Pastores pedem heroína evangélica à Globo


Dolores (Paula Burlamaqui), em “Avenida Brasil”.

Roteiristas do canal resistem à aproximação com o segmento gospel, já cortejado na empresa pela música

Alberto Pereira Jr. e Anna Virginia Balloussier, na Folha de S.Paulo

Nos próximos dias, o coordenador dos projetos especiais da Globo, Amauri Soares, vai almoçar com o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Entre prato principal e sobremesa, o executivo e o religioso, que está à frente de 125 igrejas com cerca de 40 mil fieis no país, discutirão interesses comuns entre emissora e evangélicos.

Até o fim de janeiro, Soares também se reunirá com o bispo Robson Rodovalho, da igreja Sara Nossa Terra, que tem 35 templos no país e já atraiu para o seu rebanho familiares do apresentador Silvio Santos.

Os encontros com os líderes evangélicos seguem uma agenda que teve início em 12 de novembro passado, quando Soares recebeu 17 deles no Projac, os estúdios do canal no Rio.

Durante horas, os religiosos acompanharam gravações e negociaram apoio e cobertura para a Marcha para Jesus, o Dia do Evangélico e o Dia da Bíblia.

Por sua vez, os líderes prometem apoiar o Festival Promessas, que a Globo criou em 2011 para divulgar a música gospel. A emissora confirma os encontros mas não comenta detalhes das conversas.

“Nos últimos cinco anos, a Globo se aproximou desse público porque tem lhe conferido não somente peso de formação de opinião, mas também de mercado consumidor”, explica Karina Bellotti, doutora da Unicamp que estuda mídia e religião.

Para ela, “é importante destacar que a bancada evangélica cresceu no Congresso, assim como o poder aquisitivo de muitos evangélicos que ocupavam a classe C”.

“Se você for colocar qualquer coisa aí [na reportagem], põe que não há nenhum acordo para nos proteger”, ressalta o pastor Silas Malafaia. “Que cada pastor que pague a conta pela sua besteira.”

“A decisão [de abrir mais espaço para evangélicos] é deles”, completa Rodovalho.

MOCINHA EVANGÉLICA

Para os dois, chegou a hora de a Globo quebrar o último grande tabu: investir em personagens evangélicos na teledramaturgia. Quiçá numa mocinha do horário nobre.

No começo de 2012, a Folha questionou Octávio Florisbal, então diretor-geral da emissora, sobre o assunto. Ele desconversou.

De lá para cá, a Globo emplacou duas coadjuvantes evangélicas: Ivone (Kika Kalache), de “Cheias de Charme”, e Dolores (Paula Burlamaqui), de “Avenida Brasil”.

Izabel de Oliveira, coautora de “Cheias de Charme”, diz não ter recebido orientação para criar a personagem.

No Projac, segundo a assessoria da Globo, os religiosos “manifestaram o interesse em falar sobre o perfil atual do evangélico brasileiro para autores e roteiristas”.

“A emissora considera a contribuição relevante, assim como as que recebe de vários segmentos da sociedade, inclusive de outras religiões”, informou a Globo em nota.

A palestra proposta pelos líderes, porém, não ocorreu. “O Amauri me explicou que a teledramaturgia é muito independente”, diz Malafaia.

Quatro autores procurados pela Folha se recusaram a falar sobre o tema. Silvio de Abreu foi exceção. “Sinto muito, nunca tratei de personagem religioso em nenhuma novela nem pretendo”.

Evangélicos veem mais holofote em outras religiões. Os casamentos em folhetins são geralmente católicos. Novelas espíritas são constantes.

E, se há personagens evangélicos, “é crente, mas vagabundo. É pastor, mas safado”, dispara Malafaia.

APERTO DE MÃO

A cena de pastores no Projac seria inimaginável em 2008. Malafaia atacava: “Em 25 anos, vin-te e cin-co [pontua cada sílaba], lembro de apenas uma reportagem boa na Globo sobre evangélicos. E tem semana em que, todo dia, o ‘Jornal Nacional’ fala bem da Igreja Católica”.

Desde então, o pastor reduziu as farpas trocadas com a Globo. Afirma ter apertado a mão de João Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo, no fim de 2010, numa reunião “muito legal” no escritório dele, segundo o religioso.

“Ninguém deu mais pau na Globo do que eu. Se um veículo nos denigre, você acha o quê? Disse isso pro João. Ele até riu”, diz Malafaia.

“No passado, éramos corpos estranhos, não tínhamos nenhum diálogo”, afirma Rodovalho. Agora é diferente. “No Projac, Amauri falou bastante do slogan: ‘A gente se vê por aqui’.” Procurados, João Roberto Marinho e Amauri Soares não quiseram comentar os encontros.

dica do Israel Anderson

Leia Mais

Globo quer aplacar “ira santa” ao se aproximar de evangélicos

A personagem Soninha Catatau/Dolores, de Paula Burlamaqui, em "Avenida Brasil"
A personagem Soninha Catatau/Dolores, de Paula Burlamaqui, em “Avenida Brasil”

Tony Goes, no F5

Imagine a maior emissora de TV do Brasil promovendo um festival de cânticos budistas. Ou um concurso entre “muezzins” islâmicos, chamando os fiéis à prece. Ou até mesmo um especial com os padres cantores, que usam a música pop para exaltar a fé católica.

Ela seria imediatamente acusada de fazer proselitismo em favor de uma única vertente religiosa, em detrimento de todas as outras. Quem acusaria? Muito provavelmente, aqueles setores evangélicos que veem inimigos por toda parte.

Mas é justamente para aplacar a ira santa desses setores que a Globo transmitirá em dezembro mais uma edição do festival “Promessas”, de música gospel. Além disso, como informou Keila Jimenez, a cúpula da emissora tem se reunido com lideranças evangélicas, para estreitar os laços com uma comunidade que não para de crescer no Brasil.

Não é novidade que muitos pastores atacam a Globo de seus púlpitos. Dizem que ela prega a dissolução dos costumes, ao mesmo tempo em que funciona como uma ponta-de-lança disfarçada da Igreja Católica. A recente ameaça de boicote à novela “Salve Jorge” reuniu todos esses ingredientes.

Claro que por trás disto também estão interesses comerciais. A Igreja Universal do Reino de Deus, controladora da Record, não perde uma oportunidade para pintar a Globo como uma das sucursais do inferno na Terra. Ao mesmo tempo, tenta levar para seu braço televisivo vários dos autores, atores e diretores responsáveis pelos programas pecaminosos da rival.

A Globo acusou o golpe, e resolveu contra-atacar. Já há alguns anos tenta se aproximar dos evangélicos. Recheou o elenco de sua gravadora Som Livre com astros do “gospel” (o que também faz sentido comercial, já que estão entre os poucos que ainda costumam vender muito bem).

Também maneirou ao retratar os fiéis das igrejas neopentecostais em suas obras de ficção. Vão longe os tempos da minissérie “Decadência”, de Dias Gomes, exibida em 1995, que mostrava o fundador de uma igreja claramente baseada na IURD como um tremendo charlatão.

Hoje, se aparece um personagem evangélico numa das novelas da casa, ele é até tratado com respeito – como a Dolores (Paula Burlamaqui) de “Avenida Brasil”, que escapou da caricatura fácil até se reconverter à vida mundana como Soninha Catatau. Ainda assim, para evitar polêmicas, a denominação à que ela se filiava tinha o nome fictício (e algo absurdo) de Igreja Esotérica do Sol Asteca.

Agora há contatos oficiais entre a Globo e a Confederação dos Conselhos de Pastores Evangélicos de Pastores do Brasil. Na pauta, segundo Keila Jimenez, está a “aproximação da emissora com o pensamento evangélico”.

O que isto quer dizer? Que vai diminuir o número de personagens homossexuais nas novelas? Que as periguetes vão trocar os shorts minúsculos por mangas compridas e saias até o chão? Ou é só diplomacia?

Vai ser interessante acompanhar a evolução dos acontecimentos, pois mesmo entre os evangélicos não há um pensamento unificado. São muitas as correntes.

Também quero ver a reação do resto da sociedade, que já mostra sinais de desconforto com a intromissão do conservadorismo religioso na vida comum – haja visto o resultado da eleições em São Paulo. Vem uma briga boa por aí.

foto: Reprodução/TV Globo

Leia Mais