Arquivo da tag: crianças

Cristãos protegem palestinos de Gaza em igreja ortodoxa

“Muçulmanos ou cristãos, somos um mesmo povo. Todos sob as bombas. Todos somos um.”

Crianças palestinas, brincam na Igreja de São Porfírio, na Faixa de Gaza (foto: AP)

Crianças palestinas, brincam na Igreja de São Porfírio, na Faixa de Gaza (foto: AP)

Publicado em O Globo

FAIXA DE GAZA — A Faixa de Gaza possui uma única Igreja Ortodoxa. Diante do extensivo bombardeio das Forças Armadas israelenses, o templo religioso agora tem uma nova função: servir de abrigo para palestinos forçados a abandonar suas casas sob o medo de perderem não só os bens, mas a vida.

Eles poderiam se refugiar em um das 69 escolas da ONU na Faixa de Gaza, mas cada uma delas abriga, na média, 17 mil pessoas.

— Quando escapávamos dos bombardeios encontramos gente da Igreja Ortodoxa e eles disseram que nos refugiássemos no templo —disse Hiyazi ao jornal “El Mundo”.

Como ele, muitos outros vizinhos receberam alertas do Exército israelense avisando que suas casas seriam bombardeadas.

— Nos telefonaram e disseram: vocês escondem gente da resistência palestina, têm cinco minutos para sair de casa — disse Hiyazi, que nega a acusação, sem direito de defesa, feita por Israel.

Na Igreja de São Porfírio o arcebispo Alexios explica sua atitude ao jornal espanhol.

— Necessitavam de ajuda e nós dissemos que daríamos porque, se ofereces amor, vencerás. Damos o mínimo, amor, água, comida, medicamentos — disse o religioso.

Fátima, uma refugiada na Igreja, lamenta não poder ter retribuído a ajuda quando corria para se abrigar.

— Enquanto corríamos, havia gente ferida na rua, jogada no chão, mas nós só podíamos ajudar a nós mesmos. Não podíamos resgatar ninguém e há quatro dias estamos com a mesma roupa — conta ela ao “El Mundo”.

Muitas crianças viram primos, parentes serem literalmente explodidos pelas bombas israelenses. Segundo a ONU, 116 mil delas precisam de ajuda psicológica.

De dentro da igreja é possível ouvir as bombas, o zumbido dos aviões não tripulados de Israel e dos tiros.

— Muçulmanos ou cristãos, somos um mesmo povo. Todos sob as bombas. Todos somos um — diz Hiyazi.

20 fotos mágicas de crianças brincando ao redor do mundo que vão contagiar seu dia

publicado no Criatives

No mundo de hoje, com tantas opções tecnológicas de entretenimento para as crianças, é raro sair na rua e encontrar crianças brincando de carrinho, pega-pega ou até mesmo tomando um simples e divertido banho de chuva.Até o futebol tem sido trocado por video-games… Mas confesso que depois dessas fotos comecei a acreditar um pouco mais na essência de “o que é ser criança”.

Isso esta em falta no mundo, a alegria de sair nas ruas e ver crianças brincando, rindo, se divertindo… Mas isso ainda pode ser resgatado! Não importa sua origem cultural, sua cor ou raça, toda criança tem criatividade de sobra para criar brincadeiras com coisas tão simples, basta deixa-las livres para botar a criatividade em ação! A baixo uma lista de fotos de crianças brincando ao redor do mundo, para  fazer reviver a criança que existe em você!

Cachorro adota duas crianças abandonadas pela mãe alcoólatra

publicado no Globo Rural

Uma prova de que o amor maternal transcende barreiras. Depois que a mãe de Mbogo, de 7 anos e sua irmã mais nova, de 6 anos, abandonou os filhos por causa do alcoolismo, as duas crianças estão sob os cuidados de uma babá nada convencional. A cachorra Oscar assumiu o papel de mãe e cuidadora dos meninos.

Há alguns anos, os dois irmãos estão morando na casa de sua avó, Susan Wanjiku, em um pobre vilarejo no Quênia, na África. No entanto, ela dificilmente fica em casa, então quem toma conta das crianças é a cadela.

Oscar não tira os olhos deles, os acompanha até a escola, espera e os traz de volta. Inclusive, já os resgatou inúmeras vezes, os ajudando a achar o caminho de casa, quando os dois se perderam pela mata.

O vídeo está em inglês e as entrevistas no dialeto local, mas vale a pena ver as belas imagens:

Planeta_Bicho_cachorro_adota_crianças_quênia2 (Foto: Reprodução/YouTube)
Planeta_Bicho_cachorro_adota_crianças_quênia (Foto: Reprodução/YouTube)

Campanha mostra a reação de crianças ao descobrirem do que são feitas suas bebidas favoritas

Publicado no Catraca Livre

Cada vez mais a indústria alimentícia máquia seus produtos preocupando-se apenas com seu lucro e deixa de lado, de uma forma assustadora, o cuidado com a saúde do consumidor. Com o objetivo de investigar a composição real dos sucos de frutas de caixinha, O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) criou a ação: “Agite (se) antes de beber”.

idec-comendo-com-os-olhos-2

A campanha alerta aos consumidores para que questionem e agitem-se antes de ingerir produtos que estão de fácil alcance e praticidade para serem consumidos por crianças e adultos.

A ação conta com um vídeo em que o Idec reúne pais e seus filhos para descobrirem o que há de verdade dentro de uma caixinha/saquinho de suco inofensivo.

Na primeira parte, o pessoal do Idec pergunta às crianças o que elas acham que tem dentro da caixa ou saquinho de suco. Depois, pedem para elas lerem os ingredientes descritos. Em seguida, perguntam o quanto as crianças acham que tem de fruta nos produtos e mostram o quanto realmente tem.

idec-comendo-com-os-olhos-3

Assista ao vídeo e veja a reação das criancinhas ao descobrirem qual a real composição dos sucos de fruta que elas mais gostam de beber:

É direito de todos saber do que é composto de verdade qualquer produto. Para isso, a campanha do Idec Agite-se antes de beber” tem um espaço com dicas, publicações, leis e um espaço para que você possa contribuir, associar-se e ficar por dentro das pesquisas desenvolvidas.

Assista ao vídeo:  

Crianças percebem quando adultos mentem ou omitem informações

No teste do MIT, os pequenos analisaram brinquedos em busca de atrativos que poderiam estar ‘ocultos’ - Stock Photos

No teste do MIT, os pequenos analisaram brinquedos em busca de atrativos que poderiam estar ‘ocultos’ – Stock Photos

A partir dos 6 anos, os pequenos desconfiados conseguem detectar sarcasmo e o que as pessoas pensam sobre eles

Renato Grandelle, em O Globo

RIO – A mentira tem perna curta, e o nariz de quem mente fica longo, longo. Qualquer criança costuma repetir isso, e a ciência agora prova que elas entendem do assunto: segundo um novo estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), os pequenos percebem quando um adulto quer enganá-las ou omitir alguma informação.

Os cientistas cognitivos destacam que identificar em quem confiar é uma habilidade importante para o aprendizado em uma idade precoce, porque muito de nosso conhecimento sobre o mundo vem de outras pessoas.

— Quando alguém nos fornece uma informação, nós não aprendemos apenas o que está sendo dito. Também aprendemos alguma coisa sobre aquela pessoa — destaca Hyowon Gweon, coautora da pesquisa, publicada na revista “Cognition”. — Se a informação for precisa e completa, então você pode confiar naquela pessoa no futuro. Se ela ensinou algo incorreto, ou se omitiu alguma coisa importante, você pode suspender sua confiança.

Desconfiança com professor

A equipe de Hyowon deu a 42 crianças, todas entre 6 e 7 anos de idade, um brinquedo em forma de pirâmide. Para um grupo, o brinquedo tinha apenas um recurso, que era puxar uma corda. Já o outro grupo recebeu um brinquedo idêntico, mas com quatro funções. Além da corda, ele poderia acender uma luz, girar um globo e reproduzir uma música.

Depois, as crianças assistiam a dois fantoches, que interpretavam um professor e um aluno. O “professor fantoche” mostrava o brinquedo, mas apresentava apenas a brincadeira com a corda.

As crianças, então, deveriam dar notas, em uma escala de 1 a 20, sobre sua confiança naquele professor. O grupo que tinha o brinquedo mais completo deu notas muito menores. Segundo os cientistas, essas crianças teriam pensado que o fantoche estava omitindo informações sobre os outros três atrativos.

O segundo experimento foi mais complexo. Nele, 75 crianças foram divididas em três grupos. Um recebeu o brinquedo mais simples — aquele que tinha apenas a brincadeira com a corda. O segundo grupo ganhou o brinquedo mais complexo, com quatro atividades, mas os professores só comentaram sobre a presença da corda.

A terceira equipe também recebeu o brinquedo complexo. Estas crianças, no entanto, foram orientadas a usar as quatro ferramentas.

Depois, todos ganhavam um brinquedo novo, e os cientistas contaram que um tubo amarelo, ao ser puxado, provocaria um som estridente.

As crianças que haviam brincado com as quatro tarefas do outro brinquedo cumpriram rapidamente as ordens do pesquisador. Os outros dois grupos, aos quais só se ensinou a brincar com a corda, demoraram até três minutos, o tempo limite da experiência, analisando o novo brinquedo e buscando ferramentas “ocultas”. Eles acreditavam que alguma informação fora omitida.

— Isso mostra que as crianças não são sensíveis apenas para identificar o que está certo ou errado — analisa Hyowon. — Elas podem avaliar os outros com base em quem dá a informação e se ela é precisa. E esse julgamento pode interferir em como será o seu aprendizado no futuro. Vai depender se o professor já cometeu o “pecado” da omissão.

Segundo Fábio Barbirato, chefe da Psiquiatria Infantil da Santa Casa de Misericórdia do Rio, o estudo do MIT mostra como a criança pode observar “o que uma pessoa diz sem dizer”.

Confiança é menor até os 4 anos

O grau de confiança da criança varia de acordo com sua idade. Ele é menor em crianças de até 4 anos — o que pode explicar o medo de se separar dos pais quando entram na escola. Com cerca de 5 anos, ela percebe que o professor a trata com afeto, mas não sabe o motivo.

— A partir dos 6 anos, a criança tem uma formação neurobiológica que lhe permite saber, por exemplo, o que outras pessoas pensam sobre ela, quando estão sendo sarcásticas e quando mentem — explica.

Com o cérebro ainda em desenvolvimento, estão sendo criadas as conexões. Nesse estágio, a criança tem mais chances de se recuperar de uma situação traumática do que o adulto e de recobrar a confiança.