Bancada gay lança projeto de lei para proibir casamento de evangélicos

Se aprovado, evangélicos não poderão se casar entre si.

24_PHG_pais_jean_wyllys

Publicado impagavelmente no Sensacionalista

A bancada gay de deputados, liderados por Jean Wyllys resolveu contra-atacar a bancada evangélica e lançou o projeto de lei que visa proibir casamentos entre evangélicos. Se aprovado, evangélicos não poderão se casar entre si. Segundo o deputado Marcelo Almeida a medida é justa: “Eles são contra o casamento gay, então nós também somos contra o casamento evangélico. Evangélico não tem condições de criar um filho, olha no que dá, nasce coisas como Silas Malafaia e Marco Feliciano.”

A medida é polêmica e se aprovada poderá anular, inclusive, os casamentos evangélicos já realizados até agora. Para o pastor Álisson Amorim, a tentativa é absurda: “Eles não podem anular, pois para nós, o sexo só é permitido dentro do casamento e se for anulado, significa que nós não estávamos casados, ou seja, estávamos fazendo sexo fora do casamento com a própria esposa, logo estávamos em pecado!”

Vinícius Antunes

 

Leia Mais

Noivos processam fotógrafa por registro de casamento incompetente

Evette e Gary Crack acusam fotógrafa de ter arruinado o casamento deles.

Reprodução/ The Sun
Reprodução/ The Sun

O casal inglês Evette e Gary Crack terão de guardar as imagens do casamento deles apenas na memória, uma vez que as fotos do grande dia foram realizadas por uma profissional incrivelmente incompetente. De acordo com o jornal The Sun, os pombinhos estão processando a fotógrafa Louise Garrett alegando que ela, além de deixar de registrar momentos importantes da cerimônia, fez imagens sem foco e com cortes errados.

De acordo com Evette e Gary, Louise deixou de fotografar a troca de anéis e o beijo. Além disso, eles dizem ter recebido fotos sem foco, imagens com os convidados de costas e até uma foto com as cabeças dos noivos cortadas.

“É horrível. Ela roubou tudo de nós. Nada vai trazer nosso grande dia de volta. Ela disse ser uma profissional, mas nem tirou fotos dos avós de Gary, que vieram de Londres”, reclamou Evette, em entrevista ao jornal. “Agora, nós teremos de economizar dinheiro para fazer a recepção e uma nova sessão de fotos. Não tem uma única foto decente”, complementou Gary.

A fotógrafa alega que o local do casamento não era “o melhor para se fotografar”.

Reprodução/The Sun
Reprodução/The Sun
Reprodução/The Sun
Reprodução/The Sun
Reprodução/The Sun
Reprodução/The Sun

Fonte: Virgula

 

Leia Mais

Casamento feliz engorda e divórcio emagrece, diz estudo

Falta de motivação para buscar novos parceiros influencia no ganho de peso (Foto: Getty Images)
Falta de motivação para buscar novos parceiros influencia no ganho de peso (Foto: Getty Images)

Publicado originalmente no Terra

Uma pesquisa com 320 recém-casados descobriu que quanto mais felizes eram, mais peso ganhavam. A falta da motivação para encontrar um novo parceiro também contribui para os quilos a mais, de acordo com o estudo que foi feito em quatro anos. As informações são do site Female First.

A psicóloga Andrea Meltzer, que liderou o estudo, disse: “em média, os cônjuges que estavam mais satisfeitos com o casamento ganharam mais peso ao longo do tempo”. “Em contraste, casais que estavam menos satisfeitos em suas relações tendem a ganhar menos peso ao longo do casamento”, comparou.

Aqueles que ficaram juntos tendem a engordar, enquanto o divórcio foi associado com perda de peso.

Leia Mais

Ser gordo ou magro: existe diferença de tratamento

profalopr21800-620x465

Atila Iamarino, no Papo de Homem

A vida completamente sedentária de pós-graduação me trouxe alguns problemas. Entre eles, trinta quilos. Vida de casal, comida porcaria, a comodidade de uma barraquinha a metros da minha mesa etc. Entre 2006 e 2009, fui de oitenta e alguma coisa para 110kg. Até 2012, oscilei em torno disso, sempre estive acima de 105 kg.

O peso foi ganho diariamente, aos poucos. Até com uma ponta de orgulho. Era meu “casaco de pele”, para passar o inverno sem blusa. Cada camisa ou calça nova era um número maior do que a anterior, mas nada suficiente para notar uma mudança brusca. No máximo aquela calça social de casamento, usada uma vez por ano, deixava claro que o tamanho não era mais o mesmo.

Por várias vezes tentei emagrecer. Cortei muitas besteiras, como os litros de iogurte que tomava. Mesmo o refrigerante tive que diminuir, depois que ganhei uma gastrite erosiva – outro brinde da pós. Porém, nunca perdi mais do que 2kg por vez, a muito custo, recuperados em menos de uma semana na recaída. Complicado tentar emagrecer quando o esforço para perder peso é sofrível, e o efeito se perde tão facilmente.

Acabei aceitando a nova imagem e convivendo bem com o peso. Dada minha altura, 1,80m, o peso não era tanto que atrapalhasse. A outra opção era dieta, porém não quero passar fome para o resto da vida tentando manter um peso mais baixo do que meu corpo se acomoda. Mas uma frase dita pelo meu pai, com a delicadeza de quem realmente se importa com o filho, não saia da minha cabeça:

“Você não bebe, não fuma, mas vai morrer do coração.”

A mudança de peso foi tão gradual, e aceito por mim, que não reparei em algo mais que estava acontecendo. Uma mudança de tratamento. Amigos mais próximos algumas vezes comentavam que eu estava maior, “tá ficando fortinho”, mas nada mais direto.

O problema não era o que as pessoas mais próximas pensavam. O problema era muito maior.

A diferença do gordo

Tudo caminhava nessa linha, quando resolvi fazer uma mudança alimentar que me fez emagrecer. A perda de peso foi acidental. Bem-vinda, claro, mas não intencional. Por conta de algo que li – mais sobre isso em um post futuro –, resolvi cortar o açúcar da minha dieta. Simplesmente para não morrer do coração. Resolvi que, para viver mais, precisaria para de comer açúcar e amido. Não era dieta, não era uma meta, é um objetivo de vida. Em cerca de seis meses, perdi em torno de 25 quilos.

A questão é que foi uma mudança muito rápida. Tão rápida que minha auto-imagem ainda não chegou no meu peso – ainda procuro peças GG na loja de roupas. Tão rápida, que pude perceber quanto o tratamento das pessoas tinha mudado e eu não notara.

Por onde começo?
Por onde começo?

De repente, em meses para ser mais preciso, as pessoas mudaram a maneira como me tratavam. Não falo das mulheres, não especificamente. O porteiro, o segurança do corredor, a atendente no caixa do mercado, o estranho que pede informações, o funcionário que nunca havia me dado “oi”, todos passaram a ser muito mais simpáticos. Toda a mudança que levou anos para acontecer enquanto eu engordava, da qual nem tomei conhecimento, se desfez.

Os comentários foram ainda mais reveladores. Ainda mais quando vinham de pessoas mais simples, e mais diretas: “Nossa, agora sim hein! Finalmente se livrou daquilo tudo!”, “Poxa, tomou vergonha na cara!”, “Aê, agora tá se cuidando.”

Foi como se meu caráter tivesse mudado. O mais engraçado é que eu simplesmente tinha deixado de comer açúcar. Não tinha “tomado vergonha” ou passado a “comer como uma pessoa normal”, como sugeriam. Mas é justamente assim que as pessoas encaram.

Não é algo consciente, não é uma escolha. É uma postura. Uma postura que começa antes mesmo de qualquer contato com o gordo. A grande maioria das pessoas encara gordos como pessoas que escolheram chegar nesse peso. Pessoas que querem comer muito, que “são relaxadas” assim. E a lista das consequências que isso pode ter é longa.

Atributos negativos são mais associados à pessoas obesas, especialmente quando julgadas por magros; a mesma pessoa em uma versão mais gorda é deixada de lado em seleções de emprego, e tende a receber menor salário – efeito ainda mais acentuado entre os que valorizam exercícios, como estudantes de educação física.

Então, neste texto desabafo, deixo dois conselhos. Se você não é gordo, tenha noção de que o peso só define isso, o quanto essa pessoa pesa. Aos gordos, tenham consciência de que seu peso afeta negativamente muita coisa, é que isso é fruto de discriminação, e não resultado de caráter. Discriminação que, nas palavras de uma revisão sobre o tema, está presente do colégio e do trabalho ao julgamento de um caso.

Nota do editor: As imagens que o autor enviou originalmente, por acaso, mostravam a maior parte dos insultos e piadinhas com gordos em memes direcionados a mulheres. Deixei a última, em especial, pois me chamou muito a atenção o fato de que realmente não é fácil encontrar estas imagens com foco em homens e gostaria de levantar a bola se vocês acham que este preconceito também não tem uma boa dose de machismo.

Leia Mais

Ricardo Gondim: “A permanência de Feliciano no cargo de presidente da CDH desgasta a imagem do mundo evangélico no País”

gondim244

Roldão Arruda, no Estadão

A permanência do pastor Marco Feliciano no cargo de presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara desgasta a imagem do mundo evangélico no País, provoca constrangimentos e rejeições. A  atitude mais lúcida diante do impasse seria a renúncia imediata.

Quem faz essas afirmações é o também pastor evangélico Ricardo Gondim, teólogo, mestre em ciências das religião e líder da Igreja Betesda. Na entrevista abaixo, ele também critica as declarações feitas por Feliciano de que a África e seus habitantes seriam amaldiçoados por Deus. Tal tipo de  teologia, segundo Gondim, é racista e fundamentalista na sua essência.

Gondim, que tem 58 anos, passou pelas igrejas Presbiteriana e Assembleia de Deus, antes de se vincular à Betesda, que em hebraico significa “lugar da misericórdia de Deus”. No ano passado ele rompeu com parte do movimento evangélico, após ter sido atacado e chamado de herege, por suas críticas à chamada “teologia da prosperidade”. Ele tem dito que o Deus da Bíblia não deve ser visto como um sádico que se compraz em amaldiçoar os homens, mas sim como parceiro deles.

O pastor também defende o direito dos gays ao casamento civil: “Numa sociedade que se pretende laica, é assim que deve ser.”

Como pastor, de que maneira analisa a polêmica que envolve Marco Feliciano e a Comissão de Direitos Humanos?

Fico muito constrangido com o que está ocorrendo.

Acha que as críticas a ele são dirigidas a todo os evangélicos? Ele fala em cristofobia.

O Marco Feliciano se apresenta como representante não só do mundo evangélico, mas de todo o protestantismo. Na verdade, ele pouco representa das tendências protestantes. Foi eleito por um segmento muito alienado politicamente. Candidatos como ele são eleitos, geralmente, para se tornarem os representantes de sua igreja no parlamento. Eles se preocupam mais com os interesses da igreja do que com as questões que dizem respeito a todo o País.

A que atribui o antagonismo com grupos que defendem os direitos humanos?

Ele se antagonizou com o Brasil porque expressou pelo Twitter e, depois, num culto, opiniões sobre a questão dos negros. Disse que são descendentes da parte amaldiçoada dos filhos de Noé, os filhos de Cam. É interessante observar ele não criou nada ao fazer tais afirmações. Essa teologia é muito antiga, muito anterior a ele, persistindo até hoje em alguns poucos segmentos fundamentalistas. Ela tem origem entre os colonialistas, que dividiam o mundo em três áreas – o ocidente, o oriente e o sul. Nesta última teriam ficado os possíveis descendentes do personagem bíblico, os amaldiçoados. O Feliciano lucra em cima dessa teologia, fatura em cima dela, mas não acrescenta nem desenvolve nada. É apenas o porta-voz de um grupo que, no atual contexto religioso, ainda replica argumentos usados por países colonialistas para a dominação e exploração dos mais pobres, especialmente na África. Isso é muito triste.

Diria que é uma teologia superada, fora de uso?

Não. Ainda é usada por setores de direita, ultraconservadores. Em 2010, o tele-evangelista americano Pat Robertson, dono de um canal de televisão, disse que a grande tragédia provocada pelo terremoto no Haiti naquele ano era decorrente de um pacto que os haitianos haviam feito com o diabo, quando lutavam para se livrarem do jugo da França e se tornarem independentes. Em outras palavras, em 1804 eles venderam a alma ao demônio, que veio cobrar a dívida agora, dois séculos depois. A manifestação de Robertson foi uma asneira, uma estupidez que provocou manifestações de repúdio em amplos setores da sociedade americana. Mas ele não estava falando sozinho. Ainda existem segmentos, dos quais Marco Feliciano faz parte, que repetem esse tipo de coisa, que defendem a relação entre causa e efeito, a maldição das pessoas pela divindade que tudo ordena e orquestra, como se nossas escolhas, decisões e articulações sociais não interferissem nos resultados. Trata-se de um simplismo cruel e inútil.

É o que pregam nas igrejas?

Sim. Enquanto o Marco Feliciano dizia essas coisas num círculo religioso restrito, era bem recebido pelos seus pares. Tem uma expressão que define isso da seguinte maneira: “Quando você prega para o coral, é bem aceito por ele.” Ao se tornar um homem público, porém, o discurso dele transbordou, extravasou o espaço religioso e se tornou passível de crítica pela sociedade civil.

É possível afirmar que o discurso dele é racista?

É racista na sua essência. Nasceu do racismo, dos interesses coloniais de menosprezar e demonizar o negro para justificar a sua exploração.

Esse discurso não parece mais próprio dos Estados Unidos, onde a integração racial ainda incomoda alguns setores?

Não se deve esquecer que as lideranças evangélicas no Brasil estão se orientando basicamente por autores norte-americanos.

gondim6

Há pouco mais de meio século, quando se debatia o casamento interracial no Estados Unidos, grupos conservadores diziam que era proibido pela Bíblia.

Na época em que morei nos Estados Unidos e viajei pelo sul daquele país, fiquei impressionado com a forma como o movimento evangélico ainda está dividido, segregado do ponto de vista racial. Negros e brancos ainda congregam em igrejas diferentes. Certa vez acompanhei um pastor que havia ido a um hospital visitar uma pessoa muito doente. Durante a visita, ele disse ao doente que há muito tempo não o via na igreja e que estava interessado em saber o motivo daquele afastamento. Ele respondeu que não ia mais porque a igreja estava sendo frequentada por negros. O pastor quis amenizar, dizendo que os negros também são filhos de deus, mas o doente retrucou na hora que negros não têm alma. Ainda perdura ali a ideia de que o negro é um cidadão menor.

Como analisa essa ideia de maldição sobre um continente inteiro?

Além de inoportuno, é um discurso de um simplismo político absurdo, inadmissível para um deputado. Ele desconsidera que o continente africano, apesar de retalhado e dividido politicamente pelos países colonialistas, ainda abriga milhares de nações, etnias, dialetos, culturas. Quais delas são as amaldiçoadas? De qual povo ele está falando? Qual etnia? Eles não constituem um bloco único como quer o deputado.

Na sua avaliação, não existe mesmo a possibilidade de o deputado estar sendo atacado pelo fato de ser evangélico?

As declarações dele são inaceitáveis independentemente do fato de ser evangélico. Qualquer pessoa que dissesse o que ele disse enfrentaria problemas. Isso não quer dizer que a associação que se faz entre Feliciano e o mundo evangélico seja ilegítima, porque, como já disse, existem segmentos que repetem e ensinam essa teologia. Nas vezes em que me manifesto sobre isso, sempre aparecem pessoas me questionando: mas isso não está escrito na Bíblia? Não é uma verdade bíblica?

Não acha estranho esse tipo de teologia ter seguidores no Brasil?

Acho. Mas não se pode esquecer que aqui também temos os skinheads. O único país do mundo que não poderia ter ações desse grupo é o Brasil, mas nós temos.

E quanto às restrições do deputado aos gays?

O Congresso deve tratar a questão como uma demanda civil. A comunidade gay aspira por relacionamentos juridicamente estáveis e, na minha opinião, as demandas civis de qualquer grupo precisam ser contempladas pela sociedade e seus órgãos de representação. Um exemplo: foi aprovada agora uma série de leis trabalhistas que valorizam o trabalho das domésticas – o que era uma demanda justa. Todas as demandas justas precisam ser contempladas sem a necessidade de moralização exacerbada do debate. Não existem grupos que estão acima de todos os outros.

Acha que o Supremo Tribunal Federal acertou quando reconheceu os direitos dos gays?

Sim. O Supremo foi de uma felicidade extrema quando olhou para a questão homossexual de forma isenta, livre de qualquer pressão, tanto da Igreja Católica como de grupos protestantes e evangélicos. Numa sociedade que se pretende laica, é assim que deve ser. O Sérgio Buarque de Holanda já disse que o Estado não é um desdobramento maior da família ou de grupos de interesses. O Estado tem que se distinguir, tem que legislar à parte, porque não se trata de uma família grande. Se não for dessa maneira, o Brasil cai no patriarcalismo, fica sob o controle de oligarquias patriarcais, que irão legislar a partir de seus interesses, para que eles prevaleçam sobre todos. A questão gay deve ser contemplada pela sociedade civil como a reivindicação de um grupo que busca tratamento igual perante a lei.

Feliciano deve renunciar ou permanecer no cargo?

Deve renunciar logo. A teimosia dele em permanecer no cargo vai trazer prejuízos enormes para o grupo que pretende representar. O desgaste para o mundo evangélico já é patente. Existe o risco de rejeição ao grupo. Se ele realmente se vê como representante do mundo evangélico no parlamento, a renúncia seria a atitude mais lúcida diante do atual estado de coisas.

Leia Mais