Arquivo da tag: Deus

Hit nas redes sociais, foto atribuída à manifestação evangélica em Brasília é de outro evento

evangelicosbrasilia

“Manifestação pacífica de cristãos em Brasília……Em defesa da família tradicional e liberdade de expressão religiosa!!!!! Não importa se as grandes emissoras não quiseram mostrar….. O povo de Deus é forte!!!!!!!!!! Compartilhem amigos!!!!”

Acompanhada do texto acima, essa foto tem sido bastante compartilhada por evangélicos no Facebook como “prova” da parcialidade e descaso da mídia. Esse tipo de divulgação sempre acirra os ânimos e institui um clima de guerra infelizmente bem comum ultimamente entre os súditos do Príncipe da Paz. Vejam alguns comentários:

OMISSÃO DA MIDIA… AI ESTA O RESULTADO.YES! a palavra de Deus serar pregada queirao ou nao as grandes emisouras, liberdade já !!!!!!!!!!!!!!!!!

Não tem pra ninguem… O Povo de Deus é Maior pq ele é MAIOR!

ISSO A MIDIA NÃO MOSTRA NÉ? POR QUE SERA HEM?????

VEJA O QUE A MÍDIA NÃO MOSTROU MAIS SAIBA QUE O POVO DE DEUS FEZ A DIFERENÇA.

Caps Lock a parte, o problema é outro: a imagem NÃO é da marcha convocada por Silas Malafaia que aconteceu na semana passada. Trata-se de uma foto de Beto Barata (Agência Estado) da festa de aniversário de Brasilia em 2008, evento que reuniu em torno de 1 milhão de pessoas.

Segundo a Polícia Militar, a manifestação evangélica reuniu 40 mil pessoas. Para os organizadores, havia 100 mil. Fotos podem ser vistas em galerias no G1 e no UOL, entre outros.

dica do Carlos Júnior e do Givaldo Corcinio

A pornografia das frases de efeito

caixa-promessas-versículos-bíblia

 

Publicado por Paulo Brabo

Por mais que eu me esforce, não consigo pensar num fator que tenha contribuído mais para a diluição do impacto da Bíblia, tendo aberto maior brecha para uma leitura tendenciosa da sua mensagem, do que o fato de que um dia alguém achou por bem dividi-la em versículos.

Um livro como a carta de São Paulo aos Efésios, que até aquele momento vinha sendo lido como um todo contínuo e orgânico, acordou no dia seguinte esquartejado de modo inteiramente arbitrário, tendo adquirido a graça e a agradabilidade de leitura de uma planilha do Excel. E nunca mais recuperaram-se da operação: foi retalhado dessa forma que cada livro da Bíblia chegou até nós.

A divisão em versículos teve a infelicidade de nascer mais ou menos ao mesmo tempo em que vinha à luz a tecnologia dos tipos móveis de Gutemberg – e tecnologia significou desde sempre uma coisa: não há erro fortuito que não possa ser reproduzido indefinidamente.

O estrago para a integridade da Bíblia foi enorme e, em grande parte, irreversível. Mesmo diante de um texto corrido temos a tendência eu e você à seleção e à parcialidade. A nova e forjada fragmentação convidava, praticamente exigia, que cada isolada porção do texto bíblico fosse memorizada e entendida fora do seu contexto. No caso da carta aos Efésios, por exemplo, encontraram plenipotenciária consagração entre os protestantes os versos oito e nove do segundo capítulo: porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie – versos a partir nos quais os protestantes fundamentaram sua tese de que a fé é essencial e as boas obras secundárias. Porém a arbitrária divisão em versículos deixou o raciocínio de Paulo para sempre incompleto, seu argumento para sempre suspenso e separado da frase seguinte, que qualifica o que foi dito e introduz uma enorme reviravolta: porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus preparou de antemão para que andássemos nelas.

A divisão em versículos, além de favorecer a leitura seletiva, incentivou a fetichização pura e simples dos textos atingidos por ela, com a consequente anulação do seu significado. Na verdade, os textos sagrados prestam-se particularmente, por sua própria natureza, à fetichização; o retalhamento da Bíblia em versículos apenas acentuou essa tendência e facilitou o processo.

Fetichizar um texto é inflá-lo ao extremo, é recortá-lo e memorizá-lo e emoldurá-lo e reproduzi-lo em letras cada vez maiores até drenar por completo e tornar inacessível o seu significado original: até que as palavras, douradas mas cegas, remetam a tudo e a nada.

Um emblema escandaloso da fetichização da Bíblia promovida pela divisão em versículos é a caixa de promessas (disponível em diversos formatos na livraria evangélica mais próxima de você): uma caixinha cheia de filetes coloridos de papel, cada um contendo um versículo isolado da Bíblia cuidadosamente selecionado para que você, lendo, sinta-se amado, com os flancos cobertos e a prosperidade assegurada. Quando está pra baixo você abre a caixa e puxa uma promessa ao acaso, como quem lê um biscoito da sorte: a satisfação é garantida, ou você pode pedir o seu espírito crítico de volta1.

Cinco séculos se passaram sem grandes novidades, porém é preciso lembrar que as ideias medíocres dos homens dormem, mas não descansam. Ficam em estado letárgico, aguardando que novas tecnologias permitam que arruínem-se as ideias grandes e boas. E, claro, esta é a geração em que esse momento chegou: num espaço de 30 anos, os últimos, o computador eletrônico gerou o computador pessoal, o computador pessoal tomou para si cônjuges e formou a rede local, a rede local teve relações extraconjugais e gerou a internet, e a internet pariu as redes sociais.

Estamos instruídos e capacitados, colonizadores que somos das paisagens virtuais, e o que era impossível é agora inevitável. O twitter nos ensinou a dividir a realidade em porções isoladas de 140 caracteres, e quando a realidade tomba a literatura não tarda a cair. Somos milhões de escribas e amanuenses, inteiramente prontos para versicularizar – converter resolutamente em versículos – toda a literatura mundial, e tabulá-la em trabalho voluntário nos murais sempre-deslizantes das redes sociais. Não há admirador bem-intencionado que não viva saqueando a obra de poetas e romancistas, filósofos e ensaístas, santos e compositores, críticos e humoristas de todas as épocas, esquartejando resignadamente suas ideias de modo a fazê-las caber nos escaninhos do twitter e dos gifs animados. Somos um mundo inteiro de taxidermistas, e não descansaremos até que os melhores e os piores textos do mundo tenham sido reduzidos a frases de efeito e gotas de sabedoria.

Era inevitável: as redes sociais, que vivem da fetichização e da consequente anulação de todas as coisas, não teriam como deixar de sequestrar o poder da literatura. O Facebook, em particular, assumiu o papel de banalizador supremo, drenando a vitalidade de tudo na experiência humana que já teve algum interesse e algum valor. A literatura, aquela velha dama, não escapou dessa indignidade. No mural do seu Facebook alternam-se versos piscantes da Bíblia, frases de Luís Fernando Veríssimo, pensamentos falsamente atribuídos a Shakespeare, provocações de Gandhi, citações de Mia Couto, poemas animados de Casimiro de Abreu, letras de Chico Buarque, pérolas de sabedoria de Abraham Lincoln e papa Francesco e Brennan Manning e Dalai Lama e Martin Luther King e Paulo Coelho e Eugene Peterson e Richard Dawkins e Malba Tahan e Tolstoi e coisas que Shakespeare realmente disse e Diego Mainardi. Tudo devidamente versicularizado, empalhado e fetichizado: pedaços de carne, ao mesmo tempo expostos para a admiração pública e separados do corpo.

Essa, como dizia minha avó, é a hora da queima: a hora da sistemática caixa-de-promessização de tudo neste mundo que já foi belo, humano e sagrado. Fetichizar a Bíblia foi tarefa para amadores; sente-se aí e assista enquanto retalhamos cada página jamais escrita até a desfiguração completa.

Outro dia minha irmã, que está no Facebook, tropeçou ali em imagens coloridas que emolduravam frases inspirativas – praticamente Preciosas Promessas – do Paulo Brabo (mais um motivo para não estar no Facebook, não?). Sendo minha irmã, ela achou meio sinistra aquela tietagem e me escreveu perguntando se não me incomoda saber que coisas que escrevo andam circulando pela net na forma de gotas de sabedoria.

Respondi que sim, claro que me incomoda, mas que ela não devia estranhar por encontrar no Facebook algo que é tão típico do Facebook: a fetichização de uma coisa que em outro lugar talvez fizesse sentido e tivesse o seu valor. E concluí que o que de fato me irrita é pensar que nas redes sociais encontram destino igualmente indigno autores melhores.

Naturalmente, encontro como todo mundo prazer diante de uma ideia magistralmente construída e articulada – digamos, esta de Borges: apaixonar-se é criar uma religião cujo Deus é falível. Ou esta, minha: mil gênios podem não ajudar, mas um idiota faz toda a diferença.

Porém há um mar entre apreciar uma frase na cumplicidade de uma página e reduzi-la a pérola de sabedoria. É, praticamente, a diferença entre fazer amor e ficar excitado diante de uma imagem de sexo que você encontra na internet. Há entre as duas coisas uma relação mais do que casual, e você pode acreditar que nesta vida há espaço para as duas coisas, mas são ventos que falam de destinos diferentes.

  1. A caixa de promessas é também conhecida pelo nome aliterado de Preciosas Promessas; os produtos complementares da mesma linha, Memoráveis MaldiçõesEstressantes Exigências, nunca chegaram a conquistar uma grande fatia de mercado.

Preso, pastor acusado de estupro diz que AfroReggae quer incriminá-lo: “Não acredito na Justiça”

marcospereira

Julia Affonso, no UOL

“Não acredito na Justiça. Se eu sou inocente e estou preso, quantos aqui [no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste do Rio de Janeiro] não devem estar também? Não há nenhum envolvimento meu com nenhum crime. Eu não entendo o que está acontecendo”, diz Marcos Pereira, pastor da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, preso há um mês no presídio da capital fluminense, acusado de estupro.

“O suposto estupro teria acontecido em 2006 e a mulher ficou calada até hoje. De uma semana para outra, surge a necessidade de me prender”, afirma ele em entrevista concedida ao UOL por meio de seu advogado, Marcelo Patrício.

“As supostas acusações são ridículas e sem provas. Querem denegrir minha imagem. A vítima trabalha em uma organização [AfroReggae] que quer me incriminar. Ela é esposa de um cara que trabalha lá, e juntos estão coagindo várias pessoas a mentirem sobre mim. A polícia só ouve as testemunhas que me incriminam”, afirma o pastor.

José Júnior, coordenador da ONG AfroReggae, foi procurado pelo UOL para comentar as acusações de Pereira, mas não respondeu ao pedido até a conclusão desta reportagem.

Pereira diz que só “viu de vista” vítima de homicídio que teria sua participação

À época da prisão, o delegado Márcio Mendonça, da DCOD (Delegacia de Combate às Drogas), que comandou as investigações, afirmou que Pereira visitou o traficante Marcinho VP, apontado pela polícia como um dos principais líderes da facção criminosa Comando Vermelho, por duas vezes, nos presídios federais de Catanduvas (PR) e Mossoró (RN).

Além disso, o delegado havia dito que o pastor estava sendo investigado também por ter participado do homicídio de Adelaide Nogueira dos Santos, em São João de Meriti, em dezembro de 2006. Segundo o depoimento da mãe da mulher, o pastor tentou abusar da filha, que antes de morrer, começou a investigar os supostos estupros. Três pessoas foram condenadas pela morte da mulher, entre elas, Geferson Rodrigues dos Santos, sobrinho do pastor.

“Nunca falei com essa pessoa, só vi de vista. Este crime ocorreu há cerca de seis, sete anos, já houve julgamento, as pessoas já estão cumprindo a pena e em nenhum momento meu nome foi citado no processo”, afirmou o pastor.

“Já visitei vários presos, inclusive, o Marcinho VP. Meu objetivo é reintegrá-los à sociedade. Não vejo problema nenhum [na visita]“, disse Pereira. ”Vários traficantes, homicidas foram visitados por mim e já estão reintegrados a sociedade, fora do crime. Não vejo problema nenhum em visitar traficantes, homicidas, estupradores. Para atingir meu objetivo, eu tenho que ir à penitenciária”.

Pastor afirma que “escutas picantes” foram montagem

Sobre as escutas em que foi flagrado em conversas picantes com uma das fieis da igreja, o pastor afirma que foi tudo armado. “Montagem. Pegaram falas minhas de vários momentos e juntaram para denegrir a minha imagem. Ali não há crime, então [as escutas] nem eram para me incriminar”, diz.

Na prisão, o pastor afirma estar ajudando outros detentos a se converterem e trata o atual momento como triste.

“Isto é uma provação do meu amor a Jesus Cristo. Estou triste, magoado com tudo o que está acontecendo. Já consegui orar por uma pessoa que estava passando mal. Ela estava com muita dor de estômago, vomitando e ficou curada. Várias pessoas já se converteram”, conta Pereira.

Entenda o caso

Pereira está preso desde 8 de maio em Bangu e começa a ter seu futuro decidido no dia 17 de junho, a partir das 14 horas, na primeira audiência sobre o caso, em São João de Meriti, Baixada Fluminense. A cidade é a mesma onde fica a igreja da qual Pereira é líder e onde ele foi detido pela Polícia Civil.

Na audiência, o pastor denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro começará a responder a duas acusações de estupro contra duas fieis de sua igreja. Também estarão presentes na sessão, as testemunhas de acusação. Ele nega todas as denúncias feitas pelo MP contra ele.

Além das acusações de estupro, Pereira é investigado por envolvimento com o tráfico, lavagem de dinheiro e participação em homicídio.

As investigações sobre o pastor começaram há pouco mais de um ano, a partir de acusações que o coordenador da ONG AfroReggae, José Júnior, fez sobre o suposto envolvimento de Pereira com tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Ao longo das investigações, a polícia descobriu que o pastor teria estuprado fiéis da igreja que comanda, em São João de Meriti.

O quadro sem cores

Google Imagens

Google Imagens

Bruno Pereira, no E O Diabo a 4 Blog

No meio de sons e gritos, eu me enclausuro no silêncio. Entre as imagens e quadros espalhados pelo ateliê, eu foco o que é invisível. Entre as palavras ditas sobre um caixote onde os ouvintes estão na inércia da vida, eu prefiro o sossego de caminhar a passos lentos.

Caminho pela vida, por suas estradas, onde os ambulantes oferecem imagens de fundo de quintal, onde o repente do violeiro não fala sobre a seca e o amor, mas enaltece a tal prosperidade, sem poesia canta repetições, em um ardor quase infernal.

As imagens e palavras que pintam e conceituam Deus não passam de rabiscos e ruídos que poluem a vida, que cegam inocentes. São dogmas impostos como se fôssemos escravos da interpretação dos senhores…

Poeticamente já conceituei Deus:
“Deus é fruto colhido no quintal da casa da avó. Ele é a sombra da mangueira. O amarelo do caju. Deus é a comunhão entre os que o provam no gostinho do suco caseiro da vovó”.

No entanto, tenho silenciado conceitos e deletado imagens. Percebo que assim é mais saudável viver, mais responsável com a vida e o próximo.

Vejo o belo, mas não como algo transcendente, e sim humano. Vejo as flores, mas não como imagens de Deus, e sim como criação do solo fértil e da chuva que rega.

Amo. Não porque Deus seja amor, mas porque o Amor faz bem, faz o bem, é cura, é cuidado, sorriso e lágrimas. Amar é conspirar. Respirar o mesmo ar com o outro, com outros, com todos.

O outro é sempre mais importante que o conceito sobre qualquer deus. Gerar vida deve ser o primeiro pensamento antes de se pregar uma verdade absoluta.

Jean-Yves Leloup afirma:

“Deus não existe, Ele é. Se Deus existisse, como tudo aquilo que existe, um dia teria que deixar de existir. Dessa maneira, todos os deuses, investidos pelas nossas adorações cegas da existência, são ídolos. O verdadeiro Deus não existe e toda apropriação de ‘verdadeiro’ é uma fábrica de ídolos por vezes mortíferos e perigosos. ‘Meu’ Deus não é o ‘teu’ Deus e em nome desse Deus que ‘temos’, todos os crimes são permitidos…”

Esvaziar-se das velhas imagens é limpar dos olhos a catarata que embaça a vida. Espanar as teias de aranha do telhado é tornar o ambiente convidativo. Sacuda o sofá, tire dele toda a poeira. Um convite para sentar, uma conversa, o vinho que umedece os lábios. Sem imagens, faça da presença do outro uma oração de agradecimento à vida.

Empresário da banda Calypso nega fim do grupo, após show no Recife

Declaração de Joelma durante o São João da Capitá repercutiu na internet.
Cantora desabafou sobre vontade que tem de seguir a carreira gospel.

Publicado originalmente no G1

Empresário da Calypso negou que Joelma tivesse anunciado fim da banda (Foto: Flávio Alves / G1)

Empresário da Calypso negou que Joelma tivesse
anunciado fim da banda (Foto: Flávio Alves / G1)

Um desabafo da cantora Joelma, da banda Calypso, sobre a vontade de seguir carreira gospel, feito na noite deste sábado (8), no São João da Capitá, no Recife, gerou um mal-entendido nas redes sociais. Algumas pessoas divulgaram em seus perfis que a artista havia anunciado o fim do grupo. No entanto, o empresário da banda, Fábio Macêdo, explicou ao G1 que a artista apenas comentou no palco que está com vontade de se dedicar às músicas evangélicas, mas compromissos profissionais têm adiado a realização desse desejo, que deve ser concretizado a partir de 2015.

O empresário falou que Joelma é evangélica e que todos os discos da banda já trazem, pelo menos, uma música gospel. Inclusive, salmos da Bíblia também são impressos nas capas dos CDs do grupo. “A Joelma, em seus momentos de reflexão e oração, pede muito conselho a Deus sobre a carreira. Então hoje, diante do governador do estado, Eduardo Campos, e do prefeito [do Recife] Geraldo Julio, ela disse que teria muita vontade de entregar a sua carreira à obra de Deus e só cantar música gospel”, falou. Joelma e Chimbinha foram os homenageados do São João da Capitá 2013 e receberam os políticos no palco durante o show.

De acordo com o empresário, a banda ainda tem compromissos profissionais a cumprir. “A Calypso continua, tem contrato com várias gravadoras, prefeituras, shows em todo o Brasil, estamos com uma estrutura grande montada. Agora, Joelma está num momento de reflexão interno e nós temos que respeitar esse momento. Talvez em 2015 é que ela teria condições de cumprir todos os compromissos para depois poder fazer essa carreira [gospel]“, disse.

Em entrevista ao G1, Chimbinha e Joelma disseram que estão com projeto de lançar um CD apenas com músicas evangélicas ainda este ano. “O repertório está pronto, vou entrar no estúdio depois de julho, em agosto, para lançar até o final do ano”, comentou a cantora. “As músicas estão prontas, é só gravar, fazer essa coletânea e lançar”, complementou o guitarrista.

dica do Weuller Rogerio P. Faria