Nas redes sociais, internautas praticamente só leem títulos de postagens

BuzzFeed-logoRonaldo Lemos, na Folha de S.Paulo

Quem trabalha com mídia tem a obrigação de ler o memorando que Jonah Peretti, diretor do site BuzzFeed, enviou aos funcionários. Jonah, 39, é graduado pelo MIT Media Lab, já passou pelo EyeBeam em Nova York (que pesquisa arte e tecnologia) e cofundou o “Huffington Post”.

Jonah publicou o memorando direto em sua página do LinkedIn. O texto mistura marketing com diagnóstico do estado atual da economia da atenção.

O BuzzFeed pode falar do tema: em agosto o site atingiu 85 milhões de visitantes únicos mensais. O segredo, indica ele, foi evoluir junto com os hábitos dos usuários. Jonah não diz literalmente isso, mas o BuzzFeed parte da constatação de que quem está nas redes sociais lê praticamente apenas o título do que é compartilhado. O percentual de posts clicados e lidos na íntegra é pequeno.

Com isso, ele dá força aos títulos para chamar atenção. Por exemplo, o site publica listas cujo conteúdo beira o infame (“10 dicas de estilo para homens que nunca sairão de moda” ou “31 lições do filme Edward Mãos de Tesoura”).

A quantidade de texto é sempre pequena, seja o que for. A prioridade são imagens e formas de consumo rápido. Publica-se muito: são centenas de posts diários competindo para se tornarem “virais”. A estratégia dá certo e é copiada. Por exemplo, o site francês Melty.com segue a mesma linha e está prestes a entrar no Brasil.

A questão é saber se o modelo do BuzzFeed é sustentável, ou se ele também é um “meme”, algo sujeito a desaparecer com a mesma velocidade com que conquistou atenção no passado.

Leia Mais

Governo dos EUA enfim admite: sim, a Área 51 existe

Imagem: Shutterstock/Alexey Stiop
Imagem: Shutterstock/Alexey Stiop

Ashley Feinberg, no Gizmodo

Hoje é um bom dia para acreditar em teorias da conspiração. Terminando um ciclo de décadas, com vazamento atrás de vazamento sem qualquer confirmação oficial, o governo dos EUA finalmente admitiu a existência da Área 51 – envolvida em inúmeras teorias conspiratórias sobre alienígenas e OVNIs.

Ela aparece em um relatório da CIA cujo sigilo foi removido, detalhando a história do avião de reconhecimento U-2, usado durante a Guerra Fria.

O Arquivo de Segurança Nacional da Universidade George Washington publicou o relatório, “A História Secreta do U-2“, e em suas páginas há inúmeras referências à Área 51. Ela era usada pelos EUA como uma área secreta de testes para o avião.

Descrevendo como eles resolveram se estabelecer nessa área em particular, agora notória, o relatório afirma:

Em 12 de abril de 1955, Richard Bissell e o coronel Osmund Ritland (o oficial sênior da Força Aérea na equipe de projeto) sobrevoaram o estado de Nevada com Kelly Johnson em um pequeno avião Beechcraft, guiado pelo piloto-chefe de testes da Lockheed, Tony LeVier. Eles avistaram o que parecia ser uma pista de pouso perto de um salar [planície de sal] conhecido como Lago Groom, perto do canto nordeste da Área de Testes de Nevada, da Comissão de Energia Atômica (AEC).

Após desembarcar no leito do lago, o grupo concluiu que eles encontraram o lugar perfeito para hospedar seus testes secretos – e as teorias conspiratórias logo se formaram. Mas o nome Área 51 (que veio de sua designação no mapa) não é muito inspirado. Então, depois de obter a aprovação do presidente Dwight Eisenhower, eles resolveram usar um nome diferente. De acordo com o relatório:

Os contornos da Área 51 são mostrados em mapas não-secretos atuais como uma pequena área retangular, ao lado do canto nordeste da (muito maior) Área de Testes de Nevada. Para fazer a base no meio do nada parecer mais atraente para os seus funcionários, Kelly Johnson a chamou de Paradise Ranch [Rancho do Paraíso], que foi logo encurtado para Ranch.

A Área 51 não tinha sido oficialmente reconhecida até agora; no entanto, muitos já estavam plenamente conscientes de que ela era, de fato, algo bem real. Ainda assim, agora que o governo americano admite a existência da base, há uma enorme quantidade de documentos que logo deixarão de ser secretos – pois só tinham esse status por sua estreita conexão com a Área 51.

Mesmo com esta nova revelação, porém, ainda há partes do relatório que foram censuradas. Então não percam a esperança, conspiracionistas: só porque nós não vimos qualquer menção de alienígenas ou OVNIs, ainda não quer dizer que isto não esteja escondido nessas palavras que o governo não ousou revelar. [Relatório da CIA via The Atlantic Wire]

dica da Rina Noronha

Leia Mais

Curtir abobrinhas no Facebook pode ser trabalho em Bangladesh

Serviço vende “curtidas” e é desafio para empresas e consumidores

abobrinha-curtir-bangladesh

Publicado na Folha de S. Paulo

O “curtir” no Facebook, no YouTube e em outras redes sociais pode não ser tão sincero como se espera e coloca em dúvida como muitas empresas modernas medem seu sucesso no mundo digital.

Um exemplo é uma página do Facebook dedicada a abobrinhas (sim, o legume) que recebeu centenas de curtidas, enquanto outras dezenas de páginas similares sobre a cucurbitácea não têm o mesmo sucesso.

Poderia ser um caso de sucesso não fosse um problema: as curtidas eram falsas, feitas por uma equipe de trabalhadores em Bangladesh, cujo chefe exige US$ 15 (cerca de R$ 34) por mil curtidas da sua “fazenda de cliques”.

Em troca, muitos desses funcionários trabalham em um sistema de jornada tripla e chegam a ganhar por ano US$ 120 (cerca de R$ 275).

Para as companhias, esse tipo de serviço seria um atrativo, já que aumentar a sua exposição nas mídias sociais pode ser um bom caminho para atrair clientes.

Segundo pesquisas, 31% dos consumidores levam em conta as notas e as críticas sobre um produto (incluindo as curtidas) antes de comprá-lo.

Isso significa que as “fazendas de cliques” podem ter um papel importante em enganar os consumidores.

E para as empresas que são dependentes de pesquisas sobre popularidade nas redes sociais, essas “fazendas de cliques” são um desafio para saber qual é realmente a popularidade de um produto.

Mas as condições de trabalho ali são degradantes.

Os funcionários ficam em salas sem nada além de paredes e mesas de trabalho, e com janelas com grades, chegam a varar a noite para ganhar muitas vezes US$ 1 em troca de mil curtidas no Facebook ou de mil pessoas que passa a seguir no Twitter.

Leia Mais

Personagens de Os Simpsons e Futurama vão se encontrar em episódio especial

Mundos criados por Matt Groening vão conviver em encontro que vai ao ar no ano que vem

futurama-foto

Publicado na Rolling Stone

Depois de mais de dez anos, a animação Futurama vai chegar ao fim neste ano. Mas os personagens terão uma sobrevida em episódio especial de Os Simpsons que vai misturar os dois mundos, segundo noticiou o site da revista Entertainment Weekly.

“Bender vai voltar do futuro para matar Bart porque alguma coisa que Bart faz agora vai fazer o futuro ser muito, muito, muito ruim”, explicou Al Jean, diretor executivo de Os Simpsons, durante a Comic-Con, em San Diego.

img-1016283-os-simpsons

As duas séries têm muito em comum – principalmente o criador, Matt Groening. O episódio especial será escrito por J. Stewart Burns, que hoje trabalha com o mundo de Springfield mas já foi roteirista de Futurama. O evento deve ir ao ar ou no fim da 25ª temporada de Os Simpsons, em maio de 2014, ou no início da próxima temporada, já no segundo semestre do ano que vem.

Homer, Marge, Bart e companhia também vão encontrar os personagens de Uma Família da Pesada, cujo criador, Seth Macfarlane, também fará participação como o cachorro Seymour em Futurama, em episódio que vai ao ar no dia 14 de agosto.

Leia Mais

A nova safra de chatos

A safra de 2013 tem se revelado muito rica de sabores. 2013 tem sido um bom ano para novos tipos.

chatos

Arnaldo Jabor, em O Globo

Uma vez, escrevi um artigo sobre “os chatos” que foi um sucesso entre chatos e não chatos. Descobri em minhas pesquisas que o chato se sabe como tal, mas é movido pela esperança obstinada de um dia se libertar dessa categoria e ser aceito por todos. Nesta utopia ele se gasta e chateia todo mundo. Existem muitos tipos de chatos catalogados, sendo o mais famoso deles, o rei, o fundador, o “chato de galochas” cujo nome provém do cara que saía de casa com chuva torrencial, calçava as galochas e ia encher o saco de alguém. O contato com os chatos me revela uma variada gama de comportamentos de nosso tempo. Os chatos sempre se renovam em safras, como os vinhos. A safra de 2013 tem se revelado muito rica de sabores: uns mais encorpados, outros mais suaves e divertidos etc… 2013 tem sido um bom ano para novos tipos.

Depois que eu comecei a falar na TV, virei um papel de mosca para chatos. Não quero bancar o “famosinho” mas, veja bem (como dizem os chatos), o sujeito te vê na TV, no quarto onde ele está transando com a mulher e você na tela, falando sobre o mensalão. O cara fica íntimo, te agarra na rua e gruda como um colega conjugal.

Há chatos masoquistas e sádicos. O primeiro é aquele que gosta de chatear para ser maltratado: “Porra, não enche, cara!” Ele adora ouvir essa frase para remoer um rancor delicioso que valoriza sua solidão: “Não me entendem, logo sou especial!”

O chato sádico quer ver teu desespero e escolhe os piores momentos para te azucrinar: “Poxa, sei que sua mãe morreu ontem, mas ouve meu problema com minha mulher…”

Temos o chato do elevador. Estou num elevador vazio, indo para o 20. Entra um cara, e me olha. Eu, precavido, já estou de cabeça baixa. Há uns momentos tensos de dúvida: “Ele ousará falar?”, penso. Passam uns andares. Não dá outra: “Você não é aquele cara da TV?” “Sou”, digo, pálido. “Como é teu nome mesmo?” “É Arnaldo”, digo eu, querendo enforcá-lo na gravata de bolinhas. “Não… é outro nome..” “Jabor”, digo, desesperado. “Isso, porra, claro… É você mesmo que escreve aquelas coisas?” E eu penso, sorrindo: “Não; é a tua mãe que me manda”.

E os autógrafos? “Seu nome qual é, meu bem?” “Ildilene… não… faz de novo — Yldilene, com Y…” “Pronto!”, digo. “Escreve também para meu noivo, aqui no guardanapo, ele te adora… Hermogênio… com H…” Um dos mais angustiantes é o chato íntimo altissonante, que berra de longe seu nome na churrascaria: “E aí, Ronaldo Jabur, isso tem jeito?”

E o chato em dupla? Isso aconteceu. Oito da manhã, aeroporto (sempre esse lugar fatal) e vem o cara. “O mensalão vai dar em alguma coisa?” Começo a balbuciar qualquer coisa. Aí veio um outro cara, que queria falar também. E então deu-se a epifania da chatura. Os dois começaram a discutir porque o recém chegado queria me chatear também… e um era de esquerda e o outro de direita. Assisti maravilhado a uma polêmica febril sobre nosso futuro.

Com a velocidade da tecnociência, multiplicaram-se os chatos do Facebook e os “chatos do celular” Ou seja, de repente você se vê posando ao lado de um bigodudo desconhecido no banheiro, enquanto o faxineiro clica, entre privadas, a foto para a eternidade. Ha também o famoso chato-corno que te pede para falar ao telefone com sua mulher (“Fala com a Flavia — ela te adora”…). E por aí, vão…

Mas, tirante, é óbvio (uma chatíssima expressão) os chatos conhecidos, me interessa mais nesse artigo examinar a forma, o estilo do chato, o que os move, a que aspiram.

Eles surgem de longe. Fingem que não te veem, mas eu (velho de guerra) sei que eles virão. Eles chegam sorrindo, mansos, se autocriticando na base do “não quero te chatear, mas… quem manda aparecer na TV? Ha ha?”

Em geral, ele exibe uma expressão facial entre a admiração por você mesclada a uma pontinha de malignidade, porque ele se sabe importuno e porque há sim crueldade na admiração. Quando ele nota que você adota posições de fuga, suas falas se encadeiam em metralhadora de palavras, de modo que não haja brechas que te permitam uma desculpa tipo “meu pai está no hospital e tenho de ir correndo…” Ele não ouve e te segura o braço, quando você começa a se debater. Alguns demonstram insatisfação com a atitude fugitiva e a irritação lhes assoma no rosto, pois afinal ele está te elogiando e você denota ingratidão.

Ele sente meu sorriso glacial e se mostra ofendido, o que provoca em mim um vago sentimento de culpa que tenho de superar até me desprender e sair apressado. Mas, ele me segue com cara de desprezado, sob o olhar reprobatório de circunstantes que te chamarão de “metido a estrela só porque diz aquelas bobagens na TV”.

A importância dos chatos é antropológica. Neles estão contidos muitos anseios individuais de nossa cultura: o queixume político, a esperança de serem aceitos, o rancor contra os políticos. É extrema a violência de muitos choferes de táxi, por exemplo: “Tem mais é que matar esses putos todos, Maluf é que sabia…” ou a homofobia explícita: “esses viados têm de entrar é na porrada…”

É necessário um estudo: a sociologia do chato. Guilherme Figueiredo tentou e fez um livro chatíssimo. O chato não pode ser maltratado; primeiro, porque não adianta, ele gruda; segundo, porque são um tesouro cultural. Nossa plêiade de chatos é um resumo de nosso desejo de felicidade, de um encontro solidário entre contemporâneos. Continuo a achar que o chato crônico, legítimo, “escocês” é, antes de tudo, um carente. Ele precisa de você para viver; sozinho, ele definha como um vampiro sem canudinho. Provavelmente, tiveram pai que batia, mulher que traía, e são vítimas de uma compulsão inelutável.

Por isso, não sou contra os chatos. Eles são nós. A gente sempre é chato para outro alguém. Meu Deus, quantas vezes já aporrinhei tantos. Como lutar contra eles? O Tom Jobim, uma das maiores vítimas de chatos, me ensinou um truque: “Use óculos escuros. O chato fica desorientado quando não vê teus olhos. O chato quer ver o próprio rosto refletido em teus olhos desesperados. Com você de óculos escuros, ele desiste e vai embora”.

tirinha do Will Leite

Leia Mais