Arquivo da tag: culto

Igreja Universal terá que reembolsar e indenizar fiel endividada que gastou R$ 10 mil para ter problemas resolvidos

Igreja Universal é condenada a reembolsar fiel e indenizá-la por danos morais (foto: Bia Guedes / Agência O Globo)

Igreja Universal é condenada a reembolsar fiel e indenizá-la por danos morais (foto: Bia Guedes / Agência O Globo)

Publicado no Extra

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) foi condenada pela Justiça a indenizar uma fiel levada a fazer doação para o “Culto da Fogueira Santa”. No processo, a frequentadora da igreja contou que havia depositado uma doação de R$ 10 mil numa conta bancária da igreja na crença de que seus problemas familiares e financeiros seriam resolvidos. A IURD terá que devolver os R$ 10 mil depositados e mais R$ 10 mil referentes a uma indenização moral, sendo os valores acrescidos de juros e correção monetária.

A decisão foi tomada pelo juiz Mario Cunha Olinto Filho, da 2ª Vara Cível da Barra da Tijuca. Na sentença, ele assinalou que a fiel encontrava-se “com o casamento se dissolvendo e, embora devendo cotas de condomínio e a escola dos filhos, resolve, por conta das promessas da ré (IURD), ‘doar’ R$ 10 mil para o ‘Culto da Fogueira Santa’, para ter as prometidas vitórias”.

O juiz acrescentou: “O dinheiro evidentemente não foi para a fogueira, embora possamos dizer metaforicamente que a autora torrou suas verbas: foi evidente para os bolsos dos organizadores da igreja, não sendo de forma alguma desconhecido do público – inclusive diante de inúmeras reportagens jornalísticas – serem escolhidos por critérios que envolvem a capacidade em arrecadação”.

Sobre o assunto, a IURD divulgou a seguinte nota:

“Com referência ao processo 040 2490 10 2009 8.19. 0001, que tramita na 2ª Vara Cível da Barra da Tijuca (RJ), a Igreja Universal do Reino de Deus informa que recorrerá da sentença, por entender que ela atenta às liberdades constitucionais de Crença e de Culto Religioso, além de resvalar em odioso preconceito contra a Universal, seus bispos, pastores e membros. Assim denota a mentirosa e leviana afirmação de que a doação foi “para os bolsos dos organizadores da igreja”, contra a qual serão tomadas as providências judiciais cabíveis.

Além disso, reiteramos que a Universal segue os rigorosos padrões bíblicos no tocante a ofertas e dízimos, onde seus membros e visitantes são convidados a oferecer suas doações “com alegria” e não por obrigação. A pessoa que oferece o faz espontaneamente, como um ato de liberalidade individual”.

Evangélico fervoroso e reservado: o irmão Fred dentro da igreja

GloboEsporte.com acompanha culto frequentado por centroavante do Fluminense

Igreja que Fred frequenta tem cadeiras acolchoadas, telão e câmeras para filmar o culto (Foto: Hector Werlang)

Igreja que Fred frequenta tem cadeiras acolchoadas, telão e câmeras para filmar o culto (Foto: Hector Werlang)

Hector Werlang, no Globo Esporte

Fred não é pontual, prefere ser precavido. Chega com antecedência de 24 minutos. Veste-se de forma discreta: sapatos, calça e camiseta polo pretas. A bíblia, carregada pela mão esquerda, chama atenção só para quem é de fora. Afinal, foge à regra da imagem do centroavante do Fluminense e da Seleção que rodou o país através de um vídeo na internet, onde aparece beijando uma desconhecida no meio de uma avenida em Belo Horizonte, no ano passado. A presença na Igreja, no entanto, diz muito sobre a nova fase do jogador, embora não seja capaz de fazê-lo notado ao entrar na sede da Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul (Ceizs), no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro.

Ele caminha sem ser abordado com pedidos de fotos ou autógrafos. Gritos femininos? Choros desesperados por atenção? Apelo de pais por um agrado aos filhos? Nada. O que é comum em treinos e jogos, seja do Tricolor ou do Brasil, inexistem na igreja. Por cerca de 100 metros até sentar na sexta fileira de cadeiras acolchoadas, mantém o olhar ao palco. Lá acontece o culto que passou a frequentar rotineiramente em janeiro. A cargo do pastor Marco A. Peixoto, o tema abordado na ocasião foi “o Rio de Janeiros sob trevas”. Especificamente: os efeitos, no entender dele, negativos do Carnaval.

Passar praticamente despercebido não impede que um homem se aproxime de Fred. Não é fã. Sim, um irmão de culto. Os dois conversam. O atleta desliga o celular. E rumam à primeira fila. Ficam perto do palco que, antes da pregação, é tomado por uma banda de música gospel. O camisa 9 canta. Sabe as letras de cor. Se mexe como quem quisesse dar uns passinhos – algo feito por todos os cerca de 5 mil presentes. Ele está pronto para o que está por vir.

O GloboEsporte.com acompanhou a reunião da Ceizs na última segunda-feira. E, a seguir, relata como é Fred dentro da igreja. A partir das 19h30m, ele se revelou ainda um evangélico fervoroso. Irmão que canta, presta atenção à pregação, reza e praticamente fecha a igreja, já que só foi embora após conversar com dois pastores em particular por quase 50 minutos, quando o local já estava vazio.

fred ou, simplesmente, irmão

Fred apareceu no treino do Flu nas Laranjeiras usando uma camiseta da igreja (Foto: Reprodução)

Fred apareceu no treino do Flu nas Laranjeiras usando uma camiseta da igreja (Foto: Reprodução)

Entrar na sede da Ceizs dá a impressão de se estar em uma enorme sala de cinema – antes de virar igreja, o prédio de número 72 na Praia do Flamengo era um local de exibição de filmes. O ambiente é amplo. Tem banheiros, masculino e feminino (este geralmente com filas), bebedores, ar-condicionado central, circuito interno de TV. Tudo controlado por funcionários e seguranças. Há, ao lado, um estacionamento, onde Fred deixou a sua caminhonete BMW após treinar nas Laranjeiras.

O “aparato de show” causa inveja. São duas câmeras, uma posicionada naquela grua que a torcida se acostumou a ver atrás dos gols nas transmissões de jogos, e um ensurdecedor sistema de som: bateria, guitarra e demais equipamentos musicais. Sem falar na iluminação e de um telão dignos de casas de espetáculo.

- Ele andou meio sumido nos últimos tempos, mas desde janeiro passou a frequentar de novo. Sempre vem sozinho. Senta na primeira fila. É um irmão exemplar: vem com bíblia em mãos, canta e faz as orações – diz uma frequentadora do local.

Se as pessoas não o abordam, ao menos falam dele. Antes de o culto começar, foi possível perceber que Fred era assunto. Um grupo de jovens, ao falar de uma pelada disputada entre eles, logo lembrou do centroavante.

- Será que ele vem hoje (segunda-feira)?

- Claro, é nosso amigo. Vai aparecer, pode apostar. Ele se converteu e deixou Jesus entrar na sua vida – apostou um deles.

Os fiéis não sabem o motivo de Fred ter entrado para a igreja. Não especulam se foram as lesões: sofreu uma na coxa direita em 2013, que o afastou por quase cinco meses dos gramados, e este ano teve outra no mesmo local, que o impediu de disputar o clássico contra o Flamengo no Campeonato Carioca. Ou se é a falta de gols: tem dois apenas na atual temporada. Aliás, dizem que não existe motivo para “ter Jesus”. E não o veem como jogador.

- Aqui, ele é mais um. E nós, juntos, formamos uma família. Não nos interessa o jogador Fred, mas o irmão Fred – filosofa outro presente ao evento.

Há quem o defenda também. Recentemente, perguntado sobre Fred frequentar a igreja, o treinador Renato Gaúcho duvidou da informação. Disse não acreditar que o camisa 9 é um atleta de Cristo.

- Foi um deboche. Renato fala sem saber, sem conhecer. Deveria vir aqui e ver como funciona… – defendeu um dos participantes.

Fred já o fez: conheceu e gostou. Só não quis comentar o hábito com a reportagem.

- Ele é reservado, não gosta de exposição demasiada. Assuntos pessoais como família, filha… Nem levo a ele. Ele gosta de se preservar. Ele frequenta a igreja desde cedo. Só veio à tona agora – disse Francis Melo, assessor de imprensa pessoal de Fred desde os tempos de América-MG, no início da carreira. Continue lendo

Pastor do reality show ‘Snake Salvation’ morre após ser picado por cobra nos EUA

O pastor Jamie Coots em um de seus cultos com cobras, explorados no reality show "Snake Salvation" (foto: Reprodução)

O pastor Jamie Coots em um de seus cultos com cobras, explorados no reality show “Snake Salvation” (foto: Reprodução)

Publicado na Folha de S.Paulo

O pastor Jamie Coots, que estrelava o reality show “Snake Salvation”, morreu na noite de sábado (15) em sua casa na cidade de Middlesboro, no Estado americano de Kentucky.

De acordo com o site da “Hollywood Reporter”, ele foi picado na mão por uma das cobras que costumava usar em seus rituais religiosos.

O incidente ocorreu durante um culto na tarde de sábado e o pastor se recusou a ser atendido pelo serviço de emergência médica, segundo o “The Lexington Herald-Leader”.

O jornal local afirma ainda que ele já havia sido picado diversas outras vezes, sem maiores consequências.

Coots ficou famoso no ano passado após a estreia do reality show “Snake Salvation” no canal National Geographic.

No programa, eram exploradas as práticas religiosas esdrúxulas do pastor pentecostal, que incluíam o uso de serpentes nos cultos.

Em comunicado, a National Geographic lamentou a morte do pastor.

“Acompanhando o pastor Coots para a série ‘Snake Salvation’, éramos constantemente surpreendidos por suas convicções religiosas apesar dos perigos à saúde e legal que ele enfrentava”, diz o texto. “Esses riscos sempre valeram à pena para ele e seus seguidores como meio de demonstrar sua fé inabalável.”

“Ficamos honrados em ser autorizados a ter esse acesso único ao pastor e sua a congregação durante as gravações e de pôr em contexto seu método de trabalho. Nossos pensamentos estão com sua família nesse período difícil.”

dica da Karen Souza

Despeço-me do culto espetáculo

O mundo sofre… Crianças gemem e morrem. Diante dos horrores da história, abandonei a pretensão de ser abençoado.

believersTexto de Ricardo Gondim postado por Juliano Fabricio no blog Vivendo pela Graça

Qualquer prece, com um mínimo de senso ético, deve considerar os mais sofredores. Quem se atreveria a furar a fila da bênção onde esperam africanos exilados e haitianos sem-teto? Um Deus que dispensa bênçãos, prioritariamente, sobre quem tem olhos azuis não merece a atenção de ninguém. Repetir que ele é uma divindade irada, sempre pronta a castigar, não mete medo, apenas aversão.

Se existe um Deus que na hora de distribuir maldições começa pelos mais miseráveis, ele deve ser tratado como um demônio. Não desejo continuar com uma fé que espera milagre de um Deus tribal. A divindade que fazia chover apenas no quintal dos seus queridos, não faz sentido para mim.

A noção primitiva de um Deus que afugenta gafanhotos quando vê obediência e que destrói plantação e causa fome diante do erro, não me seduz. Bênção e maldição retributivas não condizem com o amor gratuito de Deus em Jesus. Deus jamais se valeria do papel do bedel indignado que abandona bilhões à míngua.

Sem instrumentalizar a espiritualidade, desejo transubstanciar fé em ações; desde o silêncio contemplativo, cumprir a missão de incluir o marginalizado, valorizar o desprezado e cuidar do esquecido. O seguimento – do verbo seguir – de Jesus nasce de corações calmos. Um cristianismo existencial se tornou a melhor expressão para a minha piedade. Noto que liturgias centradas em emocionalismo desmerecem a tradição profética dos dois Testamentos.

Desde Isaías, cultuar só tem sentido se a justiça é protegida. Deus não tolera ajuntamentos e cerimônias autocentradas. Fazer culto para buscar o seu favor agride os céus. A verdadeira adoração disponibiliza pessoas para cuidar de órfãos e de viúvas. A verdadeira religião, segundo Tiago, consiste em cuidar dos mais esquecidos.

Qualquer verticalização de louvor só tem sentido quando promove a horizontalização do serviço. Espiritualidade cristã autêntica reconhece Deus no rosto do pobre, do nu, do faminto, do desterrado. Tudo o mais não passa de individualismo travestido de religião piegas.

Despeço-me do culto espetáculo.

Não quero estar em ambientes frenéticos. Anseio por reuniões que celebrem a graça sem paranóia, sem alguém tentando infundir culpa. Quero participar de comunidades leves, sem a afetação do glamour do mundo; uma igreja onde os sorrisos sejam gratos e os abraços, sinceros. O caminhar de Jesus não combina com espaços espetaculosos. Os valores do Reino prescindem dos holofotes.

aprendendo com o herege
Ricardo Gondim (valeu)

dica da Josiane Martins

Líder de culto prega que fiéis fiquem ‘chapados’ por Jesus

Fernando Moreira, no Page not Found

Brandon Barthrop (imagens abaixo) diz ser um ex-viciado em drogas. Com a ajuda preciosa da internet, o americano aderiu com destaque a um culto religioso bizarro, que prega que os fiéis simulem os efeitos da embriaguez para poderem “a comunhão com Jesus”. Brandou já arregimentou uma legião de seguidores.

Reprodução/YouTube(Red Letter Ministries, Inc.)

Reprodução/YouTube(Red Letter Ministries, Inc.)

O culto bizarro foi criado nos EUA pelo pregador evangélico John Crowder. Graças à web e ao trabalho “messiânico” de Brandon, a seita se espalhou pela América do Norte e chegou ao Reino Unido, contou o “Daily Mail”.

O líder do “movimento da glória embriagada” garante ter largado o álcool e todas as drogas que consumiu por vários anos. Ele agora só se interessa por incenso. Depois de sofrer abusos pelo pai, entregar-se às drogas e passar pela rehab, onde ele disse ter tido uma epifania, Brandon se mudou para uma casa abandonada em Minneapolis (Minnesota, EUA) que era usada por viciados, juntamente com a esposa e os primeiros seguidores.

Reprodução/YouTube(VICE)

Reprodução/YouTube(VICE)

“A maior parte das pessoas que vive na nossa casa é formada por ex-drogados, ex-alcoólatras e ex-prostitutas”, disse Brandon em um documentário exibido pela “Vice”.

Durante os seus sermões, o líder encoraja os fiéis a se entregarem à “bebida” e às “drogas”. Todas elas imaginárias. Os seguidores obedecem e simulam estar “chapados” no culto, que ocorre em casa e na web. Para disseminar sua mensagem, Brandon divulga vídeos toda semana no YouTube, por meio da Red Letter Ministries, Inc.

Seguidores fingem consumir álcool e drogas / Reprodução/YouTube(VICE)

Seguidores fingem consumir álcool e drogas / Reprodução/YouTube(VICE)