Indiano se divorcia por “insaciável apetite sexual” de sua mulher

url

 

Publicado no UOL

Um tribunal da cidade indiana de Mumbai concedeu o divórcio a um homem que alegou que sua mulher mostrava “um excessivo e insaciável apetite sexual”, sem se importar com o quão esgotado estivesse, informam neste domingo meios de comunicação locais.

A juíza Laxmi Rao considerou em sua sentença que, com o não comparecimento da esposa no julgamento, ninguém contradisse as alegações do litigante, “por isso que o tribunal não tem outra opção do que aceitar a evidência e conceder o divórcio”, segundo a agência local “PTI”.

O marido explicou perante o tribunal todos os tipos de detalhes, como sua mulher o obrigava a praticar sexo e que, apesar de que trabalhar duro em três turnos diferentes e voltar para casa esgotado, a esposa pediu que ele a satisfizesse.

O homem relatou, entre outros exemplos, que em outubro de 2013 foi operado de apendicite e, embora estivesse se recuperando, ela o forçou a praticar sexo.

Segundo ele, seu comportamento “insistente, agressivo e obstinado” o levou a tomar a decisão que era impossível continuar vivendo com sua mulher sob o mesmo teto.

Na Índia, a religião majoritária é o hinduísmo (80,5%) e os casamentos arrumados são a prática mais habitual entre a população que professa esta fé, o que transforma o divórcio em uma afronta contra a família, por isso que não é muito frequente.

Leia Mais

Mulher pede divórcio após marido não gostar de ‘Frozen: Uma Aventura Congelante’

frozen_7-650x400

Publicado no Cinepop

Ao que parece, nem todo mundo sonha em construir um boneco de neve falante… Uma mulher no Japão entrou com a papelada do divórcio após seu marido admitir que não gostou da animação ‘Frozen: Uma Aventura Congelante’.

Segundo o site Kikonsha no Hakaba, a mulher de 29 anos foi aos cinemas várias vezes sozinha para assistir a animação e se encantou com a obra da Walt Disney. Ele inicialmente resistiu ao seu pedido, mas percebendo que ela não iria deixá-lo em paz, cedeu e topou assistir ao sucesso de bilheteria.

Quando o marido revelou que não gostou do longa , sua esposa preferiu pedir o divórcio, após seis anos de casamento:

“Se você não é capaz de entender o que faz desse filme algo maravilhoso, há algo muito errado em você como ser humano. Eu quero o divórcio”, afirmou a querente.

Let it go…

Assista ao trailer do filme “separa casais“:

Leia Mais

Projeto no Iraque reduz idade para mulher casar a 9 anos

Os opositores ao projeto afirmam que a decisão representa um retrocesso e que pode agravar as tensões no Iraque

foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP
foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP

Publicado em O Dia Online

Um projeto de lei que, segundo seus opositores, legaliza o casamento das meninas e o estupro conjugal provocou uma polêmica no Iraque, semanas antes de eleições previstas para o fim de abril.

Os opositores ao projeto – que, segundo analistas, tem poucas chances de ser adotado – afirmam que representa um retrocesso em matéria de direitos da mulher e que pode agravar as tensões entre diferentes confissões do país.

Seus opositores ressaltam que um de seus artigos permite que as crianças se divorciem a partir dos nove anos, o que significa que podem se casar antes desta idade, e que outro prevê que uma mulher seja obrigada a ter relações sexuais com seu marido quando ele pedir.

Segundo um estudo de 2013 do grupo de pesquisa americano Population Reference Bureau (PRB), um quarto das mulheres no Iraque se casam com menos de 18 anos.

— Este projeto de lei é um crime humanitário e uma violação dos direitos das crianças — declarou Hanaa Edwar, que dirige a associação Al-Amal (“esperança”, em árabe).

Os partidários do projeto de lei afirmam que o texto apenas regula práticas que já existem.

— A ideia da lei é que cada religião regule e organize a condição jurídica pessoal em função de suas crenças — estimou Ammar Toma, um parlamentar xiita do partido Fadhila.

No entanto, analistas consideram muito improvável que o parlamento iraquiano vote este projeto e afirmam que se trata de uma manobra política.

Assim, o primeiro-ministro xiita Nuri al-Maliki pode estar tentando deixar aberta a possibilidade de uma aliança com Fadhila após as eleições, que, acredita-se, não fornecerão maioria parlamentar absoluta a nenhum partido.

Fonte: Zero Hora

Leia Mais

“Cansei de ser rico”, diz professor ao se divorciar de mulher bilionária

O professor de matemática Tony Hawken, 57, se divorciou da megaempresária Xiu Li, 51
O professor de matemática Tony Hawken, 57, se divorciou da megaempresária Xiu Li, 51

Publicado por InfoMoney [via UOL]

O  professor de matemática Tony Hawken, 57, se divorciou da megaempresária Xiu Li, 51, por estar “cansado” de ser rico.

Segundo o jornal Daily Mail, o casal inglês entrou para a lista dos bilionários do jornal Sunday Times após Li projetar shoppings centers em abrigos chineses espalhados em diversos países, em 2011, o que rendeu uma fortuna estimada em 1,1 bilhão de libras (ou cerca de R$ 4,318 bilhões, de acordo com a cotação do Banco Central do dia 12 de março de 2014).

Desde então, Hawken se sentia “desconfortável” com os novos hábitos da mulher. Li chegou a gastar 900 libras em uma garrafa de vinho, enquanto o marido cultivava a vida simples de antes de ser rico, como comprar livros de lojas de caridade, evitar roupas de grifes e comer em lanchonetes.

“Tudo isso me deixou desconfortável, poque eu não tenho esse hábito. Eu não gosto de gastar muito dinheiro”, disse o professor ao site The Times.

Com a separação, Hawken ficará com “apenas” 1 milhão de libras, mas afirma que será o suficiente para ele. Ainda de acordo com o Daily Mail, o único arrependimento do inglês é não ter se separado antes, decisão que foi adiada pelo filho do casal, William, agora com 17 anos.

Nos mais de 20 anos juntos, Hawken afirma que eles passaram a maior parte do tempo distantes, principalmente quando a mulher se envolveu mais intensamente com os negócios. Atualmente, ela possui 22 centros comerciais e é presidente do time de futebol Guizhou Renhe, que está em terceiro lugar na Super Liga chinesa.

Leia Mais