Ex-técnico que combateu atletas de Cristo diz ter ajudado o futebol

Como treinador, Cassia (dir) dirigiu times como Grêmio, Internacional e Ponte Preta (foto: Marcelo Bertani)
Como treinador, Cassia (dir) dirigiu times como Grêmio, Internacional e Ponte Preta (foto: Marcelo Bertani)

Vanderlei Lima, no UOL

Agradecer a Deus é quase um discurso unânime nas entrevistas pós-jogo dos boleiros na saída de campo. Houve um tempo, porém, em que um grupo de jogadores se destacou por fazer verdadeiras pregações. Eram os atletas de Cristo, centro de polêmicas que dividiam os fãs de futebol. Maior combatente da facção, o ex-técnico Cassiá Carpes relembra hoje da ‘cruzada’ que liderou contra os jogadores e, olhando para trás, acredita ter feito um bem aos clubes.

Zagueiro nos anos 1970 e depois comandante de clubes como Grêmio, Inter e Ponte Preta, Cassiá, que desde a última década vem se dedicado à política, reprovava o que ele hoje chama de “isolamento” dos atletas de Cristo.

“Naquela época, eles não percebiam o sentido de grupo, se recolhiam, se isolavam. Tudo o que era bom vinha deles, o ruim não, então não tinham conceito de grupo”, analisou o atual deputado estadual em entrevista ao UOL Esporte.

“Dizia na época que não existia um time de Cristo, mas sim um coletivo, cada um com a sua religião. Hoje, entendo que ajudei a desmitificar essa questão”, disse Cassiá.

Apesar de ter travado quase uma guerra contra o grupo, o ex-treinador garante não ter problemas com religião. Pelo contrário, diz ser católico e ver um papel importante da religião na sociedade.

“Não tenho nada contra religião. Aliás, se não fosse a religião, o país estava pior, especialmente na questão das drogas. As igrejas têm papel importante. Sou católico não praticante, mas o importante é o caráter, a índole. Às vezes, não precisa ir à igreja para rezar”, argumentou Cassiá, citando o exemplo de um jogador por quem tinha admiração mesmo sendo do grupo.

“Me lembro do Gilson Batata no Rio Branco. Ele era símbolo de garra, raça e era atleta de Cristo. Então, era isso, eu não queria jogador melancólico”, pontuou.

De volta ao futebol

Cassiá abandonou o trabalho de técnico no ano 2000 e, desde então, somou dois mandatos como vereador e outros dois como deputado estadual, todos no Rio Grande do Sul. Agora, porém, diz que pretende deixar a política e retornar ao futebol, mas não no gramado.

“Estou anunciando que não irei mais concorrer na política. O quadro político nacional é de corrupção, hoje é toma lá dá cá”, declarou, avisando que concluirá seu último cargo no ano que vem.

“Penso em voltar a trabalhar como comentarista esportivo. Sou radialista, trabalhei por seis anos na Rádio Pampa. Na época, não tinha como conciliar rádio com a vida pública”.

Se voltar ao futebol, Cassiá pode ter a oportunidade de analisar o desempenho de Neymar, principal estrela do futebol brasileiro e que ele compara a Dener, jovem craque que ele comandou no Grêmio e morreu em um acidente de carro em 1994.

“Em termos de arrancada, o Neymar lembra o Dener. Tinha habilidade, velocidade, mas o Neymar leva vantagem, pois se desloca mais. O Dener tinha uma arrancada frontal”, finalizou como bom comentarista.

Leia Mais

Conheçam o “Bocejo”: o indicador do “mimimi” nos comentários em blogs

Publicado por Leonardo Sakamoto

Tenho dormido muito pouco ultimamente. Umas três horas por noite. Em parte, culpa minha, pois trabalho demais. Mas gosto de jogar parte da responsabilidade em um sabiá-laranjeira que, lá pelas 3h30, se põe a cantar loucamente na minha janela como se não houvesse amanhã. Canalha.

Como gosto de viver perigosamente, às vezes aproveito o silêncio da madrugada para dar uma espiada na área de comentários do meu blog. Vou de botina, porque – não raro – aquilo está uma lama.

Descobri, nessas andanças da madrugada por esse mundo selvagem, que algumas coisas me dão tanta preguiça que – veja só – me ajudam a pegar no sono. “Ah, que falta de respeito, com seus leitores! Só porque você não tem argumentos para contrapor a realidade irrefutável de que os médico cubanos são uma ameaça…” Viu! Não dá sono?

Criei um indicador: o “Bocejo”, que vai de um (menos sonolência) para três (mais sonolência). Não tem a ver com a gravidade da besteira proferida mas com o nível de sono que isso causa, levando em conta fatores como a repetição do argumento (sic), sua virulência, enfim. Para falar a verdade, não obedece a critério científico nenhum. Eu sei que não devia fazer cyberbullying em que faz cyberbullying, mas foi mais forte do que eu.

Usei exemplos tirados dos comentários e já comentados aqui.

(Para uma experiência mais próxima do real, sugiro a leitura sob a trilha de um sabiá-laranjeira.)

“Tá com dó? Leva para casa.”
Vem sempre seguido de algum preconceito contra crianças pobres, população em situação de rua, usuário de psicoativos, enfim.
Avaliação: 

“Para que libertar escravos se eles vão gastar o dinheiro que ganham com cachaça, muitos deles até cometer crimes”.
Liberdade, desde que vigiada.
Avaliação : 

 “Jogue o seu diploma no lixo.”
“Você é um mala.”
“Volta para o Japão!”
“Como os seus amigos te agüentam?”
“Cara, você tem cara de pirralho.”
“Dou como 95 por cento de chances que o seu problema é falta de mulher!”

No começo era divertido, mas o povo vai repetindo ataques pessoais. Tá chato. Fala criatividade na direita brasileira!
Avaliação: 

“Você não entende os desígnios de Deus e não dá a mínima para a vida.”
Realmente, não entendo. E tenho que confessar que missa me dá sono.
Avaliação: 

“Os negros continuam nessa situação hoje porque não quiseram trabalhar pesado ao serem libertados.”
É isso mesmo! Esses indolentes!
Avaliação: 


“Deus criou o homem para governar e a mulher para estar ao seu lado.”
“O marido tem direito a bater em sua mulher.”
“Lei Maria da Penha não deveria existir porque em briga de marido e mulher não se deve meter a colher.”

A maior parte dos comentários machistas são anônimos. Por que será?
Avaliação: 

“Esses sem-terra são um bando de vagabundos. Apanhar é pouco, deveriam matar mais alguns para que parem de atacar a propriedade alheia.”
É aquilo que falei nesta semana. Somos cães de guarda da injustiça social.
Avaliação: .

 “Trabalhei quando criança e isso formou meu caráter. Criança tem que trabalhar para não ficar fazendo arruaça na rua.”
“O trabalho liberta”, já dizia um portão por aí…
Avaliação: 

“Queria ver você ter um filho homossexual.”
Pode ser. Mas só vou ter tempo depois da Copa.
Avaliação: 

“Se você critica tanto São Paulo, seu fdp, porque não se muda daqui? Tenho orgulho de ser bandeirante, sou a locomotiva que puxa este país!”
“Em Bandeira ou Monção,/Doma os índios bravios,/Rompe a selva, abre minas, vara rios!” São Paulo tem hino, sabia?
Avaliação: 

 “Bandido bom é bandido morto”
Diga-me com quem andas que te direi quem és. Matar é a solução, porque pau que nasce torto não tem jeito, morre torto. E, na periferia, filho de peixe, peixinho é. Revidar é nosso direito, pois quem com ferro fere com ferro será ferido. Ou eles ou nós, pois o pior cego é aquele que não quer ver!
Avaliação: 

 “Você pensa assim porque um destes pulhas malditos ainda não estupraram sua mãe. Seja mais corajoso, pára de ficar escrevendo só o politicamente correto”
Brasil, o país da vitória da experiência individual sobre a necessidade coletiva, da emoção do momento sobre a racionalização necessária para que não nos devoremos a cada instante.
Avaliação: 

“Por que o país não acaba com essa merda de direitos humanos?”
Por que você não vai estudar? Quer uns livros?
Avaliação: 

“Pelas leis de Deus, há direitos dentro da relação e ninguém pode se intrometer nisso. Você não sabe o que levou o homem a determinado ato, então não se intrometa.”
Se você não é casado, faça-nos um favor, não case.
Avaliação: 

“Vi dois caras se beijando na rua e tive que me segurar para não partir para cima. Tenho nojo.”
Já saiu uma cura para homofobia, sabia?
Avaliação: 

“Há sim uma imposição gayzista no mundo. Se existe homens que querem largar o homossexualismo, o governo Dilma não deixa, agora, se um heterossexual quiser assumir ser gay, para os gayzistas, isso é um ‘direito humano’. Ou seja, é uma verdadeira hipocrisia esse movimento gay!”
Hannah Arendt remexe-se no túmulo.
Avaliação: 

“A natureza criou o homem com pênis e a mulher com vagina para se unirem e procriarem. Ninguém nasce pelo ânus para dizer que ânus é sexo.”
Descobriu isso sozinho ou leu num livro?
Avaliação: 

Sakamoto, o nível do teu ataque à família é tão baixo, mas tão baixo, mas tão baixo que coloca em dúvida o seu “doutoramento”. A questão não é julgar algo que não se escolhe, mas o problema é a campanha desmesurada pró-gay, como se isso fosse a salvação do mundo.
 Ataca-se tudo e a todos os que não são a favor da cultura gay. E isso é quê? Ditadura, talvez? Você é um monstro, que hoje se refestela na tua “criação”. Vai ter o dia que você vai se arrepender amargamente disso tudo. Fique com Deus.
Zzzzzzzzzz…

Leia Mais

Como a raiva reelegerá Dilma

Dilma-após-votarElio Gaspari, em O Globo

A recuperação da popularidade do governo da doutora Dilma foi audaciosamente prevista pelo marqueteiro João Santana, durante o rescaldo das manifestações de junho, quando ele disse que tudo não passava de um desabafo temporário. A doutora, que tivera 57% de aprovação, tomara uma vaia de estádio e caíra para 30%. Acredita-se que já retornou à faixa dos 40%.

Santana tinha motivos para acreditar na força de Dilma. Não foi ela quem aumentou as tarifas de transporte (pelo contrário, torceu o braço dos prefeitos Eduardo Paes e Fernando Haddad para baixá-las).

Enquanto a doutora tocava o expediente, a oposição dedicou-se a fortalecê-la. É uma oposição que converte crentes.

Seu primeiro alvo foi o programa Mais Médicos, que trouxe profissionais estrangeiros. Em vez de discutir também a reserva de mercado que as associações médicas estimulam, as pegadinhas do programa Revalida ou a burocracia das universidades federais, partiram para baixarias e ameaças. Uma equipe de repórteres da “Folha de S. Paulo” descobriu um rombo no programa: em 11 cidades de quatro estados, prefeitos pretendem demitir médicos brasileiros que estão em suas folhas, trocando-os por estrangeiros que serão pagos pela Viúva federal. “Mais médicos” onde não os há é uma coisa. Menos médicos brasileiros, bem outra. Basta lançar o programa “trocou, dançou”.

A desqualificação dos cubanos tem um ingrediente de ingenuidade. O Raúl Castro não está mandando para o Brasil médicos que flanavam por Havana. Ele já enviou 113 mil profissionais para 103 países e fez da iniciativa uma fonte de dólares. São quadros selecionados, com formação política. Em tempos passados, cubanos iam para guerras onde morreram pelo menos três mil deles. O governo trabalha com a certeza de que o programa trará benefícios. A oposição, com o desejo de que dê tudo errado.

No caso da solidariedade que deram ao diplomata que desovou o senador boliviano no Brasil, esqueceram-se de pedir uma avaliação da sua conduta aos notáveis que estão entre seus quadros. Disputam a bola atrás da linha de fundos, pois pode-se detestar o PT, mas, no dia em que um encarregado de negócios fizer o que acha melhor, a diplomacia vira bagunça.

Dilma vai para a reeleição (isso se não for preciso tirar Lula do banco de reservas) porque o PSDB tem mais ressentimentos que planos e mais queixas que projetos. Em 2010, o PT teve 55,7 milhões de votos. Desse jeito, a oposição corre o risco de sair da eleição de 2014 com os mesmos 43,7 milhões de 2010, satisfeita por ter conseguido que esse eleitores ficassem com muito mais raiva dos comissários.

Leia Mais

Médicos cubanos são hostilizados em aula inaugural em Fortaleza

foto: FolhaPress
foto: FolhaPress

Publicado no Diário do Nordeste

Os 95 médicos estrangeiros que iniciaram nesta segunda-feira (26) o treinamento do programa Mais Médicos em Fortaleza foram hostilizados por cerca de 50 profissionais cearenses da área que faziam uma manifestação na entrada da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE), no Meireles. O alvo do protesto era o grupo de 79 médicos de Cuba que farão o curso. Na saída, os estrangeiros e as autoridades foram vaiadas, xingadas e provocadas pelos manifestantes.

Com início do protesto, as portas da ESP-CE foram fechadas. Apenas os participantes do evento e a imprensa puderam entrar. A atitude revoltou os médicos cearenses, que batiam nos vidros da entrada do local. “Estão nos tratando como marginais”, disse o presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará (Simec), José Maria Pontes. Com palavras de ordem, o grupo exigia que os estrangeiros fizessem o Revalida, exame destinado aos médicos que obtiveram diploma no exterior e querem atuar no Brasil.

Após a solenidade de abertura do treinamento, todas as saídas da escola foram cercadas, impedindo a saída dos participantes por cerca de uma hora. A Polícia Militar solicitou que os médicos cearenses liberassem a saída. O presidente do sindicato pediu para os colegas formarem um corredor para vaiar os cubanos e as autoridades. “Os médicos não são violentos. Vaia não é violência e eles vão receber a maior vaia da vida deles”, disse José Maria Pontes.

Quando as portas abriram, além da gritaria houve insultos aos estrangeiros, acusados de virem ao Brasil para fazer um trabalho escravo. O secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da SaúdeOdorico Monteiro, foi o mais vaiado e recebeu ofensas pessoais de alguns médicos cearenses.

Veja o vídeo do momento da saída dos médicos cubanos.

Outras 15 pessoas foram ao local com bandeiras de Cuba e do Movimento dos Sem Terra (MST) em apoio aos cubanos. Quando questionados sobre qual movimento representavam, um deles disse: “somos de todos os movimentos. Somos a favor de Cuba. Podem falar mal de todo mundo, menos de Cuba”. Houve um momento de tensão entre eles e alguns médicos. Após a troca de insultos, os dois grupos se separaram.

Presidente do Simec diz que governo oficializa o trabalho escravo; médico cubano nega

Segundo José Maria Pontes, os médicos cubanos não estão preparados para atender os brasileiros porque aquele país realiza uma “produção industrial” de profissionais. Pontes disse ainda que os colegas de Cuba não podem trabalhar no país de origem. “Todas as pessoas formadas na ELAM, Escola Latino-americana de Medicina, não podem exercer a medicina em Cuba”, afirmou. Entretanto, durante a solenidade de acolhimento, a superintendente da ESP-CE, Ivana Barreto, afirmou que todos os médicos do programa possuem mais de 10 anos de experiência.

O presidente do Simec acusou o governo federal de estar oficializando o trabalho escravo, pois “a pessoa vem com uma bolsa, não tem direito trabalhista, não tem direito a Fundo de Garantia, férias, hora extra, nada”. Durante a saída, os manifestantes também chamaram os cubanos de escravos aos gritos. José Maria Pontes chegou a afirmar que os profissionais de Cuba não poderiam dar entrevista.

O médico cubano Juan Hernandez negou a acusação de estar realizando um trabalho escravo. Com 24 anos de experiência, o especialista em medicina familiar disse que não estava no país para ganhar muito dinheiro. “Estamos aqui para fazer solidariedade, melhorar as condições de vida da população e melhorar os indicadores de saúde do povo brasileiro”, disse.

Leia Mais

Fat Family perde 270kg e investe em música gospel

Longe do mercado pop, Fat Family se reinventa como grupo gospel e tira Jeito Sexy do repertório. “Vivíamos na escuridão”, diz Sueli, uma das vocalistas

Fat Family perde 270kg e investe em música gospel
Fat Family perde 270kg e investe em música gospel

Publicado na Caras Online

Fenômeno das rádios no final dos anos 90, o grupo Fat Family continua até hoje trabalhando com música, apesar de não ter o mesmo sucesso comercial do passado. Seu repertório não traz mais o hit Jeito Sexy, que fez os irmãos da família Cipriano se tornarem conhecidos no Brasil inteiro, e nem outras músicas que consideram ‘superficiais’. O foco deles agora é o público gospel.

“Nosso chamado agora é anunciar o reino de Deus. Não sentimos falta daquele tempo porque não tem como sentir falta de um tempo que você não tinha Deus. Vivíamos na escuridão, na mentira. Deus mostrou a verdade e nós não podemos mais perder nosso tempo com coisas superficiais. Hoje nós cantamos a palavra de Deus. Ela é poderosa, liberta e cura”, afirma Sueli, uma das integrantes da família, à CARAS Online.

O grupo não sente vergonha das músicas que cantava no passado. “Deus não leva em conta o tempo da ignorância, isso está escrito na Bíblia. Mas a partir do momento que a gente aprende, a gente tem que dar conta. Agora eu sou responsável por decidir o que eu faço”, justifica Sueli. “As pessoas iam nos nossos shows e continuavam com os mesmos problemas, mas agora quando a gente se reúne para adorar a Deus, o Senhor vai se revelando, as pessoas vão tendo clareza”, diz.

fat2

A Família Gorda, tradução literal do nome do grupo, também mudou alguns hábitos alimentares. Quatro dos seis irmãos que continuam no grupo (Sidney morreu em 2011e Celinha deixou o grupo há sete anos) fizeram uma cirurgia de redução de estômago e, juntos, perderam cerca de 270kg. “A Kátia emagreceu mais de 80kg. A Suzete, o Celinho e eu emagrecemos praticamente a mesma coisa, cerca de 60 a 65 quilos cada um”, disse Simone, outro membro do grupo.

fat3

A conversão do grupo ao evangelho começou há 14 anos, começando pela caçula Deise, que conheceu o universo gospel graças ao lutador Vítor Belfort. “Ele, a mãe dele e a irmã dele falavam de Jesus pra mim. Eu aceitei Jesus na casa deles. Depois eu fiquei preocupada com a minha família”, conta Deise, que levou os irmãos para o mesmo caminho cinco anos depois.

Em 2012, o Fat Family gravou um clipe com Mara Maravilha e outros artistas da gravadora Square Records, pela qual são contratados atualmente. Sobre a polêmica que a apresentadora se envolveu ao defender o projeto de cura gay, criticado por várias celebridades, Sueli diz: “Tudo que eu preciso saber é na Bíblia que eu procuro. Eu entendi a Bíblia como a verdade que Deus revelou, mas não é toda a verdade que ele tem para dizer. Mas o que o homem precisa saber, ele deixou na Bíblia. A Bíblia fala sobre um casamento, mas para frente ele fala que o homem vai deixar seu pai e sua mãe para começar uma nova família. Quando nossa vida está diferente de qualquer coisa que está na Bíblia, Ele tem o poder para colocar no lugar. Eu acredito que o homem pode se libertar”.

Com planos de lançar um DVD e CD para celebrar a nova fase, o Fat Family diz que está seguindo os ‘planos de Deus’, sem pressa. Cada integrante é de uma igreja diferente, mas todos se reúnem para ‘adorar a Deus em festas evangélicas’, segundo Sueli.

Ah, para os fãs mais antigos do grupo, uma boa notícia: apesar do repertório não ser mais o mesmo, a coreografia do ‘pescocinho’ continua. “É natural, não tem como não fazer, tá no sangue. Os fãs sempre pedem, não só nos shows, mas sempre que nos encontram por aí. É engraçado, é a marca registrada do grupo”, comenta Simone.

Relembre o sucesso Jeito Sexy:

O Fat Family em recente participação no Programa Raul Gil:

Leia Mais