Marcelo Paiva e Roger travam duelo sobre a ditadura militar

O escritor Marcelo Rubens Paiva durante mesa sobre a ditadura militar na Flip, no início do mês (foto: Danilo Verpa - 2.ago.2014/Folhapress)
O escritor Marcelo Rubens Paiva durante mesa sobre a ditadura militar na Flip, no início do mês (foto: Danilo Verpa – 2.ago.2014/Folhapress)

Juliana Gragnani, na Folha de S.Paulo

Na semana passada, o vocalista da banda Ultraje a Rigor, Roger Moreira, 57, apagou do Twitter mensagens (reproduzidas abaixo) em que atacava o jornalista e escritor Marcelo Rubens Paiva, 55. Mas isso não quer dizer que tenha se arrependido.

À Folha, o autor da canção “Inútil” admitiu ter sido “extremamente grosso”, mas reiterou suas declarações e disse que o jornalista “pode ter sofrido lavagem cerebral”. Paiva não quis comentar as declarações.

FLIP

O imbróglio começou durante a Flip, em 2/8, quando Paiva, em mesa sobre o golpe militar no Brasil, usou Roger como exemplo de alguém que desconhece aquele período histórico.

Como resposta, Roger escreveu as mensagens no Twitter, e as apagou em seguida.

Paiva causou comoção ao chorar quando falou do pai, o deputado Rubens Paiva, morto sob tortura na ditadura militar.

“Não sofri na ditadura porque não estava fazendo merda. A pessoa tem que saber quais são os riscos do que está fazendo”, afirma Roger. O cantor diz ter vivido “uma vida absolutamente normal” durante o período. “Era melhor do que essa ditadura disfarçada que vivemos hoje.”

Roger diz que a lavagem cerebral é “um processo de anos e anos” praticado por militantes da esquerda.

Para o cantor, é mais difícil “lavar o cérebro” de quem, como ele, pertence à Mensa, organização que reúne pessoas com QI alto. “Você pode ser uma peneira ou uma esponja. Nós somos peneiras.”

Questionado sobre se suas preferências políticas são de direita, afirmou que a repórter também estava “com o cérebro lavadinho”. Respondeu que votará em quem “tirar o PT do poder”, Aécio Neves (PSDB) ou Marina Silva (provável candidata do PSB).

INÚTIL

O humorista do “Porta dos Fundos” João Vicente de Castro, filho do jornalista Tarso de Castro, um dos fundadores do jornal “O Pasquim”, entrou na briga na sexta (15).

Ele escreveu uma mensagem no Instagram a Roger. “Quem estava fazendo merda era o seu pai, que criou um homem simplista, preconceituoso como você (…) Você é realmente inútil”, diz o texto.

Roger contra-atacou: “Uma pena que o filho de um escritor tão brilhante seja tão tapado. Resultado de anos de lavagem cerebral. Ele acha que o pai dele é um herói que lutou por mim. Uma mentira repetida tantas vezes”.

Atualmente, Roger toca no “talk show” do SBT “The Noite”, e também faz “comentários inteligentes” (segundo o site do programa) no quadro “O Homem do QI 200″.

Leia Mais

‘Selfie’ de macaco gera briga entre fotógrafo e Wikipédia

macacanigraself-portraitdavidslater

 

Publicado no Terra

A wikimedia, empresa americana por trás da Wikipédia, recusou diversos pedidos de um fotógrafo para remover uma de suas fotos, que foi usada online sem sua permissão. O argumento da companhia é que a imagem não pertence ao fotógrafo, já que foi tirada por um macaco. As informações são do Telegraph.

A selfie do macaco foi tirada em 2011, quando o fotógrafo britânico David Slater estava na Indonésia fotografando a espécie Macaca nigra. Um dos animais roubou a câmera de Slater e tirou centenas de selfies. Muitas ficaram embaçadas, mas outras fotos ficaram ótimas e Slater ficou famoso com o ocorrido.

O profissional alega que a decisão da Wikimedia de manter a foto em seu banco de dados, do qual qualquer um pode usar sem precisar pagar por direitos autorais, está atrapalhando sua fonte de renda. Enquanto ele luta pela autoria da foto, a empresa diz que a imagem foi tirada pelo próprio macaco, portanto não pertence a ele.

O fotógrafo está gastando cerca de 10 mil libras para levar o caso à Justiça, e também afirma que gastou com a viagem e os equipamentos usados para tirar as fotos. “Para cada 10 mil fotos que eu tiro, uma dá dinheiro, o que me permite continuar na profissão. E esta é uma dessas imagens”, justificou Slater.

Leia Mais

Jean Wyllys cita ‘covil de ladrões’ para falar de novo templo da Igreja Universal

Reação de evangélicos leva deputado a ironizar erros de português dos internautas

jean_wyllysPublicado em O Dia

Após um comentário crítico sobre a inauguração do Templo de Salomão, a nova sede da Igreja Universal do Reino de Deus, em São Paulo, o deputado federal Jean Wyllys (Psol) travou uma verdadeira batalha religiosa com seus leitores nas redes sociais. O parlamentar, conhecido por legislar em favor de minorias, postou uma mensagem bíblica, em seu Facebook, afirmando que os líderes da igreja evangélica comandada pelo bispo Edir Macedo estão a transformando em um “covil de ladrões”.

“Lendo atentamente esta matéria, só me veio, à mente, as palavras (sic) de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus, que ouvi lá nos meus tempos de Pastoral da Juventude do meio popular: Está escrito: ‘A minha casa será chamada casa de oração’; mas vocês estão fazendo dela um ‘covil de ladrões’” (Mateus, 21, 13)”, escreveu ele na tarde de ontem, comentando uma reportagem que tratava da inauguração.

O Templo de Salomão, obra faraônica erguida no Brás, em São Paulo, foi inaugurado ontem em uma solenidade pomposa e repleta de autoridades, como a presidenta Dilma Rousseff e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O comentário provocou uma avalanche de respostas contrárias à manifestação do deputado. A assessoria do deputado se encarregou da tréplica, por vezes ríspida ou irônica . Um dos internautas chamou o deputado de “escroto ipocrita” e “acefalo dos inferno” (sic). Em resposta, a assessoria ironizou os erros de português: “a língua lhe manda lembranças. Está incomodado com as palavras de Jesus? Vai chamar Jesus de ‘acéfalo dos infernos’ – cadê o uso correto dos plurais e dos acentos, meu Deus?”.

Nesta sexta-feira, o senador Marcelo Crivela (PRB), da Igreja Universal, recebeu representantes da comunidade LGBT para se explicar sobre as declarações de que o homossexualismo é pecado.

 

Leia Mais

“Consegui convencê-lo pela canseira”, diz pai de black bloc

Motorista Osvaldo Baldi, de 50 anos, afirma que buscou o filho na manifestação para protegê-lo da reação da polícia

Pai tenta convencer o filho a deixar protesto e ir para casa (foto: Reprodução/Globo News)
Pai tenta convencer o filho a deixar protesto e ir para casa (foto: Reprodução/Globo News)

Mariana Zylberkan, na Veja on-line

Certo de que o pior poderia acontecer, o motorista Osvaldo Baldi, de 50 anos, não relutou em sair de casa e se infiltrar no meio de mascarados que se preparavam para ocupar a linha de frente do protesto que tentou fechar a avenida Radial Leste, principal via de acesso ao estádio Itaquerão, no dia de abertura da Copa do Mundo no Brasil, na última quinta-feira. Entre os mascarados, estava Renan Molina, seu filho de 16 anos. Ao avistá-lo no meio da multidão pela TV, com uma camiseta preta cobrindo o rosto, ao estilo da tática black bloc, o motorista o puxou pelo braço e deu início a uma longa discussão para convencê-lo a voltar para casa. Alguns mascarados até tentaram impedi-lo, mas ele repetiu firmemente: “Ele é meu filho”. O embate familiar foi flagrado pela imprensa mundial e o vídeo tornou-se assunto do dia nas redes sociais.

No vídeo, pai e filho rebatem argumentos por longos minutos. “Você é meu filho e eu não o criei para isso”, insistiu o pai. Em determinado momento, os manifestantes intervêm a favor do garoto e fazem coro de “Deixa, deixa”. “Consegui convencê-lo pelo cansaço. Sabia que a polícia não ia deixar barato uma confusão na abertura da Copa e fiquei com medo de ele levar um tiro de borracha no olho ou se machucar gravemente”, diz o motorista.

Ele conta que ficou tão nervoso que nem percebeu a multidão e a grande quantidade de câmeras que acompanharam a discussão entre pai e filho. “Só percebi depois, me senti o próprio palhaço no circo.”

Naquele dia, Renan havia dito para a mãe que iria andar de skate no CEU Aricanduva, na Zona Leste de São Paulo. A mãe só percebeu que o filho havia se mentido em encrenca quando o viu pela TV em meio ao protesto. Mesmo com o rosto coberto pela camiseta, a mãe reconheceu as roupas e o jeito de andar de Renan.

Renan já havia ido a outras manifestações, acompanhado pela mãe, mas a da última quinta-feira foi a primeira a participar com o rosto coberto. “Somos a favor dos protestos, desde que defendam causas justas, como a redução da tarifa do transporte público no ano passado, e sempre de cara limpa. A partir do momento que meu filho cobriu o rosto, ele perdeu o direito de reivindicar qualquer coisa”, diz Baldi.

No vídeo, uma das primeiras coisas que o pai faz ao ver o filho é lhe arrancar a camiseta preta do rosto. Segundo ele, o filho não é black bloc. Depois de muita discussão, o pai conseguiu demover o filho da ideia de participar do protesto da Copa e voltaram para casa. Demorou um pouco para o assunto ser retomado pela família. “Cheguei exausto, a descarga de adrenalina foi muito forte.”

Passado o nervoso, Baldi começou a se dar conta da dimensão da bronca que havia dado no filho. Ele ainda tenta entender os motivos por trás de tanta repercussão. “Cumpri meu papel de pai. Se tiver que ir de novo, eu vou.”

Leia Mais

Esse anúncio fará você pensar sobre a violência doméstica

publicado no Adnews

Experimentos para detectar a reação das pessoas com relação a um produto ou situação representam uma forte tendência na propaganda. Recursos como câmeras escondidas também tem sido utilizados recorrentemente.

O último deles retrata a ação das pessoas que testemunham a violência doméstica. A campanha #ViolenceIsViolence foi criada pela fundação ManKind Initiative, que luta para acabar com a violência no Reino Unido.

A simulação aconteceu nas ruas de Londres e envolveu um casal de atores, que discutia até chegar às vias de fato. O filme que você verá a seguir mostra a reação das pessoas em duas situações distintas, primeiro o homem no papel de agressor, e depois no papel de vítima.

Confira o filme:

Leia Mais