Paciente com leucemia se casa em hospital: ‘Realização de um sonho’

Cerimônia foi realizada na Santa Casa de Misericórdia, em Goiânia.
Funcionários e voluntários fizeram campanha parar realizar a festa.

Juntos há 17 anos, Valmina e Wesley oficializaram a união (Foto: Gabriela Lima/G1)
Juntos há 17 anos, Valmina e Wesley oficializaram a união (Foto: Gabriela Lima/G1)

Gabriela Lima, no G1

Uma celebração mudou a rotina da Santa Casa de Misericórdia de Goiânia neste domingo (9). O hospital realizou o casamento da paciente Valmina Nascimento, de 43 anos, com o mecânico Wesley José Pereira, 40 anos. Funcionários e voluntários fizeram uma campanha para conseguir realizar a festa, que emocionou os demais internos.

“É a realização de um sonho”, disse Valmina ao G1, após oficializar a união de 17 anos com o companheiro, com quem tem três filhos. Valmina está internada no hospital desde o dia 19 de março, quando recebeu o diagnóstico de leucemia. Ela ficou durante um mês na UTI, mas reagiu bem ao tratamento e agora está em um quarto do 2º andar da unidade, onde foi celebrado o casamento.

Valmina falou pouco e ficou a maior parte do tempo sentada. Por causa do tratamento, a cerimônia precisou ser rápida para os padrões de um casamento, cerca de meia hora. Mas teve tudo que um casamento tem direito: padrinhos, florista, porta-aliança e um casal de noivos emocionados.

Paciente passou maior parte da cerimônia sentada (Foto: Gabriela Lima/G1)
Paciente passou maior parte da cerimônia
sentada (Foto: Gabriela Lima/G1)

Filho mais novo do casal, Douglas Pereira, de 7 anos, participou da cerimônia e levou uma Bíblia ao altar. Os dois filhos mais velhos não estiveram presentes. A celebração contou com parentes e amigos. Funcionários e pacientes do hospital se agrupavam nas laterais e nos corredores para presenciar o momento.

Mesmo cansada, a noiva fez questão de jogar o buquê, que acabou caindo nas mãos da enfermeira Lílian Jerônimo, de 25 anos. “Todo casamento que eu vou eu pego o buquê. Mas esse é diferente”, comemorou Lílian.

A ideia de organizar a cerimônia surgiu do serviço de psicologia da Santa Casa. “O psicólogo perguntou o que a gente mais tinha vontade de fazer e a gente falou que era casar”, relata Wesley. Muito emocionado, o noivo disse ter se surpreendido com a mobilização do hospital: “É um carinho muito grande que eles estão demonstrando por ela”.

“A realização de um sonho traz emoções positivas e pode ser terapêutica, contribuir para o tratamento”, explica Cristiane Dias, uma das psicólogas da equipe.

Solteiras disputaram o buquê, que caiu nas mãos de um enfermeira (Foto: Gabriela Lima/G1)
Solteiras disputaram o buquê, que caiu nas mãos de um enfermeira (Foto: Gabriela Lima/G1)

Voluntários
Há uma semana, os preparativos da festa ganhou um reforço de peso: o Grupo Alegria, composto de jovens que fazem trabalhos voluntários em hospitais.

“Todo domingo a gente vem para a Santa Casa. Na semana passada, ficamos sabendo do casamento e decidimos participar”, disse ao G1 a consultora de vendas Ramila Guedes, 21 anos. A voluntária fez a maquiagem da noiva.

Outra integrante do grupo, Alana Soares Sousa, 22 anos, foi a porta-alianças. Ela contou que o grupo fez uma campanha no Facebook e conseguiu, em menos de uma semana, arreacadar presentes como roupas de cama e peças para a cozinha do casal. As voluntários entregaram os presentes aos noivos no fim do casamento.

O Grupo Alegria também providenciou peruca, luvas e buquê. Valmina ganhou duas tiaras, uma de flores e outra de strass. Na hora de escolher uma delas, não teve dúvidas. “Quero ir de princesa”, disse a noiva, decidida. O vestido ficou por conta da equipe médica.

Todos os preparativos foram acompanhados de perto pela sogra de Valmina, a costureira Glória José Pereira, 57 anos. Ela conta que o filho e a nora se prepararam para casar várias vezes durante os 17 anos de união, mas nunca havia dado certo. Na hora do “sim”, ela não conteve as lágrimas: “Estou sentindo uma emoção que nunca senti na minha vida”.

Como Wesley é evangélico, um pastor fez a celebração. “Para mim foi algo surpreendente. Considero providência de Deus proporcionar um momento tão especial. É motivo de muita alegria fazer parte dessa festa. É algo que ficará marcado na minha vida e mostra que, de tudo, o que fica é o amor”, disse ao G1 o pastor Braz Modesto de Araújo Jr.

Valmina continuará na Santa Casa de Misericórdia. Segundo o coordenador do serviço de psicologia do hospital, Roberto Ribeiro de Moura, apesar de estar respondendo bem à quimioterapia, a paciente apresentou uma infecção pulmonar e ficará internada até a melhora do quadro.

Voluntários do Grupo Alegria ajudaram a realizar o sonho de Valmina (Foto: Gabriela Lima/G1)
Voluntários do Grupo Alegria ajudaram a realizar o sonho de Valmina (Foto: Gabriela Lima/G1)

Leia Mais

Uso excessivo do Facebook pode destruir relacionamentos

Relações de quem usa muito a rede social são mais turbulentas, diz estudo

De acordo com estudo americano, relacionamentos com duração de até três anos — ainda não suficientemente maduros — são os mais afetados pelo Facebook (foto: Thinkstock)
De acordo com estudo americano, relacionamentos com duração de até três anos — ainda não suficientemente maduros — são os mais afetados pelo Facebook (foto: Thinkstock)

Publicado na Veja on-line

O Facebook pode ser uma boa ferramenta para fazer novas amizades e cultivar as antigas. Mas no campo dos relacionamentos amorosos, sua influência pode não ser tão positiva. Um estudo feito na Universidade do Missouri, nos Estados Unidos, mostra que as relações de quem usa muito o Facebook são mais turbulentas e que desentendimentos gerados pelo uso intenso da rede social podem resultar em traição e no término do namoro ou casamento.

O estudo foi realizado com usuários do Facebook com idades entre 18 e 82 anos. Os participantes informaram a frequência com que utilizavam a rede social e se já tiveram conflitos com algum parceiro devido ao uso da ferramenta.

Analisando os resultados, os pesquisadores descobriram que casais que usavam muito o Facebook brigavam mais. “Estudos anteriores mostraram que quanto mais uma pessoa utiliza o Facebook, maiores são as chances de que ela monitore a atividade do parceiro de forma mais intensa, o que pode provocar ciúmes”, afirma Russell Clayton, doutorando da escola de Jornalismo da Universidade do Missouri e um dos autores do estudo.

Além de induzir o ciúme, de acordo com Clayton, os recursos do Facebook também podem reaproximar antigos parceiros – e arruinar seus novos relacionamentos. O pesquisador afirma que esse efeito foi mais intenso em namoros recentes, de três anos ou menos. “Isso sugere que o Facebook pode ser uma ameaça para relacionamentos que não estão completamente maduros”, afirma Clayton.

O estudo será publicado no periódico Journal of Cyberpsychology, Behavior and Social Networking.

Leia Mais

Casais que se conhecem pela internet se divorciam menos

Segundo estudo, pessoas que procuram um parceiro em sites de relacionamento estão mais dispostas a assumir um compromisso. Isso pode ajudar a explicar a diferença

Pesquisa: enquanto 8% das pessoas que conheceram o companheiro off-line se separaram, esse número foi de 6% para quem conheceu o cônjuge online (Thinkstock)
Pesquisa: enquanto 8% das pessoas que conheceram o companheiro off-line se separaram, esse número foi de 6% para quem conheceu o cônjuge online (Thinkstock)

Publicado na Veja on-line

Conhecer o marido ou a mulher pela internet é algo cada vez mais comum. Nos Estados Unidos, um estudo recente sobre o assunto mostrou que mais de um terço dos casamentos começa na internet. E, segundo a pesquisa, esses relacionamentos têm vantagens: são mais satisfatórios e terminam menos em divórcio do que os outros.

O trabalho, publicado nesta semana no PNAS, periódico da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, foi financiado pelo eHarmony, um dos sites de relacionamento mais famosos do país. Os autores — que são especialistas das universidades americanas de Chicago e Harvard — afirmam, no entanto, que foi feito um acordo prévio com a empresa, que não poderia interferir nos resultados, e os dados foram verificados por pesquisadores independentes.

Participaram do estudo 19.131 pessoas que se casaram entre 2005 e 2012. Os resultados mostraram que os casamentos que começaram online tinham uma chance um pouco menor de acabar em divórcio: enquanto 8% das pessoas que conheceram o companheiro off-line se separaram, esse número foi de 6% para quem conheceu o cônjuge online. De acordo com os autores, essa diferença é “pequena, mas significativa”. O estudo também mostrou um pequeno aumento na satisfação com o casamento para quem se conheceu pela internet.

Circunstâncias – A pesquisa analisou as diferentes formas pelas quais as pessoas se conhecem fora do mundo virtual. Parceiros que se conheceram na escola ou cresceram juntos apresentaram os maiores níveis de satisfação conjugal. Já os locais associados aos piores níveis de satisfação foram bares e baladas, o trabalho e “encontros às cegas”.

No mundo virtual, conhecer o parceiro por meio de sites de relacionamento traria maior satisfação, enquanto comunidades e salas de bate-papo apresentaram resultados piores.

Segundo os autores, o fato de casamentos online serem bem-sucedidos pode estar relacionado à personalidade de quem busca sites de relacionamento – essas pessoas podem, por exemplo, estar mais decididas a assumir um compromisso. Outra explicação possível seria o fato de que pessoas que procuram parceiros online estão expostas a uma gama maior de opções, podendo assim ser mais seletivas.

“O futuro de um casamento é influenciado por diversos fatores. O local onde uma pessoa conhece seu parceiro é apenas um desses fatores, e seus efeitos são considerados pequenos e não valem para todos”, escrevem os autores. Para eles, os resultados do estudo são encorajadores, levando-se em conta as mudanças que estão acontecendo na maneira como as pessoas conhecem seus parceiros.

Leia Mais

Pedido de vista surpreende evangélicos e suspende votação de projeto sobre ‘cura gay’

Manifestantes pró e contra o deputado Marco Feliciano protestam do lado de fora da reunião da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos deputados (foto: Pedro Ladeira /Folhapress)
Manifestantes pró e contra o deputado Marco Feliciano protestam do lado de fora da reunião da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos deputados (foto: Pedro Ladeira /Folhapress)

Márcio Falcão, na Folha de S.Paulo

Apesar da mobilização da bancada evangélica, um pedido de vista suspendeu nesta terça-feira (4) a votação de um projeto na Comissão de Direitos Humanos que, na prática, permite aos psicólogos promoverem tratamento com o fim de curar a homossexualidade.

O deputado Simplício Araújo (PPS-MA) pediu mais tempo para analisar a proposta, conhecida como “cura gay”. O projeto deve voltar a ser discutido em duas semanas pela comissão.

Antes do pedido, o presidente da comissão, Marco Feliciano (PSC-SP), esperou por mais de 40 minutos a chegada de colegas para dar início aos trabalhos. Feliciano e assessores dispararam telefonemas pedindo a presença dos deputados na comissão.

A bancada evangélica esperava aprovar a proposta na véspera de uma marcha programada pelo pastor Silas Malafaia em frente ao Congresso contra aborto e casamento gay.

O pedido de vista gerou mal-estar. Alguns parlamentares, alinhados a grupos religiosos, defenderam a proposta e criticaram o adiamento da votação.

As principais críticas partiram do deputado Pastor Eurico (PSB-PE). “Acho que as minorias devem ser respeitadas, honradas, mas o que estamos assistindo é uma minoria que quer impor que temos que aceitar o que eles querem”, disse. “Em nenhum momento trata de cura gay. eu defendo, eu prego que Jesus Cristo liberta qualquer tipo de pessoa de qualquer coisa. tenho inúmeros testemunhos de que é uma questão pessoal”, completou.

Simplício Araújo pediu que respeitassem sua posição de ter mais tempo para analisar o texto e defendeu que a proposta fosse discutida sem corporativismo. “Estou diante de um projeto polêmico diante da sociedade e preciso estar seguro para votar. Não me encontro seguro para fazer o voto. Gostaria que isso fosse respeitado.”

Feliciano ironizou a forma como o projeto é conhecido. “Eu ando nas ruas e me pedem injeção, remédio para curar gay.”

O deputado disse esperar que diante do impasse em torno do projeto “vença o argumento e não forçação (Sic) de barra”. Ele criticou a mídia por chamar o projeto de “cura gay” e disse que vai estudar com o comando da Casa medidas a serem tomadas a respeito da veiculação do termo nos meios de comunicação da Câmara.

Desde que assumiu o comando da comissão, em fevereiro deste ano, Feliciano enfrenta protestos de ativistas de direitos humanos que o acusam de racismo e homofobia. Ele nega. Uma das críticas é de que o deputado beneficiaria os evangélicos na discussão da proposta na comissão.

Os deputados disseram que a ideia é apenas permitir a orientação para gays. “Ninguém está falando que a partir deste momento pessoas vão sair correndo atrás dizendo: você é doente, você precisa se curar. É para quem procurar ajuda”, disse Liliam Sá (PSD-RJ).

O projeto de decreto legislativo 234/11 foi apresentado pelo deputado João Campos (PSDB-GO), integrante da bancada evangélica.

A proposta susta trechos de resolução instituída em 1999 pelo CFP (Conselho Federal de Psicologia), que determina que “os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades”.

O projeto também propõe anular trecho da resolução que proíbe os psicólogos de emitirem opiniões que reforcem “os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica.”

A proposta é rejeitada pelo CFP. No ano passado, a entidade recusou-se a participar de uma audiência pública realizada na Câmara para debater o projeto. O conselho inclusive lançou uma campanha contra a ideia.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) deixou de considerar a homossexualidade doença em 1993.

Para o autor do projeto, o conselho “extrapolou seu poder regulamentar” ao “restringir o trabalho dos profissionais e o direito da pessoa de receber orientação profissional”.

dica do Israel Anderson

Leia Mais

Um terço dos casamentos nos EUA começam na web

O namoro online virou uma indústria bilionária e a internet “pode estar alterando a dinâmica e o resultado do próprio casamento”, diz o estudo

"Nós encontramos evidências de uma mudança dramática desde o advento da internet em como as pessoas estão encontrando seus cônjuges", revelou o estudo, chefiado por John Cacioppo (foto: AFP)
“Nós encontramos evidências de uma mudança dramática desde o advento da internet em como as pessoas estão encontrando seus cônjuges”, revelou o estudo, chefiado por John Cacioppo (foto: AFP)

Publicado por AFP [via Exame]

Mais de um terço dos casamentos nos Estados Unidos começam com namoros online, e os casais que se formam no mundo digital podem ser sutilmente mais felizes do que aqueles que se conhecem por outros meios, revelou um estudo americano publicado esta segunda-feira.

O namoro online virou uma indústria bilionária e a internet “pode estar alterando a dinâmica e o resultado do próprio casamento”, diz o estudo realizado por pesquisadores americanos, publicado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

A pesquisa se baseou em uma consulta com universo representativo da população americana junto a 19.131 pessoas que se casaram entre 2005 e 2012.

“Nós encontramos evidências de uma mudança dramática desde o advento da internet em como as pessoas estão encontrando seus cônjuges”, revelou o estudo, chefiado por John Cacioppo, do Departamento de Psicologia da Universidade de Chicago.

No entanto, alguns especialistas discordaram fortemente das descobertas porque o estudo foi encomendado pelo site de relacionamentos eHarmony.com, responsável por um quarto de todos os casamentos online, segundo a pesquisa.

Cacioppo admitiu ser um “conselheiro científico pago” pelo site, mas disse que os cientistas seguiram procedimentos fornecidos pelo Jornal da Associação Médica Americana e concordaram em ser supervisionados por estatísticos independentes.

O perfil das pessoas que disseram ter encontrado seu cônjuge na internet se encontra na faixa etária de 30 a 49 anos e de maior renda do que aqueles que encontram o parceiro fora da rede, revelou a pesquisa.

Entre aqueles que não encontraram sua cara metade online, cerca de 22% a acharam no trabalho, 19% através de amigos, 9% em um bar ou casa noturna e 4% na igreja, revelou o estudo.

Mas quem é mais feliz?

Quando os cientistas analisaram quantos casais se divorciaram ao final do período de estudo, eles descobriram que 5,96% dos casais que se casaram após se conhecerem pela internet tinham terminado a relação contra 7,67% dos casais casados ‘offline’.

A diferença foi estatisticamente significativa mesmo após controlar variáveis como ano de casamento, sexo, idade, educação, grupo étnico, renda doméstica, religião e status de emprego.

Entre os casais que ainda estavam casados durante o estudo, aqueles que se encontraram no mundo digital contaram ter maior satisfação conjugal – em média, 5,64% em uma pesquisa de satisfação – do que aqueles que se conheceram fora da web (satisfação de 5,48%).

As menores taxas de satisfação foram reportadas pelas pessoas que se conheceram através de familiares, no trabalho, em bares e clubes ou encontros às cegas.

“Estes dados sugerem que a internet pode estar alterando a dinâmica e os resultados do próprio casamento”, afirmou Cacioppo.

“É possível que os indivíduos que encontram seus cônjuges online possam diferir em personalidade, na motivação de formar um relacionamento conjugal de longo prazo ou algum outro fator”, acrescentou.

Mas nem todos os especialistas acreditam que os namoros online se traduzam em felicidade instantânea.

Eli Finkel, professor de psicologia da Universidade Northwestern, conduziu uma extensa revisão a respeito de pesquisas sobre namoro online no ano passado.

Ele contou à AFP que concordou com as proporções encontradas no estudo da PNAS. Seu estudo mostrou que cerca de 35% dos relacionamentos agora começam na internet.

“O excesso acontece quando os autores concluem que encontrar um parceiro online é melhor do que encontrá-lo fora da rede”, afirmou Finkel.

“Ninguém se surpreende quando um efeito minúsculo alcança significância estatística em uma amostra de 20 mil pessoas, mas é importante que não confundamos ‘significância estatística’ com ‘significância prática'”, argumentou.

Finkel também condenou o envolvimento do site eHarmony no estudo.

“Sempre sou algo cauteloso quando um projeto é totalmente financiado por uma organização privada que claramente tem um interesse evidente nos resultados”, afirmou.

Segundo a psicóloga e escritora Vivian Diller, o estudo realizado ao longo de sete anos foi curto demais para estimar os resultados de longo prazo dos relacionamentos que começam na internet.

“O sucesso no casamento trata-se amplamente de como se negociam as diferenças, não apenas de compatibilidade”, declarou à AFP, acrescentando que o namoro online pode despertar expectativas e resultar em uma infelicidade maior.

“Eu acho que os jovens que usam o namoro online parecem utilizá-lo mais como uma brincadeira, especialmente rapazes que olham os perfis das jovens. Eles veem isto como uma oportunidade de conhecer o maior número possível de pessoas e as mulheres se cansam disso”, concluiu.

Leia Mais