Arquivo da tag: copa

LEGO na Copa do Mundo 2014: Maracanã e Arena Corinthians em LEGO

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Maracana-Arena-Corinthians

publicado no Blog do Brinquedo

O Maracanã Stadium LEGO, onde acontece a grande final entre Alemanha e Argentina, foi construído pelo LEGO artist Schfio Factory em 6 semanas, tem mais de 1.8 m de diâmetro e a Arena Corinthians, também numa escala enorme e com as arquibancadas divididas entre torcidas de Brasil e Argentina (infelizmente não encontrei o autor do modelo). Foram gastos mais de 100.000 blocos LEGO para replicar os dois estádios!

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Maracana-LEGO-01

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Maracana-LEGO-02

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Maracana-LEGO-04

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Maracana-LEGO-05

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Maracana-LEGO-06

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Maracana-LEGO-03

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Arena-Corinthians-LEGO-01

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Arena-Corinthians-LEGO-02

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Arena-Corinthians-LEGO-03

Estadios-LEGO-Copa-do-Mundo-Arena-Corinthians-LEGO-04

Projeto quer transformar estádios da Copa 2014 em moradias

publicado no Terra

Uma dupla de arquitetos da França quer transformar os 12 estádios do Brasil na Copa do Mundo de 2014 em casas para desabrigados.

O projeto, chamado Casa Futebol, quer aproveitar espaços nos estádios do Mundial para preenchê-los com pequenas moradias. Desta forma, os locais poderiam continuar recebendo partidas de futebol, enquanto desabrigados por grandes obras poderiam morar em partes do local.

“Não é uma questão de questionar o interesse do povo brasileiro pelo futebol, mas de propor uma alternativa ao déficit de moradias”, diz o site do projeto, um dos que integram o programa 1week1project (“Uma semana, um projeto”). “Os estádios continuarão a ser usados, recebendo partidas de futebol. Uma parte dos lucros será usada para financiar a construção e a manutenção das casas”, acrescenta.

Segundo o plano da dupla, casas pré-fabricadas de 105 m² seriam encaixadas em vãos dos estádios possibilitando a moradia. O projeto é semelhante ao que já é aplicado em países da Europa, onde painéis de propaganda (outdoors) ganham anexos habitáveis.

“Governo Padrão Felipão”

foto: Estadão

foto: Estadão

Eliane Cantanhêde, na Folha de S.Paulo

Da presidente e candidata Dilma Rousseff, tentando cutucar a Fifa depois dos 3 a 0 do Brasil sobre a Espanha e a vitória na Copa das Confederações: “Meu governo é padrão Felipão”.

E agora, depois dos 7 e o fim do sonho do hexa em pleno solo brasileiro? Dilma continua dando entrevistas sobre a Copa e, se já não comparava o padrão do seu governo à malfalada Fifa, não pode mais compará-lo ao do Felipão. Mas não vai faltar quem faça a comparação…

Política é curiosa, vai e vem, vem e vai, sempre sujeita aos humores da grande e difusa massa de eleitores. Dilma ganhou quatro pontos com a Copa, mas tende a estacionar agora.

O que ocorreria com a candidata Dilma se o Brasil fosse campeão e a presidente Dilma entregasse a taça para o capitão Thiago Silva? Imagem fortíssima, de imensa simbologia.

Mas o que ocorrerá com a candidata Dilma se a Argentina for campeã e a presidente Dilma for obrigada a entregar a taça para o capitão Messi em pleno Maracanã? Imagem igualmente fortíssima, de imensa simbologia, mas em sentido oposto.

Já que foi a própria Dilma quem fez o casamento entre o seu governo e o “padrão Felipão”, estão unidos na alegria e na tristeza. Já que ela certamente tiraria louros político-eleitorais se a taça fosse nossa, a premissa contrária é igualmente verdadeira: tem agora de dividir os prejuízos da derrota vexaminosa.

Com crescimento medíocre e indicadores destrambelhados, é óbvio que a oposição, em algum momento, mais ou menos subliminarmente, vai colar a tática, a estratégia e a preparação do governo ao “padrão Felipão”. Sobretudo na economia.

Eleição, porém, não é campeonato de futebol entre PT e PSDB. Se FHC dizia que a vitória do Brasil não impediria derrota de Dilma, a premissa contrária vale igualmente para ele: a derrota do Brasil também não impedirá a vitória da petista.

A Copa acabou para o Brasil, mas a eleição está apenas começando.

Copa 2014: Danielle Winits aparece no gramado do Mineirão com colete de fotógrafo

publicado no EXTRA

Entre tantos fotógrafos credenciados para cobrir a partida desta terça-feira entre Brasil e Alemanha, no Mineirão, uma loira se destacava no gramado.

Danielle Winits apareceu no campo com um colete de fotógrafo e uma credencial de “Special Marketing Programmes” (Programas Especiais de Marketing). De máquina em punho, registrava os momentos que antecederam o pontapé inicial da semifinal da Copa do Mundo.

Com máscara do Neymar, Danielle Winits posa ao lado de Amaury no Mineirão
Com máscara do Neymar, Danielle Winits posa ao lado de Amaury no Mineirão Foto: Reprodução / Instagram

Danielle atualmente namora o jogador de futebol Amaury Nunes, que está com ela no estádio para acompanhar a semifinal da Copa do Mundo. Amaury atua no Ocala Stampede, dos Estados Unidos.

O casal também posou na arquibancada, e Danielle, usando uma máscara com o rosto de Neymar, postou a imagem na rede social.

Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/copa-2014/copa-2014-danielle-winits-aparece-no-gramado-do-mineirao-com-colete-de-fotografo-13183047.html#ixzz36yzqTwnj

Bandeirinhas aumentam consumo em 3%

Pesquisa revela que só a Inglaterra gastou 1,22 milhões de litros a mais durante a Copa de 2006

publicado no Jornal do Carro

Um estudo realizado pela Universidade Manchester revelou que um automóvel com duas pequenas bandeiras anexadas gasta um litro a mais de combustível quando se desloca a 70 km/h.

Usando como base os carros ingleses que foram ornamentados na época da Copa do Mundo de 2006, a pesquisa também indicou que há um aumento médio de 3% no consumo dos veículos que usavam mais de duas bandeirinhas.

No entanto, o estudo tinha uma reflexão mais ampla. De acordo com a pesquisa, só a Inglaterra, com os carros enfeitados durante a Copa, provocou a queima extra de 1,22 milhões de litros de combustível e elevou a emissão em três milhões de quilos de CO2.