Arquivo da tag: Caio Fernando Abreu

“Eu sou bissexual e daí?”, diz o ator José de Abreu

O ator José de Abreu e a mulher, Camila Paola Mosquella, em evento

O ator José de Abreu e a mulher, Camila Paola Mosquella, em evento

publicado no Entretenimento, da UOL

O ator José de Abreu levantou uma polêmica no Twitter ao afirmar ser bissexual e contar que viveu com um casal de gay e com sua mulher sob o mesmo teto, junto com dois de seus cinco filhos.

“Eu sou bissexual e daí? Posso escolher quem eu beijo? Quando quero beijar uma pessoa não peço atestado de preferência sexual, só depende dela querer. Não posso obriga-la a me beijar. Pouquíssimos gays se atreveriam a fazer que eu fiz em 1975 – Viver com minha mulher (na época  a professora Nara Keiserman) e dois filhos (2 e 3 anos) e com um casal gay que viviam maritalmente durante 2 anos”, escreveu o ator no microblog, na última terça-feira (8).

Após sua declaração, diversos seguidores começaram a questionar o ator e a querer saber detalhes de seus casos amorosos. Um deles quis saber a identidade do casal gay. “Pena que o Caio Fernando Abreu [jornalista, dramaturgo] morreu. Também morei com ele. Um morreu de AIDS, cuidado pela minha mulher, eu já tinha me separado dela, o outro é um grande diretor de teatro, não vou dizer”.

O assunto se desencadeou após Abreu defender os homossexuais e condenar atitudes de políticos e religiosos conservadores. “Tem dias que prefiro homens, tem dias que prefiro mulheres.Tenho que mudar? Eu sou assim, ué. Tenho que ser igual aos outros? Prefiro o que me dá prazer. E prefiro ter a ‘preferência’ que deixa-la nas mãos da natureza… Ou de Deus. Prefiro homens e mulheres que me interesses sexualmente”, defendeu.

O artista ainda contou sobre uma relação que teve com bissexual que durou nove anos. “Em 1989 me apaixonei por uma bi. Ficamos juntos e resolvemos ‘tentar’. Seu último namoro tinha sido uma mulher”.

“Eu me relaciono com pessoas, não com rótulos: gay, homossexuais, hétero, sexualidade, sexualismo, opção sexual, estou andando. Se há amor ou tesão, foi. Acho o suprassumo da caretice dividir o mundo entre gays e não gays. Ninguém me ensinou a amar assim. Aprendi a amar na Igreja”, escreveu Abreu.

Antes de voltar a discutir assuntos políticos, como costuma  fazer diariamente, com cerca de seus 69 mil seguidores, Zé de Abreu disse não se importar com o que as pessoas pensam dele. “Estou andando para o que pensam de mim. Sou o que sou, a vida me fez assim. Sem medo de ter medo”.

Com 46 anos de carreira, o último trabalho de Abreu foi como Nilo da novela “Avenida Brasil”, da Rede Globo. O papel teve uma grande repercussão, assim como a novela, e chamou atenção não só pela interpretação do ator, mas também pelo fato dele ter deixado a barba crescer durante um ano e quatro meses.