Livro de receitas transforma camisinha em utensílio de cozinha

Uma das receitas usa a camisinha como envólucro para o bolinho de arroz - Reprodução/Amazon
Uma das receitas usa a camisinha como invólucro para o bolinho de arroz – Reprodução/Amazon

Publicado em O Globo

Um livro lançado nesta segunda-feira pelo escritor japonês Kyosuke Kagami mostra que a camisinha tem funções além da prevenção de doenças e da gravidez. Em “Eu quero fazer comida com preservativo” (em tradução livre), o autor oferece 11 receitas que usam a camisinha durante o preparo. A obra está disponível em versão digital pela Amazon japonesa e custa 250 ienes, pouco mais de R$ 5.

Nos pratos, a camisinha serve, logicamente, como ferramenta de cozinha, não como ingrediente. As receitas ressaltam a durabilidade e flexibilidade dos preservativos e vão de bolinhos de arroz que usam a camisinha como envólucro a bolos de carne e sobremesas.

O livro é sério e, para corroborar as receitas, Kagami convidou o chef Harukano Yuka para supervisionar o projeto. Mas a intenção não é colocar a camisinha nos pratos das pessoas, mas chamar atenção para a importância do uso do preservativo.

“Eu acho importante que as pessoas sintam a presença do preservativo na vida diária”, disse Kagami, em comunicado.

Leia Mais

Netflix dribla regras da FIFA – sugere assistir filmes na copa, na cozinha…

A piadinha aproveita o timing para propor um programa para quem não gosta de futebol

netflix-na-copa

Jacqueline Lafloufa, no Brainstorm9

FIFA tem diversas regras sobre o que pode e o que não pode dizer durante aCopa do Mundo, mas sempre tem um jeitinho.

Aproveitando uma brecha, o timing do evento futebolístico e a característica de mobilidade do seu produto, a Netflix fez um vídeo bem levinho e bem provocativo, meio ‘sexy sem ser vulgar’.

No trecho, um amigo declara para a sua turma que vai assistir Netflix na copa, ao que todo mundo estranha – afinal, dá para assistir na copa, na cozinha, na sala, no escritório, na varanda…

A piadinha é juvenil, mas consegue passar a mensagem perfeitamente – quem não quiser curtir os jogos do mundial pode aproveitar para ver filmes e seriados. Seja na copa ou na sala.

A advogada Flávia Penido explica que o termo copa não foi registrado no INPI como marca da FIFA, portanto o seu uso é livre. “A alegação que poderia ser dada é de que existe concorrência desleal por tentativa de desvio de clientela, mas o argumento fica bem enfraquecido porque o vídeo ficou muito bom”, comenta.

A criação é da VML.

Leia Mais

Sexo traz felicidade para os franceses, mas as francesas preferem chocolate

Pesquisa feita com mil adultos destaca, porém, que para 72% é pior ter um parceiro ruim na cama do que ruim na cozinha

Elas gostam mais de chocolate (foto: StockPhoto)
Elas gostam mais de chocolate (foto: StockPhoto)

Publicado em O Globo

Homens franceses acreditam que o sexo é o caminho mais seguro para a felicidade, mas para as mulheres francesas a chave para a felicidade é a comida. De preferência chocolate, queijos e foie gras. A conclusão é de uma pesquisa publicada nesta quarta-feira pela empresa Harris Interactive.

Os franceses colocam sexo e comida no mesmo patamar como catalisadores de bem-estar, dando a ambos uma pontuação de 7,1 em uma escala de 0 a 10. A diferença é que os homens avaliam sexo em 7,5, enquanto as mulheres deram nota 6,7.

Para os gourmets de ambos os sexos, o chocolate levou o primeiro lugar na busca da felicidade, seguido de queijo, foie gras, marisco, morangos, bife e pão. Mulheres citaram chocolate e morangos mais frequentemente, os homens optaram pelas carnes.

Se fossem escolher entre cortar sexo ou comida, adivinhe o que elas responderam? Pois é, nada de sexo. A pesquisa foi feita com mil adultos em março e destaca ainda que, para 72% dos franceses, é pior que ter um parceiro é ruim na cama do que ruim na cozinha.

Leia Mais

Homem tem água encanada trocada por cerveja em pegadinha

Com o apoio de uma marca de cerveja da Nova Zelândia, grupo ligou o encanamento da casa do amigo em diversos barris. Cerveja gelada saía das torneiras da cozinha e banheiros

canoPublicado originalmente no iG

Você já imaginou chegar em casa e ter cerveja gelada à sua espera nas torneiras da cozinha, banheiros e lavanderia? Foi exatamente isso que aconteceu com Russ, um morador de Auckland, na Nova Zelândia.

A pegadinha foi uma colaboração dos amigos de Russ com a Tui, marca de cervejas local. Ao site ninemsn, um porta-voz da empresa afirmou que a ideia partiu da cervejaria, mas todos os sujeitos que aparecem são amigos da vítima, e que eles já fazem brincadeiras do tipo uns com os outros.

No vídeo, os amigos de Russ, com ajuda de um encanador profissional, trocam as tubulações da residência, ligando-as em barris de cerveja embaixo da casa. Em seguida eles instalam 14 câmeras escondidas para captar as reações do morador.

Perplexo com o fato de ter cerveja – gelada – saindo da torneira da cozinha, Russ começa a filmar o incidente, o que passa a impressão de que ele realmente não sabe o que está acontecendo. Próximo dali, em um lugar que parece uma garagem, os amigos acompanham e se divertem com o amigo.

Russ parte então para checar as instalações da casa, e é quando ele se depara com os barris de cerveja. Ao sair de lá ele se depara com os amigos, entendendo que foi vítima de uma brincadeira. O vídeo completo  (clique para assistir) com mais de sete minutos também foi disponibilizado.

dica do Jarbas Aragão

Leia Mais

‘Aparentemente não foi homicídio’, diz delegado sobre morte de Chorão

Vocalista do Charlie Brown Jr foi encontrado morto em seu apartamento. Corpo passará por exames toxicológicos.

6.jun.2006 - Chorão participa de coletiva para comentar sobre o filme "O Magnata" Mais Almeida Rocha / Folha Imagem
6.jun.2006 – Chorão participa de coletiva para comentar sobre o filme “O Magnata” Mais Almeida Rocha / Folha Imagem

Letícia Macedo, no G1

O delegado Itagiba Vieira, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), disse nesta quarta-feira (6), que não acredita que o vocalista Chorão, da banda Charlie Brown Jr, tenha sido vítima de um homicídio. “Aparentemente não foi homicídio. O IML é que vai dar a causa da morte. Aparentemente ou foi por uso de medicamento ou outra substância”, disse o delegado. Chorão, de 42 anos, foi encontrado morto por seu motorista e segurança nesta madrugada, em seu apartamento em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. Chorão, que morava em Santos, usava o apartamento esporadicamente, geralmente após shows.

Segundo o delegado, o apartamento de Chorão estava muito danificado. Itagiba acredita que os danos tenham sido feitos pelo próprio cantor, já que o corpo foi encontrado com um dedo machucado e havia marcas de sangue no local. “Não tem nada que estivesse no lugar. Ele estava machucado no dedo, arrancou parte de uma unha, o que pode explicar as marcas de sangue na parede”, disse o delegado.

O corpo de chorão foi encontrado na cozinha. O delegado informou ainda que Chorão tomava medicamentos, mas não soube precisar quais. Disse também que o vocalista do Charlie Brown Jr passava por problemas pessoais – ele se separou recentemente da mulher.

Segundo o delegado, Chorão chegou ao apartamento de Pinheiros na segunda-feira (4). Ele estava em um hotel – Itagiba não informou se era na capital paulista. Chorão havia combinado com seu motorista de ir pegá-lo às 12h desta terça-feira (5). O motorista foi ao prédio, e ninguém atendeu à porta. O motorista retornou às 20h e, novamente, não foi recebido. Ele decidiu, então, procurar o segurança de Chorão. Os dois foram ao local na madrugada e o segurança, que tinha cópia das chaves, abriu a porta. Os dois encontraram o cantor e acionaram o Samu. Em seguida, a Polícia Militar foi chamada, às 5h18, para “verificação de morte natural em apartamento”.

O corpo de Chorão deixou o prédio por volta das 8h30 em um carro da Perícia Técnico Científica. As causas da morte serão determinadas pela perícia. Latas de bebidas alcóolicas foram recolhidas no apartamento do cantor. Perguntado se foram encontrados vestígios de drogas no apartamento, Itagiba disse que não iria comentar o assunto por enquanto. O corpo passará por exames toxicológicos.

Por volta das 9h20, o motorista e o segurança de Chorão prestavam depoimento no DHPP.

O baixista da banda Charlie Brown Jr foi até o prédio de Chorão nesta manhã. “Estou péssimo”, disse. Ele contou que conhecia  Chorão há mais de 20 anos e que estava sem falar com o amigo há cerca de um mês e meio. Champignon negou que estivesse brigado com Chorão. “A gente brigou algumas vezes na nossa vida, mas felizmente a gente pôde refazer a nossa amizade”.

No final de 2012, Chorão deu uma bronca no baixista Champingnon em pleno show na cidade de Apucarana (PR). “Você voltou [para a banda] por causa de dinheiro”, disse, no palco. Poucos dias depois, Chorão compartilhou um vídeo ao lado do baixista comunicando que os dois já haviam feito as pazes.

O baixista informou que a banda estava de férias e que o próximo show programado estava marcado para o dia 22, em Campo Grande, no Rio de Janeiro. “Íamos voltar a tocar no dia 22, mas isso não vai mais acontecer”.

Champignon disse desconhecer as causas da morte. “Não sei o que aconteceu lá em cima. Ele estava sozinho. Não sei se tem relação com isso [drogas] também”, disse ao ser perguntado se Chorão era usuário de drogas.

A assessoria de imprensa da banda informou ao G1 que Chorão estava de férias e embarcaria para os Estados Unidos nos próximos dias. Ainda segundo a assessoria, o estado de saúde dele era bom.

O cantor e letrista, que faria 43 anos em 9 de abril, liderava a banda fundada por ele na cidade de Santos, no litoral de São Paulo, em 1992. Em 15 anos de carreira, o Charlie Brown Jr lançou nove álbuns de estúdio, dois discos ao vivo, duas coletâneas e seis DVDs. Ao todo, o grupo vendeu 5 milhões de cópias.

Além de vocalista, Chorão era responsável pelas letras do Charlie Brown Jr e pelo direcionamento artístico e executivo da banda. Em 2005, o trabalho “Tâmo aí na atividade” foi premiado com o Grammy Latino de melhor álbum de rock brasileiro, o que se repetiu em 2010 com “Camisa 10 joga bola até na chuva”.

No ano passado, o Charlie Brown Jr. lançou “Música Popular Caiçara”, álbum ao vivo que marcou o retorno dos integrantes Marcão e Champignon à banda. Eles haviam deixado o grupo em 2005. As apresentações aconteceram em Curitiba e Santos. A produção do trabalho foi feita por Liminha e os shows contam com a participação de Falcão (O Rappa), Zeca Baleiro e Marcelo Nova. Das 15 faixas do CD, a única gravada em estúdio é “Céu azul”.

Chorão foi o único integrante do Charlie Brown Jr que permaneceu no grupo em todas as suas fases. Paulistano, Chorão adotou a cidade de Santos desde a juventude, onde criou a banda. Seu apelido foi dado ainda na adolescência, quando ele não sabia andar de skate e ficava apenas olhando os amigos. Um deles, então, pediu que o jovem não chorasse. Segundo a GloboNews, a infância e a adolescência de Chorão foram difíceis por conta da separação dos pais, que aconteceu quando ele tinha 11 anos. O músico largou a escola na sétima na série.

Leia Mais