China tem só 5 dias de férias por ano; saiba como são as regras no mundo

foto: Carolyn Kaster/AP
foto: Carolyn Kaster/AP

Ricardo Marchesan, no UOL

Os dias de férias estabelecidos por lei não são iguais ao redor do planeta. Os 30 dias de repouso anual do brasileiro seriam considerados um imenso privilégio em países como a China e a Nigéria, onde o mínimo são cinco dias de descanso por ano.

O direito a um mínimo de três semanas de férias remuneradas está previsto em convenção da OIT (Organização Internacional do Trabalho), agência ligada à ONU. Mas isso não significa que todos os países a sigam.

Segundo dados da própria OIT, Estados Unidos, Índia, Paquistão, Sri Lanka, Kiribati e Gâmbia não estipulam dias de férias em sua lei. Já a União Europeia determina o mínimo de quatro semanas para seus países membros.

A maior parte dos países tem entre 20 e 23 dias úteis (não-consecutivos, ou seja, são excluídos os fins de semana).

Comparação entre países

Jon Messenger, especialista de condições de trabalho da OIT, afirma que é difícil estabelecer uma comparação exata entre os países, porque as leis são diferentes. Alguns, como o Brasil, consideram dias corridos, incluindo os finais de semana na conta total, outros levam em consideração apenas dias úteis.

Os países com mais dias de férias, segundo esse estudo, são os Emirados Árabes e o Iêmen, com 30 dias úteis. China e Nigéria são os que determinam menos dias por lei (cinco).

O Brasil não está incluído entre os que têm mais dias de férias. Apesar de ter 30 dias para o repouso, não são dias úteis. A conta inclui os finais de semana. Para a OIT, o país tem o equivalente a 21 dias úteis de férias.

Para o cálculo, no caso do Brasil, a OIT considera cinco dias de trabalho por semana. Ela então calcula 5/7 (cinco sétimos) do estipulado pela lei. No caso do Brasil, o resultado desta conta é 21,42.

Mais e menos férias que a lei

O especialista da OIT também afirma que o limite estabelecido por lei não significa, necessariamente, a quantidade de dias que um trabalhador costuma tirar por ano.

Nos Estados Unidos, único país desenvolvido sem um limite mínimo, as férias são vistas como um benefício concedido pelas empresas, e a maior parte da população recebe duas semanas.

Na Alemanha, apesar de o mínimo ser de 20 dias, o trabalhador acaba descansando mais. Isso porque os acordos coletivos das categorias costumam estabelecer mais dias de férias. “Na prática, as férias na Alemanha podem chegar a 30 dias”.

No Japão, segundo Messenger, a maior parte dos profissionais acaba tirando apenas a metade dos oito dias a que tem direito.

Férias X produtividade

Messenger afirma que não há estudos o suficiente que estabeleçam uma relação entre a produtividade de um país e a quantidade de dias de férias.

Ainda assim, ele diz que há uma ligação direta entre descanso e produtividade. “Há uma percepção de que mais horas de trabalho resulte em maior produção, o que não é verdade. De maneira geral, é o contrário”.

O especialista diz que é necessário um distanciamento do trabalho para “recuperar as energias”. A falta de descanso leva a problemas de saúde, maior risco de acidentes de trabalho, aumento de conflitos familiares e faltas, por exemplo. “O ideal é que o trabalhador consiga produzir mais e melhor no menor tempo possível.”

Férias em cada país (em dias úteis)

  • Não há mínimo por lei
    Estados Unidos e Índia
  • 5 dias
    China e Nigéria
  • 6 dias
    México
  • 8 dias
    Japão
  • 10 dias
    Vietnã, Argentina, Canadá, Colômbia, Equador e Paraguai
  • 12 dias
    Indonésia e Turquia
  • 13 dias
    África do Sul, Bolívia, Chile e Qatar
  • 18 dias
    Angola, Egito e Marrocos
  • 20 dias
    Senegal, Austrália, Nova Zelândia, Uruguai, Bélgica, Finlândia, Alemanha, Itália, Holanda, Rússia e Suíça
  • 21 dias
    Brasil, Cuba, Peru, Arábia Saudita, Bahrein, Noruega e Espanha
  • 22 dias
    Portugal
  • 25 dias
    Áustria, Dinamarca, França, Suécia, Kuait e Síria
  • 28 dias
    Reino Unido
  • 30 dias
    Emirados Árabes Unidos e Iêmen

Leia Mais

Por que algumas pessoas conseguem dormir pouco e ficar bem descansadas?

537669b371647

publicado na Galileu

Pesquisadores da Academia de Medicina do Sono dos EUA conduziram um estudopara descobrir por que alguns de nós precisam dormir mais enquanto outros precisam de poucas horas de sono para descansar completamente. Para entender se há uma base biológica para essa diferença, eles analisaram 100 pares de gêmeos e conseguiram identificar uma mutação genética que permite um maior descanso com um menor período de sono. Não apenas isso, pessoas que possuem essa alteração sentem menos os efeitos de uma noite insone.

O gene em questão é chamado BHLHE41 e a sua cariante é a  p.Tyr362His – todos os indivíduois que apresentavam a variante dormiam apenas cinco horas por noite. No estudo, gêmeos sem a variante dormiam, em média, uma hora a mais e tinham mais dificuldade de se manterem acordados após 36 horas sem dormir.

Para chegar às conclusões, além de manter os gêmeos acordados, suas habilidades cognitivas eram medidas a cada duas horas durante o período sem sono.

Todos os gêmeos usados no estudo eram do mesmo sexo – 59 pares eram de gêmeos idênticos, enquanto 41 eram dizigóticos.

Leia Mais

Metade das pessoas checa e-mails na cama antes de dormir, diz estudo britânico

Segundo a consultora Katie Toll, da Future Foundation, os dados obtidos indicam que as pessoas não encaram mais a hora de dormir como um tempo para relaxar.

Na faixa etária entre 16 e 24 anos, 87% dos entrevistados afirmaram acessar a internet momentos antes de dormir
Na faixa etária entre 16 e 24 anos, 87% dos entrevistados afirmaram acessar a internet momentos antes de dormir

Publicado originalmente no UOL

Uma pesquisa feita com adultos entre 16 e 34 anos no Reino Unido revela que metade deles admite checar e-mails em seus smartphones, tablets e notebooks enquanto estão na cama, pouco antes de dormir. Entre as pessoas que admitiram ter o hábito noturno, uma em cada dez disse fazer isso todos os dias.

Ainda de acordo com esse estudo feito pela consultoria Future Foundation, quanto mais jovens são as pessoas, mais “viciadas” ficam em se manter conectadas. Na faixa etária entre 16 e 24 anos, 87% afirmaram acessar a internet momentos antes de dormir. O estudo revelou também que sete entre dez dos entrevistados nunca desligam seus celulares.

Segundo a consultora Katie Toll, da Future Foundation, os dados obtidos indicam que as pessoas não encaram mais a hora de dormir como um tempo para relaxar. “É uma hora para se conectar por múltiplos dispositivos”, diz.

O problema, prossegue Katie, é a fusão cada vez maior entre trabalho e vida pessoal, com a tecnologia ajudando a acabar com o limite entre os dois. Com isso, a consultora analisa que será necessário aos governos a criação de leis para coibir a prática e que as empresas passem a oferecer horários de trabalho mais flexíveis.

Leia Mais

9 dicas para gerenciar melhor o tempo em 2013

Luiza Tenente, na Revista PEGN

Saiba como ser eficiente e administrar seu horário, sem sacrifícios

Empreendedores, normalmente, não têm rotina. Querem aproveitar o expediente para resolver o maior número possível de tarefas. Além de sentirem-se exauridos, têm dificuldade de conciliar a correria da profissão com a família, o descanso, a consulta médica, o horário de almoço… É possível ser eficiente e não se estressar? Quem tenta resolver esse desafio dos negócios é Christian Barbosa, empreendedor, especialista em gerenciamento de tempo e fundador da Triad Productivity Solutions, consultoria em produtividade. Confira as dicas dele:

1. Sempre registre suas tarefas: É comum que os empreendedores sintam-se perdidos porque não organizam os compromissos do dia. “Mas não adianta fazer umas anotações em post-its, outras no computador e algumas na agenda”, afirma Barbosa. “Eleja uma única plataforma e registre tudo ali.”

2. Não deixe tudo para a última hora: Ao escrever quais são as suas tarefas, pense sempre no prazo de três dias. Não adianta, pela manhã, planejar o que fará na mesma data. Ter um tempo à frente facilitará sua organização.

3. Planeje em conjunto: Não adianta seguir a estratégia de registrar as tarefas sozinho. “O ideal é que, toda sexta-feira, a equipe faça uma reunião de meia hora para eleger quais são os compromissos mais urgentes da semana seguinte”, diz o empreendedor.

4. Aprenda a delegar: De acordo com Barbosa, é comum que o empreendedor tenha aberto um negócio por possuir uma habilidade individual. E que, por isso, ele centralize a maior parte das tarefas da empresa. Mas não caia nessa cilada: delegue e faça com que todos da equipe criem um trabalho excepcional. “Treinar os funcionários, ouvir os clientes e prestar atenção na concorrência são deveres do empreendedor. Ele deve parar de fazer e aprender a olhar”, diz o especialista. Isso colaborará para que sobre tempo na sua agenda.

5. Descanse: Não adianta querer se enganar. Nenhum empreendedor conseguirá tirar férias de um mês e abandonar a empresa nesse período. No entanto, sobrecarregar-se é prejudicial à saúde. Como solucionar esse problema? Barbosa sugere que, logo no começo do ano, preste atenção ao calendário e eleja pequenos períodos de descanso. Se o Carnaval não afeta o movimento do negócio, é uma boa opção para fazer uma pausa. No caso dos comerciantes, basta pensar em datas de menor demanda. Dois dias, emendados ao fim de semana, já ajudam a relaxar.

6. Desligue-se: A tendência é sempre estar conectado – sair do trabalho e checar o e-mail pelo celular constantemente. É normal que se sinta irresponsável por abster-se dessas tecnologias. Uma alternativa é combinar com a equipe que as decisões e comunicados urgentes devem ser feitos por telefone.

7. Inclua a família no trabalho: “É impossível separar totalmente a vida profissional da pessoal”, diz Barbosa. Para ele, o ideal é estipular qual a carga horária necessária para que as tarefas sejam executadas e para que sobre um tempo para a família. Oito horas? Então, não ultrapasse isso. Outra dica do empreendedor é envolver os filhos na empresa. “Um garoto no ensino médio já pode fazer um estágio na empresa”, afirma.

8. Faça intervalos durante o dia: Um amigo de Barbosa possui um restaurante e acorda às 4h da manhã para receber os alimentos. Como ele vai ao dentista? Aproveita o intervalo entre 15h30 e 19h, quando o movimento cai, para ficar com a família e resolver os problemas pessoais. Às 19h30, retorna ao estabelecimento. “Ache um horário na agenda para você. Emendar é pedir para se estressar”, diz.

9. Use aplicativos a seu favor: Se há afinidade com tecnologias, uma boa ideia é usar aplicativos móveis para gerir o tempo. “Google Tasks, Remember the Milk e Neotriad são boas opções”, afirma Barbosa. Mas nada impede que se use o bom e velho caderno.

Leia Mais

Estudo relaciona uso intensivo da internet a estresse e depressão

Publicado por UOL

Jogar no computador aumenta o risco de sintomas de depressão entre as mulheres, afirma o estudo

Um estudo da University of Gothenburg, na Suécia, identificou uma relação entre o uso intenso da internet e telefone celular com problemas de saúde (estresse, depressão e dificuldade para dormir). A pesquisa foi realizada durante um ano, com 4.100 pessoas na Suécia, de 20 a 24 anos.

“É fácil ficar mais tempo do que o planejado no computador [trabalhando, jogando ou conversando], o que acaba gerando uma pressão relacionada ao tempo, negligência de outras atividades e também de necessidades pessoais [como dormir, interagir socialmente, fazer atividade física]”, afirmou Sara Thomee, líder do estudo.

Ainda de acordo com o “Daily Mail”, ela cita problemas ergonômicos e uma “sobrecarga” mental com o uso excessivo do computador. Além da navegação na internet, os jogos online entraram na mira do estudo. “Jogar no computador uma ou duas horas por dia aumenta o risco de sintomas de depressão entre as mulheres”, disse Sara.

A pesquisa também identificou estresse por parte dos usuários de telefones celulares, pelo fato de estarem sempre disponíveis – especialmente quando se sentem pressionados para responder a mensagens ou culpados quando não o fazem. “Ligações que não são retornadas geram sentimentos de culpa”, disse a pesquisadora.

Essa sensação de constante disponibilidade também causa distúrbios quando os usuários estão muito ocupados e quando estão descansando, de acordo com o estudo. Há ainda a sensação de nunca se sentir livre e a dificuldade em separar a vida pessoal da privada.

Com essas conclusões, os pesquisadores aconselharam os usuários de tecnologia a estabelecer um limite de tempo em que passam em frente às telas (seja do computador ou do celular).

Conheça dicas de comportamento nas redes sociais para evitar problemas e gafes

Leia Mais