Arquivo da tag: cultos

Funcionária receberá R$ 5 mil porque era forçada a participar de culto na Igreja Universal

iurdddPublicado no Extra

Uma auxiliar de cozinha de Pelotas receberá uma indenização de R$ 5 mil por dano moral porque a empregadora a forçava a participar de cultos religiosos. A decisão da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul manteve a sentença.

Uma testemunha contou que todos os empregados eram obrigados a irem à Igreja Universal frequentada pela dona da empresa. A empregadora dizia “vamos dar uma volta” e parava em frente à igreja, quando completava: “tu entra ou tu entra”, deixando claro que aqueles que não entrassem seriam despedidos. Mesmo quando o empregado dizia que era católico ou de outra religião, a empregadora obrigava o funcionário a entrar na igreja.

No Acórdão, os desembargadores declararam que um simples convite para a igreja não traduziria o assédio religioso. Todavia, a hipótese é diversa, na medida em que comprovada a violação à liberdade de crença religiosa, assim como a discriminação pelo culto escolhido pela funcionária. A funcionária via-se obrigada a acompanhar a patroa em sua igreja, pois temia perder o emprego, o que gerou o dano moral.

Após onda de pastores boleiros, nem padre amigo de Felipão visita a seleção

Padre Pedro Bauer é amigo pessoal do técnico Luiz Felipe Scolari (foto: Guto Kuerten/Folha Imagem)

Padre Pedro Bauer é amigo pessoal do técnico Luiz Felipe Scolari (foto: Guto Kuerten/Folha Imagem)

Luiza Oliveira, Pedro Ivo Almeida e Ricardo Perrone, no UOL

Seleção brasileira e religião sempre tiveram uma ligação forte. Na última Copa do Mundo, a fé era a principal marca do time comandado por Dunga com fiéis fervorosos como Kaká e Lúcio. No Mundial do Brasil, a história será diferente. O técnico Luiz Felipe Scolari proibiu os cultos na concentração e até líderes que sempre tiveram livre acesso estão vetados.

Felipão, curiosamente, exerce a sua fé de forma assídua. Católico praticante, o técnico visitou o Santuário de Nossa Senhora de Caravaggio, em Farroupilha, para fazer sua prece  pouco antes de se apresentar para a preparação para a Copa. Repetiu o ritual que havia feito no Mundial de 2002.

Mas dentro da seleção, ele não quer misturar as coisas. A CBF tem uma posição oficial de que seu treinador respeita todas as religiões. Mas não permite cultos na concentração, e tampouco privilegia qualquer manifestação de fé.

Até o padre Pedro Bauer, amigo de longa data de Felipão, está distante. Eles se tornaram amigos há mais de 20 anos, em 1991, quando Pedro abençoou os atletas do Criciúma na final da Copa do Brasil contra o Grêmio. O título consagrou Felipão e transformou o padre em seu talismã.

Pedro foi à concentração do Palmeiras em 2011 e  participou de um jogo da preparação da Copa em 2002, contra o Paraguai, no estádio Olímpico. Na época, frequentava a casa de Felipão e, segundo ele, chegou até a dormir lá.

Mas dessa vez não foi convidado. “Eu vejo o Felipão blindado. Acho que o telefone dele está bloqueado pela CBF depois que teve aquela piada envolvendo o presidente do Atlético de Madri. Eu não consigo mais falar com ele, não sei se trocou de telefone. Mas eu respeito a posição dele de preservar e não me meto muito. Continuo orando de longe para que tudo dê certo”, disse.

O padre se refere ao trote telefônico em que um humorista de uma rádio espanhola se passou pelo presidente do Atlético de Madri.

Quem foi presença assídua nas últimas três Copas do Mundo também perdeu seu espaço na seleção. O pastor Anselmo Reichardt foi personagem marcante nas Copas de 2002 e 2006 e teve carta livre para circular pela concentração da seleção em 2010, na África do Sul.

Isso graças à grande proximidade com atletas de peso como Lúcio, Kaká e Edmilson e com o auxiliar-técnico Jorgnho. A convite de Lúcio, ele também esteve presente na Copa América de 2001.

Mas dessa vez a historia é diferente. O pastor bem que tentou ter acesso ao time, mas foi vetado. Por conta própria, se hospedou em uma pousada em Teresópolis-RJ e começou a circular pela Granja Comary na tentativa de entrar na concentração. Mas o único local onde entrou foi no centro de imprensa do CT e não teve qualquer acesso aos atletas.

“Não gosto de falar em proibição. Apenas respeito as determinações. As pessoas só devem entrar na folga. Se alguém me convidar, estarei lá. Estou aqui em Teresópolis para isso, mas até agora ninguém falou nada”.

O pastor alega que a missão era visitar amigos jornalistas e dar o seu apoio caso os jogadores precisem. “Não quero culto, apenas ficar à disposição dos amigos. Estou aqui rezando por todos, até por vocês da imprensa. Essa é a minha missão. Estive lá na semana passada para rever amigos, mas não entrei. Não fui lá para cima”

De fato, o cenário é bem diferente da seleção na era Dunga. Os encontros religiosos no ambiente da equipe nacional viraram um tema polêmico no comando do tetracampeão, que tinha no seu auxiliar Jorginho um dos maiores expoentes. Os pastores tinham livre acesso aos bastidores. Existia um espaço reservado só para isso, e mesmo jogadores que não eram evangélicos participavam.

Na Copa das Confederações de 2009, a comemoração religiosa na final chegou a ser repreendida pela Fifa. Após a vitória sobre os Estados Unidos, os atletas fizeram uma roda no centro do campo e rezaram. A cena foi televisionada para o mundo inteiro.

Desde que Dunga deixou a seleção, a exposição da fé diminuiu. Quando assumiu o cargo de técnico da seleção, o técnico Mano Menezes avisou que não aprovaria reuniões religiosas na concentração.

Boneco desbocado de Ratinho vira pastor e critica Macedo e Santiago

Eduardo Mascarenhas manipula Xaropinho em culto da Igreja Evangélica Missão Vida em Cristo (foto: Arquivo pessoal)

Eduardo Mascarenhas manipula Xaropinho em culto da Igreja Evangélica Missão Vida em Cristo (foto: Arquivo pessoal)

Paulo Pacheco, no Notícias da TV

O rato Xaropinho, personagem desbocado do Programa do Ratinho, virou pastor. Seu manipulador, Eduardo Mascarenhas, pastor da Igreja Evangélica Missão Vida em Cristo há quatro meses, leva o boneco aos cultos, mas não para orar ou ler a Bíblia, e sim para tirar sarro dos fiéis. A liderança religiosa faz parte da nova rotina do artista, que pretende, aos poucos, deixar o mascote da atração do SBT, por problemas de saúde e para se dedicar à igreja.

“Eu não descaracterizo o Xaropinho. Na igreja, ele continua doido, brincalhão, falando abobrinha. Não quero ficar podando meu humor por causa do puritanismo. Quando não estou fazendo humor, sou pastor Eduardo. Não vou deixar de fazer piada, mas sem falar nenhum palavrão cabeludo”, diz Mascarenhas, que pede permissão a Ratinho, dono de Xaropinho, para manipular o personagem nos cultos.

A ideia de levar Xaropinho à igreja surgiu após Mascarenhas perceber que os frequentadores dos cultos não fazem outra atividade cultural senão ir à igreja: “Quando anuncio o Xaropinho, claro, sempre atrai um ou outro curioso para a igreja, mas levo porque a Igreja é muito séria, sisuda, carrancuda. Pensei nas famílias que não podiam pagar para irem ao cinema, ao teatro”.

O artista, hoje pastor, faz questão de se manifestar contrário às grandes igrejas, como a Mundial, de Valdemiro Santiago, e a Universal, de Edir Macedo. Para Mascarenhas, essas igrejas são “caça-níqueis” e visam apenas o dinheiro.

“Sou contra essas igrejas caça-níqueis que surgem a todo instante. Os caras não fazem nada útil, só fazem igreja para encher de gente, tomar grana [dos fiéis] e comprar emissoras de TV”, critica o pastor, que se sustenta com o salário do SBT e arrecada dinheiro na igreja para seu projeto social, o Instituto Xaropinho.

Na igreja, Mascarenhas manipula Xaropinho como ventríloquo. O rato já aparece gritando e xingando. Chama os fiéis de “feios” e diz que os pastores se parecem com o pugilista Adílson Maguila ou o apresentador José Luiz Datena:

Xaropinho - Beleza, Brasil, vai começar o Programa do Ratinho!

Mascarenhas - Está louco, Xaropinho? Você está na igreja!

Xaropinho - Meu Deus, que povo estranho… aquele é o Maguila ou o Datena?

Mascarenhas - Não, ele é o pastor.

Xaropinho - Pastor é para pastar?

Mascarenhas - Não, é para pastorear!

Xaropinho - Pastorear o quê?

Mascarenhas - As ovelhas. Todo esse povo são as ovelhas!

Xaropinho - Nossa, tem cada ovelha feia! Sabia que ovelha faz cocô redondinho?

Mascarenhas - Você está louco! Aqui é a casa de Deus!

Xaropinho - Deus está me ouvindo? Estou ferrado!

O pastor Eduardo Mascarenhas manipula o boneco Xaropinho durante culto (foto: Arquivo pessoal)

O pastor Eduardo Mascarenhas manipula o boneco Xaropinho durante culto (foto: Arquivo pessoal)

Continue lendo

Nanda Costa fala de novo papel: ex-prostituta que vira evangélica

“Não tenho problema em me despir”, diz Nanda Costa sobre nudez em série

Nanda Costa marca presença na coletiva de imprensa da série "O Caçador" (foto: Alex Palarea e Felipe Assumpção / AgNews)

Nanda Costa marca presença na coletiva de imprensa da série “O Caçador” (foto: Alex Palarea e Felipe Assumpção / AgNews)

Marcela Ribeiro, no UOL

Nanda Costa está de volta à tela da Globo na pele da ex-prostituta Marinalva, que vira evangélica e casa com um pastor na série “O Caçador”, que estreia dia 11 de abril às 23h30.

Apesar de exibir um visual simples, com roupas fechadas, cabelos presos e pouca maquiagem, ao longo da trama, Nanda aparecerá com pouquíssima roupa e em cenas ousadas em flashbacks da personagem da época que ainda era garota de programa.

“Sou uma atriz que se joga no trabalho, adoro desafios. A Marinalva está totalmente sem sex appeal, entrou para a igreja e está ali, toda coberta, mas já teve um passado de garota de programa. Em cena procuro sempre dar o meu melhor, me surpreender comigo mesma. Gosto de desafios”, contou ela durante apresentação da série à imprensa na última quarta-feira, 19, no Rio de Janeiro.

Para viver Marinalva, que só aparece a partir do sexto capítulo, a atriz frequentou cultos de igrejas evangélicas e pegou dicas com uma prima evangélica.

Sobre as cenas de nudez, ela garante que não vê problema em fazê-las. “Visto a roupa da personagem, não tenho problema em me despir, para mim, a arte não tem limites”, destaca ela, que ainda completa:

“A gente tem que saber onde está a sensualidade, a fragilidade, a beleza, a feiura. A minha vaidade maior é estar contando a história da forma mais verdadeira possível. Se ele estará sexy ou não, isso não tem problema”.

Em “O Caçador”, Marinalva tem um papel importante para ajudar André (Cauã Reymond) a provar que ele foi preso injustamente por um crime que não cometeu. Ela é filha de um policial envolvido no esquema que o botou na cadeia, que morreu, por isso, é a única pessoa que pode ajudá-lo a confirmar sua inocência.

No elenco, além de Nanda e Cauã, estão Alejandro Claveaux, que será Alexandre, policial irmão de André que vive um triângulo amoroso com Katia, papel de Cleo Pires. Jackson Antunes e Ailton Graça também estão na série, de Fernando Bonassi e Marçal Aquino com direção de José Alvarenga.

Pastor do reality show ‘Snake Salvation’ morre após ser picado por cobra nos EUA

O pastor Jamie Coots em um de seus cultos com cobras, explorados no reality show "Snake Salvation" (foto: Reprodução)

O pastor Jamie Coots em um de seus cultos com cobras, explorados no reality show “Snake Salvation” (foto: Reprodução)

Publicado na Folha de S.Paulo

O pastor Jamie Coots, que estrelava o reality show “Snake Salvation”, morreu na noite de sábado (15) em sua casa na cidade de Middlesboro, no Estado americano de Kentucky.

De acordo com o site da “Hollywood Reporter”, ele foi picado na mão por uma das cobras que costumava usar em seus rituais religiosos.

O incidente ocorreu durante um culto na tarde de sábado e o pastor se recusou a ser atendido pelo serviço de emergência médica, segundo o “The Lexington Herald-Leader”.

O jornal local afirma ainda que ele já havia sido picado diversas outras vezes, sem maiores consequências.

Coots ficou famoso no ano passado após a estreia do reality show “Snake Salvation” no canal National Geographic.

No programa, eram exploradas as práticas religiosas esdrúxulas do pastor pentecostal, que incluíam o uso de serpentes nos cultos.

Em comunicado, a National Geographic lamentou a morte do pastor.

“Acompanhando o pastor Coots para a série ‘Snake Salvation’, éramos constantemente surpreendidos por suas convicções religiosas apesar dos perigos à saúde e legal que ele enfrentava”, diz o texto. “Esses riscos sempre valeram à pena para ele e seus seguidores como meio de demonstrar sua fé inabalável.”

“Ficamos honrados em ser autorizados a ter esse acesso único ao pastor e sua a congregação durante as gravações e de pôr em contexto seu método de trabalho. Nossos pensamentos estão com sua família nesse período difícil.”

dica da Karen Souza