11 maneiras de recusar alimentos indesejados e seguir na dieta

Publicado no Catraca Livre

Certamente, a parte mais difícil das dietas é presenciar alguma festa com comidas deliciosas e não poder se deliciar à vontade. Além disso, para piorar a situação, sempre há algum amigo ou familiar que tenta “empurrar” alimentos indesejados para a continuação da dieta.

Woman's cravings

Mesmo que a motivação para seguir o regime persista, é importante manter o controle sobre o que você vai comer. O melhor é ser sempre honesto com aqueles que tentam “empurrar” alguma comida, mas há maneiras mais agradáveis de recusar o alimento.

recusar-comida-dieta

Pensando nisso, o Hype Science selecionou algumas ideias para sair dessas situações. Confira:

1) “Pode deixar, já já eu experimento!”

Essa tática da “enrolação” pode ser a ideal para evitar certas comidas que alguém fala para você experimentar. Dizer que vai comer depois é ótimo, pois não é uma recusa e, provavelmente, a pessoa não vai te perguntar ou oferecer de novo.

2) “Já comi, estava mesmo ótimo!”

Essa tática “da mentirinha branca” pode funcionar muito bem em certas situações. Mesmo que você não possa comer, ainda elogia o que provavelmente é mesmo um prato delicioso.

3) “Eu vou viver mais tempo e comemorar mais feriados se seguir minha dieta”

Sempre há alguém que, ao empurrar alguma comida, diz: “É só uma vez por ano!”. Para não gerar discussão, é mais fácil argumentar que comer direito é uma meta para ter uma melhor saúde e uma vida mais longa.

4) “Não estou obcecado com o que como, apenas consciente do que como”

Nessas festas, sempre alguém diz que você está exagerando com a dieta. Mas, não deixe que isso desvia sua perseverança e reconheça que suas escolhas alimentares podem influenciar outras pessoas a serem mais conscientes também.

5) “Desculpe, mas eu não gosto (ou não posso comer) tal ingrediente”

É ainda mais difícil argumentar contra as preferências alimentares de alguém caso ela tenha alguma condição ou alergia. Com esse motivo, dificilmente a pessoa insista para você experimentar algum alimento.

6) “Confie em mim, eu não preciso de nada, na verdade, está tudo sobrando”

Com essa frase bem humorada, você afasta aquele que quer insiste em argumentar sobre você recusar comer algum alimento.

7) “Melhor não experimentar, tenho certeza que está delicioso e que eu não serei capaz de parar”

Essa tática é perfeita para recusar o famoso “só um pedacinho” ou “só uma mordida”.

8) “Já comi tanto [esse prato] que estou enjoado e preciso dar um tempo”

Seus parentes e amigos com certeza sabem qual o seu prato preferido, e vão insistir ainda mais para que você coma ou repita, mesmo que você recuse. Por isso, essa tática é infalível em situações como essa.

9) Se alguém colocar comida no seu prato sem que você tenha pedido, empurre o alimento ao redor com seu garfo, para fazer parecer que você comeu pelo menos um pouco

10) “Não posso beber, estou dirigindo”

Bebidas alcoólicas engordam bastante e podem prejudicar a dieta. No entanto, ninguém vai argumentar se você vai dirigir e precisa estar sóbrio.

11) “Obrigado, mas já estou com a geladeira cheia e assim você tem o que comer amanhã”

Se você não quer levar uma “marmita” para casa e ter que lidar com mais uma tentação, recuse o que o anfitrião oferecer dessa maneira. Se ele insistir, você fala que a comida pode até estragar.

Após todas essas dicas é importante ressaltar que não há problema algum comer o que você quiser com moderação. O importante é não se privar e aprender a ter autocontrole para manter uma boa saúde.

Leia Mais

Vai difamar alguém nas redes sociais? Leia isto antes

Por Leonardo Sakamoto, no UOL

Passado o pleito, as timelines continuam coalhadas de maluquices, baboseiras, teorias conspiratórias, cascatas, invencionices e demais mimimis de causar vergonha alheia ao mais incapaz dos comediantes. Temendo pela sanidade mental coletiva diante da miríade de mentecaptos, sejam os mercenários pagos por partidos ou empresas, seja os otários que fazem isso por conta própria e gratuita, resolvi atualizar e trazer novamente os “Dez Mandamentos para Divulgar Notícias no Facebook e Twitter”.

Qualquer ameba com problemas cognitivos sabe que redes sociais são fundamentais para mobilização social neste nosso admirável mundo novo. Mas, ao mesmo tempo, são terreno fértil para cultivar boatos. Muita coisa fake tem corrido a rede loucamente, criando medo. Reputações nascem e morrem e tem sempre um pilantra distorcendo na esquina digital mais próxima – seja visando a um objetivo pessoal ou de seu grupo ou inconscientemente misturando realidade e desejo.

O desmentido (por ser mais sem graça) não chega tão longe quando a denúncia. Então, comportem-se. Se não for pelo entendimento de que viver em sociedade requer alguns cuidados com o outro, que seja, pelo menos, pela culpa incutida por anos dentro de vocês – o famoso “Olha que Deus tá vendo”.

E antes que reclamem, o que alguns chamariam de “censura”, neste caso, eu batizo de “bom senso”. Coisa que está em falta no mercado, onde a dignidade alheia vale muito pouco…

Dez Mandamentos para Divulgar Notícias no Facebook e Twitter

1) Não divulgarás notícia sem antes checar a fonte da informação.

2) Não divulgarás notícias relevantes sem atribuir a elas fontes primárias de informação. Um “cara gente boa” ou um “Best Friend Forever” não é, necessariamente, fonte de informação confiável

3) Tuítes e posts “apócrifos”, sem fonte clara, jamais serão aceitos como instrumento de checagem ou comprovação. Sites que caluniam e não se dignam a informar quem é o responsável, muito menos.

4) Não esquecerás que informação precede opinião.

5) Não repassarás informações que não fazem sentido algum só porque você não gosta da pessoa ou instituição em questão. A disputa entre posições políticas deve ser baseada em um jogo limpo e não em invenciones.

6) Lembrarás que mais vale um tuíte ou post atrasado e bem checado que um rápido e mal apurado. E que um número grande de retuítes, compartilhamentos e “likes” não garante credibilidade de coisa alguma.

7) Não matarás – sem antes checar o óbito.

8 ) Não esquecerás que a apuração in loco, por telefone e/ou por e-mail precede, em ordem decrescente de importância, o chute.

9) Não terás pudores de reconhecer, rapidamente e sem poréns, o erro em caso de divulgação ou encaminhamento de informação incorreta. Pedir desculpas é divino.

10) Na dúvida, não retuitarás, compartilharás ou darás “like” em coisa alguma. Pois, tu és responsável por aquilo que repassas e atestas. Ou seja, se der merda, você também é culpado. E, sim, retuitar, compartilhar e dar “like” em coisa ruim já rendeu condenação para muita gente.

Leia Mais

Por Dilma Rousseff, Silvio Santos mantém Sheherazade ‘calada’

A jornalista Rachel Sheherazade durante a maratona televisiva Teleton, no último sábado (8) foto: Artur Igrecias/SBT
A jornalista Rachel Sheherazade durante a maratona televisiva Teleton, no último sábado (8) foto: Artur Igrecias/SBT

Daniel Castro, no Notícias da TV

Proibida de opinar nos SBT Brasil desde abril, após dizer que achava “compreensível” a ação de um grupo de “justiceiros”, a jornalista Rachel Sheherazade vai continuar calada. Desta vez, quem a proibiu de voltar a fazer comentários foi o próprio dono do SBT, Silvio Santos. Ela também não terá um programa debates, como se falou em maio, quando renovou contrato com o SBT. A emissora tomou a medida para não se desgastar com a presidente reeleita, Dilma Rousseff.

Angustiada com a demora para voltar a opinar, o que deveria ocorrer durante a Copa do Mundo, Sheherazade procurou Silvio Santos no último dia 28, dois dias após o segundo turno. Ela foi até o salão do cabeleireiro Jassa, em São Paulo, frequentado pelo apresentador. Argumentou com o “patrão” que, agora que já tinham passado as eleições, não haveria risco de problemas legais com suas opiniões.

Sheherazade ouviu um eloquente “não”. “Se o Aécio [Neves] tivesse vencido, tudo bem. Mas como a Dilma ganhou, é melhor você continuar calada”, respondeu Silvio Santos, segundo uma testemunha. A jornalista, que foi contratada em 2011 justamente por causa de suas opiniões na afiliada da Paraíba, continuará sendo apenas apresentadora do SBT Brasil.

O comportamento de Rachel Sheherazaede durante a campanha eleitoral desagradou a cúpula do SBT. Nas redes sociais, ela fez campanha abertamente para Aécio Neves. Com Dilma, chegou a ser agressiva. Após debate no SBT em que a presidente passou mal ao dar entrevista, ela reproduziu no Twitter trecho de uma coluna da revista Veja: “Pressionada por Aécio no debate do SBT, Dilma perde o rumo no meio da entrevista e culpa a pressão”.

Para executivos do SBT, o comportamento de Rachel não é compatível com uma apresentadora de telejornal da emissora, muito menos para uma apresentadora e articulista. Isso, segundo uma fonte, pesou na decisão de Silvio Santos de mantê-la “calada”. Sem espaço para opinar no SBT, Sheherazade está fechando contrato com a rádio Jovem Pan, emissora em que já trabalham Reinaldo Azevedo, Joseval Peixoto e José Nêumanne Pinto.

O “não” de Silvio Santos e a vitória de Dilma Rousseff não foram os únicos contratempos de Rachel Sheherazade na virada do mês. No último dia 30, a polícia do Rio de Janeiro prendeu oito jovens por associação com o tráfico de drogas. Entre eles, estavam os “justiceiros” que em janeiro amarraram a um poste um jovem acusado de cometer furtos na região do Aterro do Flamengo, ação que Sheherazade considerou “compreensível”. O comentário lhe custou a liberdade de opinar no SBT e um processo do Ministério Público em que a emissora pode ser obrigada a se retratar.

 

Leia Mais

Tristeza é emoção que demora mais tempo para passar, diz estudo

Por Jairo Bouer, no UOL

Uma pesquisa revela que a tristeza é a emoção que demora mais tempo para passar. A sensação que temos após o rompimento de um namoro ou a perda de um ente querido dura 240 vezes mais do que a vergonha, a surpresa ou o tédio, segundo pesquisadores da Universidade de Leuven, na Bélgica.

Para chegar à conclusão, eles coletaram depoimentos de 233 estudantes universitários sobre episódios recentes que resultaram em emoções. Os resultados foram publicados na revista Motivation and Emotion.

De acordo com o levantamento, que avaliou 27 emoções, a tristeza leva uma média de 120 horas para passar. Já o ódio tem uma duração média de 60 horas e a alegria, de apenas 35 horas. O desespero costuma durar 24 horas e o ciúme, 15 horas.

No fim da lista, as emoções que passam mais rápido são a vergonha e o nojo – que desaparecem, em média, depois de meia hora.

Segundo os pesquisadores Philippe Verduyn e Saskia Layrijsen, o tédio também está entre as emoções mais fugazes – costuma durar duas horas – ainda que as pessoas tenham a sensação de que o tempo passa mais devagar ao ficar entediadas.

O estudo ressalta que emoções mais curtas têm relação com eventos que têm importância menor para as pessoas. No entanto, quando acontece algo de maior impacto na vida de uma pessoa, ela tende a repensar o acontecimento continuamente. Essa mania de “ruminar” faz com que certas pessoas sintam ansiedade e culpa, por exemplo, por longos períodos.

Leia Mais