Arquivo da tag: Corinthians

Motel de São Paulo cria suíte temática para torcedores do Corinthians

corin1Publicado no UOL

O motel Classe A, localizado no bairro da Mooca, zona leste de São Paulo, criou uma suíte especial para torcedores do Corinthians. O quarto tem decoração em preto e branco, camisa oficial do time enquadrada e grito da torcida ecoando na garagem.

“Pensei em unir as duas paixões em um só lugar: a paixão pelo Corinthians unida à paixão pelo parceiro ou parceira. Vi que seria uma combinação explosiva”, disse, em nota, o dono do motel, Robson Marinho.

Os clientes que quiserem conhecer a suíte precisam pagar R$ 162 pelo período de três horas.

O tratamento diferenciado começa logo na garagem. Quando um carro é estacionado, um sensor dispara o grito da torcida para o casal. Na parede, a inscrição “Eternamente dentro dos nossos corações” dá as boas-vindas, assim como o símbolo do Corinthians.

A suíte tem cadeira erótica, banheira de hidromassagem, sauna e TV, além de outros equipamentos. A cabeceira da cama é decorada com uma imagem da torcida e a frase “Não para, não para, não para”, numa referência a um dos cantos mais populares dos corintianos.

Uma camisa oficial enquadrada é outro destaque da decoração. Marinho afirma que tomou cuidado até com a fiação do quarto. “Exigi que toda a fiação elétrica fosse nas cores preta e branca. Não há um só fio verde dentro da suíte.”

A suíte foi inaugurada há pouco mais de uma semana e, segundo o dono, já rendeu momentos curiosos. Uma das camareiras do motel, torcedora do São Paulo, se negou a arrumá-la. Em outro episódio, um casal discutiu porque a mulher, corintiana, queria usar a suíte temática, e o homem, não.

Marinho diz que pretende criar mais suítes temáticas de outros times de futebol.

corin2

Fox leva Homer ao treino do Corinthians

Personagem do seriado Os Simpsons participa de ação para divulgar a estreia do episódio que tem como tema a Copa do Mundo no Brasil

Personagem admira a cidade de São Paulo no episódio do seriadopublicado no meio&mensagem

Os jogadores do Corinthians terão um reforço especial no treino que será realizado na tarde nesta quinta-feira, 29. Em uma ação de marketing, o canal Fox levará o personagem Homer Simpson para bater uma bola com os atletas do time. 

A visita de Homer é uma ação do canal para divulgar a estreia do episódio dos Simpsons em homenagem à Copa do Mundo do Brasil. “You Don’t Have to Live Like a Referee” (“Você Não Precisa Viver Como um Árbitro”) será exibido no domingo, 8 de junho, a partir das 20h. 

No episódio, que já foi lançado nos Estados Unidos, a família de Homer vem ao Brasil mais uma vez e o protagonista acaba tendo a missão de apitar um jogo da Copa do Mundo, na Arena Corinthians. Os personagens também passeiam por alguns pontos turísticos da cidade de São Paulo. 

Há 12 anos, o famoso seriado também trouxe seus personagens ao Brasil em um episódio que se passou no Rio de Janeiro. Na ocasião, muitos fãs da série criticaram a maneira como o País foi abordado, acusando os roteiristas de incluírem piadas preconceituosas e sequências desrespeitosas aos brasileiros.  

Obra do Itaquerão gerou aumento de abuso infantil em Itaquera, conclui CPI

foto: Rogério Gomes

foto: Rogério Gomes

Vinícius Segalla, no UOL

O bairro de Itaquera, na zona leste da capital paulista, onde está instalado o recém-construído estádio do Corinthians – palco da cerimônia de abertura da Copa do Mundo -  registrou aumento de casos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes no período de construção da arena.

A conclusão é da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que foi instalada no ano passado na Câmara dos Vereadores de São Paulo. O relatório final do trabalho dos parlamentares traz depoimentos de meninas moradoras de uma favela do bairro que tratam abertamente dos abusos ocorridos.

Depoimentos de um grupo de meninas, prestados no início do mês de abril a um comitê de defesa dos direitos da criança atestam que o canteiro de obras do estádio fez intensificar a exploração na região.

“A gente colheu depoimentos de meninas que foram vitimizadas durante o período [de construção do estádio, iniciado em 2011]. É fato que existe e existiu a exploração sexual naquele momento e nas imediações do Itaquerão”, destaca a vereadora Patrícia Bezerra (PSDB), relatora da CPI que apurou a exploração infantil no município.

Em um dos depoimentos, a menina B., de 13 anos, conta que foi assediada e abusada sexualmente por um dos trabalhadores do canteiro de obras do Itaquerão e que engravidou.

“Um rapaz sempre dava em cima de mim na rua quando eu passava. Isso começou a me incomodar por ele ser bem mais velho. Meu pai sabia que ele dava em cima de mim e não fazia nada. Ele foi tentando se aproximar várias vezes. Até que um dia saí com ele e fui abusada. Engravidei. Depois de um tempo ele disse que me assumiria. Meu pai não se importou muito. Até parece que para ele isso foi bom, porque era uma boca a menos para alimentar. Pode ter sido bom para ele, não para mim”, disse a menina, moradora de uma comunidade próxima ao Itaquerão.

A Prefeitura de São Paulo reconhece a região do estádio como um dos pontos vulneráveis a esse tipo de crime e acionou uma rede de proteção, que inclui assistência social, conselhos tutelares e escolas, para que a prática de abuso sexual infantil não seja repetida durante a Copa do Mundo, que começa no próximo dia 12, exatamente no Itaquerão.

A medida integra a Agenda de Convergência, estratégia do governo federal, por meio da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, no enfrentamento à violação dos direitos da criança e do adolescente durante grandes eventos.

“Essa ação mobiliza os atores sociais das redes locais e foi implantada na capital paulista. Não só lá na região de Itaquera, mas em outros pontos de concentração onde as pessoas vão assistir aos jogos”, informou Fábio Silvestre, coordenador de políticas para crianças e adolescentes da Secretaria Municipal de Direitos Humanos.

De acordo com Silvestre, a prefeitura reforçou também a campanha de divulgação do Disque Direitos Humanos – Disque 100, que recebe esse tipo de denúncia.

Avisos em aeroportos

A Secretaria Nacional de Direitos Humanos (SDH) irá pregar nos principais portos, aeroportos e terminais rodoviários das 12 cidades-sede da Copa do Mundo do Brasil cartazes em inglês e espanhol convidando os turistas estrangeiros a denunciar casos de abuso ou exploração sexual infantil de que tenham conhecimento durante sua estada no país.

Além dos cartazes, serão distribuídos adesivos e folders aos turistas nos principais pontos de aglomeração de pessoas durante o Mundial de futebol, como entorno dos estádios, locais onde serão realizados eventos relacionados à Copa e centros hoteleiros.

A ação faz parte da campanha “Entre em Campo pelo Direito das Crianças”, executada pela SDH em parceria com conselhos municipais dos direitos da criança e do adolescente e entidades da sociedade civil. Quem banca o projeto é a Fundação Itaú Social.

De acordo com a secretária Nacional de Direitos Humanos, Angelica Goulart, além da divulgação e distribuição dos cartazes e adesivos, a ação inclui a criação, em cada cidade-sede da Copa, de espaços temporários de abrigo para crianças em situação de vulnerabilidade ou que tenham sofrido qualquer tipo de violência.

Racionais fazem show expresso para ‘mauricinhos’ na zona sul de SP

Mano Brown no show dos Racionais MC's no clube Royal, na Vila Olímpia

Mano Brown no show dos Racionais MC’s no clube Royal, na Vila Olímpia. (foto: Zanone Fraissar/Folhapress)

Leandro Machado, na Folha de S.Paulo

Uma fila de Porsches, Mercedes, Ferraris e Range Rovers se formou na rua Quatá, na Vila Olímpia. Os mais modestos chegavam de i30 ou Fiat 500. O estacionamento, a R$ 30, ficou lotado. “Doors open at 10:00 PM”, dizia o flyer da Royal Club, balada de “mauricinhos” na zona sul de São Paulo.

Era show dos Racionais MC’s, o maior expoente do rap brasileiro e voz autoproclamada da periferia.

Duas horas antes do show, anteontem, os carrões paravam e o público fazia a “social” na porta da casa. Os VIPs entravam correndo.

Andrés Sanches, ex-presidente do Corinthians, entrou rápido e logo foi para o camarote –R$ 3.500 o mais caro, para dez pessoas. Denilson, ex-jogador e comentarista da Band, também não fez hora.

“Você quer que eu fale da banda? Não conheço muito, mas pode anotar aí que eu gosto”, disse a promoter Gabriela Burbos, 20, salto altíssimo, shortinho e boné ao estilo “rapper” virado de lado.

Na fila, ela encontra o amigo Rodrigo Queiróz, 22, jogador de futebol sem clube no Brasil, mas “com transferência certa para a Hungria”.

Eles dizem ser habitué da Royal e, nesse domingo, tiveram a oportunidade de assistir a um dos grupos mais famosos do Brasil em um local, digamos, mais exclusivo.

Os Racionais, até o fim dos anos 90, tocavam apenas em casas dedicadas ao rap. Mano Brown dizia (e cantava) não gostar de playboys.

A presença do grupo num lugar como a Royal seria impensável há dez anos. Em 2010, a banda se apresentou lá, mas sem sua clássica formação, com Mano Brown, Ice Blue, Edi Rock e KL Jay.

Na porta, Lucas Fabbre, 18, estudante de engenharia civil pelo Mackenzie e morador do Tatuapé (zona leste), diz não conhecer muito bem as letras dos Racionais.

“Não sou fã, conheço as mais famosas. Vim porque aqui é mais seguro do que em locais abertos, como na Virada Cultural.

Já a estudante Beatriz Felix, 18, veio de Guarulhos, na Grande SP. É fã de rap e frequenta até uma batalha de MC’s na zona sul da capital.

“São um dos poucos que conseguem fazer música com letra boa”, diz ela, impecavelmente maquiada.

Os Racionais mostram, segundo ela, a realidade dos bairros periféricos das grandes cidades. Realidade, diz, que não vive, mas que é um “um ponto de vista”.

“Você vai ver como vou cantar todas as músicas”, diz Beatriz, apressada para entrar na Royal.

E cantou mesmo. No fim do show, saiu rouca e ensopada.

A Royal, que tem capacidade para 600 pessoas, estava lotada –o ingresso custava R$ 100 para homens e R$ 60 para mulheres. O bar, cheio, cobrava a R$ 16 uma cerveja e R$ 35 a dose de tequila.

Nos camarotes, baldes com garrafas de champanhe eram servidos com velas de aniversário presas ao gargalo. Cada garrafa custava R$ 430.

Por volta das 2h, começou uma batida e tudo escureceu. Uma fumaça branca e gelada foi lançada de um canhão no teto. Quando a névoa se dissipou, lá estavam os Racionais no palco.

A primeira música, a recente “Mente de vilão”, tocou o público mais por ser a primeira do que pela letra, que poucos na casa sabiam cantar.

Depois veio o clássico “Diário de um detento” e aí o público explodiu.

Nas músicas seguintes, menos conhecidas do habitué da Royal, como “Selva de pedra” (do disco solo de Edi Rock), o público se dispersou, foi fumar, beber, conversar.

Voltou depois, já no final, quando Mano Brown cantou as mais famosas “Negro Drama” e “Vida Loka”. Mas os Racionais pareciam ter pressa e o show durou só uma hora.

Se não empolgou, não foi só por culpa da banda. O público parecia mais interessado em registrar a ocasião com smartphones do que em ouvir a música.

Mano Brown só cantou. Não fez nenhum de seus famosos discursos. “Obrigado, São Paulo, segunda é dia de trampo”, encerrou.

Leticia Galhardo (esq) e Gabriela Burgos, 20, antes do show dos Racionais MC's (foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

Leticia Galhardo (esq) e Gabriela Burgos, 20, antes do show dos Racionais MC’s (foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

dica do Ronaldo Junior

Timão lança plano funerário para quem é ‘torcedor do início ao fim’

Corintiano poderá ter no velório com coroa de flores, vestuário, cenário, bandeiras e hino do clube, além da garantia de que não haverá nada verde

Slogan da campanha publicitária evoca fanatismo corintiano (foto: Reprodução)

Slogan da campanha publicitária evoca fanatismo corintiano (foto: Reprodução)

Publicado originalmente no Globo Esporte

O Corinthians lançou um plano funerário destinado aos seus torcedores. Em parceria com uma empresa do ramo, o Timão dará a possibilidade ao “fiel” de personalizar a cerimônia funerária em todos os aspectos. Coroa de flores, vestuário, cenário, bandeiras, hino do clube… e sem folhas verdes!

– O Corinthians conta com mais de 30 milhões de torcedores espalhados pelo país, e também notamos que nos cerimoniais do grupo, o hino do clube é uma das músicas mais pedidas – afirmou Iris Franco, gestora de cerimônias do grupo que age em parceria com o Timão nesta medida.

Tudo pode ser planejado nos mínimos detalhes. A coroa de flores, por exemplo, não conta com folhas verdes, cor do arquirrival Palmeiras. Todas são pretas e brancas. A cerimônia de despedida proposta pelo plano ainda contra com um painel de parede do Corinthians, um caixão com o símbolo do clube e uma bandeira do Timão. Até mesmo o carro funerário é personalizado com o escudo alvinegro.

As cerimônias podem ser realizadas tanto na estrutura do grupo que age em parceria com o Corinthians como em local à escolha da família. O plano custa R$ 27 reais por mês (individual) ou R$ 35 (familiar). Inicialmente, é possível promover a despedida personalizada apenas no estado de São Paulo. A tendência é que atinja todo o Brasil a partir de janeiro de 2014.

É possível incluir itens adicionais ao velório, como mesa de homenagens para registrar passagens importantes da vida do torcedor, bem como distribuição de lembranças aos presentes, entre outros elementos. O torcedor falecido também ganhará uma homenagem no Memorial Virtual do site “Corinthians para Sempre”.

dica do Guilherme Massuia