Juntos há 62 anos, casal morre com quatro horas de diferença nos EUA

Don e Maxine Simpson morreram de mãos dadas em Bakersfield, na Califórnia (foto: Kero/The Huffington Post)
Don e Maxine Simpson morreram de mãos dadas em Bakersfield, na Califórnia (foto: Kero/The Huffington Post)

Publicado no UOL

Don e Maxine Simpson morreram no mesmo dia, mas deixaram uma história de amor digna de Hollywood para ser contada. Segundo o jornal norte-americano “The Huffington Post”, os dois eram casados havia 62 anos e, deitados em camas lado a lado, deram as mãos momentos antes de morrerem.

De acordo com Melissa Sloan, neta do casal, Maxine morreu primeiro. Enquanto o corpo era retirado do quarto, ela diz ter percebido a respiração do avô diminuir. Quando ela voltou, Don também havia morrido. Médicos afirmam que o intervalo entre as mortes foi de quatro horas.

A neta ficou emocionada com a demonstração de amor dos avós mesmo após tantos anos de casamento. Segundo ela, era possível ver o avô sorrindo logo após a mulher ser colocada ao seu lado. “Foi incrível, uma verdadeira história de amor”, diz.

O drama começou duas semanas antes, quando Don caiu e quebrou a bacia. A família o levou para um hospital de Bakersfield, na Califórnia, mas seu estado de saúde piorou rapidamente.

Ao mesmo tempo, Maxine – que lutava contra um câncer – teve de ser internada por conta do avanço da doença.

Foi então que, sabendo do forte laço entre os dois, a família decidiu colocá-los lado a lado, no mesmo quarto, para que um desse forças ao outro. “Minha avó abriu os olhos e viu meu avô. Eles deram as mãos e sabiam que estavam próximos”, diz Sloan.

A neta fala, ainda, sobre o amor que o avô tinha pela companheira. “Tudo o que Don queria era estar com sua linda mulher. Ele adorava minha avó, amava-a mais do que tudo.”

Leia Mais

Sobre casamento e amor

Tatuagem-Casais-heartlock“Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma companheira
que lhe seja suficiente. [Gênesis 2.18]

Ed René Kivitz

Venho me perguntando o que faz as pessoas optarem pelo casamento se contam com outras alternativas para a vida a dois. A justificativa mais comum para o casamento é o amor. Mas devemos considerar que amor é uma experiência cuja definição está em xeque não apenas pela quantidade enorme de casais que “já não se amam mais”, como também pelo número de pessoas que se amam, mas não conseguem viver juntas.

Talvez por estas duas razões – o amor eterno enquanto dura e o amor incompetente para a convivência – nossa sociedade providenciou uma alternativa para suprir a necessidade afetiva das pessoas: relacionamentos temporários em detrimento do modelo indissolúvel. Mas, mesmo assim, o número de pessoas que optam pelo casamento em sua forma tradicional, do tipo “até que a morte vos separe” cresce a cada dia.

Acredito que existe uma peça do quebra cabeça que pode dar sentido ao quadro. Trata-se da urgente necessidade de desmistificar este conceito de amor que serve de base para a vida a dois. Afinal de contas, o que é o amor conjugal? Para muitas pessoas, é confundido com a paixão. Paixão é aquela sensação arrebatadora que nos faz girar por algum tempo ao redor de uma pessoa como se ela fosse o centro do universo e a única razão pela qual vale a pena viver. Esta paixão geralmente vem acompanhada de uma atração quase irresistível para o sexo, e não raras vezes se confunde com ela. Assim, palavras como amor, paixão, desejo e tesão acabam se fundindo e tornando-se quase sinônimas.

Este conceito de amor justifica afirmações do tipo “sem amor nenhum casamento sobrevive”, “sem paixão, nenhum relacionamento vale a pena”, “é o sexo apaixonado que dá o tempero para o casamento”.

Minha impressão é que todas estas são premissas absolutamente irreais e falsas. Deus justificou a vida entre homem e mulher afirmando que “não é bom estar só”. Nesse sentido, casamento tem muito pouco a ver com paixão arrebatadora e sexo alucinante. Casamento tem a ver com parceria, amizade, companheirismo, e não com experiências de êxtase. Casamento tem a ver com um lugar para voltar ao final do dia, uma mesa posta para a comunhão, um ombro na tribulação, uma força no dia da adversidade, um encorajamento no caminho das dificuldades, um colo para descansar, um alguém com quem celebrar a vida, a alegria e as vitórias do dia-a-dia. Casamento tem a ver com a certeza da companhia do outro no dia do fracasso, e a mão estendida na noite de fraqueza e necessidade. Casamento tem a ver com ânimo, esperança, estímulo, valorização, dedicação desinteressada, solidariedade, soma de forças para construir um futuro satisfatório. Casamento tem a ver com a certeza de que existe alguém com quem podemos contar apesar de tudo e todos … a certeza de que, na pior das hipóteses e quaisquer que sejam as peças que a vida possa nos pregar, sempre teremos alguém ao lado.

Nesse sentido, não é certo dizer que sem amor nenhum casamento sobrevive, mas sim que sem casamento nenhum amor sobrevive. Não é certo dizer que sem paixão, nenhum relacionamento vale a pena, mas sim que sem relacionamento nenhuma paixão vale a pena. Não é o sexo apaixonado que dá o tempero para a vida a dois, mas a vida a dois que dá o tempero para o sexo apaixonado. Uma coisa é transar com um corpo, outra é transar com uma pessoa. Quanto mais valiosa a pessoa, mais prazeroso e intenso o sexo. Quanto maior o afeto, mais prolongado o tesão. Quanto menos valorizada a pessoa, mais banal a transa.

Podemos resumir a vida a dois, entre homem e mulher, conforme idealizada por Deus, em três palavras que descrevem um casal bem sucedido.

Um casal bem sucedido é um par de amantes.

Um casal bem sucedido é um par de amigos.

Um casal bem sucedido é um par de aliados.

São três letras A que fornecem a base de uma relação duradoura. Amante se escreve com A. Amigo se escreve com A. Aliado se escreve com A. E não creio ser mera coincidência o fato de que todas as três, amante, amigo e aliado, se escrevem com A… A de AMOR.

fonte: Facebook

Leia Mais

Menino de 9 anos atende pedido de mortos e se casa com mulher de 62

Saneie Masilela, 9, uniu-se a Helen Shabangu, 62, para deixar parentes mortos felizes
Saneie Masilela, 9, uniu-se a Helen Shabangu, 62, para deixar parentes mortos felizes

Publicado no UOL

Um menino de 9 anos atendeu o pedido de antepassados mortos, casou-se com uma mulher de 62 anos e tornou-se o noivo mais jovem do mundo. Saneie Masilela uniu-se a Helen Shabangu, que já é mãe de cinco filhos, com idades entre 28 e 38 anos. Eles celebraram seus votos na frente de cem convidados em Ximhungwe, na África do Sul.

A cerimônia aconteceu na frente daquele que é marido há mais tempo de Helen: Alfred Shabangu, 66. Ao jornal britânico “Mirror“, Shabangu disse que não vê problema na união, e nem ele nem seus filhos se importam com opiniões contrárias ao relacionamento.

O casamento faz parte de um ritual em que se respeita o desejo de antepassados mortos de Saneie, que lhe pediram que se casasse no ano passado. “Escolhi a Helen porque eu a amo. Apesar de nós não vivermos juntos o tempo todo, nós nos encontramos no lixão onde minha mãe trabalha”, contou o garoto. “Quando eu crescer, casarei com uma mulher da minha idade”. A família do menino –o mais novo entre cinco filhos– pagou 500 euros à noiva e outros 1.000 euros pela cerimônia. O amor é mesmo i-nex-pli-cá-vel!

Helen, que trabalha com reciclagem, diz que o casamento é apenas para agradar os ancestrais. “Sanele vai crescer normalmente e, um dia, terá sua própria família e se casar. Toda essa cerimônia é para deixar os antepassados felizes”.

Para a mãe do menino, de 47 anos, caso ele não tivesse atendido o pedido dos ancestrais, algo ruim poderia ter acontecido à família.

Leia Mais

Pedidos de casamento aumentam depois de golaço, mas David Luiz “escolheu esperar”

Apesar do voto religioso, zagueiro não para de receber cantadas e propostas indecentes de fãs

David Luiz faz parte da campanha “Eu escolhi esperar” | (foto: Lars Baron - FIFA/FIFA via Getty Images)
David Luiz faz parte da campanha “Eu escolhi esperar” | (foto: Lars Baron – FIFA/FIFA via Getty Images)

Breiller Pires, na Placar

Declarações de amor pipocam à velocidade de seu chute certeiro diante da Colômbia. O gol de falta entupiu as redes sociais de David Luiz com as mais variadas e inusitadas propostas de casamento. Seja via Twitter, Facebook ou Instagram, o zagueiro tem recebido pelo menos três centenas de pedidos apaixonados por dia.

Há inclusive súplicas mais picantes. Duas horas depois da classificação para a semifinal, uma fã revelou uma fantasia íntima com sua cabeleira em foto publicada no Instagram: “Ahhh David… O que eu não faria com esses cachos debaixo de um lençol”. Cantada prontamente rebatida por outra admiradora: “Sai daquiiii!!!! O David é meeeeuu!!”

Na semana passada, a jornalista e estudante de Direito Luísa Pontes foi além e criou a página “David Luiz, eu sou a mulher da sua vida, quero me apresentar”, que já conta com mais de 200 adeptas no Facebook. O objetivo é conhecer pessoalmente o camisa 4 brasileiro.

Ela ainda explica por que o zagueiro “é pra casar”. “Fé, humildade, doçura, família boa, não tem medo do ridículo e adora criança. Ele é o menino dos olhos do nosso Brasil”, diz Luísa.

No entanto, se depender da crença e do comprometimento espiritual de David Luiz, as admiradoras podem ir tirando os olhos maliciosos dos cachos mais célebres da seleção. Evangélico, ele namora a portuguesa Sara Madeira e, inspirado em Kaká, faz parte da campanha “Eu escolhi esperar”, que prega, entre outros mandamentos, que o sexo deva ser praticado somente após a união matrimonial.

“Pelo que tem feito nessa Copa, David Luiz se tornou o príncipe encantado de milhares de torcedoras”, afirma Nelson Junior, pastor e idealizador do movimento. “É importante ressaltar que o ‘Eu escolhi esperar’ não é uma campanha de virgindade, mas sim de preservação sexual. A adesão do David foi muito discreta, porque ele é assim em sua vida pessoal. Não significa que ele seja virgem ou não. Significa que ele optou por se preservar até o casamento.”

Cientes da escolha do defensor, algumas admiradoras já encabeçam outra campanha: “David, eu escolhi esperar por você”.

Leia Mais

Twitter é pivô de brigas de casais, diz estudo americano

Pesquisas anteriores já mostravam impacto negativo do Facebook no casamento e nos relacionamentos afetivos

Twitter (foto: Ognen Teofilovski/Reuters)
Twitter (foto: Ognen Teofilovski/Reuters)

Publicado na Veja on-line

O uso exagerado do Twitter pode causar conflitos e outros efeitos nocivos às relações amorosas, revelou nesta quinta-feira um estudo divulgado nos Estados Unidos. A pesquisa vai ao encontro de trabalhos anteriores, que já mostravam o impacto do Facebook no casamento e nos relacionamentos afetivos em geral.

Publicado na revista especializada Cyberpsychology, Behavior and Social Networking, o estudo revelou que “o uso ativo do Twitter pode criar muitos conflitos entre casais vinculados à rede social, o que a longo prazo pode levar à infidelidade, à separação e ao divórcio”.

O autor da pesquisa, Russell Clayton, da Universidade do Missouri, concluiu que essa descoberta se soma ao grande número de evidências pré-existentes sobre o lado obscuro das redes sociais e seu papel nas relações interpessoais. Outro estudo de Clayton, publicado na mesma revista no ano passado, revelou que o uso excessivo de Facebook tinha consequências negativas nos relacionamentos afetivos.

A editora-chefe da revista, Brenda Wiederhold, acrescentou que essas pesquisas destacam a necessidade de explorar mais o impacto do uso das redes sociais. “Como os estudos sobre as redes sociais ainda estão engatinhando, não sabemos se outros meios, como o Instagram, por exemplo, também podem ter um impacto negativo nas relações humanas”, escreveu a editora em um comunicado.

Para a última pesquisa, os cientistas entrevistaram 581 usuários do Twitter. Entre as perguntas estava a frequência com que eles usavam a rede social e o tipo de conflito que enfrentavam com seus parceiros por causa do uso do microblog. Clayton concluiu que, quanto mais ativo é o usuário do Twitter, maiores são as chances de haver problemas com o companheiro ou companheira por causa da rede social.

Leia Mais