Pai herói se veste de Homem–Aranha para alegrar filho com câncer

Rafael Ciscati, na Épocajayden_com_spidey

Toda criança já sonhou com, um dia, encontrar seu super-herói favorito. A infância não é das fases mais simples da vida e, às vezes, até as crianças precisam ser resgatadas. O pequeno Jayden Wilson é um rapazinho de 5 anos recém completados. Tem um tumor no cérebro e, segundo os médicos, deve viver por mais um ano.

O pai de Jayden, Mike Wilson, decidiu convidar um herói para resgatá-lo no seu quinto aniversário. Vestiu-se de Homem-Aranha, saltou do telhado e deixou o menino quase sem reação diante da surpresa: “Quando eu saltei, Jayden fez a carinha que eu imaginei que faria – surpreso e feliz ao mesmo tempo”, disse Mike ao Buzzfeefd.

O vídeo da surpresa, publicado no domingo (16), já foi visto mais de 900 mil vezes.

Mike é atleta: faz parkour e corre. Em termos acrobáticos, é quase um Homem-Aranha. Para ajudar o filho, criou uma página no Facebook e um fundo para custeio das despesas médicas. Jayden não salta ou corre por aí. Mas ninguém duvida que, a sua maneira, é também um pouquinho heroico.

Jayden vestido de spidey (foto: Reprodução/ Facebook)
Jayden vestido de spidey (foto: Reprodução/ Facebook)

 

Leia Mais

Me estarrece que adultos fiquem cegos por partidos políticos

Ordem-e-Progresso

Clóvis Rossi, na Folha de S.Paulo

Como diria Dilma Rousseff, estou estarrecido com a quantidade de amor e ódio que vertem sem parar as redes sociais e alguns colunistas.

Não é apenas que não me comovem. É que não entendo como seres racionais podem ter o cérebro dominado pelo fígado, em relação aos adversários, ou pelo coração, em relação a seu próprio time.

Sou bicho raro a quem não assustava minimamente a possibilidade nem de reeleição de Dilma nem de vitória de Aécio Neves.

Antes de mais nada porque acho que os governos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva foram os melhores –ou, no mínimo, os menos ruins– de toda a minha vida adulta, os últimos 50 anos.

Tiveram defeitos? Incontáveis. Espero tê-los apontado todos no devido momento. Os méritos, estes sim deixei de apontar pela simples e boa razão de que fazer bem as coisas é a obrigação de quem governa.

Elogiar o mero cumprimento da obrigação seria aceitar a mediocridade como regra. Não dá.

Por tudo isso, me estarrece que haja adultos, alguns deles veteranos na observação da cena política, capazes de enrolar-se na bandeira de um partido e de deixar que ela os cegue em relação aos seus defeitos.

Como me estarrece que se tornem em uma espécie de “black-blogs”, empenhados em destruir o inimigo, que deveria ser só adversário, se o combate político fosse civilizado.

Nada contra a paixão, fique claro. Mas quem ama não mata. Nem fica cego. Ainda mais que paixão e ódio giram em torno de agendas vencidas.

Está vencida a agenda da estabilização econômica, a grande marca do tucanato, conforme reconheceu Dilma, na carta em que cumprimentou FHC pelo 80º aniversário.

Está pelo menos iniciada a inclusão social, a grande marca de Lula, internacionalmente reconhecida.

O que deveria, agora, despertar paixões incontroláveis é a a agenda das revoluções que o Brasil necessita. Não deixo por menos: revoluções, sim, não meras reformas.

Revolução política, porque não há um único país minimamente sério que tenha 28 partidos representados na Câmara de Deputados, como ocorrerá no Brasil em 2015.

Não é sério um país em que quase dois terços são pobres (24,5%) ou vulneráveis (37,5%).

Não é sério um país que passa tremenda vergonha em rankings internacionais de educação, de competitividade ou de corrupção.

Não é sério um país cujos habitantes sufocam no trânsito cada vez que saem de casa. Não é sério um país em que a atenção à saúde é o que todos sabemos.

Não é sério um país cujos habitantes são submetidos diariamente a uma roleta russa, porque não sabem se a bala que lhes está destinada chegará hoje ou amanhã.

Há alguém aí que acredita de verdade que o PT ou o PSDB, os partidos em que a maioria dos brasileiros depositou suas esperanças, é capaz de resolver essa ampla agenda?

Ou a sociedade se mobiliza para empurrá-la para a frente ou acabará se afogando em fel.

Leia Mais

Trabalhar em horários irregulares pode prejudicar o cérebro e a memória, diz pesquisa

2013_624953139-2013062764341.jpg_20130627

Publicado em O Globo

Trabalhar em turnos irregulares pode causar danos a longo prazo para a memória e a saúde mental dos funcionários, segundo um novo estudo feito pelas universidades de Toulouse (França) e Swansea (País de Gales).

A mudança constante de horários no batente afeta o nosso relógio biológico, causando desgaste parecido com a fadiga de uma longa viagem de avião em que mudamos muito de fuso horário. Essas alterações já foram associadas, por exemplo, ao aumento de riscos para o coração e até de câncer. Agora, cientistas descobriram uma redução da função cerebral em pessoas que variam muito seu turno de trabalho, especialmente pra quem alterna entre manhã, tarde e noite.

Num estudo com 3 mil pessoas que vivem na França, os pesquisadores notaram que aqueles que trabalhavam em turnos rotativos tiveram desempenho significativamente pior em testes de memória e velocidade cognitiva do que as pessoas que haviam trabalhado em horários regulares.

A forma exata como o trabalho por turnos pode ter impacto sobre o funcionamento do cérebro não é totalmente compreendida. Mas sabe-se que perturbações no relógio biológico são conhecidas por afetar o corpo e a mente.

Estudos anteriores já mostraram, por exemplo, que pessoas que voam por longas distâncias regularmente apresentam uma função cerebral mais pobre, o que pode ser causado pela ruptura de algumas estruturas cerebrais, devido ao excesso de produção de hormônios do estresse. Um mecanismo semelhante pode estar ocorrendo em pessoas que alternam turnos diurno e noturno de trabalho por um período prolongado de tempo.

Também tem sido sugerido que os trabalhadores do turno da noite podem ser mais suscetíveis a deficiências de vitamina D por causa da menor exposição à luz solar. E a deficiência de vitamina D, por sua vez, tem sido associada a prejuízos na função cerebral em alguns estudos.

No estudo francês, 1.200 dos participantes foram acompanhados em três fases diferentes, em 1996, 2001 e 2006. Um em cada cinco havia trabalhado turnos rotativos entre manhãs, tardes e noites.

Aqueles que já trabalharam em turnos irregulares ou atuam assim tiveram notas mais baixas em testes de velocidade de processamento e memória do que aqueles com horário de expediente normal.

Os pesquisadores descobriram que a substituição dos turnos irregulares por horas regulares apresentou ligação com uma melhora na função cognitiva, o que sugere que quaisquer efeitos nocivos são reversíveis. Mas, segundo eles, foram necessários cinco anos para que estes efeitos fossem vistos.

Em artigo publicado no “British Medical Journal”, os autores da pesquisa, liderados pelo pesquisador Jean-Claude Marquié, da Universidade de Toulouse, disseram que a saúde dos trabalhadores que atuam por turno deve ser acompanhada de perto, como resultado de suas descobertas.

“O comprometimento cognitivo observado no presente estudo pode ter consequências importantes para a segurança não só para os indivíduos, mas também para a sociedade como um todo, visto o número crescente de postos de trabalho em situações de alto risco que são realizados à noite”, escreveram.

“Os resultados atuais destacam a importância de manter uma vigilância médica dos trabalhadores por turnos, especialmente daqueles que permaneceram em trabalhos divididos por turnos durante mais de dez anos.”

Leia Mais

Pessoas que usam o smartphone enquanto veem TV têm menos massa cinzenta no cérebro, diz estudo

Pessoas que usam o smartphone enquanto veem TV têm menos massa cinzenta no cérebro, diz estudo (foto: Reprodução / Pixabay)
Pessoas que usam o smartphone enquanto veem TV têm menos massa cinzenta no cérebro, diz estudo (foto: Reprodução / Pixabay)

Publicado no Extra

Pessoas que usam o smartphone enquanto assistem televisão podem fazer com que partes de seu cérebro sejam “desperdiçadas”, alertam especialistas. Um novo estudo publicado no jornal científico PLoS One descobriu que quem manipula laptops, telefones celulares e outros dispositivos de mídia, como tablets, ao mesmo tempo tem menos massa cinzenta — parte do cérebro que processa a informação.

A comparação foi feita com pessoas que usam apenas um equipamento por vez ou que só os utiliza de vez em quando. O desgaste da massa cinzenta afeta a concentração e a memória, bem como a capacidade de tomar decisões e definir metas. O problema também pode reduzir as inibições e o autocontrole, levando a comportamentos “inapropriados”.

O chefe da pesquisa, Kepkee Loh, da Universidade de Sussex, no Reino Unido, afirmou que o fato de dispositivos multitarefas estarem se tornando mais prevalentes vem gerando uma crescente preocupação com os impactos deles na cognição e no bem-estar socioemocional das pessoas.

No entanto, ele acrescentou que o estudo não demonstrou relação de causa e efeito entre estar conectado a várias mídias ao mesmo tempo e ter menos massa cinzenta no cérebro. É possível que pessoas com menos massa cinzenta sejam mais propensas a realizar diferentes tarefas simultaneamente em diversos dispositivos, porque elas se distraem mais facilmente e têm frágil autocontrole. Outra possibilidade é a de as multitarefas levarem a mudanças no cérebro que desgastam a massa cinzenta.

Leia Mais

8 motivos para você começar a dormir mais

foto: Getty Images
foto: Getty Images

Publicado no Terra

Todos sabem que dormir pouco traz inúmeras consequências negativas para nossas vidas, principalmente aquele mau humor no trabalho. O jornal norte-americano Huffington Post fez uma lista com oito motivos para você começar a se preocupar mais com o seu sono a partir de hoje.

gifsono

Seu sistema imunológico vai funcionar melhor. Diversos estudos comprovam que nossas defesas naturais se comportam melhor quando temos uma boa noite de sono. Outras pesquisas também apontaram que algumas vacinas contra gripe e hepatite tiveram pouco efeito quando o paciente as recebeu e foi privado de sono.

Sua memória vai melhorar. Já foi comprovado que o período em que dormimos é vital depois que nosso cérebro entra em contato com novas informações.

Você se sentirá emocionalmente melhor. Ter nosso sono privado faz com que nossa ansiedade fique mais alta. A incidência de problemas emocionais, como a depressão, também já foram relacionados com a falta de uma boa noite de sono.

gifsono2

Seu cérebro estará “mais limpo”. O livro Sleep Soundly Every Night, Feel Fantastic Every Day aponta que o cerébro tem uma capacidade regenerativa durante o sono, onde é capaz de estabelecer novas conexões e caminhos entre os neurônios.

Também é durante o sono quando produzimos mais o hormônio do crescimento. Nas crianças, o momento do sono é crucial para o seu crescimento. Nos adultos, é importante para a criação de tecidos, algo vital para atletas ou qualquer um que faça exercícios. É neste momento que os músculos se reparam.

Ajuda a estabilizar os níveis de açúcar. Pessoas que dormem pouco possuem maior incidência de diabetes. Quem dorme pouco tem mais resistência à insulina.gifsono3

Talvez você perca peso. Algumas pesquisas mostraram que dormir entre sete e oito horas é o ideal. Dormir menos que isso aumenta a produção de um hormônio chamado ghrelin, que aumenta o apetite e impede a produção da leptina, que nos sacia.

É possível que você viva mais. Ter o hábito de dormir menos que sete horas diárias pode nos levar a ter uma vida mais curta. Este tipo de comportamento faz com problemas como pressão alta, AVCs e infartos tenha maior incidência.

Leia Mais