Parceiro sexual de 5% dos jovens foi conhecido na internet, diz pesquisa

Entre os pais, 1% sabe que os filhos conheceram os namorados na internet.
Estudo do Portal Educacional ouviu 4 mil jovens entre 13 e 16 anos.

Brasileira acessa a internet em Garça (SP) (foto: Reprodução/TV TEM)
Brasileira acessa a internet em Garça (SP) (foto: Reprodução/TV TEM)

Helton Simões Gomes, no G1

Conversas iniciadas na internet foram o atalho para jovens brasileiros abrirem sua vida íntima a pessoas até então desconhecidas que se tornaram parceiros sexuais, de acordo com a edição 2014 da pesquisa “Este Jovem Brasileiro”, realizada pelo Portal Educacional e obtida com exclusividade pelo G1. Entre os jovens ouvidos, 5% disseram já ter feito sexo com pessoas conhecidas pela internet. Nem todos os contatos nascidos na internet, porém, terminam na cama, mas não são raras as relações que pulam do mundo virtual para o real: 11% dos adolescentes entrevistados já namoraram com alguém conhecido na internet. O mais comum, porém, é não passar de alguns beijinhos, coisa que 22% dos jovens disseram já ter ocorrido. Enquanto isso, os pais nem suspeitam: pouco mais de 1% sabe que os “ficantes” ou namorados dos filhos foram conhecidos na internet.

Para traçar o perfil sobre o comportamento dos jovens na internet, a pesquisa ouviu 4 mil estudantes de 13 a 16 anos, 300 pais e 60 professores de 36 escolas particulares em 14 estados brasileiros. Eles responderam às perguntas de forma anônima por meio de um formulário on-line entre 5 de maio e 27 de junho deste ano. O estudo foi feito em parceria com o psiquiatra Jairo Bouer.

As novas amizades virtuais geralmente são apresentadas por amigos, surgem nas redes sociais ou são feitas por meio de aplicativos para celular. Segundo a pesquisa, no entanto, 60% dos jovens não confiam nas pessoas conhecidas assim. Mas há os que confiam. Dos 4 mil jovens, 600 já abriram a webcam de seus computadores para completos desconhecidos. Quando encontram pessoas conhecidas pela internet, possuem estratégias para garantir a segurança: marcam em algum lugar público ou levam um amigo a tiracolo.

‘Stalkear’ pode

A internet é parte importante da vida desses adolescentes. A pesquisa aponta que 85% dos jovens passam ao menos duas horas conectados. A preponderância da internet na vida deles faz dela uma ferramenta para que construam seus relacionamentos. Isso porque pouco mais da metade dos jovens recorreram à rede para pesquisar a vida de potenciais “ficantes” ou namorados.

Mas também usam para miná-los. Entre os adolescentes que já estão comprometidos, mais de 40% não acha que paquerar na rede seja problema. Três em cada dez tiveram que discutir a relação com amigos ou namorados devido a alguma postagem em redes sociais.

Mentindo a idade

Estudantes em escola de Piracicaba (foto: Fernanda Zanetti/ G1 Piracicaba)
Estudantes em escola de Piracicaba (foto:
Fernanda Zanetti/ G1 Piracicaba)

Apesar de os pais não estarem a par do que os filhos fazem na rede, não quer dizer que não monitorarem as ações dos adolescentes de algum tipo. O problema é que quando controlam o acesso à rede, a tentativa não é aceita por um terço dos jovens. O controle ao acesso não é respeitado mesmo quando exercido pelos próprios serviços. Mais de 90% entraram em redes sociais antes dos 12 anos – a idade mínima permitida no Facebook, por exemplo, é de 13 anos. Como fizeram isso? Simples: 86% admitiram ter mentido a idade.

Quando os pais impõem alguma restrição, os jovens surgem com meios para driblar métodos de controle. Para 63% deles, é mais fácil evitar a vigilância paternal com o uso de tablets e smartphones. Quando querem privacidade, são esses os aparelhos usados por um a cada quatro jovens. Identificado como um aparelho pessoal, os celulares não são controlados pelos pais de 80% dos jovens.

A conexão frequente dos jovens causa atritos dentro de casa. Quatro a cada cinco pais dizem ter problemas com os filhos pelo uso exagerado da internet. E tem motivos para se preocupar: quase um terço dos jovens já compartilhou dados pessoais na rede, como telefone, endereço ou documentos. A maioria deles (65%), porém, sabe que o rastro digital pode ser usado para avaliá-los futuramente. Saber que expor informações pessoais pode prejudicá-los no futuro, mas, mesmo assim ir adiante, ocorre porque os jovens sofrem um apagão quando usam o celular. Um terço dos adolescentes diz que não pensam muito antes de postar pelo celular.

Leia Mais

Quer contornar a timidez? Conheça a regra dos 3 segundos

Conheça mais pessoas usando essa dica simples

foto: flickr/creative commons
foto: flickr/creative commons

Ana Freitas, na Galileu

O Life Hacker  deu, essa semana, uma dica muito legal pra quem sofre com a timidez. A timidez é um traço da personalidade como qualquer outra, mas ela acaba tendo implicações que impactam na qualidade da vida social e profissional de quem é tímido. Se apresentar pra alguém em um contexto profissional, por exemplo, ou fazer “networking”, demanda muito mais esforço de uma pessoa tímida – mas ela é cobrada igualmente do meio social, e às vezes passa por antipática.

Se você estiver lutando contra a timidez pra conhecer gente – seja em uma festa ou em um congresso – talvez essa dica funcione pra você. Mesmo se você não for tímido, mas tenha dificuldade de dar o primeiro passo pra conhecer alguém, tente isso:

Quando você ver alguém interessante com quem deseje falar, você tem 3 segundos pra ir até lá e dizer “oi”. Espere mais e você vai ou pensar demais e estragar tudo ou pensar demais e nunca se aproximar. Não sabe o que dizer? Não importa. Qualquer coisa é melhor que nada, porque tira você do status de alguém desconhecido sem nome em um mar de rostos e leva para o status de uma pessoa de verdade, com uma história e que teve a coragem de dizer “oi”. Se for alguém que você sempre quis conhecer, você ao menos poderá começar agradecendo a eles pelo trabalho e dizendo como ele te impactou.

Leia Mais

Por que bocejamos (e por que isso é contagioso)

bocejo-1260x710

 

Publicado no Gizmodo

Bebês, cachorros, gatos, passarinhos, ratos e até cobras, todos eles bocejam – alguns até faziam isto dentro do ventre. Por milhares de anos, o motivo disso era obscuro, mas estudos recente podem ter descoberto a verdade sobre por que bocejamos.

A fisiologia do bocejo

Quando uma pessoa boceja, o alongamento dos poderosos músculos da mandíbula aumenta o fluxo de sangue na cabeça, no pescoço e no rosto, além de mandar líquido cefalorraquidiano para baixo, para longe do cérebro.

Do mesmo modo, durante um bocejo, flexionam-se as paredes dos seios paranasais – espaços preenchidos de ar que ficam ao redor da cavidade nasal. Combinado à ampla abertura da sua boca, isso puxa uma grande quantidade de ar através das cavidades nasais e das passagens da boca e dos seios paranasais.

Teorias do bocejo

Há três teorias principais para explicar por que as pessoas bocejam.

Bocejar aumenta os níveis de oxigênio no sangue

Como bocejar puxa grandes quantidades de ar, muita gente aposta na teoria de que a função do bocejo é inspirar mais oxigênio e exalar gás carbônico; este princípio de senso comum, entretanto, não encontra apoio em qualquer evidência.

Na verdade, um estudo de 1987 mostrou que os bocejos não aumentam nem diminuem quando sobe o nível de gás carbônico ou oxigênio no sangue. Isto levou alguns cientistas a concluírem que bocejar não tem nada a ver com oxigenar o sangue.

Bocejar estimula e ajuda a despertar

Também notou-se que, em muitas espécies, os bocejos aparentemente ocorrem “na expectativa de eventos importantes e durante transições comportamentais“. O bocejo acompanha mudanças nos níveis neurotransmissores e endócrinos, e por isso facilitaria o aumento no estado de alerta e consciência.

Bocejar diminui a temperatura do cérebro

Postulada recentemente, a teoria termorregulatória dos bocejos parte do fato de que a temperatura do cérebro é controlada por três fatores: a temperatura do fluxo sanguíneo, sua velocidade e o metabolismo. Como bocejar aumenta o fluxo sanguíneo, não é absurdo considerar a hipótese de que ele existe para resfriar o cérebro.

A teoria apareceu primeiro num estudo de 2007 que envolveu dois experimentos relacionados. No primeiro, os participantes foram instruídos a respirar pelo nariz ou pela boca e, então, foram expostos a vídeos de pessoas bocejando. Quem respirava nasalmente não demonstrava contágio ao bocejo.

No segundo experimento, pediu-se aos participantes para colocar bolsas térmicas frias ou quentes nas testas e, de novo, ver vídeos de pessoas bocejando. 41%, um número bem alto, daqueles que tinham uma bolsa quente na cabeça foram contagiados pelos bocejos, enquanto apenas 9% dos que tinham bolsas frias foram levados a repetir o gesto. Por isso, os pesquisadores concluíram que resfriar o cérebro tinha no mínimo um pouco a ver com bocejar.

Em 2010, uma pesquisa com cérebros de ratos mostrou que aumentos na temperatura precediam um bocejo e, imediatamente depois dele, as temperaturas caíam. Em um estudo posterior, cientistas descobriram que o cérebro todo esfriava depois de um bocejo, mas ele só acontecia depois que o córtex passava por um aumento na temperatura.

Mecanismos

Três mecanismos são tratados como hipóteses de como o bocejo resfria o cérebro. Antes de tudo, é bom lembrar que a temperatura cerebral é, “de forma consistente, 0,2° C maior que a do sangue arterial“. Logo, segundo esta teoria, à medida que o fluxo sanguíneo aumenta, o sangue quente do cérebro é empurrado para fora, e depois entra o sangue mais frio do resto do corpo. Este é o primeiro mecanismo; pesquisadores o comparam ao processo de um radiador.

O segundo mecanismo também trata de trocas de calor, mas desta vez envolve ar frio, que entra e vai para a boca, nariz e seios paranasais. Quando ele entra em contato com áreas venosas que contêm sangue quente, o ar refrigera este sangue e remove o calor quando ocorre a expiração. Este processo é semelhante à refrigeração.

O terceiro mecanismo também envolve a interação do ar frio com os seios paranasais, que ficam ao redor do nariz. Mas desta vez, trata-se de estimular a evaporação ao longo da mucosa dos seios paranasais. É semelhante à forma como o corpo se esfria usando o suor na superfície da pele – aqui também se utiliza a evaporação.

Se o motivo dos bocejos é resfriar o cérebro, então à medida que a temperatura ao seu redor aumenta, você inicialmente bocejará mais; e conforme ela se aproxima ou excede sua temperatura corporal, os bocejos irão diminuir. Um paralelo desta teoria também diz que, depois que a temperaturas caem abaixo de certo ponto, os bocejos diminuem – senão poderiam potencialmente esfriar demais o cérebro.

Esta teoria foi testada em 2009 com periquitos, e de fato, eles bocejaram mais de acordo com o aumento da temperatura, mas os bocejos diminuíram nas temperaturas mais altas, “quando mecanismos evaporativos se tornaram mais frequentes (como, por exemplo, ofegar)”. Estas descobertas foram confirmadas também em um estudo com humanos, realizado em 2011.

No entanto, nem todo mundo acredita na teoria termorregulatória. Os críticos notam que bocejar não pode causar quedas significantes na temperatura, além de que há um atraso considerável entre o bocejo e o resfriamento, e tanto fetos quanto animais de sangue frio fazem isso.

Por que bocejar é contagioso?

As teorias populares para explicar isso se concentram em dois motivos: imitação e empatia. Elas são confirmadas por evidências empíricas, como as observadas em imagens de ressonâncias magnéticas de cérebros durante bocejos. Em um desses estudos, as áreas envolvidas com o processamento de emoções (tanto as nossas quanto as dos outros) foram ativadas. Isto levou pesquisadores a concluírem que “a minha capacidade de se colocar no seu lugar… é um fator para prever minha suscetibilidade a ser contagiado por bocejos”. Deve-se notar, entretanto, que bocejos só são contagiosos em cerca de 60-70% da população.

Um corolário desta teoria é que o contágio de bocejos em populações selvagens (como os periquitos) cresce depois de perceber ameaças ambientais. Isso leva muitos estudiosos a opinarem que isto evoluiu como um mecanismo de sobrevivência, estimulando todo o grupo a ficar mais vigilante e, portanto, mais atento ao perigo.

Leia Mais

Mania de ‘selfies’ pode estar passando dos limites, diz pesquisador

140814104321_pope_selfie

 

Publicado na BBC Brasil

Registrar os momentos com vídeos, atualizações de status e selfies é inevitável, mas podemos estar ultrapassando os limites. É o que pensa o pesquisador Andrew Hoskins, da Universidade de Glasgow, na Escócia.

Ele está em São Paulo para o Fórum Permanente de Gestão do Conhecimento, Comunicação e Memória, onde falará sobre como as tecnologias digitais estão mudando a maneira como os acontecimentos atuais se tornam memória.

Manter-se conectado a todo momento, segundo Hoskins, já é parte integrante da experiência de estar em qualquer lugar e se tornou uma espécie de compulsão. Isso ajudaria a explicar, por exemplo, a polêmica levantada pelos autorretratos tirados durante o funeral de Eduardo Campos.

O pesquisador, que fundou a publicação especializada Memory Studies, fala até mesmo de um “esvaziamento da memória” à medida que as pessoas se tornam mais dependentes das buscas online e guardam extensos arquivos e fotos pessoais digitais que nunca serão visualizados.
“A memória sempre se faz no presente. Ainda não entendemos a magnitude da maneira como a tecnologia mudará nossa memória no futuro”, disse o pesquisador à BBC Brasil.

Confira a entrevista:

BBC Brasil: Durante o funeral do ex-candidato presidencial Eduardo Campos, pessoas foram criticadas por tirar selfies mesmo próximo ao caixão. Como você vê isso? Pode ser considerado desrespeitoso ou seria uma reação normal ao estar presente em um evento histórico?

Andrew Hoskins: Depende do ponto de vista de cada um. A noção do que é público se transformou com a tecnologia. E há agora o que eu chamo de compulsão pela conectividade. Então a pergunta a se fazer é por que as pessoas estão tirando selfies? Por que elas estão constantemente registrando tudo? É em parte a ideia do que é estar em um espaço público hoje, o que é entender uma certa experiência ou evento.
A tecnologia sempre esteve presente nesse sentido, mas para mim há um ponto em que chegamos longe demais. É quando registrar o evento se torna mais importante do que ver o que está sendo registrado. Acho que esse momento estamos vivendo agora.

BBC Brasil: E a noção que temos dessas regras de comportamento vai mudar ao longo do tempo?

Andrew Hoskins: Essa moral é geracional e está sempre mudando. São níveis diferentes de alfabetização midiática. O uso normal para uma pessoa não é o mesmo para outra.
Quando eu vou para um show, eu quero ver uma banda, eu vou para ver a performance. Eu não quero alguém diante de mim balançando o telefone, a câmera ou um iPad. Mas eu sou de outra geração, eu acho isso estranho. Eles claramente acham que não. Eles acham que isso é parte rotineira do que significa estar em um evento ao vivo. Essa midiatização dos eventos é algo que mudou muito nos últimos cinco anos.

Pesquisador Andrew Hoskins diz que a tecnologia está mudando a forma como fatos se tornam memórias
Pesquisador Andrew Hoskins diz que a tecnologia está mudando a forma como fatos se tornam memórias

Eu também vivo tirando fotos e gravando tudo o que acho interessante, não estou acima disso. Mas você precisa se perguntar: como seria essa experiência se você não a tivesse registrado? O que ela significaria para você uma semana ou dois meses depois sem aquele registro audiovisual? Quão importante é esse registro na formação da memória daquele evento? Outras pessoas construirão suas memórias sem isso e sempre foi suficiente.

BBC Brasil: Em seu livro iMemory você diz que a compulsão pela conectividade pode ser responsável pelo esvaziamento da nossa memória. Como esse esvaziamento acontece? Nos lembramos de menos coisas porque estamos muito ocupados tirando fotografias?

Andrew Hoskins: A memória hoje é menos uma questão de lembrar e mais uma questão de saber para onde olhar. Muitos psicólogos dizem que há uma diminuição da memória humana por causa da nossa crescente confiança na tecnologia. Quando eu era criança, eu tinha que lembrar das coisas. Agora se eu não me lembro, posso digitar e aparece para mim.
A grande mudança é que a confiança nas tecnologias da comunicação e da informação para criar memórias, para se sociabilizar e para se informar está passando a ser um dependência. E esse é o ponto crítico. Diferentes países estão em diferentes estágios, mas estamos todos entre a confiança e a dependência das tecnologias.

Contar com essas tecnologias é bom, na minha opinião. Mas depender delas é outra coisa. A noção de compulsão pela conectividade sugere para mim que estamos dependentes. É essa coisa de não poder ficar sem checar mensagens no telefone, sem tirar fotos. De não poder ficar desconectado por algum tempo, porque nos sentimos sozinhos e alienados.

BBC Brasil: E é possível determinar quais eventos as pessoas devem ou não registrar? Como shows ou mesmo funerais?

Andrew Hoskins: Há pessoas que estão tentando. Há algumas bandas que pedem aos fãs que não gravem, não fotografem e não usem seus telefones durante os shows e alguns aderem a isso. Mas eles são a exceção, não a regra. A sensação é de que isso é inevitável e de que a penetração dos smartphones faz parte da sociabilidade do dia a dia. É impossível escapar deles.

BBC Brasil: Mesmo antes dos celulares, estes eventos já eram sociais. Em funerais, já se debatia o hábito de conversar animadamente com outras pessoas. Nos anos 1960 já se dizia que fãs dos Beatles iam aos shows mais para gritar do que para assistir à banda. A tecnologia móvel mudou isso tanto assim ou estamos apenas nos adaptando a um novo formato?

Andrew Hoskins: Em países e regiões diferentes as coisas mudam em ritmos distintos. O que é um comportamento aceitável em cada lugar é cultural e regional. É difícil ter uma resposta única para esta pergunta. Mas é realmente uma questão de adaptação.
Especialmente se você pensar que muitas das pessoas tirando essas fotos são de uma geração mais nova. Há 30 anos, quando eu era criança, a pessoa que tirava todas as fotos das férias em família era meu pai. Era o pai que determinava o que seria, no futuro, a memória da família. Então tínhamos aquela perspectiva bastante patriarcal e masculina. Quem tira as fotos hoje? Os filhos. Então temos hoje uma perspectiva diferente sobre as famílias. Nesse sentido, a mudança é interessante.

BBC Brasil: No caso da política, é mais fácil hoje trazer de volta promessas de campanhas e escândalos envolvendo os candidatos para continuar cobrando respostas. A tecnologia estaria ajudando a nossa memória política?

Andrew Hoskins: Sim e não. Há muitas maneiras de responder a essa pergunta. Uma delas tem a ver com a maneira como os políticos estão lidando com o presente, porque eles sabem que tudo está sendo gravado e poderá ser usado contra eles. Na Grã-Bretanha, acho que o discurso político se tornou muito insosso porque os políticos têm medo de dizer algo que eles sabem que dois meses depois será recuperado rapidamente para contradizer a próxima coisa que eles disserem.

O jornalismo sempre fez isso, mas era muito difícil. Você tinha que analisar um arquivo imenso para encontrar o momento em que uma pessoa prometeu algo. Mas agora qualquer um pode fazê-lo, chama-se Google. Isso tem um efeito adverso na política. Porque os políticos, assim como qualquer um, não querem ter que responder por opiniões e promessas que inevitavelmente mudam – por boas e más razões. Então o discurso deles tende a ser mais vazio.
Por outro lado, há uma filosofia de que a memória perfeita e completa sobre todas as coisas é algo bom, mas isso ignora algo fundamental: nem todas as memórias são boas. Também queremos esquecer coisas. Esquecer não é disfuncional, é muito importante.

BBC Brasil: Mas ao escolher representantes políticos é importante lembrar, não?

Andrew Hoskins: Sim e não. Quando o ex-primeiro-ministro britânico Gordon Brown chamou uma eleitora de “preconceituosa” em 2010, a tecnologia o pegou desprevenido. (Gordon havia acabado de cumprimentar a mulher, Gillian Duffy, e fez o comentário momentos depois, no carro, para um de seus assessores, sem perceber que ainda usava um microfone do canal de TV Sky News. O caso repercutiu em todo o país).
Um microfone que estava ligado o pegou falando o que ele realmente pensava e isso foi visto como degradante. Aquela frase representava tudo o que Gordon Brown pensava? Provavelmente não. Mesmo assim, ela manchou a memória política do homem que ele foi e das coisas que pensou.

Leia Mais

A síndrome do ‘sempre ligado’ que aflige usuários de smartphones

184060520

 

Publicado no UOL

Você está de férias, mas checa os e-mails do trabalho assim que acorda. E fica preocupado se o hotel não tiver um bom wi-fi ou se seu celular ficar sem sinal.

Esses são típicos indícios de que você pode sofrer do estresse conhecido como “sempre ligado”, que afeta pessoas que não conseguem largar de seus smartphones.

Para alguns, os aparelhos os liberaram de uma rotina rígida no escritório. As horas de trabalho ficaram mais flexíveis, dando mais autonomia ao funcionário. Para outros, no entanto, os smartphones se transformaram em verdadeiros tiranos dentro do bolso, impedindo que seus usuários se desconectem do trabalho.

E essa dependência torna-se cada vez mais preocupante, segundo observadores.

O americano Kevin Holesh estava tão preocupado com o fato de ignorar cada vez mais parentes e amigos por conta de seu iPhone que criou um aplicativo – Moment – para monitorar seu próprio uso.

O aplicativo lhe permite contar a quantidade de tempo gasta no smartphone e adverte se esse uso ultrapassar limites que Holesh se autoimpôs.

“O objetivo é promover o equilíbrio na vida”, diz seu site. “(Passar) um tempo no telefone e um tempo sem ele, aproveitando sua família e seus amigos.”

Desligar

E alguns empregadores estão percebendo que não é muito fácil manter esse equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Alguns precisam de ajuda externa.

A montadora alemã Daimler, por exemplo, recentemente passou a oferecer um “apagador” automático de e-mails para funcionários em férias, reconhecendo que muitos têm dificuldade em se desligar do trabalho.

“Os impactos negativos dessa cultura do ‘sempre ligado’ são que a sua mente nunca descansa, você não dá ao seu corpo o tempo para se recuperar e fica sempre estressado”, disse à BBC a psicóloga ocupacional Christine Grant, do centro de pesquisas em psicologia e comportamento da Universidade Coventry (Reino Unido).

“E, quanto mais cansaço e estresse, mais erros cometemos. A saúde mental e física pode sofrer.”

O fato de podermos estar conectados ao trabalho em qualquer lugar do mundo está fomentando inseguranças, prossegue Grant.

“Há uma enorme ansiedade quanto a delegar”, diz. “Na minha pesquisa, encontrei diversas pessoas exaustas porque viajavam conectadas o tempo todo, independentemente do fuso horário em que estivessem.”

As mulheres causam preocupação em especial: muitas passam o dia trabalhando, voltam para casa para cuidar dos filhos e ainda fazem uma jornada extra no computador antes de dormir.

“Essa jornada tripla pode ter um grande impacto na saúde”, opina Grant.

Adoecendo

O presidente da Sociedade Britânica de Medicina Ocupacional, Alastair Emslie, concorda, alegando que centenas de milhares de britânicos relatam anualmente sofrer de estresse no trabalho – a ponto de adoecerem.

“As mudanças tecnológicas contribuem para isso, sobretudo se fizerem os funcionários se sentirem incapazes de lidar com as crescentes demandas ou perderem o controle sobre sua carga de trabalho.”

Dados indicam que os britânicos passam até 11 horas diárias consumindo mídias; e o Brasil tem um dos maiores índices globais de uso diário de smartphones (cerca de uma hora e meia).

E, com o crescimento no número de smartphones, cresce também a quantidade de dados à nossa disposição – o que pode levar a uma espécie de paralisia, argumenta Michael Rendell, que trabalha com a consultoria PwC.

“Isso cria mais estresse no ambiente de trabalho porque as pessoas estão tendo de englobar uma quantidade maior de informações e meios de comunicação, e é difícil gerenciar tudo. Torna-se mais difícil tomar decisões, e muitos perdem produtividade por estarem sobrecarregados e sentirem que nunca escapam do trabalho.”

“Achamos que ficar checando e-mails é trabalhar, mas muitas vezes não é algo produtivo”, argumenta o advogado britânico Tim Forer.

Ele explica que a checagem constante de e-mails fora do escritório pode, em alguns casos, desrespeitar legislações trabalhistas. “Isso coloca em risco o dever da empresa em zelar por seus empregados”, diz.

Disponíveis

Uma pesquisa da empresa de TI SolarWinds diz que mais da metade dos trabalhadores entrevistados sente que é esperado que eles trabalhem mais rápido e cumpram prazos menores por estarem mais conectados. Quase a metade deles acha que seus empregadores esperam que eles estejam disponíveis a qualquer hora ou lugar.

Claro que nem tudo é negativo. Chris Kozup, diretor da empresa de telecom Aruba Networks, diz que um estudo conduzido pela própria empresa “mostra que essa ideia de estar ‘sempre ligado’ está, na verdade, ajudando os trabalhadores a gerenciarem o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal”.

A chave é fazer com que essa flexibilidade aja em seu favor e ser disciplinado quanto ao uso de smartphones.

Ou seja, se você vai sair de férias, lembre-se de ativar os alertas que avisarão que você estará “fora do escritório”, de desligar seu telefone e mantê-lo longe do alcance quando for dormir. E o conselho de Christine Grant é: lembre-se de que “raramente você é o único capaz de resolver um problema” no escritório.

Leia Mais