Arquivo da tag: Disposto

Twitter pode definir sua personalidade a partir de 200 posts

ioRenato Cruz, no Estadão

SÃO PAULO – Você é o que você tuíta. Pelo menos é isso que mostra um sistema desenvolvido pela IBM, chamado de SystemU, que traça um perfil do usuário do serviço a partir de 200 publicações.

“A base da pesquisa é uma área da psicologia, chamado psicolinguística”, disse Jeffrey Nichols, gerente no Centro de Pesquisas da IBM Almaden, em San José, na Califórnia.

“A ideia é que as palavras que você escolhe quando escreve dizem alguma coisa sobre como você é como pessoa. Se passarmos essas palavras por algum processamento, é possível ter um quadro de como é sua personalidade, do que o motiva, e talvez, de um ponto de vista de negócios, dos tipos de produtos você estaria disposto a consumir.”

O SystemU ainda não está disponível comercialmente. Segundo Nichols, a tecnologia passa por um período de validação em algumas empresas, e estaria pronta para ser usada em larga escala até o final deste ano. Não está definido ainda como poderia se integrar à linha de produtos da IBM.

“Ela poderia ser oferecido no formato de software como serviço, já que funciona a partir de um navegador de internet”, disse o pesquisador, que visita o Brasil esta semana, e participa hoje de um evento da empresa em São Paulo.

Por enquanto, o sistema foi testado somente em inglês. Mas, teoricamente, funcionaria em outras línguas, incorporando dicionários eletrônicos já disponíveis. “Em português, a gente precisaria fazer um trabalho de validação”, explicou Claudio Pinhanez, gerente de Ciência de Serviços da IBM Research Brasil. “Rodar o sistema com uma amostra de perfis e verificar se os resultados estão de acordo com o esperado.”

Redes sociais. As pessoas publicam hoje muitas informações sobre si mesmas nas redes sociais.”Isso é uma coisa interessante especialmente sobre o Twitter, que é mais público que o Facebook, por exemplo”, disse Nichols. “Há uma oportunidade de usar essas informações para aprender mais sobre as pessoas.”

O SystemU gera, a partir das publicações do Twitter, uma classificação do perfil em um gráfico em forma de círculo, divido em áreas como personalidade, necessidades, valores e comportamento social. Cada uma delas tem algumas subdivisões.

Teste. Para exemplificar o sistema, Nichols usou seu próprio perfil do Twitter. “Tudo o que o preciso para a análise é uma amostra de texto. Neste caso, estou olhando para o meus tweets. O sistema mostra aqui, por exemplo, que sou bastante introvertido. Aparentemente também não sou tão agradável”, disse o pesquisador, rindo dos resultados.

Mas ele concorda com isso? “Vocês é que podem me dizer”, brincou. Nichols explicou que resultados como esses podem criar alguma resistência inicial ao serviço por parte dos usuários.

O sistema consegue dizer coisas sobre as pessoas que elas às vezes não estão dispostas a reconhecer. Por outro lado, a tecnologia tem potencial para ajudar as empresas a oferecer um atendimento muito mais personalizado, e a oferecer produtos que os consumidores realmente estejam a fim de comprar.

Identificação. Nichols começou a pesquisar mídias sociais há dois anos e meio. Antes, ele trabalhava com dispositivos móveis e internet móvel. “Uma das primeiras coisas que eu fiz, por volta de 2010, foi um sistema simples que recolhia informações do Twitter”, disse o pesquisador.

“Eu digitava palavras-chave e via o que as pessoas falavam a respeito delas. O sistema apresentava em gráficos o volume de publicações. Durante a última Copa do Mundo, via o que as pessoas falavam durante os jogos. Comecei a analisar a atividade durante grandes eventos, e me pareceu um meio de comunicação interessante.”

Ao mesmo tempo, Nichols ficou interessado em crowdsourcing, distribuir tarefas para um grande número de pessoas pela internet. “Na época, o que estava se tornando grande era a distribuição de microtarefas para massas. Pagar pequenos valores para que as pessoas realizem tarefas simples, como o Mechanical Turk (serviço da Amazon). Um dos problemas com esses serviços é que você não sabe quem os trabalhadores são.”

Imagens. Juntando o interesse a respeito das redes sociais e essa necessidade de identificar os usuários, Nichols teve a ideia de traçar um perfil das pessoas a partir do que elas publicam. Mas a identificação da personalidade pelos textos do Twitter é só o começo.

“Já trabalhamos num sistema que faz esse tipo de análise através de imagens, verificando as publicações do Instagram e do Pinterest”, disse o pesquisador.

dica do Marcos Florentino

Rainha anuncia vaga de lavador de pratos por salário de R$ 46.461 ao ano

Publicado na Época Negócios

Segundo recrutamento postado no site da Rainha Elizabeth II, empregado trabalhará fixo no palácio de Buckingham, mas poderá viajar a Windsor e a outros palácios da realeza

O funcionário deve ser “pontual e de confiança”, “capaz de trabalhar bem em equipe, ter uma atitude flexível, ser disposto” e “estar feliz em viajar e trabalhar em outras residências reais no Reino Unido e nos fins de semana”.

Essa é a descrição para a vaga de lavador de pratos, anunciada no site da Rainha Elizabeth II, da Inglaterra.

O salário ofertado é de R$ 46.461 ao ano. O futuro empregado real deve ficar baseado no Palácio de Buckingham, mas também deve ser capaz de viajar durante três meses ao ano para Windsor, Sandringham, Balmoral e Holyroodhouse, na Escócia.

O lavador trabalhará 40 horas semanais, no grupo responsável pela manutenção e limpeza do restaurante da equipe que atende a família real.

Outras ofertas de emprego atualmente disponíveis no site da rainha incluem vagas para assistente de vendas de bilhetes, assistente de varejo e líder de equipe.

Em outubro, a rainha anunciou a contratação de um jardineiro para manter os gramados do Palácio de Buckingham “nos mais altos padrões”, além de incentivar a reciclagem de resíduos e a vida de animais selvagens em sua casa – tudo por R$ 3.916 por mês.

No mesmo período, a rainha também havia anunciado por R$ 84.949 ao ano a contratação de  um organizador de festas reais.

quando eu começo, ó majestade?

Vamos viciar as crianças?

Biblioteca Parque Manguinhos. Foto: Divulgação

Ruth de Aquino, na Época

“Me filma lendo uma poesia de Drummond!”, diz Luiz, de 11 anos. “Tia, escrevi um livro, escrevi um livro!”, grita Henrique, de 12. “Você vem no nosso evento hip-hop, só de meninas? É o ‘Pronto Falei’. Somos as ‘Ladies’. Vou te mandar o ‘flyer’ por e-mail”, fala Mariana, de 16 anos, olhos verdes de gata, faixa de bolinhas brancas nos cabelos, com o notebook no colo.

Crianças e jovens nas comunidades de Manguinhos e da Rocinha, no Rio de Janeiro, estão viciados. Em livros, computadores, filmes, peças, shows, capoeira, dança, música, horta, culinária. Tudo de graça nas bibliotecas-parque do Rio. Para quem aposta na vida e no conhecimento. É um vício que contamina suas mães e seus pais, entra no sangue e muda a forma de ver, refletir e atuar no mundo. Emociona qualquer um disposto a enxergar o outro lado do muro da vergonha, do crack, da violência e dos fuzis.

As bibliotecas-parque no Rio são espaços coloridos de sonho e tecnologia, com acervos de dar inveja a faculdades e livrarias tradicionais. Acervos comprados pelo Estado e não doados. A da Rocinha foi inaugurada em junho passado, numa antiga clínica clandestina de aborto. Recebe 370 pessoas em média por dia. Tem 10 mil livros e 555 DVDs. Até agora, emitiu 1.879 carteirinhas, recebeu 3.754 consultas e emprestou 4.912 livros e filmes.

A de Manguinhos, a primeira do Brasil, abriu as portas em abril de 2010. Antes, era um galpão desativado de suprimentos do Exército, junto a uma praça ocupada por traficantes. Ganhou um prêmio na Bienal do Livro de 2011. Em dois anos e meio, recebeu quase 160 mil pessoas. Conta 105 mil consultas, 36.338 empréstimos e 5.230 carteirinhas. Tem um acervo de 26 mil livros e 1.205 DVDs.

Os números impressionam quem acha “biblioteca” uma coisa elitista, ainda mais em comunidades carentes de tudo, até de esgoto. O mais surpreendente é o conceito desses laboratórios culturais vivos, a sofisticação dos equipamentos e as instalações de Primeiro Mundo.

Em Manguinhos, bem ao lado da “Faixa de Gaza” de onde foram removidos há duas semanas dependentes de crack, vi um menino chegar só de bermuda, parar na porta e vestir a camisa para entrar sem ser advertido. Eles respeitam as regras. E se sentem respeitados, valorizados. Na Rocinha, onde uma instalação de pastilhas giratórias na parede conta, de maneira lúdica, a história da comunidade, uma das placas brancas faz a pergunta: “Qual a pessoa mais importante que já visitou nossa biblioteca-parque?” Viramos a placa e a resposta é…um espelho.

Nos jornais e na televisão, o que dá ibope são as prostitutas infantis da Rocinha, as refinarias de droga em Manguinhos e no Jacarezinho. Não interessa saber que a equipe da superintendente de Leitura e Conhecimento do Estado do Rio, Vera Saboya, é convidada a contar nossa experiência aos bibliotecários de Washington, Paris e Bogotá. Ninguém divulga que a Royal Shakespeare Company, da Inglaterra, envia representantes ao Rio para laboratórios de arte cênica com alunos e professores nas bibliotecas-parque.

“A gente não faz educação formal, não somos escolas”, diz Vera. “Mas estamos desenvolvendo novas formas de educar crianças, jovens e adultos através da arte e da inclusão digital. Sem preconceito com o leitor, com sua classe social, se estuda ou não, se é operário, se chegou ou não à universidade. Ele encontra aqui de tudo – de livros sobre a Grécia Antiga até o best-seller mais vendido. Qualquer um deveria ter acesso a todo tipo de conhecimento, do popular ao erudito.”

A secretária de Cultura do Estado, Adriana Rattes, diz que foi proposital chamar os centros culturais de bibliotecas. “Num país onde se lê tão pouco, não há nada mais revolucionário e inovador do que investir em algo assim. Chamamos de Biblioteca, com letra maiúscula.” E é um “parque”, para mostrar que a aventura do conhecimento pode se dar num espaço propício ao encontro, à troca, ao prazer e ao lazer.

“O que dá gosto aqui”, diz Adriana, “é ver namorados, ou pais com filhos, ou crianças com avós frequentando a Biblioteca aos sábados e domingos, com seus saraus de poesia, cineclube, desfiles de moda e grupos de teatro.” A próxima biblioteca-parque será no alto do teleférico do Complexo do Alemão.

Como jornalistas, aprendemos a máxima de séculos atrás: “Notícia é tudo aquilo que alguém não quer ver publicado; o resto é propaganda”. Somos treinados para a investigação do malfeito, para a denúncia da contravenção. Numa semana como esta, de onda de violência em São Paulo, é um privilégio “denunciar” o bem. Ganhei o dia como testemunha ocular desse outro lado do muro, pouco atraente à mídia. Vamos viciar nossas crianças num mundo melhor porque elas merecem.