Cérebro pode ser ‘treinado’ a preferir sempre alimentos saudáveis

2014_722224418-2014061061371.jpg_20140610

 

Publicado em O Globo

Sim, é possível gostar só de salada ou produtos “light”. Basta fazer um esforço. Essa é a principal conclusão de um estudo publicado na revista “Nutrition & Diabetes”, que defendeu que nosso cérebro pode ser treinado a preferir comida saudável em detrimento de alimentos de alto teor calórico e gordurosos, desde que a dieta não deixe ninguém passar fome.

Há tempos, tinha-se a impressão que nossas preferências por fast-food como batatas fritas e hambúrgueres eram vícios construídos pela sociedade ocidental. No entanto, cientistas da Universidade de Tufts, nos Estados Unidos, puderam confirmar essa teoria a partir de imagens escaneadas da área cerebral ligada à recompensa e vício.

Ao todo, 13 homens e mulheres classificados como “acima do peso” e “obesos” participaram do experimento, oito dos quais faziam parte de um programa de perda de peso especialmente projetado. Quando seus cérebros foram escaneados usando ressonância magnética no início e no final de um período de seis meses, aqueles que seguiam o programa de emagrecimento demonstraram mudanças no centro de recompensa do cérebro.

Ao longo de seis semanas, imagens escaneadas no centro de recompensa do cérebro mostraram que as preferências alimentares desse grupo mudaram, focando em uma dieta rica em fibras e proteínas e pobre em carboidratos. Não foi permitido de modo algum que os participantes ficassem com fome, já que é nesse momento que os desejos de comida e alimentos não-saudáveis tornam-se mais incontroláveis.

Após a exibição de imagens de diferentes tipos de alimentos aos participantes, foram os alimentos saudáveis e de baixas calorias que produziram um aumento da reação cerebral. Segundo o estudo, isso indicava um aumento da recompensa e prazer da comida saudável. Por outro lado, o centro de recompensa do cérebro também mostrou diminuição da sensibilidade aos alimentos pouco saudáveis e de maior teor calórico.

Leia Mais

Animação comovente ajuda a compreender a depressão

Publicado no Catraca Livre

A depressão atinge cerca de 350 milhões de pessoas em todo o mundo e não tem preconceito: homens, mulheres, crianças, velhos, jovens, ricos e pobres, todos podem ser afetados por ela.

black-dog1

Apesar de afetar tantas pessoas, o preconceito e a falta de estratégias de prevenção faz com que apenas 10% com o problema tenham acesso ao tratamento.

black-dog2

A OMS (Organização Mundial da Saúde), em parceria com o escritor e ilustrador Matthew Johnstone, produziu uma animação que mostra de forma simples e direta o que é a depressão e, o mais importante, como é possível se livrar dela.

Usando a metáfora do “grande cão negro”, que é utilizada desde o século 16, o vídeo explica alguns dos sintomas e como a depressão prejudica a vida de uma pessoa. O diálogo, a aceitação, o tratamento e até mesmo o exercício físico são grandes aliados na missão de transformar a assustadora fera em cão domesticado, por mais impossível que isso, às vezes, possa parecer.

A figura de um cão preto foi usada pelo escritor inglês Samuel Johnson, em 1780, para descrever sua própria depressão e popularizada primeiro-ministro britânico Sir Winston Churchill, que também enfrentou o problema.

Leia Mais

Juiz legaliza parcialmente a poligamia em estado americano

Juiz legaliza parcialmente a poligamia em estado americano
Kody Brown pode viver legalmente com suas quatro esposas – Reprodução

Mórmons fundamentalistas de Utah podem ter quantas esposas quiserem, desde que não casem formalmente

Publicado em O Globo

UTAH – Os mórmons fundamentalistas que praticam a poligamia em Utah conseguiram uma vitória legal na última quarta-feira, quando um juiz federal deu razão a uma conhecida família em seu litígio contra o Estado. As leis estaduais proíbem o matrimônio múltiplo e a coabitação, mas o juiz Clark Waddoups decidiu que poligamia é legal, desde que não exista o casamento formal, informa o “El País”.

A decisão encerra uma batalha legal de três anos entre o estado de Utah e Kody Brown, conhecido por protagonizar o programa de TV “Sister Wives”, que mostra como Brown vive com suas quatro esposas e 16 filhos. Quando o programa começou, em 2010, a família vivia na cidade de Lehi, em Utah, e o estado iniciou uma investigação contra Brown. Apesar de nunca ter sido denunciado, o mórmon fundamentalista processou o estado por impedir a prática de sua religião.

Em sua decisão, Waddoups determina que a proibição da coabitação vai contra a proteção das liberdades individuais, presente na Constituição americana. Com isso, Brown pode continuar vivendo com suas quatro mulheres, desde que não casem formalmente.

Em dezembro do ano passado, Brown já havia conseguido sentença favorável, mas ela estava suspensa até a decisão do valor a ser pago pelo estado pelos danos causados. Entretanto, a família renunciou ao direito de ser ressarcido, cobrando apenas os custos processuais.

A promotoria do estado de Utah informou que irá recorrer à Corte de Apelações, mas até o momento nada foi feito. Em comunicado, a família Brown agradeceu o trabalho dos advogados e pediu respeito à prática religiosa.

Os casamentos múltiplos são ilegais nos EUA desde o século XIX. Os próprios mórmons condenam a prática há mais de um século, mas alguns membros da comunidade mórmon fundamentalista em Utah continuam com a prática. As estimativas apontam que 38 mil mórmons pratiquem a poligamia no estado.

- Agora não somos criminosos. É um grande alívio. Não precisamos temer que alguém bata na porta e leve os seus filhos. Espero que esta decisão elimine o estigma de viver sobre um princípio que é uma forte crença religiosa – disse Anne Wilde, cofundadora do grupo Principle Voices, que defende a poligamia, à agência AP.

Leia Mais

Parceiro sexual de 5% dos jovens foi conhecido na internet, diz pesquisa

Entre os pais, 1% sabe que os filhos conheceram os namorados na internet.
Estudo do Portal Educacional ouviu 4 mil jovens entre 13 e 16 anos.

Brasileira acessa a internet em Garça (SP) (foto: Reprodução/TV TEM)
Brasileira acessa a internet em Garça (SP) (foto: Reprodução/TV TEM)

Helton Simões Gomes, no G1

Conversas iniciadas na internet foram o atalho para jovens brasileiros abrirem sua vida íntima a pessoas até então desconhecidas que se tornaram parceiros sexuais, de acordo com a edição 2014 da pesquisa “Este Jovem Brasileiro”, realizada pelo Portal Educacional e obtida com exclusividade pelo G1. Entre os jovens ouvidos, 5% disseram já ter feito sexo com pessoas conhecidas pela internet. Nem todos os contatos nascidos na internet, porém, terminam na cama, mas não são raras as relações que pulam do mundo virtual para o real: 11% dos adolescentes entrevistados já namoraram com alguém conhecido na internet. O mais comum, porém, é não passar de alguns beijinhos, coisa que 22% dos jovens disseram já ter ocorrido. Enquanto isso, os pais nem suspeitam: pouco mais de 1% sabe que os “ficantes” ou namorados dos filhos foram conhecidos na internet.

Para traçar o perfil sobre o comportamento dos jovens na internet, a pesquisa ouviu 4 mil estudantes de 13 a 16 anos, 300 pais e 60 professores de 36 escolas particulares em 14 estados brasileiros. Eles responderam às perguntas de forma anônima por meio de um formulário on-line entre 5 de maio e 27 de junho deste ano. O estudo foi feito em parceria com o psiquiatra Jairo Bouer.

As novas amizades virtuais geralmente são apresentadas por amigos, surgem nas redes sociais ou são feitas por meio de aplicativos para celular. Segundo a pesquisa, no entanto, 60% dos jovens não confiam nas pessoas conhecidas assim. Mas há os que confiam. Dos 4 mil jovens, 600 já abriram a webcam de seus computadores para completos desconhecidos. Quando encontram pessoas conhecidas pela internet, possuem estratégias para garantir a segurança: marcam em algum lugar público ou levam um amigo a tiracolo.

‘Stalkear’ pode

A internet é parte importante da vida desses adolescentes. A pesquisa aponta que 85% dos jovens passam ao menos duas horas conectados. A preponderância da internet na vida deles faz dela uma ferramenta para que construam seus relacionamentos. Isso porque pouco mais da metade dos jovens recorreram à rede para pesquisar a vida de potenciais “ficantes” ou namorados.

Mas também usam para miná-los. Entre os adolescentes que já estão comprometidos, mais de 40% não acha que paquerar na rede seja problema. Três em cada dez tiveram que discutir a relação com amigos ou namorados devido a alguma postagem em redes sociais.

Mentindo a idade

Estudantes em escola de Piracicaba (foto: Fernanda Zanetti/ G1 Piracicaba)
Estudantes em escola de Piracicaba (foto:
Fernanda Zanetti/ G1 Piracicaba)

Apesar de os pais não estarem a par do que os filhos fazem na rede, não quer dizer que não monitorarem as ações dos adolescentes de algum tipo. O problema é que quando controlam o acesso à rede, a tentativa não é aceita por um terço dos jovens. O controle ao acesso não é respeitado mesmo quando exercido pelos próprios serviços. Mais de 90% entraram em redes sociais antes dos 12 anos – a idade mínima permitida no Facebook, por exemplo, é de 13 anos. Como fizeram isso? Simples: 86% admitiram ter mentido a idade.

Quando os pais impõem alguma restrição, os jovens surgem com meios para driblar métodos de controle. Para 63% deles, é mais fácil evitar a vigilância paternal com o uso de tablets e smartphones. Quando querem privacidade, são esses os aparelhos usados por um a cada quatro jovens. Identificado como um aparelho pessoal, os celulares não são controlados pelos pais de 80% dos jovens.

A conexão frequente dos jovens causa atritos dentro de casa. Quatro a cada cinco pais dizem ter problemas com os filhos pelo uso exagerado da internet. E tem motivos para se preocupar: quase um terço dos jovens já compartilhou dados pessoais na rede, como telefone, endereço ou documentos. A maioria deles (65%), porém, sabe que o rastro digital pode ser usado para avaliá-los futuramente. Saber que expor informações pessoais pode prejudicá-los no futuro, mas, mesmo assim ir adiante, ocorre porque os jovens sofrem um apagão quando usam o celular. Um terço dos adolescentes diz que não pensam muito antes de postar pelo celular.

Leia Mais

Quer contornar a timidez? Conheça a regra dos 3 segundos

Conheça mais pessoas usando essa dica simples

foto: flickr/creative commons
foto: flickr/creative commons

Ana Freitas, na Galileu

O Life Hacker  deu, essa semana, uma dica muito legal pra quem sofre com a timidez. A timidez é um traço da personalidade como qualquer outra, mas ela acaba tendo implicações que impactam na qualidade da vida social e profissional de quem é tímido. Se apresentar pra alguém em um contexto profissional, por exemplo, ou fazer “networking”, demanda muito mais esforço de uma pessoa tímida – mas ela é cobrada igualmente do meio social, e às vezes passa por antipática.

Se você estiver lutando contra a timidez pra conhecer gente – seja em uma festa ou em um congresso – talvez essa dica funcione pra você. Mesmo se você não for tímido, mas tenha dificuldade de dar o primeiro passo pra conhecer alguém, tente isso:

Quando você ver alguém interessante com quem deseje falar, você tem 3 segundos pra ir até lá e dizer “oi”. Espere mais e você vai ou pensar demais e estragar tudo ou pensar demais e nunca se aproximar. Não sabe o que dizer? Não importa. Qualquer coisa é melhor que nada, porque tira você do status de alguém desconhecido sem nome em um mar de rostos e leva para o status de uma pessoa de verdade, com uma história e que teve a coragem de dizer “oi”. Se for alguém que você sempre quis conhecer, você ao menos poderá começar agradecendo a eles pelo trabalho e dizendo como ele te impactou.

Leia Mais