Arquivo da tag: dom

David Ellefson: eu estou devolvendo o dom que Deus me deu

1386444583

Publicado no Whiplash

O baixista do MEGADETH, David Ellefson, falou recentemente com a Yahoo! Music sobre como a música o ajudou a se reconectar com a religião.

“A igreja começou a me chamar: ‘Ei, nós precisamos de um baixista, esta semana. Você pode vir e tocar?’”, disse Ellefson. “É como se Deus soubesse que se ele me convidasse para ir com meu instrumento, eu provavelmente iria. Então é assim que eu comecei a me envolver em qualquer tipo de trabalho da igreja. Isso não era como aquelas coisas banais espirituais ou algo assim. Eu sou apenas um cara que toca baixo no Megadeth e um dia na igreja. Eu realmente gosto disso. E eu percebi que esses caras, com quem eu toco nos finais de semana, são como guerreiros que provavelmente tinha outras bandas quando eles eram jovens, então, eventualmente, precisaram crescer, cortar os cabelos e ter empregos de verdade. Mas agora eles têm dinheiro, porque eles conseguiram empregos de verdade e eles podem pagar bons equipamentos, e eles gostam de tocar. Isso me faz apreciar pessoas que não são músicos profissionais também, porque existe uma grande quantidade de pessoas que tocam muito bem por aí, e por qualquer motivo, a vez deles não chegou e eles não tiveram uma carreira como a minha. Mas isso não significa que eles não são músicos, artistas e cantores talentosos. Então, essas são as pessoas que eu conheci na igreja.

“Assim, a música através da igreja é o que realmente me inspira a me envolver com isso. Eu me sinto muito bem. Eu saio do palco e (eu fico tipo), ‘Cara, eu estou flutuando agora. Isso é o mais alto que eu já pude chegar. Eu estou mais alto do que várias coisas, eu estou bem alto no momento. Isso é ótimo’. É aquele momento quando seu espírito é movido e era tão legal. Eu só queria mais.

“É bom saber que eu usei um dom que Deus me deu para entregá-lo de volta. E não foi apenas sexo, drogas e rock and roll, eu, eu, eu, eu, eu, como eu posso querer mais? Porque quando eu levava minha vida assim, eu vivia me dando mal. Mas quando eu comecei a usar a música para alguma utilidade, para ajudar as pessoas, para levantá-las e inspirá-las, e eu comecei a usar o que é conhecido por G.O.D – good orderly direction – quando eu comecei a ser adepto disso, as bênçãos vieram em minha vida e eu nunca imaginei isso. Para mim, essa é a direção certa”.

Assim surgiu a brincadeira da Girafa

imagem: Reprodução/DesktopNexus

imagem: Reprodução/DesktopNexus

David Castillo, no Facebook

Diabo: Precisamos pensar em uma nova estratégia para dominar a mente das pessoas.

Sub-Diabo: Hum… deixa eu ver se descubro algo novo no Google.

Diabo: Tá… mas antes deixa eu ver meu face.

Sub Diabo: Isso chefe, o Face!

Diabo: Que tem o Face? Deixei o meu aberto?

Sub Diabo: Não chefe, o que eu quero dizer é que a gente tem q usar o Face pra conquistar a galera.

Diabo: Interessante, fale-me mais sobre isso!

Sub Diabo: Vamos criar uma charadinha com uma mensagem subliminar no meio, aí quem não acertar a gente domina a mente e faz ele fazer coisas imbecis…

Diabo: Ae… curti, pode entrar no meu face pra gente começar.

Sub Diabo: Vou entrar… opa, já tava logado… mas pera aí, esse é o perfil do Rafinha Bastos.

Diabo: Droga, esqueci de sair do meu fake… sai e entra de novo!

Sub Diabo: Beleza chefe, oq a gente faz agora?

Diabo: Antes de mais nada deixa eu cutucar o Feliciano… adorooo.

Sub Diabo: Boa.

Diabo: Bom, escreve ai uma historinha que se passa às 3 da manhã.

Sub Diabo: Mas chefe… assim o senhor está revelando o horário ultra-secreto em que os portais do inferno são abertos para nossos enviados espalhar a impureza sobre as vidas e…

Diabo: Heim?

Sub Diabo: Tá… depois não diga que eu avisei?

Diabo: Escreve aí que às 3 da manhã chega alguém pra tomar café na sua casa…

Sub Diabo: Até parece… a essa hora eu só abro a porta se for meus pais.

Diabo: Boa, escreve aí que quem chega são seus pais!

Sub Diabo: Meus pais?

Diabo: Não sua besta… os pais de quem ta lendo!

Sub Diabo: Ah tá…

Diabo: Diz aí que você tem algumas coisas pra oferecer.

Sub Diabo: Sei como é… charuto, farofa, galinha preta, pinga barata…

Diabo: Nãããoo… assim fica na cara, tem q colocar coisas inocentes tipo mel, geléia, pão, queijo…

Sub Diabo: Vinho?

Diabo: Tá… pode deixar o vinho vai!

Sub Diabo: Legal, e qual vai ser a charada?

Diabo: O que você abre primeiro?

Sub Diabo: O vinho, claro!

Diabo: Ahh… se ferrou trouxa, claro que a resposta certa é o olho!

Sub Diabo: Por que o olho?

Diabo: Porque? São 3 horas da manhã, você ta dormindo palhaço!

Sub Diabo: Tá… se eu tiver dormindo as 3 da manhã quem é que vai abrir o portal místico do inferno?

Diabo: Ah é!

Sub Diabo: Mas beleza, acho que a galera que não cuida do portal do inferno deve ta dormindo a essa hora, então pode ser essa a resposta certa!

Diabo: Legal… quem errar a pergunta vai ter que pagar uma prenda, tem que ser algo bobo, quase infantil, mas que traga uma legalidade nossa sobre a vida espiritual dessa pessoa.

Sub Diabo: E se a pessoa tiver que trocar sua foto de perfil?

Diabo: Pra que?

Sub Diabo: Pra mostrar ao mundo que aquela pessoa é nossa!

Diabo: Tipo marca da besta?

Sub Diabo: É… podia colocar uma foto de um animal bem besta mesmo!

Diabo: Macaco… eu acho macaco muito engraçado.

Sub Diabo: Não, macaco pode gerar piadas racistas, preconceituosas.

Diabo: Pô, meu fake ia curtir!

Sub Diabo: Elefante?

Diabo: Pô, legal… mas vai que a pessoa é gorda, olha o constrangimento que pode gerar.

Sub Diabo: Verdade… precisamos pensar em algo diferente, enxergar mais acima.

Diabo: Enxergar mais acima? Girafa! Esse é o bicho!

Sub Diabo: Boa chefe!

Diabo: Alem disso a girafa é um dos animais símbolos da sexualidade e que mais fazem uso do sexo com um parceiro do mesmo sexo…

Sub Diabo: Pô chefe, vc fica um saco quando assiste Discovery.

Diabo: Beleza… publica aí que ficou bom, publica aí…

Sub Diabo: Tá lá… já to vendo uma galera trocando a foto pra girafa.

Diabo: Finalmente vamos dominar o mundo!

Sub Diabo: Mas chefe, e se alguém descobrir nosso plano?

Diabo: Fácil, é só a gente trocar o avatar pra uma girafinha Tb!

Crescimento de evangélicos impulsiona despertar da Igreja Católica, diz Damasceno

D.-Raymundo-Damasceno-Assis

Larissa Leiros Baroni, no UOL

Em entrevista exclusiva ao UOL, a poucos dias da chegada do papa Francisco ao Brasil, dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), disse que o crescimento de evangélicos no Brasil e no mundo impulsionou um “despertar” da Igreja Católica, que, na opinião dele, estava “acomodada”.

“Talvez nós tenhamos nos acomodado e pode ser que o crescimento do movimento neopentecostal tenha nos feito acordar, nos despertar para a nossa verdadeira missão”, disse ele, que ressaltou, no entanto, o aumento da qualidade dos católicos. “Os praticantes são muito mais coerentes com suas práticas e praticam sua fé de modo mais convencido. Isso é muito positivo.”

No Brasil, ao mesmo tempo em que o número de evangélicos aumentou 61,45% em 10 anos, a comunidade católica sofreu uma queda de 1,3% no índice de fieis no mesmo período. É o que aponta o último Censo Demográfico do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2000, cerca de 26,2 milhões se disseram evangélicos. Em 2010, eles passaram a ser 42,3 milhões. Ainda assim o país ainda segue com maioria católica. O número de católicos foi de 123,3 milhões em 2010, cerca de 64,6% da população. No levantamento feito em 2000, eles eram 124,9 milhões, ou 73,6% dos brasileiros.

Ainda assim Damasceno diz que a eleição do papa Francisco trouxe uma esperança para a comunidade brasileira e mundial. “Gerou muita esperança na Igreja Católica, uma expectativa muito positiva. Mas é muito difícil quantificar essa mudança no aumento do número de fiéis. O que a gente percebe ouvindo e vendo é que há uma expectativa positiva, alegre e esperançosa para o seu pontificado”, complementou o presidente da CNBB, que ressalta o acolhido do pontífice, principalmente pela capacidade de atração que o argentino naturalmente tem.

“E isso tem sido comprovado com o aumento de romeiros e visitantes em Roma. O número de peregrinos está aumentando cada vez mais, sobretudo nas audiências públicas de quarta-feira e no Angelus, no domingo. Estão falando em cerca de 200 mil pessoas por semana”. Esse poder de atração é justificado por Damasceno, principalmente por causa de sua simplicidade e a sua informalidade que o aproximam do povo.

Mas o arcebispo brasileiro relaciona a eleição do papa Francisco à reaproximação da Igreja Católica ao sua missão. “A igreja existe para evangelizar. O que significa que a igreja deve cuidar daqueles que a frequentam, que participam da vida das nossas comunidades, mas que também precisa sair ao encontro dos que estão distantes.” Ele, no entanto, afirma que a mudança da postura da comunidade católica nada tem a ver com o crescimento da Igreja Evangélica.

“Não é uma resposta aos evangélicos. Fazemos isso por questão de missão, de objetivo, de finalidade. Muitas vezes nós nos acomodamos e precisamos sair desse comodismo. Isso está muito claro na visão do papa Francisco”, completou dom Damasceno, que garantiu que a Igreja Católica não pretende discriminar ninguém, apesar de não concordar com certos comportamentos da atualidade, tais como o casamento gay, a eutanásia e o divórcio.

A igreja, como ele apontou, não discrimina pessoas, “mas não pode concordar com certas posições que se opõe ao seu ensinamento ético”. “Não podemos equiparar um casamento com duas pessoas do mesmo sexo com outro entre um homem e uma mulher. Não é mesma coisa. Com todo respeito aos que optam por esse caminho. A igreja também não pode aprovar a eutanásia, porque a vida é um dom de Deus. A igreja não pode aprovar o divorcio e não pode dizer que o divorcio é um caminho normal, embora respeite quem fez essa opção”, exemplifica.

Mesmo assim quase metade dos casais homossexuais brasileiros (47,4%) se autodeclaram católicos, segundo dados do Censo Demográfico 2010 divulgados pelo IBGE.

A pornografia das frases de efeito

caixa-promessas-versículos-bíblia

 

Publicado por Paulo Brabo

Por mais que eu me esforce, não consigo pensar num fator que tenha contribuído mais para a diluição do impacto da Bíblia, tendo aberto maior brecha para uma leitura tendenciosa da sua mensagem, do que o fato de que um dia alguém achou por bem dividi-la em versículos.

Um livro como a carta de São Paulo aos Efésios, que até aquele momento vinha sendo lido como um todo contínuo e orgânico, acordou no dia seguinte esquartejado de modo inteiramente arbitrário, tendo adquirido a graça e a agradabilidade de leitura de uma planilha do Excel. E nunca mais recuperaram-se da operação: foi retalhado dessa forma que cada livro da Bíblia chegou até nós.

A divisão em versículos teve a infelicidade de nascer mais ou menos ao mesmo tempo em que vinha à luz a tecnologia dos tipos móveis de Gutemberg – e tecnologia significou desde sempre uma coisa: não há erro fortuito que não possa ser reproduzido indefinidamente.

O estrago para a integridade da Bíblia foi enorme e, em grande parte, irreversível. Mesmo diante de um texto corrido temos a tendência eu e você à seleção e à parcialidade. A nova e forjada fragmentação convidava, praticamente exigia, que cada isolada porção do texto bíblico fosse memorizada e entendida fora do seu contexto. No caso da carta aos Efésios, por exemplo, encontraram plenipotenciária consagração entre os protestantes os versos oito e nove do segundo capítulo: porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie – versos a partir nos quais os protestantes fundamentaram sua tese de que a fé é essencial e as boas obras secundárias. Porém a arbitrária divisão em versículos deixou o raciocínio de Paulo para sempre incompleto, seu argumento para sempre suspenso e separado da frase seguinte, que qualifica o que foi dito e introduz uma enorme reviravolta: porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus preparou de antemão para que andássemos nelas.

A divisão em versículos, além de favorecer a leitura seletiva, incentivou a fetichização pura e simples dos textos atingidos por ela, com a consequente anulação do seu significado. Na verdade, os textos sagrados prestam-se particularmente, por sua própria natureza, à fetichização; o retalhamento da Bíblia em versículos apenas acentuou essa tendência e facilitou o processo.

Fetichizar um texto é inflá-lo ao extremo, é recortá-lo e memorizá-lo e emoldurá-lo e reproduzi-lo em letras cada vez maiores até drenar por completo e tornar inacessível o seu significado original: até que as palavras, douradas mas cegas, remetam a tudo e a nada.

Um emblema escandaloso da fetichização da Bíblia promovida pela divisão em versículos é a caixa de promessas (disponível em diversos formatos na livraria evangélica mais próxima de você): uma caixinha cheia de filetes coloridos de papel, cada um contendo um versículo isolado da Bíblia cuidadosamente selecionado para que você, lendo, sinta-se amado, com os flancos cobertos e a prosperidade assegurada. Quando está pra baixo você abre a caixa e puxa uma promessa ao acaso, como quem lê um biscoito da sorte: a satisfação é garantida, ou você pode pedir o seu espírito crítico de volta1.

Cinco séculos se passaram sem grandes novidades, porém é preciso lembrar que as ideias medíocres dos homens dormem, mas não descansam. Ficam em estado letárgico, aguardando que novas tecnologias permitam que arruínem-se as ideias grandes e boas. E, claro, esta é a geração em que esse momento chegou: num espaço de 30 anos, os últimos, o computador eletrônico gerou o computador pessoal, o computador pessoal tomou para si cônjuges e formou a rede local, a rede local teve relações extraconjugais e gerou a internet, e a internet pariu as redes sociais.

Estamos instruídos e capacitados, colonizadores que somos das paisagens virtuais, e o que era impossível é agora inevitável. O twitter nos ensinou a dividir a realidade em porções isoladas de 140 caracteres, e quando a realidade tomba a literatura não tarda a cair. Somos milhões de escribas e amanuenses, inteiramente prontos para versicularizar – converter resolutamente em versículos – toda a literatura mundial, e tabulá-la em trabalho voluntário nos murais sempre-deslizantes das redes sociais. Não há admirador bem-intencionado que não viva saqueando a obra de poetas e romancistas, filósofos e ensaístas, santos e compositores, críticos e humoristas de todas as épocas, esquartejando resignadamente suas ideias de modo a fazê-las caber nos escaninhos do twitter e dos gifs animados. Somos um mundo inteiro de taxidermistas, e não descansaremos até que os melhores e os piores textos do mundo tenham sido reduzidos a frases de efeito e gotas de sabedoria.

Era inevitável: as redes sociais, que vivem da fetichização e da consequente anulação de todas as coisas, não teriam como deixar de sequestrar o poder da literatura. O Facebook, em particular, assumiu o papel de banalizador supremo, drenando a vitalidade de tudo na experiência humana que já teve algum interesse e algum valor. A literatura, aquela velha dama, não escapou dessa indignidade. No mural do seu Facebook alternam-se versos piscantes da Bíblia, frases de Luís Fernando Veríssimo, pensamentos falsamente atribuídos a Shakespeare, provocações de Gandhi, citações de Mia Couto, poemas animados de Casimiro de Abreu, letras de Chico Buarque, pérolas de sabedoria de Abraham Lincoln e papa Francesco e Brennan Manning e Dalai Lama e Martin Luther King e Paulo Coelho e Eugene Peterson e Richard Dawkins e Malba Tahan e Tolstoi e coisas que Shakespeare realmente disse e Diego Mainardi. Tudo devidamente versicularizado, empalhado e fetichizado: pedaços de carne, ao mesmo tempo expostos para a admiração pública e separados do corpo.

Essa, como dizia minha avó, é a hora da queima: a hora da sistemática caixa-de-promessização de tudo neste mundo que já foi belo, humano e sagrado. Fetichizar a Bíblia foi tarefa para amadores; sente-se aí e assista enquanto retalhamos cada página jamais escrita até a desfiguração completa.

Outro dia minha irmã, que está no Facebook, tropeçou ali em imagens coloridas que emolduravam frases inspirativas – praticamente Preciosas Promessas – do Paulo Brabo (mais um motivo para não estar no Facebook, não?). Sendo minha irmã, ela achou meio sinistra aquela tietagem e me escreveu perguntando se não me incomoda saber que coisas que escrevo andam circulando pela net na forma de gotas de sabedoria.

Respondi que sim, claro que me incomoda, mas que ela não devia estranhar por encontrar no Facebook algo que é tão típico do Facebook: a fetichização de uma coisa que em outro lugar talvez fizesse sentido e tivesse o seu valor. E concluí que o que de fato me irrita é pensar que nas redes sociais encontram destino igualmente indigno autores melhores.

Naturalmente, encontro como todo mundo prazer diante de uma ideia magistralmente construída e articulada – digamos, esta de Borges: apaixonar-se é criar uma religião cujo Deus é falível. Ou esta, minha: mil gênios podem não ajudar, mas um idiota faz toda a diferença.

Porém há um mar entre apreciar uma frase na cumplicidade de uma página e reduzi-la a pérola de sabedoria. É, praticamente, a diferença entre fazer amor e ficar excitado diante de uma imagem de sexo que você encontra na internet. Há entre as duas coisas uma relação mais do que casual, e você pode acreditar que nesta vida há espaço para as duas coisas, mas são ventos que falam de destinos diferentes.

  1. A caixa de promessas é também conhecida pelo nome aliterado de Preciosas Promessas; os produtos complementares da mesma linha, Memoráveis MaldiçõesEstressantes Exigências, nunca chegaram a conquistar uma grande fatia de mercado.

‘Deixo meus exercícios como padre’, diz sacerdote envolvido em polêmica

Em resposta ao pedido de retratação, padre Beto deixará a Igreja. 
Diocese de Bauru, SP, tomou atitude após divulgação de vídeos na web.

A partir de segunda-feira, padre Beto deixa de celebrar missas, casamentos e outros rituais da igreja católica (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)

A partir de segunda-feira, padre Beto deixa de celebrar missas, casamentos e outros rituais da igreja católica (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)

Publicado originalmente no G1

Após declarações polêmicas acerca de temas como a homossexualidade, fidelidade e necessidade de mudanças na estrutura da Igreja Católica nas redes sociais que causaram um pedido de retratação por parte da Diocese de Bauru (SP), Roberto Francisco Daniel, conhecido como padre Beto, anunciou neste sábado (27), que deixará de exercer suas funções como padre a partir de segunda-feira (29).

Essa era a data limite para “confissão humilde de que errou quanto a sua intepretação e exposição da doutrina, da moral e dos bons costumes ensinados pela igreja”, como exigia a nota assinada pelo Bispo Dom Caetano Ferrari na última terça-feira (23), que pedia a retratação e retirada do conteúdo, contrário aos dogmas da Igreja, publicados na internet. “Eu não tenho do que me redimir. Muito menos a quem ou do que pedir perdão de tudo aquilo que eu fiz e declarei nas redes sociais. Se refletir é um pecado, eu sou um pecador e sempre serei. Não vou negar ser uma pessoa reflexiva e uma pessoa que pensa”, declarou o padre que, com sua decisão, deixa de celebrar casamentos, missas e outro rituais religiosos.

Na entrevista coletiva realizada na manhã deste sábado, o sacerdote afirmou aos jornalistas que sua decisão foi tomada após várias reflexões, entre elas, a de não aceitar que seja possível seguir um modelo que não respeita a liberdade de reflexão e expressão por parte dos fiéis e membros do clero.

“Acho impossível seguir o evangelho de Jesus Cristo em uma instituição que, no momento, não respeita a liberdade de reflexão e de expressão. O modelo que nos temos que seguir se chama Jesus Cristo e esse modelo viveu plenamente essa liberdade e fez com que as pessoas refletissem”, explica.

“Além disso, acredito que não é possível ser cristão em uma instituição que cria hipocrisia. Nós estamos em um momento em que a igreja faz questão de manter regras morais que são totalmente ultrapassadas para a nossa época e também em frente à ciência”, diz o padre irá entregar a carta de pedido de afastamento para o bispo na segunda-feira. Ele também divulgou uma nota no seu perfil em uma rede social, onde explica a decisão para o seus mais de 2.500 seguidores.

Até logo?
Apesar da decisão do sacerdote de deixar de celebrar os rituais católicos, padre Beto afirma que continua sendo padre e que sua saída do cenário católico de Bauru não é definitiva e que pode voltar à igreja se alguns pensamentos forem mudados.

“Não vou deixar de ser padre. Uma vez padre, sempre padre e vou viver na integridade de um padre. O que vou deixar de fazer é exercer os meus ministérios dentro da igreja católica como missas, casamentos, etc., mas permaneço como sacerdote, consciente de que fui ordenado e como um cristão que pensa”.

Questionado, padre Beto alega que não pretende fundar outras religiões e que a sua saída não tem nenhuma pretensão política, mas que também não pretende atuar em outras Dioceses por enquanto. Segundo o sacerdote, o clero sabe que impõe regras que as pessoas não vivem e fecha os olhos para as mudanças do mundo. “Eu não acredito que a marioria dos casais que frequentam a igreja não usam métodos contraceptivos. Nós temos regras que não são exercidas e isso precisa ser refletido”.

O padre também se referiu à uma omissão da igreja a respeito de problemas sociais graves como educação, saúde e comunicação. “A igreja como instituição forte que é deveria ter uma postura muito mais firme em frente ao congresso nacional. Os professores são mal pagos, o sistema penitenciário é péssimo e temos um código penal ultrapassado”, desabafa. ‘Deixo meus exercícios como padre e permaneço com a minha coerência de como atuaria Cristo no mundo em que vivemos hoje, um mundo contemporâneo’, diz o sacerdote.

Decepção
Padre Beto é conhecido na cidade por suas publicações em diversos meios, mas em entrevista concedida ao G1 na quinta-feira (25), Dom Caetano diz que apesar de existir um público que compartilha e segue suas opiniões, há uma grande parte dos fiéis que não concorda com as palavras do padre. “Ele gostaria que eu como bispo o apoiasse, mas digo a ele ‘Beto, coloque-se no seu lugar, quem te deu essa inspiração para uma missão profética de revolucionar a teologia, a doutrina e a moral da Igreja?’, argumenta o bispo.

Sobre a declaração do bispo, padre Beto afirma ter recebido a posição de Dom Caetano com certa decepção. “Recebi as declarações dele por um lado com decepção. Eu esperava que ele diante de criticas feitas à minha reflexão, que pensasse que tem um padre que reflete e que a igreja que precisa de alguém assim”, conta. “O que eu falei são reflexões e não um embate à Igreja Católica. Não atinjo a ordem da instituição de forma alguma”, completa.

De acordo com a assessoria imprensa da Diocese, o bispo só irá se manifestar oficialmente sobre o pedido de afastamento de Padre Beto na segunda-feira, quando a carta do sacerdote foi entregue a instituição.

Pedido de retratação
A nota oficial foi divulgada no site da Diocese na terça-feira (23) e pedia retratação do sacerdote até dia 29 de abril. Dom Caetano afirma que essa foi a primeira retratação formal pedida pela Igreja ao padre e que vídeos publicados na internet recentemente se tornaram a “gota d’água” para que uma atitude fosse tomada. Nas publicações, o padre discute temas como fidelidade, bissexualidade, divórcio e a necessidade de mudanças na estrutura da Igreja Católica.

Na página oficial da Diocese de Bauru em um site de relacionamentos,  internautas se manifestaram com comentários de apoio e repúdio à decisão de Dom Caetano. A discussão sobre as opiniões do padre não só partiram de Bauru, mas também de fieis de outras partes do Brasil e, ainda de acordo com a assessoria da Diocese, foi um dos motivos que levou a decisão de pedir a retratação.

Com um camisa preta com os dizeres 'não obrigado' em espanhol, padre decidiu deixar a igreja (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)

Com um camisa preta com os dizeres ‘não obrigado’ em espanhol, padre decidiu deixar a igreja (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)