Cantora gospel americana revela que é gay e diz que Deus a ama do mesmo jeito

gallery-wall

 

Publicado em O Globo

Fãs evangélicos da cantora gospel Vicky Beeching, de 35 anos, podem levar ao susto ao ler os jornais nesta semana. Em entrevista ao periódico inglês “The Independent”, Beeching declarou que é gay, e que mesmo assim, Deus a ama do jeito que ela é.

A artista é um dos maiores ícones dentro da Igreja Anglicana. Formada em Teologia em Oxford, na Inglaterra, Beeching também se popularizou ao comentar aspectos religiosos do dia a dia, conquistando hordas de fieis. Escrevendo canções gospel desde os 11 anos, a cantora já fechou contrato com duas gravadoras internacionais e vendeu milhões de discos no chamado “Cinturão da Bíblia” dos Estados Unidos.

Na entrevista, Beeching diz que foi criada por pais evangélicos conservadores. Na escola, livros diziam que a homossexualidade era pecado, “coisa do demônio”. Mas isso não foi o suficiente para que ela não começasse a se sentir atraída por outras meninas, ainda aos 12 anos:

– Perceber que eu estava atraída por elas foi uma sensação horrível. Eu estava tão envergonhada! Era uma luta, porque eu não podia contar a ninguém – confessou.

Ao se dar conta de sua homossexualidade, Beeching entrou em depressão, acreditando que estava pecando e que não poderia ser “curada”. Aos 13, ela chegou a pedir a Deus que ou tirasse a vida dela, ou a atração por outras meninas. Com 16, durante uma colônia de férias cristã no interior da Inglaterra, a cantora chegou a se submeter a uma sessão de exorcismo, em vão.

– Lembro de muitas pessoas colocando as mãos nos meus ombros, orando muito alto e, em seguida, gritando coisas tipo: ‘Nós ordenamos que Satanás saia! Saia fora, corja de demônios! Nós falamos a vocês, demônios da homossexualidade: deixem a menina em paz!’.

Isso foi a gota d`água para Beeching, que se sentiu humilhada com a situação. Na entrevista, a cantora contou que o episódio serviu para que ela se tornasse mais introspectiva, buscando outras soluções por conta própria. Dedicou-se aos estudos, formando-se em Teologia em Oxford e seguindo logo depois para Nashville, no Tennessee, atraída pela carreira de compositora. Por lá, imersa no centro do conservadorismo evangélico americano, gravou discos e percorreu grandes igrejas do país para mostrar suas canções.

Vicky_Beeching.jpeg

Mas amores frustrados por amigas e outras mulheres a perseguiam como uma sombra. Nesse meio tempo, Beeching teria tentado até começar relacionamentos com homens, todos sem sucesso.

Em 2008, aos 29 anos, ela decidiu se mudar para a Califórnia, esperando que San Diego fornecesse um ambiente mais liberal. Mas este foi o ano em que a Proposição 8, lei estadual que proíbe o casamento homossexual, estava para ser votada. Em paralelo, Beeching cumpria sua série de shows agendados em igrejas do estado.

No início de 2014, a artista descobriu ter uma doença rara de pele, que deixava a epiderme com marcas de cicatriz, podendo levar até a morte. Durante uma sessão de quimioterapia, a cantora pensou consigo mesmo que deveria resolver sua situação pessoal. Ela já tinha 35 anos:

– Olhei para o meu braço com a agulha da quimioterapia, olhei para a minha vida, e pensei: ‘tenho que entrar em acordo com quem eu sou’ – afirmou Beeching na entrevista. – Trinta e cinco é metade de uma vida, e eu não posso perder a outra metade. Perdi tanta vida como uma sombra de uma pessoa.

Até então, Beeching nunca tinha mantido um relacionamento homossexual. O tratamento da doença a fez refletir e aceitar gradualmente sua homossexualidade. Na Páscoa, ela revelou aos seus pais a situação, que acabaram se desculpando por fazerem ela passar pelos constrangimentos. Beeching e eles concordaram em discordar sobre a teologia.

Ao final da entrevista, a cantora afirmou que espera agora que a Igreja Anglicana siga o exemplo acolha fieis homossexuais.

Leia Mais

Fafá de Belém recebe críticas por conta alta em restaurante

publicado no Terra

Fafá de Belém movimentou o Instagram ao postar uma foto em que mostra o valor pago por ela em um restaurante, no último domingo (18). A cantora gastou R$ 592,13 e muitos seguidores criticaram a postura dela.

“Gosto de comer bem. Gosto de não me sentir roubada/lesada pelo fato de estar no restaurante nomeado e comandado por um chef internacional. Por isso, venho sempre aos restaurantes do meu querido Victor Sobral! Obrigada, amigo. Quem é correto terá sempre amigos e clientes”, escreveu Fafá.

Nos comentários, alguns fãs pegaram pesado com a cantora: “Fáfá de Belém isso é uma particularidade sua! Deixa de ser lesada! Parece que está carente e precisa de atenção! Escrota! Pobre de espírito!”, disse @priscilabrangaca2.

“Não achei ostentação. Creio que conhecendo a figura pública de @fafadbelem nunca me deparei com ela agindo com alguma ostentação, bossalidade. Sei que ela é braba e acho que isso pode ser uma indireta para algum dono de restaurante por aí”, ponderou @milmau.

Depois de muita polêmia, Fafá de Belém resolveu se pronunciar. “Inacreditável. Trabalho desde os 16 anos. Luto pelo o que acredito. Nunca me vendi nem facilitei ‘gracinhas’. Passei por momentos delicados sem jamais fazer ‘leilão’ ou me vitimizar mandando a conta pra quem quer que seja. E hoje tem neguinho me enchendo o saco por falta do que fazer! Ora vão lavar uma trouxa de roupa ou fazer uma boa faxina em vossas almas! Fui!”, finalizou.

Leia Mais

Conheça a Igreja Nacional de Beyoncé

Publicado no LOL

Seja você um fã do pop ou não, é impossível negar que Beyoncé é uma das artistas mais importantes do mundo da música nos dias de hoje. Mas um grupo de verdadeiros apóstolos da cantora norte-americana quer levar esse reconhecimento adiante, e aclamar a cantora de “Single Ladies” como a Deusa Beyoncé, a Diva das Divas, em uma religião própria.

Criada há cerca de um ano, a Igreja Nacional de Bey tem sede em Atlanta, no estado americano da Geórgia, e conta com 203 fiéis cadastrados. “Éramos 12 amigas, e saíamos todo domingo para cantar as músicas de Beyoncé. Um dia, enquanto escutávamos, bebíamos vinho e fumávamos, chegamos à conclusão de que Beyoncé é uma divindade”, diz Pauline Andrews, autoproclamada Diva Ministra da Igreja Nacional de Bey, em entrevista ao MapeNation.com.

Uma religião para as moças solteiras (que esperam um anel em seus dedos, hehe), a Igreja Nacional de Bey tem um culto semanal, aos sábados à noite, no qual versos de Beyoncé são recitados. “Nosso texto sagrado é a Beyblia, uma compilação das letras da música dela. A partir da Beyblia, podemos melhorar nossas vidas e nos esforçar para nos tornarmos Divas Divinas”, explica Andrews, que acredita que existam 58 milhões de seguidores do Beyísmo no mundo — “mas 99% deles não descobriu isso ainda”.

Se você está achando tudo isso muito estranho, uma ressalva. Andrews diz que o Beyísmo não se trata de “acreditar que Beyoncé ressuscitou dos mortos, nem que ela é perfeita. Apenas é uma luta para que nós todas tentermos ser a Diva que ela é”. Hoje, 100% dos seguidores do Beyísmo são mulheres, mas homens são bem-vindos, diz a Ministra Diva. Eles apenas tem de obedecer uma condição: o sacrífico de sua masculinidade, removendo (simbolicamente) seus órgãos sexuais para obedecer à Divina Diva.

E quais são os planos da Igreja Nacional de Bey para arrebatar novos fiéis? Esperamos que os milhões de fãs de Beyoncé entendam que são seguidores do Beyísmo, para todos nós nos inclinarmos aos pés da Deusa Beyoncé”. Então tá. ;)

dica do Sidney Carvalho de Souza

Leia Mais

Evangélica, Negra Li defende o musical Jesus Cristo Superstar: “é fiel ao que diz a bíblia”

Negra Li no Pânico
Negra Li no Pânico

Publicado por Jovem Pan

O musical Jesus Cristo Superstar estreou em São Paulo no início de março. Muito antes, no entanto, ele já dava o que falar. Quando foi anunciado que seria produzido no país, diversos grupos religiosos se uniram e criaram uma petição para arrecadar assinaturas e tentar cancelar seu financiamento. Outros preferiram um caminho mais direto e fizeram uma série de manifestações em frente ao Instituto Tomie Ohtake, onde entraria em cartaz. O motivo? Ele estaria “atacando” a fé cristã. Em entrevista ao Pânico nesta quinta-feira (15), a cantora Negra Li, que interpreta Maria Madalena na produção e é evangélica assídua, minimizou as reinvindicações e negou que haja qualquer tipo de desrespeito no espetáculo.

“O tema é polêmico. Falar de Jesus é sempre delicado, é comum as pessoas se manifestarem quando isso acontece. E elas têm liberdade de expressão, assim como nós, artistas. Mas o musical é fiel ao que diz a bíblia. Estamos apenas contando a história de maneira diferente, com um Jesus mais humano. Com uma visão diferente, claro, pelo olhar de Judas. É até uma forma de aproximar as pessoas da igreja. Estou amando fazê-lo”, disse.

Jesus Cristo Superstar foi escrito pelo dramaturgo britânico Tim Rice em parceria com Andrew Lloyd Webber e apresentado pela primeira vez em 1970. Ele destaca, entre outras coisas, as lutas políticas e pessoais entre Jesus e o apóstolo Judas Iscariotes por meio de uma linguagem moderna e rock de trilha sonora. Por essas e outras, Negra Li garante que os protestos não foram encarados com nenhuma surpresa.

“É uma obra que causa manifestações desde quando foi escrita. Já esperávamos por isso. Acho interessante. Nós, do elenco, conversamos muito, brincamos, sempre respeitando os protestos. Mas é claro que seria assim, ainda mais porque é rock! Jesus está em cima do palco todo bonitão, sem camisa, com a calça jeans baixa, o ‘caminho da felicidade’ aparecendo (risos), e um cartaz escrito ‘louvado seja o rock’n’roll’. Não teria como ser diferente”, completou.

Esta é a segunda participação da cantora em musicais, mas a primeira em um espetáculo de grandes proporções. Durante a conversa, ela também revelou como foi o processo que a selecionou para viver uma das personagens mais importantes da história.

“Sei que não fui a primeira opção. Houve outros nomes cotados antes. Não sei porque esses outros nomes não seguiram. Só sei que o diretor queria uma atriz negra e alguém falou de mim para ele. Aí me convidaram por e-mail, fiz um teste que foi mandado para a equipe de Londres e eles me aprovaram”, contou.

Apesar de gostar da experiência, ela assume que sente falta de cantar em apresentações solo.

“Dá uma saudade terrível dos shows. Até porque nos shows tenho mais liberdade. Eu escolho o repertório, eu escolho tudo. O show sou eu! Lá no musical eu sigo um roteiro. São formatos diferentes, mas ambos prazerosos”, afirmou.

Mesmo estando em um ótimo momento da carreira, Negra Li passou por grandes dificuldades recentemente. No dia 12 de abril, seu irmão, Gilson Francisco de Carvalho, de 41 anos, foi encontrado morto em um campo de futebol na Brasilândia, Zona Norte da capital paulista. De acordo com informações da polícia, ele estava com a marca de dois tiros na cabeça, o que originou diversos rumores sobre as causas do possível assassinato. A artista, no entanto, não entrou na discussão. Comentando brevemente o assunto em que ela ainda prefere não se estender, desabafou e disse que o motivo da morte não importa.

“Não quero saber o que aconteceu. A perda é a parte mais difícil disso tudo. Antes eu ouvia muitos casos na mídia e achava estranho as pessoas falarem isso, mas depois que aconteceu comigo vi que não importa mesmo. Deus sabe de tudo, está nas mãos dele. Não adianta eu me questionar, já foi. As coisas perdem o sentido. Nada melhor que o tempo para me fazer superar”, declarou.

Ela falou ainda sobre seu mais recente trabalho, o disco Tudo De Novo (2012); sobre a campanha publicitária da Fiat intitulada Festa na Rua (iniciada pela banda O Rappa), de que ela participa com uma nova música; sobre o retorno do grupo de rap RZO; e sobre a sua relação com o cantor Chorão.

“Ele foi meu padrinho. Apesar de cantar com o RZO há um tempo, na mídia ninguém me conhecia até ele me dar uma oportunidade. Eu era apenas uma backing vocal, depois virei a Negra Li. E ele não meu deu só isso, me deu muitos conselhos sobre a vida artística. O Chorão conversava muito comigo, me preparava. A mulher dele era outra que me ajudava. Ela me deu roupas que uso ainda hoje, não largo mão! A família Charlie Brown me fez crescer muito”, agradeceu.

Leia Mais

Com pai internado, Lívian Aragão vai a culto evangélico

Lívian ao lado do namorado em culto (foto: Xande Nolasco)
Lívian ao lado do namorado em culto (foto: Xande Nolasco)

Publicado no Extra

Filha caçula de Renato Aragão, Lívian Aragão, 15 anos, tirou a noite de domingo para ir a um culto evangélico na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

A adolescente está frequentando o Soul Church, igreja protestante que tem a ex-mulher de Romário, Danielle Favato, como pastora.

Lívian foi orar ao lado do namorado, Nicolas Prattes. Bem disposta, ele pediu pela saúde do pai. A mãe de seu namorado, Giselle Prattes, também estava na igreja _ ela é cantora gospel. Marcus Menna, ex-líder do LS Jack que foi recentemente batizado na mesma religião, também foi ao culto.

Renato Aragão voltou a ser internado no hospital Barra D’Or na tarde de sábado, 22, com febre alta. A equipe médica constatou que ele está com infecção urinária e ficaria em observação até segunda, 24, sendo medicado com antibióticos.

No sábado anterior, ele sofreu um infarto e ficou internado até quarta, 19, quando voltou para casa.

Lívian Aragão e o namorado (foto: Picasa / Xande Nolasco)
Lívian Aragão e o namorado (foto: Picasa / Xande Nolasco)

li3li4

A banda da sogra de Lívian (foto: Picasa / Xande Nolasco)
A banda da sogra de Lívian (foto: Picasa / Xande Nolasco)
Marcus Mena, ex-LS Jack, que foi recentemente batizado na religião (foto: Picasa / Xande Nolasco)
Marcus Mena, ex-LS Jack, que foi recentemente batizado na religião (foto: Picasa / Xande Nolasco)

Leia Mais