chorava em casa, como se o gol de Ghiggia selasse não apenas o campeonato mas nosso destino de fracassados, fadados ao eterno subdesenvolvimento.

Bem diferente do cenário que encontrei na Savassi, bairro boêmio de BH, voltando do Mineirão, na terça. Mesmo depois da derrota, as ruas continuavam cheias. Ambulantes seguiam vendendo cerveja. Embaixo de uma marquise, um casal se beijava sôfrega e desajeitadamente, como costumam se beijar os casais, na primeira vez. Apesar da tristeza e da perplexidade, a vida seguia seu rumo.

Por muito tempo, fomos um arremedo de país com uma seleção deslumbrante. Eu não cairia no exagero de dizer que a equação se inverteu: estamos longe de ser um país deslumbrante –socialmente, economicamente, eticamente–, mas o que percebi em meio à muvuca e me salvou da depressão foi que, hoje, o Brasil é melhor do que a sua seleção.

Dado o peso que o futebol tem entre nós, tendemos a supervalorizar a sua interpretação. Se a seleção ganha, é o brasileiro mostrando ao mundo o quão incrível ele é. Se a seleção tem um desempenho pífio, é essa porcaria do brasileiro que não consegue mesmo fazer nada que preste.

O fracasso do time serve para escancarar o atraso, a incompetência, a ganância, a burrice e a má-fé que administram o nosso futebol, mas não deve ser estendido ao país como um todo. Claro que os defeitos da cartolagem brotam de certas vicissitudes nacionais, mas a gente não se resume a elas. Temos inúmeros exemplos de brasileiros que se unem com um objetivo e chegam, com trabalho e competência, a resultados extraordinários.

Das meninas do vôlei ao Impa, Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, no Rio de Janeiro. Do Grupo Corpo ao Instituto Butantan. Da Osesp à Pastoral da Criança. De Inhotim ao programa gratuito de tratamento da Aids. Da cozinha do Alex Atala aos programas sociais que tiraram 50 milhões de pessoas da miséria. Sem falar na Copa, que, apesar da seleção, deu certo.

O jogo ainda não está ganho. Longe disso. É preciso mexer bastante no meio de campo, mas não somos uns fracassados, fadados ao eterno subdesenvolvimento. Não sei quanto a você, amigo, mas esse futebol não me representa.

Leia Mais

Veja lições que o Brasil pode aprender com a Alemanha após surra histórica

Müller e Schweinsteiger consolam o brasileiro Dante, companheiro de Bayern de Munique, após a vitória alemã por 7 a 1, no Mineirão (foto:  Martin Rose/Getty Images)
Müller e Schweinsteiger consolam o brasileiro Dante, companheiro de Bayern de Munique, após a vitória alemã por 7 a 1, no Mineirão (foto: Martin Rose/Getty Images)

José Ricardo Leite e Vanderlei Lima, no UOL

Mentalidade forte, capacidade de absorver um duro golpe e usar os erros para uma virada. Aceitar as deficiências com humildade, analisar as virtudes dos rivais e usá-las, sem perder sua essência. Isso é o que o Brasil pode aprender com a Alemanha que a humilhou com um 7 a 1 para conseguir se recuperar de seu maior vexame, segundo a opinião de quem conhece bem o país tricampeão e vivenciou toda a ressurreição que ele passou.

Na virada do milênio, os alemães passaram por uma situação semelhante à do Brasil de hoje. Com uma base envelhecida do título mundial de oito anos atrás, fizeram uma Copa de 98 ruim e levaram um 3 a 0 da Croácia nas quartas. Dois anos mais tarde, caíram na primeira fase da Eurocopa ao perderem da Inglaterra e tomar um 3 a 0 para Portugal. Naquele momento foi identificado que seu futebol baseado na força e contato físico estava defasado. Os alemães estavam em crise.

“A partir dali houve uma mudança, uma revolução. Viram que o estilo alemão de contato, bola pra frente e todo mundo correndo atrás já não adiantava mais. Mudaram tudo. O Brasil foi massacrado pela Alemanha na forma de jogo. Se não mudarmos agora, vamos passar vergonha. A Alemanha não baixou a cabeça e aprendeu com os erros”, falou o ex-atacante do Bayer de Munique Elber, que jogou mais de dez anos na Alemanha, de 1993 a 2003, e voltou em 2005.

“Houve ali uma reestruturação total na organização e o futebol deles teve uma melhora muito grande desde então. O Brasil parou no tempo”, opinou Amoroso, que passou de 2001 a 2004 no Borussia Dortmund.

Os brasileiros que vivenciaram a mudança de postura e mentalidade do jogo alemão listam exemplos do que foi reestruturado pelo país europeu que pode ser feito por aqui também e o que podemos tirar do jeito alemão. Após a mudança, a Alemanha chegou na final de 2002, nas semifinais em 2006, na final da Euro de 2008, semi da de 2012 e final da Copa do Mundo de 2014, só restando um título para coroar a mudança de mentalidade.

“A modernidade está aí para quem quiser usá-la e se atualizar. Você vê o Guardiola, um cara que busca a informação. E o próprio (Joachim) Low, que fez uma reformulação na seleção alemã”, disse o tetracampeão Paulo Sérgio, que jogou sete anos no país bávaro por Bayer Leverkusen e Bayern de Munique.

Humildade para querer aprender e intercâmbio

A primeira recomendação dada é a de querer mudar e achar que tem que aprender com o que estava errado e pode ser melhorado, como fez a Alemanha. O Brasil não pode achar que os 7 a 1 foi por acaso e apenas uma pane de poucos minutos.”Precisamos que uma comissão técnica futura das seleções e clubes queiram aprender. O problema do brasileiro é que ele não é humilde (como o alemão) e não acha que tem que aprender com os outros. Tem que ter humildade para querer aprender com o que acontece lá fora”, opinou Amoroso. Elber lembra que a partir do momento da virada alemã eles passaram a contratar técnicos estrangeiros para desenvolver o jogo interno do país. “Quando cheguei no Stuttgart você não via treinador estrangeiro. Só alemão. Depois o Bayern trouxe o (italiano) Trapattoni, que ajudou muito nas táticas. O Dortmund trouxe o Nevio Scala. Passou a ter uma mudança já na parte de cima. O Brasil precisa urgentemente disso. O Tite fez um estágio na Europa. O treinador brasileiro tem que recorrer a isso. Se você ligar pro Bayern, o Guardiola abre as portas pra te receber lá, falou Elber. E Alemanha, mesmo sendo uma potência, é humilde. Eles chegaram pianinho aqui. Vieram pra jogar.”

Jogo coletivo sem depender da individualidade
A Alemanha sempre teve um jogo coletivo. Admirava a habilidade e a capacidade de improvisação do jogador brasileiro para decidir um jogo e tentou formar atletas que arriscassem mais no drible e nas jogadas. Mas nem por isso abandonaram o que já faziam bem e lhe rendeu seus títulos; uma equipe que não joga em função de um único atleta. Na opinião dos ex-jogadores, falta o Brasil querer jogar mais coletivamente. “Os times lá jogam de forma compacta, com todos auxiliando os outros”, disse Amoroso.”Eles sempre ganharam pela coletividade, é a forma alemã de se pensar. Você tem que ajudar o time, não pode só ficar parado. Tem que correr mais, se movimentar. Eu falei em uma TV alemã certa vez que quando eu estava na seleção brasileira com Vanderlei Luxemburgo, voltei pra marcar e ele falou que eu tinha que ficar só do meio pra frente. Não é assim. E eles quiseram aprender com nossa improvisação indo jogar fora”, falou Elber. Ainda assim, de lá pra cá, conseguiu formar jogadores com mais habilidade para decidir um jogo. “Tem caras com muita técnica, como Ozil e Goetze. Eles têm mais gingado e habilidade do que os mais antigos. Estão mesclando”, opinou Paulo Sérgio.

Respeito ao adversário
Chamou a atenção de todos que durante a humilhante goleada, nenhum jogador alemão esboçou alguma atitude de desrespeito ou menosprezo ao adversário. Firulas, dribles e provocações são bem mais comuns no Brasil quando uma equipe vence um time por larga diferença de gols. Entendem que o respeito ao adversário é algo que precisa existir na cabeça do brasileiro.”Eles ficaram constrangidos com o que acontece. Mesmo com resultado ganho, não teve nada de chapeuzinho e bola no meio das pernas. Eles jogaram pra fazer o que tinha que fazer. É uma cultura de respeito. Tanto que depois todos eles falaram que admiram o Brasil e pregaram respeito”, opinou Elber. “É o jeito deles de não querer desmoralizar. O sul-americano já ia querer fazer gracinha, dar chapéu. O alemão procura manter a educação e respeitar”, endossou Amoroso.

Aceitar a derrota e menos pressão
A Alemanha organizou o Mundial de 2006 em casa e não ganhou. Estava do início para o meio do processo de reestruturação. A derrota em casa para a Itália na semi não foi vista como fracasso. Aquela Copa é conhecida por lá como “sonho de verão” por ter resgatado o orgulho alemão por sua seleção e pelo país. A boa organização fez os alemãs entenderam que dali o time colheria frutos no futuro e que mostraram uma boa imagem ao mundo com a Copa, mesmo não ganhando. “O Brasil tem essa coisa de que tem que ganhar quando joga em casa. Tem outras seleções que vem jogar. E aí se coloca muita pressão em cima dos jogadores. Vimos contra o Chile que eles estavam se desmantelando. Acham que porque joga aqui é primeiro o Brasil e depois o resto. Eles reconhecem a força do adversário. Foi um sonho de verão mesmo. Eles resgataram o patriotismo que o alemão deixou dentro da gaveta. Isso foi um ganho pra eles na Copa”, explicou Elber.

Organização para se reestruturar
O jeito organizado do alemão pode ser usado como espelho para que tanto fora de campo como em equipe dentro das quatro linhas não haja bagunça. Os alemães hoje contam até com serviços de tecnologia que ajudam a seleção, como tecnologia SAP para analisar os rivais e ter em mãos estatísticas e dados sobre seus jogadores e os concorrentes. “Eles são organizados, dificilmente fazem loucas financeiras, por exemplo, se não têm como honrar o compromisso. Os gestores da seleção e de clubes são profissionais, enquanto aqui vemos muito amadorismo. Hoje se você entrar no vestiário do Bayern, cada armário do jogador tem uma tela de LCD com informações pra ele. Tem quem queira fazer isso no Brasil?”, questionou Paulo Sérgio. “A CBF e os clubes têm que ser mais profissionais como eles são lá. E dentro de campo time deles é organizado jogando, não são 10 caras dependendo do Neymar”, disse Amoroso.

Leia Mais

Garota de 15 anos não suporta vexame brasileiro e se suicida no Nepal

Brasil x Alemanha foi o jogo mais tweetado da história do Twitter | Crédito: Laurence Griffiths/Getty Images
Brasil x Alemanha foi o jogo mais tweetado da história do Twitter | Crédito: Laurence Griffiths/Getty Images

Publicado no Terra

A nepalesa Pragya Thapa, uma garota de apenas 15 anos, não suportou a goleada sofrida pela seleção brasileira diante da Alemanha e se suicidou. O Brasil era o seu time favorito, e ela sentiu-se deprimida após o jogo, deixando uma carta aos familiares explicando os motivos da sua decisão antes de se enforcar. As informações são do jornal Ekantipur.

Ela, que morava com a mãe e a avó, se suicidou dentro da própria casa e foi encontrada pela sua família. Ela assistiu ao jogo ao lado de alguns amigos, em Bharaul, a 400 km da capital do país. Segundo informações da polícia local ao jornal, Pragya havia discutido com os colegas por causa da partida.

Na carta de despedida, ela revelou que sentia “uma dor profunda” pelo massacre que o Brasil estava sofrendo: 7 a 1.

Pragya era a filha mais velha da família e estudava na ‘décima série’ da Siddhartha Memorial School, no Nepal. Ela era esportista e considerada uma boa lançadora de dardos.

Leia Mais

Fã de nove anos escreve carta fofa ao jogador David Luiz: “você é o meu campeão”

Foto: Arquivo Pessoal / Facebook
Foto: Arquivo Pessoal / Facebook

Menina ficou abalada ao ver o jogador chorando após a derrota para a Alemanha

Publicado no Diário Catarinense
O choro de David Luiz após a derrota de 7 a 1 para a Alemanha, na última terça-feira, deixou a pequena Ana Luz, de apenas nove anos, sentida. Para ela, que elegeu o zagueiro – desde a primeira partida – seu jogador preferido, David não merecia isso.

Ana escreveu uma cartinha delicada ao jogador. Ela pede para ele não ficar triste, “porque às vezes, a vida é assim”. E ainda confirma: “você é o meu campeão”. Não é uma fofa?

A mãe, a fotógrafa de São Paulo Renata Penna, compartilhou  a cartinha pelo Facebook  ainda na noite desta quarta-feira e pela tarde desta quinta, já havia mais de 11 mil compartilhamentos.

— Aí você, mais uma vez, se dá conta: tem muita criança de 9 anos que já sabe de tudo aquilo que tá cheio de marmanjo precisando aprender — disse a mãe em seu perfil.

A ideia é que a cartinha chegue até o jogador David Luiz, que frequentemente usa a rede social. Ana vai ficar feliz da vida se o zagueiro, por acaso, responder.

Leia Mais

‘Depressão pós-Copa’: como lidar com o problema

Frustração com derrotas e o encerramento do Mundial podem abalar o emocional dos torcedores

Torcedores brasileiros choram a derrota da seleção para a Alemanha no Mineirão, em Belo Horizonte (foto: Ricardo Corrêa)
Torcedores brasileiros choram a derrota da seleção para a Alemanha no Mineirão, em Belo Horizonte (foto: Ricardo Corrêa)

Vivian Carrer Elias e Patricia Orlando, na Veja on-line

As chances de o Brasil conquistar a Copa do Mundo de 2014 acabaram-se na terça-feira com a derrota histórica da seleção para a Alemanha por 7 a 1. Alguns torcedores, porém, ainda mantêm vivo algum entusiasmo com o evento diante da possibilidade de acompanhar uma boa partida na final entre Alemanha e Argentina neste domingo no Maracanã ou de vivenciar os últimos dias da festa proporcionada pela competição no país.

Seja como for, a partir de segunda-feira não haverá mais Copa do Mundo. Com isso, algumas pessoas, independentemente da seleção para qual torcem, podem passar a ter problemas físicos e mentais, como desânimo, cansaço, dificuldade para dormir e dores musculares. Trata-se de sintomas típicos de quem se entregou emocionalmente a um evento que chegou ao fim: é a depressão pós-Copa.

Pessoas mais vulneráveis — O problema pode ser provocado tanto por uma frustração muito grande no Mundial, caso dos brasileiros na semifinal, quanto pelo simples fato de o evento ter acabado. Especialistas ouvidos pelo site de VEJA afirmam que, entre as pessoas mais vulneráveis à “depressão pós-Copa”, estão aquelas que se envolveram de forma muito intensa com a competição, que mudaram radicalmente sua rotina por causa do evento ou que são mais ansiosas normalmente.

“A Copa do Mundo é um evento que provoca muito stress, positivo e negativo. A competição mobiliza uma grande parte do país e faz com que as pessoas depositem muita expectativa em apenas onze jogadores”, diz Ricardo Monezi, psicobiólogo e professor do Instituto de Medicina Comportamental da Unifesp.

O stress negativo e o positivo têm efeitos fisiológicos semelhantes: elevam a produção de hormônios como adrenalina e cortisol, que podem aumentar a pressão arterial e acelerar os batimentos cardíacos. Derrotas e grandes frustrações intensificam esses efeitos. Com isso, algumas pessoas podem demorar mais para se recuperar após uma partida tensa, pois continuam a produzir esses hormônios até 72 horas depois do jogo. “Além disso, a expectativa, antes positiva, pode se transformar em tristeza, ansiedade ou até depressão, e as pessoas precisam trabalhar esse sentimento de perda de uma maneira cuidadosa”, diz.

O fim — O encerramento da Copa do Mundo pode abalar o emocional dos torcedores por dois motivos, como explica a psicóloga Ana Maria Rossi, e presidente da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR), associação internacional dedicada à pesquisa sobre o stress.

O primeiro deles está no fato de toda a euforia e novidade trazida pela Copa do Mundo chegar ao fim, e a rotina das pessoas voltar a ser como antes. “É o que chamamos de síndrome do lazer, que pode acontecer no retorno ao trabalho após o fim de uma viagem, por exemplo. Com o fim do Mundial, as pessoas vão sentir falta da nova rotina que criaram, de socializarem com outras pessoas e de sentirem diferentes emoções de forma mais intensa, como a felicidade em ver seu time ganhar”, diz. Ana Maria.

Segundo a psicóloga, essas consequências podem acometer, sobretudo, pessoas que não são emocionalmente estimuladas, cuja vida se resume ao trabalho ou que não costumam socializar com amigos — mas que, com o Mundial, mudaram esses comportamentos. “Existe um perigo de elas descontarem o vazio que vem com o fim do evento com o uso de medicamentos, consumo de bebida alcoólica ou ingestão excessiva de alimentos calóricos.” Ana Maria explica que os sintomas depressivos da síndrome do lazer podem durar até doze dias.

Controle emocional — O segundo motivo pelo qual o fim da Copa do Mundo pode ter efeitos negativos sobre a saúde é o fato de muitas pessoas, durante os jogos de futebol, controlarem suas emoções para que consigam assistir às partidas e torcer pela sua seleção. Em situações como essas, é comum que todos os problemas relacionados à tensão e ao stress apareçam depois que o evento acaba — o que caracteriza, segundo Ana Maria, a síndrome do ‘let down’.

“Ela pode acontecer, por exemplo, após um dia de trabalho muito intenso ou depois que uma pessoa acaba de organizar o seu casamento. O individuo precisa controlar as suas emoções para concluir sua tarefa e, quando ela acaba, é como se descarregasse toda a ansiedade e tensão que sentiu”, diz a psicóloga. Dores musculares, nas costas e de cabeça, além de cansaço excessivo, são sintomas dessas situações.

Solução — Algumas medidas podem preencher o sentimento de vazio que permanecerá depois da Copa. “As pessoas que sentirem isso devem reavaliar suas rotinas. Elas podem se esforçar mais para se encontrar com os amigos ou então cultivar interesse por outras modalidades esportivas. Aquelas que se interessaram por futebol apenas agora podem passar a acompanhar outros campeonatos, ou então a praticar uma atividade física. Criar novos passatempos também é recomendado”, diz Ana Maria.

Leia Mais