Projeto no Iraque reduz idade para mulher casar a 9 anos

Os opositores ao projeto afirmam que a decisão representa um retrocesso e que pode agravar as tensões no Iraque

foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP
foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP

Publicado em O Dia Online

Um projeto de lei que, segundo seus opositores, legaliza o casamento das meninas e o estupro conjugal provocou uma polêmica no Iraque, semanas antes de eleições previstas para o fim de abril.

Os opositores ao projeto – que, segundo analistas, tem poucas chances de ser adotado – afirmam que representa um retrocesso em matéria de direitos da mulher e que pode agravar as tensões entre diferentes confissões do país.

Seus opositores ressaltam que um de seus artigos permite que as crianças se divorciem a partir dos nove anos, o que significa que podem se casar antes desta idade, e que outro prevê que uma mulher seja obrigada a ter relações sexuais com seu marido quando ele pedir.

Segundo um estudo de 2013 do grupo de pesquisa americano Population Reference Bureau (PRB), um quarto das mulheres no Iraque se casam com menos de 18 anos.

— Este projeto de lei é um crime humanitário e uma violação dos direitos das crianças — declarou Hanaa Edwar, que dirige a associação Al-Amal (“esperança”, em árabe).

Os partidários do projeto de lei afirmam que o texto apenas regula práticas que já existem.

— A ideia da lei é que cada religião regule e organize a condição jurídica pessoal em função de suas crenças — estimou Ammar Toma, um parlamentar xiita do partido Fadhila.

No entanto, analistas consideram muito improvável que o parlamento iraquiano vote este projeto e afirmam que se trata de uma manobra política.

Assim, o primeiro-ministro xiita Nuri al-Maliki pode estar tentando deixar aberta a possibilidade de uma aliança com Fadhila após as eleições, que, acredita-se, não fornecerão maioria parlamentar absoluta a nenhum partido.

Fonte: Zero Hora

Leia Mais

Por que a gente não se junta para mudar a educação deste país?

foto: Revista Alfa
foto: Revista Alfa

Isadora Faber

Quantas vezes você já viu um absurdo acontecendo,ficou indignado, mas não fez nada? Pode ter sido por medo, por vergonha, por não saber o que fazer, por não saber que podia fazer alguma coisa a respeito daquilo, ou porque não queria se incomodar com problemas, ou até por outro motivo qualquer. Mas aposto que você chegou em casa, ficou pensando naquilo e teve uma vontade enorme de voltar no tempo e fazer alguma coisa para impedir que aquele absurdo continuasse. Já aconteceu com você?

diariodeclassePois é, comigo já. E foi por isso que eu comecei o Diário de Classe, uma fanpage criada no Facebook, a maior rede social do mundo, para mostrar os absurdos que aconteciam na minha escola. Eu não tinha nenhuma ideia do tamanho que ela ia ficar, nem de quantas pessoas iam curtir – achei que seriam no máximo umas 100 –, mas ela cresceu, chamou a atenção de muita gente, trouxe muitos apoiadores, assim como muitas pessoas que criticaram. Eu sofri agressões, represálias, ameaças de morte, calúnias, processos, perseguições, mas consegui muitos resultados e vivi muitas experiências boas – e outras não tão boas… Enfim, aprendi muito, muito mesmo. Mas eu só comecei porque queria fazer alguma coisa.Não queria de novo voltar pra casa e saber que absurdos aconteciam e eu não fazia nada.

Essa história toda eu vou contar neste livro. Aqui você vai saber com detalhes como tudo aconteceu, como 20 seguidores da página se transformaram em mais de 600 mil, como foi a reação na escola, quais foram as dificuldades e como isso chamou a atenção das autoridades, da mídia nacional e também da estrangeira. Você entenderá por que as pessoas da minha escola ficaram contra mim, mas milhares de desconhecidos ficaram a meu favor. Vai ver por que algumas mudanças aconteceram, mas outras não. E acho que vai conseguir entender um pouco sobre como funciona a educação pública no Brasil, porque é só pensar no que aconteceu na minha escola e multiplicar pelo número de escolas públicas do país (e acrescentar algumas coisas…).

ONG ISADORA FABER.cdrX5Nesse tempo todo do Diário de Classe, minha vida mudou muito, como você já pode adivinhar, pois, de estudante do ensino fundamental de 13 anos, me tornei palestrante de diversos temas, ganhei prêmios, fiquei conhecida e hoje tenho uma ONG que leva meu nome, que criei para continuar o trabalho do Diário de Classe não só para mim, mas para todas as escolas do Brasil.

Mas a coisa mais importante que eu vi depois de tudo o que passei é que o problema da educação no Brasil é algo muito sério. E as pessoas já estão cansadas de ver as autoridades brincando com os assuntos sérios. Se o Brasil não tiver uma boa educação, não vai haver pessoas preparadas para resolver todos os outros problemas sérios do país. Se a gente não tiver educação boa, a gente não vai conhecer nossos direitos e nossos deveres, e vai continuar deixando acontecer absurdos, que começam sempre com a ignorância.

Talvez nem todas as pessoas pensem assim, mas grande parte da sociedade deve pensar, acredito eu. Só que não adianta só ficar pensando e, cansado de assistir aos problemas se repetindo, dizer que a culpa é dos políticos. A gente precisa fazer alguma coisa. Ser cidadão não é apenas morar em uma cidade e aceitar as coisas ruins sem reclamar, se acomodando e se conformando. A gente pode – e deve – cobrar de quem está no comando.

Talvez uma pessoa sozinha não consiga fazer nada, mas eu tenho certeza de que já somos muitos neste país que querem melhorar a educação. Para mim isso é possível, e, se você está lendo isto, tomara que também ache possível, porque, quanto mais pessoas fizerem alguma coisa, mais rápido a gente muda a situação. A gente sentiu isso quando se juntou nas manifestações nas ruas do Brasil. Você não gostou de ver a força de todos juntos? Eu gostei.

Com o Diário de Classe e com todo o apoio que recebo, não tenho mais vergonha nem medo de ver absurdos e não fazer nada. Eu vou, fotografo e divulgo. E eu não preciso de nada além de um celular e de um computador com acesso à internet. Claro, a gente precisa de coragem para vencer as dificuldades, pois elas existem, mas, se formos muitos, um apoia o outro. Não é simples? Então por que você não faz alguma coisa também? É tão boa a sensação de força, e os resultados são tão bons e positivos! Por que a gente não se junta para mudar a educação deste país?

isadora3

Leia Mais

Jimmy Carter: ‘Jesus Cristo era o campeão dos direitos das mulheres’

Ex-presidente americano, que acaba de lançar mais um livro, fala de agressão às mulheres, racismo, republicanos e da atração fatal dos EUA pela guerra

título original: Carter abre o jogo

David Daley, no SALON [via Estadão]

'Nossas universidades inibem as estudantes de denunciar estupros' (foto: Navesh Chitrakar/Reuters)
‘Nossas universidades inibem as estudantes de denunciar estupros’ (foto: Navesh Chitrakar/Reuters)

O novo livro de Jimmy Carter, A Call to Action, é uma adição corajosa à biblioteca de aproximadamente duas dezenas de livros que o ex-presidente dos EUA escreveu após seus anos na Casa Branca. O livro tem por subtítulo Women, Religion, Violence and Power, e Carter aborda sem medo os assuntos mais polêmicos: agressão sexual em câmpus universitários e meios militares; líderes religiosos que usam textos sagrados para justificar a opressão; penas de prisão punitivas contra pobres e minorias sociais; guerras com drones e operações militares intermináveis americanas.

Numa conversa breve, mas abrangente, falamos sobre muitos desses tópicos – mas também sobre a guerra republicana contra as mulheres; as críticas do presidente Barack Obama que ecoam críticas de seu próprio governo; e sobre como seu neto, Jason, poderá reverter a evasão de homens sulistas brancos para o Partido Republicano. Perguntado sobre a razão para os homens brancos optarem pelos republicanos, Carter, de 89 anos, foi inequívoco: “É raça”. Sobre outros tópicos, em especial sobre a Fox News e a guerra republicana às mulheres, as repostas de Carter foram igualmente diretas, porém mais surpreendentes. Espere só para ouvir sua resposta sobre slut-shaming (expressão usada com o intuito de intimidar e perseguir mulheres de comportamento ou visual sexualmente desinibido).

O sr. diz no livro que ‘há um abismo inevitável entre os líderes que escrevem e administram as leis criminais e as pessoas que lotam as prisões’. Que papel acha que a raça desempenha na perpetuação desse abismo?

As estatísticas ainda mostram que a raça faz uma grande diferença. Afro-americanos e hispânicos não só são comparativamente mais atingidos pela pobreza como são muito mais passíveis de serem presos do que outras pessoas. Desde que saí da Casa Branca, 800% mais mulheres negras estão encarceradas. A maioria das pessoas que estão na prisão por um longo período de tempo são hispânicos, negros ou mentalmente deficientes. A conclusão é que, considerando as pessoas que escrevem as leis, administram as leis e as aplicam, as demais são excluídas de qualquer tratamento igualitário no sistema de Justiça.

Seu texto também bate duro numa cultura de agressão sexual em câmpus universitários, observando estatísticas de que 95% das estudantes sexualmente agredidas permanecem em silêncio.

É verdade. Elas não denunciam. É algo que me choca muito.

Será pela maneira como a mídia cobre a questão, a forma como o sistema judicial funciona ou o extremismo do debate político em torno do tema?

Não é extremismo. É que as mulheres são desencorajadas de denunciar. E isso é feito por bem intencionados e esclarecidos presidentes de universidades, e reitores de faculdades também. Eles não querem repercussões negativas para seus câmpus ou universidades – veja a Universidade Duke ou a Emory, onde leciono, ou Harvard ou Yale. Eles querem que a universidade tenha um atestado de saúde no que toca à agressão sexual. E advertem as garotas de que, quando a pessoa denuncia o estupro, ela será posta no banco das testemunhas e será obrigada a falar sobre as circunstâncias mais embaraçosas. “Que tipo de calcinha você usava? Você dá beijo de língua? Tem um histórico carregado de encontros com rapazes?” É muito embaraçoso. Aliás, perguntaram a uma guarda-marinha na Academia Naval no banco das testemunhas sobre a largura com que abria a boca enquanto fazia sexo oral nos jogadores de futebol americano que a estupraram. Também convencem a garota de que o rapaz, faça ele o que fizer, provavelmente não será condenado – particularmente se for branco. Ele alegará que a moça estava interessada em sexo consensual, usava roupas provocantes e parecia querer fazer sexo. Ou que estava bebendo.

O sr. é provavelmente o primeiro presidente a mencionar abertamente esse tema num livro. Está familiarizado com a expressão “slut-shaming”, que joga um papel importante na discussão sobre agressão sexual?

Já a ouvi, mas não creio que possa lhe dar uma definição exata, ou usá-la numa sentença (risos).

É um método pelo qual pessoas tentam jogar a culpa de estupro e agressão sexual na vítima. Ou uma maneira de aviltar mulheres como Sandra Fluke, que veio a público para falar em defesa da cobertura contraceptiva e saúde reprodutiva e acabou denunciada como prostituta por Rush Limbaugh no rádio, diante de toda a nação.

É o que acontece. Por isso eu menciono um relatório do Departamento de Justiça americano segundo o qual metade dos estupros em câmpus universitários é perpetrada por estupradores em série. Porque ali eles percebem que podem continuar com isso, e o fazem repetidamente. Por que alguma universidade desejaria manter esse tipo de estudante no câmpus? Eu simplesmente não compreendo. O mesmo acontece no meio militar. Estive na Marinha por muito tempo, em submarinos, por isso eu sei. Oficiais de uma companhia, de um batalhão ou de um navio não querem admitir que esse tipo de coisa ocorra sob o seu comando.

callOuvimos o ex-governador republicano Mike Huckabee falar de como as mulheres não conseguem controlar sua libido, o congressista Todd Akin falando de ‘estupro legítimo’ e o concorrente ao Senado Richard Mourdock defendendo que gravidez resultante de estupro é uma intenção de Deus. Uma posição contra a mulher parece inscrita na plataforma do Partido Republicano, é isso?

Apesar de haver extremistas nos dois lados, eu não gostaria de afirmar que os democratas são pela proteção das mulheres e os republicanos não.

Em geral, não se ouve esse tipo de conversa do lado democrata.

Há maridos democratas que abusam de suas mulheres e há presidentes de empresas democratas que pagam às mulheres 23% menos do que pagam aos homens. De modo que há abusos em ambos os lados.

O sr. claramente condena a rapidez com que os EUA recorrem à ação militar. Escreve que, ‘mais do que qualquer nação no mundo, os EUA estiveram envolvidos em conflitos armados e usaram a guerra como meio para resolver disputas’.

Isso é fato, e eu enumero algumas das guerras. Menciono 10 ou 15, mas poderia citar mais 10 ou 15.

O sr. é especialmente crítico de nossas guerras com drones, e com o fato de pessoas inocentes serem mortas quase como danos colaterais. Será que nós americanos nos vemos como realmente somos? E como o resto do mundo nos percebe?

O restante do mundo, quase unanimemente, vê os EUA como o militarista-mor. Recorremos ao conflito armado num piscar de olhos – e com muita frequência isso não só é desejado pelos líderes de nosso país como também é apoiado pelo povo americano. Também retrocedemos para um grau terrível de punição de nosso povo em vez de trazê-lo de volta à vida. E isso significa que temos 7,5 vezes mais pessoas presas do que quando deixei o governo. Somos o único país entre os membros da Otan que tem a pena de morte; e isso é mais uma mancha sobre nós no que diz respeito à violência injustificável, desnecessária e contraproducente.

John Kerry foi ao programa Meet the Press depois das ações russas na Crimeia e disseque ‘este é o século 21, não se pode mais simplesmente invadir outro país’. Penso que muitos de nós disseram que foi exatamente isso que fizemos no Iraque em pleno século 21…

Correto, Fizemos. Fazemos isso o tempo todo. Isso é Washington. Infelizmente.

Uma das críticas ao presidente Obama é também algo que foi dito com frequência sobre o governo do sr.: que ele não ‘socializa’ o suficiente em Washington, que republicanos não são convidados para coquetéis na Casa Branca, etc. As coisas seriam realmente diferentes para o presidente Obama se ele tivesse republicanos na Casa Branca?

Não creio que alguém tenha colocado mais republicanos na Casa Branca do que eu – talvez não para coquetéis, mas para ajudar a rascunhar leis, preparar ações congressionais úteis e convencê-los a votar em meus projetos de lei. Aliás, tive melhor média de resultados positivos com o Congresso, tanto democrata como republicano, do que qualquer presidente desde a 2ª Guerra, exceto Lyndon Johnson. Foi preciso um esforço heroico de minha parte para conseguir que dois terços do Senado votassem pelo tratado do Canal do Panamá. Foi a votação mais corajosa que o Senado já fez.

O sr. foi eleito governador e presidente como um democrata sulista branco, segmento da população que desertou do Partido Democrata. Em alguns Estados sulistas deve haver atualmente 30% de homens com esse perfil apoiando os democratas. É com isso que seu neto Jason lida agora, ao concorrer para governador da Geórgia. A economia se agrava, a desigualdade só piora e a resposta de homens brancos no Sul é apoiar o ‘partido do 1%’. A questão é raça? Gênero? Medo?

É raça. Raça. Isso vem prevalecendo no Sul, exceto que, quando concorri, eu consegui cada Estado sulista, menos a Virgínia. Desde que Nixon concorreu, os republicanos solidificaram seu domínio ali. E mesmo este ano, como deve saber, os republicanos fizeram uma proposta para instituir uma placa de carro da Geórgia exibindo uma bandeira confederada. É esse tipo de coisa: o apelo para pessoas mais ricas, que são quase sempre brancas, e o aviltamento das pessoas que recebem cupons de alimentação, com muita frequência pessoas pobres. Mais a alegação de que as pessoas que vão para a cadeia são simplesmente culpadas, quando elas são principalmente negras, hispânicas e mentalmente doentes. Esse tipo de coisa só exalta a classe superior, que são os brancos. Eles traçam uma linha divisória racial sutil, porém muito efetiva, por todo o Sul do país.

Que papel acha que a Fox News desempenhou na exacerbação das divisões políticas, em prejuízo de nossa capacidade de chegar a um consenso nessas questões complicadas sobre as quais o senhor falou? A Fox instiga o medo ou a animosidade racial?

A CNN foi fundada quando eu era presidente e achei que ela era a proposta mais satisfatória para o mundo todo. Agora penso que a mídia noticiosa está fragmentada. Acho que a Fox News pende muito para o lado republicano e conservador, e que a MSNBC pende muito para o outro lado – o que está muito bem para mim. Cada um assiste ao que quer. Creio que a CNN tenta ocupar uma posição intermediária e muitas vezes sofre financeiramente por isso. Mas não tenho críticas: a imprensa é livre.

E os líderes religiosos que o sr. discute, de todas as fés, que interpretam textos religiosos de maneira a encorajar a submissão e a opressão das mulheres? Acredita que essa seja uma leitura deliberadamente enganosa dos textos por parte deles ou eles chegam honestamente a essas interpretações?

Eles realmente encontram esses versículos na Bíblia. Como sabe, se percorrer o Novo Testamento, o que faço todos os domingos, posso encontrar versículos escritos por Paulo que dizem às mulheres que não deveriam falar na igreja, não deveriam ir enfeitadas à igreja, e assim por diante. Mas também encontro versículos do mesmo Paulo dizendo que todas as pessoas são iguais aos olhos de Deus. Que homens e mulheres são o mesmo: amos e escravos são o mesmo; e judeus e gentios são o mesmo. Não há diferença entre pessoas aos olhos de Deus. E também sei que Paulo escreveu o 16º capítulo de Romanos para aquela igreja e apontou cerca de 25 pessoas que haviam sido heroicas em cada igreja primitiva – e cerca da metade delas eram mulheres. Portanto, é possível encontrar versículos de vários lados, mas no que trata de Jesus Cristo, ele era unanimemente e sempre o campeão dos direitos das mulheres. Na verdade, ele foi o mais destacado defensor dos direitos humanos que viveu em seu tempo e acho que não houve ninguém mais comprometido com esse ideal do que ele.

Quando olha para o mundo e para a história, para guerras que foram travadas em nome da religião, e da subjugação e violência que continuam hoje, pesando também os heroicos líderes de direitos humanos, muitos deles figuras religiosas transformadoras, a religião tem sido, no conjunto, positiva ou negativa para o mundo?

Acredito que tem sido positiva, porque religiões básicas como islamismo, cristianismo, judaísmo e também budismo e hinduísmo, todas têm uma premissa primordial de paz, justiça, compaixão, amor, etc. Se nos prendermos a esses princípios básicos, penso que a religião é benéfica.

dica da Karen Souza

Leia Mais

Justiça suspende por três anos direitos políticos de Marta Suplicy

Foto: Clayton de Souza/AE)
Foto: Clayton de Souza/AE)

Flávio Ferreira na Folha de S.Paulo

A Justiça condenou a ex-prefeita de São Paulo e ministra da Cultura Marta Suplicy (PT) à perda dos direitos políticos por três anos por considerar que houve irregularidades na contratação da instituição GTPOS (Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual) no mandato dela na capital.

A decisão da 1ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo aponta que a GTPOS foi contratada ilegalmente sem licitação. O juiz Alexandre Bucci também determinou que Marta pague uma multa correspondente a cinco vezes o valor que ela recebia no cargo de prefeita, exercido entre 2001 e 2004. As mesmas penas foram aplicadas à ex-secretária da Educação de Marta, Maria Aparecida Perez, que assinou o contrato.

A GTPOS foi punida com a proibição de contratar com o poder público por três anos e ao pagamento de multa no valor de 10% da contratação.

O contrato com a instituição teve o valor de R$ 372 mil e foi assinado em 2004 com o objetivo de promover o planejamento familiar e a educação sexual de famílias das regiões das subprefeituras da Cidade de Ademar e da Cidade Tiradentes.

De acordo com a decisão judicial, não foram comprovados prejuízos aos cofres públicos, mas a falta de licitação violou o princípios da isonomia, pois outras instituições não puderam disputar o contrato com a GTPOS, e o princípio da impessoalidade, já que Marta foi sócia fundadora e presidente de honra da entidade.

Cabe recurso da sentença ao Tribunal de Justiça de São Paulo.

O advogado de Marta, Pedro Estevam Serrano, afirmou que apresentará recurso contra a decisão pois em julgamento sobre contrato idêntico entre a Prefeitura de São Paulo e a GTPOS, na gestão da petista, o Tribunal de Justiça paulista julgou o caso favoravelmente à ex-prefeita.

“Na decisão, o TJ-SP considerou o contrato realizado legítimo, o que se traduz em relevante precedente para julgamento do caso”, de acordo com nota da assessoria do advogado.

Leia Mais

Chora por Mandela, mas acha um absurdo pobre querer os mesmos direitos

Publicado por Leonardo Sakamoto

Nelson-Mandela’s-Top-Five-Contributions-to-Humanity

Precisamos de mais pessoas como Mandela.

Pessoas que são capazes de usar a força quando necessário e adotar uma atitude conciliadora quando preciso. Mas que não descartam qualquer uma das duas acões políticas.

Por conta da morte de Mandela, estamos sendo soterrados por reportagens que louvam apenas um desses lados e esquece o outro, como se as folhas de uma árvore existissem sem o seu tronco e os galhos. O apartheid não morreu apenas por conta do sorriso bonito e das falas carismáticas do líder sul-africano, mas por décadas de luta firme contra a segregação coordenada por uma resistência que ele ajudou a estruturar.

É fascinante como regimes execrados pelo Ocidente foram, muitas vezes, os únicos que estenderam a mão a Mandela e à luta contra o apartheid. E como, décadas depois, muitos países prestam suas homenagens a ele, sem um mísero mea culpa por seu papel covarde durante sua prisão. Ou, pior: como veículos de comunicação desse mesmo Ocidente ignoram a complexidade da luta de Mandela, defendendo que o pacifismo foi o seu caminho.

Desculpem, mas a necessária conciliação para curar feridas ou a tolerância são diferentes de injustiça. E ser pacifista não significa morrer em silêncio, em paz, de fome ou baioneta. A desobediência civil professada por Gandhi é uma saída, mas não a única e nem cabe em todas as situações em que um grupo de pessoas é aviltado por outro.

“Eu celebrei a ideia de uma sociedade livre e democrática, na qual todas as pessoas vivam juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual espero viver e o qual espero alcançar. Mas, se for necessário, é um ideal pelo qual estou pronto para morrer”, disse ele, ao ser condenado a 27 anos de prisão.

As histórias das lutas sociais ao redor do mundo é porcamente ensinada. Ao ler o que os jovens aprendem nas carteiras escolares ou no conteúdo trazido por nós jornalistas, fico com a impressão que a descolonização da Índia, o fim do apertheid na África do Sul ou a independência de Timor Leste foram obtidas apenas através de longas discussões regadas a chá e um pouco de desobediência. Dessa forma, a interpretação dos fatos passados adiante segue satisfatória aos grupos no poder.

Muitos que hoje lamentam por Mandela detestam manifestações públicas e mudancas no status quo.

Adoram um revolucionário quando este é reconhecido internacionalmente e aparece em estampas de camisetas, mas repudiam quem ocupa propriedades, por exemplo, “impedindo o progresso”.

Leio reclamações da violência de manifestações quando estas vêm dos mais pobres entre os mais pobres – “um estupro à legalidade” – feitas por uma legião de pés-descalços empunhando armas de destruição em massa, como enxadas, foices e facões. Ou contra povos indígenas, cansados de passar fome e frio, reivindicando territórios que historicamente foram deles, na maioria das vezes com flechas, enxadas e paciência. Ou ainda professores que exigem melhores salários e resolvem ir às ruas para mostrar sua indignação e pressionar para que o poder público. Todos eles são uns vândalos.

Daí, essa pessoa que ama Mandela mas não sabe quem ele é, pensa: poxa, por que essa gente maltrapilha simplesmente não sofre em silêncio, né?

Muitas das leis criticadas em protestos e ocupações de terra ou mesmo no apertheid não foram criadas pelos que sofrem em decorrência de injustiça social, mas sim por aqueles que estavam ou estão na raiz do problema e defendem regras para que tudo fique como está. Nem sempre a legalidade é justa. Mas essa frase assusta muita gente.

Mandela é a inspiração de que manifestações populares e ocupações significam que os pequenos podem, sim, vencer os grandes. E, com o tempo, os rotos e rasgados são capazes de sobrepujar ricos e poderosos.

Por isso, o desespero inconsciente presente em muitas reclamações sobre a violência inerente ou involuntária desses atos. Ou na tentativa de reescrever a história editando aquilo que não interessa.

Enquanto isso, mais um indígena foi morto no Mato Grosso do Sul. Mas tudo bem. Devia ser apenas mais um vândalo, não um homem de bem.

Enfim, precisamos de mais pessoas como Mandela. Pois os bons do século 20 estão morrendo antes que realmente entendamos suas mensagens.

Leia Mais