Arquivo da tag: casal

Menina de 12 anos idade dá à luz bebê cujo pai é um menino de 13 anos

publicado no Gadoo

Uma menina de 12 anos e 3 meses e seu namorado, de 13 anos de idade, se tornaram os pais mais jovens da Grã-Bretanha. A mãe tinha apenas 10 anos quando conheceu o pai, e ainda estava na escola primária quando ficou grávida.

O jovem casal, do norte de Londres, comemorou o nascimento de sua filha bebê no fim de semana, e prometeu ficar juntos como uma família. A menina é 5 meses mais nova que a anterior mãe mais jovem do Reino Unido.

Segundo o jornal The Sun, o casal estava junto há mais de 1 ano. A família dos dois está dando apoio ao casal.

Menina de 12 anos e menino de 13 se tornam pais mais jovens da Grã-Bretanha

Menina de 12 anos e menino de 13 se tornam pais mais jovens da Grã-Bretanha

Guloseima pode ajudar a evitar briga conjugal, segundo pesquisa

Baixos níveis de glicose no sangue tornam as pessoas mais irritáveis.
Em estudo, casal podia espetar alfinete em boneco representando cônjuge.

Publicado no G1

Foto divulgada mostra boneco de vodu para 'todos os propósitos'; em estudo, casal podia espetar alfinete em boneco representando cônjuge (foto: AP Photo/Jo McCulty, Ohio State University)

Foto divulgada mostra boneco de vodu para ‘todos os propósitos’; em estudo, casal podia espetar alfinete em boneco representando cônjuge (foto: AP Photo/Jo McCulty, Ohio State University)

Uma barra de chocolate ou outro doce pode aplacar mais do que a fome. Pode prevenir também grandes brigas entre maridos e mulheres, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira (14) na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Isso porque o nível baixo de açúcar no sangue pode tornar as pessoas irritáveis. De acordo com o pesquisador Brad Bushman, da Universidade do Estado de Ohio, esse fator pode deixar as pessoas em um estado que mistura raiva e fome.

“Precisamos de glicose para ter auto-controle”, diz Bushman, principal autor do estudo. “A raiva é a emoção que as pessoas mais têm dificuldade de controlar.”

Os pesquisadores avaliaram 107 casais por três semanas. A cada noite, eles mediam seus níveis de glicose no sangue e pediam para cada participante espetar alfinetes em um boneco de vodu representando o cônjuge. Isso indicava os níveis de agressividade.

Eles descobriram que, quanto mais baixos os níveis de açúcar no sangue, mais alfinetes eram espetados no boneco. As pessoas com os níveis mais baixos de glicose usaram o dobro de alfinetes em comparação àquelas com os níveis mais altos de glicose, de acordo com os pesquisadores.

O estudo também constatou que os cônjuges geralmente não estavam com raiva uns dos outros. Em cerca de 70% das vezes, as pessoas não espetavam nenhum alfinete no boneco, diz o co-autor do estudo, Richard Pond Jr, da Universidade da Carolina do Norte em Wilmington. A média de todo o estudo foi de um pouco mais de um alfinete por noite por pessoa.

Três pessoas colocaram todos os 51 alfinetes disponíveis de uma só vez – e uma pessoa fez isso duas vezes – segundo Pond. Segundo Bushman, há uma boa razão física para ligar o ato de comer às emoções: o cérebro, que representa apenas 2% de todo o peso corporal, consome 20% de nossas calorias.

Os pesquisadores dizem que comer uma barra de chocolate pode ser uma boa ideia se o casal está prestes a discutir um assunto delicado, mas que frutas e vegetais são uma estratégia melhor para manter os níveis de glicose a longo prazo.

Outras opiniões
Especialistas não envolvidos no estudo têm opiniões divergentes sobre a pesquisa. Chris Beedie, que ensina psicologia na Universidade Aberystwyth, no Reino Unido, disse pensar que o método do estudo é falho. Uma melhor estratégia seria dar aos participantes níveis altos de glicose em algumas ocasiões e nível baixo de glicose em outras, pra ver se isso faria alguma diferença na ocorrência de atos reais de agressão.

Mas Julie Schumacher, que estuda psicologia e violência doméstica na Universidade do Mississippi, afirma que o estudo foi bem planejado e que é razoável concluir que “níveis baixos de glicose podem ser um fator que contribui para a violência íntima entre parceiros”.

Ainda assim, tanto ela quanto Beedie acreditam que não é possível interpretar os resultados com os bonecos como indicadores de risco de agressão física contra o parceiro.

Uma curiosidade sobre o projeto é que Bushman recebeu uma ligação da companhia que administra seu cartão de crédito para ter certeza de que era ele mesmo que gastou US$ 5 mil para comprar mais de 200 bonecos de vodu.

Casal celebra 70 anos de casamento e quase 80 juntos: ‘Tem que ter calma’

Eles casaram em 1944 na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Santos.
Casal voltou para a igreja e participou de uma cerimônia comemorativa.

Publicado no G1

Aposentados estão há quase 80 anos juntos (foto: Reprodução / TV Tribuna)

Aposentados estão há quase 80 anos juntos
(foto: Reprodução / TV Tribuna)

Dois aposentados completaram 70 anos de casados em Santos, no litoral de São Paulo. Antonio Branco Filho, de 94 anos, e Maria Helena Marques, de 93, voltaram a pisar na igreja Nossa Senhora Aparecida, onde selaram a união, em 1944, para celebrar a data na companhia de toda a grande família que formaram durante tantas décadas.

Maria Helena tinha 14 anos quando conheceu Antonio. Ela aprendia costura com uma senhora e ele tinha aulas de barbear no mesmo local. “O espelho foi o culpado. A professora tinha um espelho grande. Quando ele entrava eu olhava pelo espelho e comecei a gostar dele”, conta Maria Helena. “Em uma ocasião, ela saiu para comprar agulha e nós nos encontramos na rua. Começamos a bater papo. A mãe dela vinha vindo, mas eu não falei para ela”, relata Antonio. Segundo o casal, a mãe de Maria Helena até chamou a atenção da filha naquele dia porque ela estava conversando com o rapaz.

Com o tempo eles se aproximaram aos poucos e começaram a namorar. Mas, naquela época, o namoro era bem diferente. O casal nem andava de mãos dadas na rua. “Não tinha nada de beijos, nada de abraços. Naquela época, era tudo controlado. Se tinha alguém da minha família, eu fingia que não via ele”, conta Maria Helena.

Eles namoraram durante nove anos e casaram em 1944, em uma pequena igreja. O casal foi responsável pelo primeiro casamento registrado na Paróquia Nossa Senhora da Aparecida. “Ela estava bonita, com um vestido bem comprido, e eu estava lá no altar esperando ela”, lembra Antonio. Os dois acreditam que foram abençoados por Nossa Senhora, mas também por outro santo que são devotos. “Eu era devota de Santo Antônio do Embaré. Íamos os dois a pé de mãos dadas para a igreja para assistir a missa para Santo Antonio todo dia 13. Ele deve ter dado um empurrãozinho”, brinca Maria Helena.

Começo do namoro aconteceu na década de 30 (foto: Reprodução/TV Tribuna)

Começo do namoro aconteceu na década de 30
(foto: Reprodução/TV Tribuna)

Os dois construíram uma grande família. Atualmente, são cinco filhos, cinco netos e cinco bisnetos. Todos eles ainda se surpreendem e se encantam com os pequenos gestos cultivados no dia a dia. “Ele ainda é um amante a moda antiga. Ele manda flores para ela, no dia do aniversário, no dia das mães. Ele leva ela ao restaurante e puxa a cadeira para ela sentar”, conta uma das filhas do casal, Regina Helena Branco Barbosa.

Já a sobrinha Sônia de Morais Francisco sonha em ter um casamento como o dos tios. “Eu estava falando para o meu marido que também vamos fazer 70 anos de casados”, diz. “É muito emocionante ver a situação deles, com essa saúde, com disposição. Isso é amor, não tem coisa igual”, completa o marido dela, Walter Luiz Francisco.

Mesmo tendo a bênção de Santo Antonio, eles acreditam que o segredo de um casamento longo é outro. “Tem que ter calma”, conta Antonio, que sempre evitou as brigas de casal. “Quando eu começava a falar, ele saía pela porta e ia passear. Quando ele voltava os ânimos já tinham melhorado”, revela Maria. “Eu não queria brigar. Eu deixava ela falar sozinha”, se explica o marido.

Agora, em abril de 2014, Antonio pegou a mão de Maria Helena e voltou até a igreja Nossa Senhora Aparecida, 70 anos depois de dizer e ouvir o sim mais valioso da vida deles. “Até hoje eu tenho um amor por esse homem que nem sei explicar. Se ele me faltasse não sei o que seria de mim. Nunca olhei para homem nenhum, ele é o primeiro e único”, finaliza Maria Helena.

Aposentados comemoraram 70 anos de casados (foto: Reprodução/TV Tribuna)

Aposentados comemoraram 70 anos de casados (foto: Reprodução/TV Tribuna)

Uso intenso do Twitter pode levar a infidelidade e separações, diz estudo

Publicado no UOL

Quanto mais os entrevistados diziam ser ativos no Twitter, mais eles passavam por situações de conflito com seus parceiros amorosos (foto: Getty Images)

Quanto mais os entrevistados diziam ser ativos no Twitter, mais eles passavam por situações de conflito com seus parceiros amorosos (foto: Getty Images)

Conflitos entre casais relacionados ao uso intenso do Twitter podem levar a experiências negativas como traições, separações e até divórcio, aponta um estudo da Universidade do Missouri, nos Estados Unidos.

A pesquisa intitulada “A terceira roda: o impacto do uso no Twitter na infidelidade e divórcios” foi conduzida pelo estudante de doutorado Russel Clayton. Ele entrevistou 581 usuários do Twitter com idades entre 18 e 67 anos para saber com que frequência faziam tarefas comuns como tuitar, ler mensagens e responder aos seguidores.

Quanto mais os entrevistados diziam ser ativos no Twitter, mais eles passavam por situações de conflito com seus parceiros amorosos, descobriu Clayton. Essas situações precediam acontecimentos negativos como traição, fim do relacionamento e divórcio.

Segundo o pesquisador, o objetivo desse estudo era comprovar se a descoberta de que o uso do Facebook levava a conflitos entre casais também se repetia em outra rede social – no caso, o Twitter.

No estudo anterior, Clayton descobriu que experiências negativas e conflitos gerados pelo uso do Facebook eram mais frequentes com casais cujo relacionamento tinha começado há 36 meses ou menos.

Ele diz que foi interessante descobrir que usuários assíduos do Twitter passam por experiências negativas independentemente do tempo de duração de seus relacionamentos. “Casais que afirmaram estar em relacionamentos novos passaram pela mesma quantidade de conflitos que aqueles em relações mais longas.”

A recomendação de Clayton é que os casais limitem o uso diário e semanal dos sites de relacionamento para “níveis mais saudáveis e razoáveis”. “Alguns casais compartilham uma única conta nas redes sociais para reduzir conflitos no relacionamento. Também existem serviços, como o aplicativo 2Life, que facilitam a comunicação interpessoal entre casais.”

Vendedor socorre vítima e a pede em casamento

acidente-moto

Publicado no Estadão

Um grave acidente de trânsito ocorrido há quatro meses foi o ponto de partida para uma inacreditável história de amor. Após capotar o carro, Magna Sousa Carrijo, de 48 anos, foi socorrida pelo vendedor Nilton Natalino Neves, de 47 anos, e pedida em casamento ainda no hospital. “Só pode ser coisa do destino. Foi paixão à primeira vista”, conta Neves.

Magna dirigia pela BR-364, em Mato Grosso, quando perdeu o controle do veículo e caiu em uma ribanceira. O carro ficou destruído, com as portas travadas e a motorista consciente no interior. O vendedor, que mora em Ribeirão Preto (SP) e também faz transporte de pneus, passava pela região quando viu o acidente e parou seu veículo para socorrer a vítima.

Neves conta que o acidente foi assustador, pois o carro atravessou a pista e bateu em uma árvore antes de capotar. Ele afirma que se apaixonou quando olhou a Magna através do para-brisa. Ficou o tempo todo segurando a sua mão, para reconfortá-la, e a acompanhou até o hospital, a 80 quilômetros de distância, onde a pediu em casamento.

Magna conta que no início achou tudo muito estranho, mas começou a achar que poderia ser sério depois que ele ligou para saber como ela estava e os dois marcaram de se encontrar.

Percursos. A história teve outras coincidências. Neves conta que fez um percurso diferente naquele dia porque seu caminhão havia quebrado, atrasando a viagem. Já Magna, que é de Rio Verde (GO), diz que não costuma viajar sozinha, mas justamente naquele dia resolvera visitar amigos a 500 quilômetros de distância.

Os dois estão morando juntos em Ribeirão Preto, para onde Magna se mudou recentemente. Já recuperada do acidente, ela garante que está muito feliz ao lado do homem que lhe salvou. Noivos, eles esperam oficializar a união neste ano. “Graças a Deus deu tudo certo. Tenho certeza que seremos muito felizes.”

dica do Gerson Caceres