“Igrejas legitimaram golpe militar”, afirma pesquisador metodista

Roldão Arruda, no Estadão

Um grupo de onze pesquisadores, especialistas em questões religiosas e ligados à Comissão Nacional da Verdade, vem se reunindo desde novembro em São Paulo. Eles se dedicam a pesquisar as relações entre as igrejas brasileiras e a ditadura militar.

Sob a coordenação de Anivaldo Padilha, metodista e membro do  Conselho Latino-Americano de Igrejas, o grupo trabalha neste momento com a revisão da literatura já existente sobre o tema. Também estão sendo iniciadas pesquisas em arquivos públicos. Numa segunda etapa serão colhidos depoimentos.

Padilha, que, militou na organização de esquerda Ação Popular (AP), foi perseguido, encarcerado e obrigado a se exilar, diz que a literatura existente destaca sobretudo o papel da resistência da Igreja Católica à ditadura. Mas essa seria apenas uma parte da história. Entre as lacunas existentes e que devem ser pesquisadas pelo grupo, aparecem as questões do apoio que as igrejas deram à ditadura, principalmente antes de 1968, e o papel dos protestantes – ou evangélicos – naquele período histórico.

“As igrejas ajudaram a preparar o clima político que levou ao golpe militar de 1964″, diz Padilha. Na avaliação dele, só houve rompimento com a ditadura em 1968, quando ocorre a institucionalização da tortura e padres começam a ser presos. A seguir, alguns dos principais trechos da conversa com o coordenador do grupo.

O relatório do grupo vai focalizar as perseguições que a Igreja Católica sofreu na ditadura?

Já existem muitas pesquisas e informações sobre os setores da Igreja Católica que resistiram à ditadura e sofreram perseguições por causa disso. Temos pouca coisa, porém, sobre a resistência entre os protestantes. Vamos procurar mais informações sobre essa questão.

As igrejas sempre se opuseram à ditadura?

Não. Houve um período em que elas apoiaram. Esse apoio aparece de forma evidente no material sobre a preparação do golpe militar de 1964. Com o clamor anticomunista imposto ao Brasil naqueles dias, as igrejas foram utilizadas como instrumento político a favor do golpe. Ajudaram a preparar o clima que levou à derrubada do governo constitucional. As manifestações da Marcha da Família com Deus pela Liberdade foram  o melhor exemplo disso. Ingenuamente, ou deliberadamente, as igrejas ajudaram a legitimar o golpe. Deram legitimidade religiosa.

E após o golpe?

Os estudos apontam que logo após o golpe não houve diferença entre as ações das igrejas protestantes e a católica: todas continuaram contribuindo para a legitimação da ditadura. Por meio de pronunciamentos e atos oficiais, bispos e cardeais apoiaram os golpistas até o final de 1968, com a promulgação do Ato Institucional n.º 5 e a institucionalização da tortura como método sistemático de interrogatório, a prisão de padres e a implantação de um estado de terror. Foi nesse momento que a hierarquia católica reagiu de forma firme contra a ditadura.

E os protestantes?

As principais lideranças das igrejas protestantes continuaram apoiando o regime mesmo depois do AI-5. Foi só a partir de um determinado momento, já na década de 1970, que começa a haver um fortalecimento da oposição em setores protestantes e a sua aproximação com os católicos. De maneira geral, tanto os católicos quanto os evangélicos, em termos de instituição, tiveram posições dúbias em relação à ditadura. Não se deve ignorar, porém, que desde antes do golpe existia um setor ecumênico que apoiava as reformas de base que vinham sendo discutidas no Brasil e que se opunham à intervenção militar. É preciso aprofundar a análise de todos esses aspectos.

A hierarquia católica na Argentina também apoiou a ditadura. Foi diferente daqui?

Na Argentina, a Igreja Católica manteve seu apoio à ditadura militar do início até o final dela. Houve uma colaboração muito forte com o regime ditatorial, especialmente por meio das capelanias militares. Lá não houve só conivência ou omissão: foi sobretudo colaboração. Os protestantes, talvez pelos sérios conflitos que tinham com as instituições católicas argentinas, se opuseram ao golpe e depois tiveram um papel importante na resistência à ditadura.

Quais as dificuldades do trabalho do grupo de pesquisadores?

Nosso campo de pesquisa e investigação é muito amplo. Não vamos ter condições de cobrir essa amplitude, nem do ponto de vista geográfico, nem temático, dentro do prazo previsto. As igrejas estavam presentes em toda a extensão territorial do País. Teremos que fazer escolhas, buscar os casos emblemáticos, mais representativos do comportamento das igrejas.

O senhor foi perseguido?

Sou metodista e participei do movimento ecumênico que, desde a década de 50, vinha discutindo politicamente reformas para o Brasil. Eu defendia as reformas de base reivindicadas em 1964. Por causa de minhas posições políticas e de minha militância na AP, fui preso em 1970 e permaneci um ano na prisão. Após ser libertado, tive que viver na clandestinidade até 1971, quando o cerco se fechou e fui obrigado a sair do Brasil.  Passei pelo Uruguai, Argentina, Chile. Com o apoio do mundo ecumênico internacional, mudei para os Estados Unidos, onde vivi durante quase oito anos e, depois para Genebra, passando a atuar no Conselho Mundial de Igrejas.

dica do João Marcos

Leia Mais

Meninas drogam pais para usar internet depois das 22h

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Publicado originalmente no Terra

Duas adolescentes do Estado americano da Califórnia foram presas após drogarem os pais de uma delas para poderem usar a internet além do horário permitido a elas, disseram autoridades locais à agência AP.

As jovens, de 15 e 16 anos e moradoras da cidade de Rocklin, colocaram pílulas para dormir – que necessitavam de prescrição médicas para serem comercializadas – em milk-shakes e deram para o casal. Após acordarem grogues, eles suspeitaram de algo e auto aplicaram um teste de toxicidade. Quando o teste deu positivo, eles levaram os resultados para a polícia.

Segundo a polícia, elas agiram dessa forma porque consideravam a regra de não poderem usar a internet depois das 22h muito “rígida”.  “As meninas queriam usar a internet, e fariam o que fosse necessário para isso”, disse o tenente Lon Milka ao jornal The Sacramento Bee.

As jovens foram levadas para um reformatório juvenil no sábado passado e acusadas de suspeita de conspiração para manipular farmacêuticos com comida. Cabe agora à Promotoria local decidir se elas serão indiciadas judicialmente. Não há informações se as adolescentes já foram liberadas e sobre quanto tempo permaneceram detidas.

Leia Mais

Internautas comentam sobre a ‘invasão’ corintiana em Cumbica

Publicado por Estadão

Tumulto e confusão com polícia foram alvo de críticas; aeroporto nega ter havido danos materiais

O time do Corinthians embarcou na madrugada desta terça-feira, 4 de dezembro, para a sua primeira parada com destino ao Japão. Para desejar boa sorte para a equipe, 15 mil torcedores se juntaram ontem no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Tumultos e confusão com a PM, no entanto, marcaram a passagem da torcida pelo aeroporto. Alguns internautas deram sua opinião sobre o assunto e não aprovaram a ação da torcida. Apesar de tudo, o aeroporto afirmou em nota oficial que a presença da torcida não prejudicou os posos e decolagens e não causou danos à estrutura.

Confira:

Confusão com PM marca despedida do Corinthians no aeroporto

Cerca de 15 mil torcedores foram a Cumbica desejar sorte ao clube; polícia diz que precisou dispersar público



Leia Mais