Arquivo da tag: Dos Animais

Assim surgiu a brincadeira da Girafa

imagem: Reprodução/DesktopNexus

imagem: Reprodução/DesktopNexus

David Castillo, no Facebook

Diabo: Precisamos pensar em uma nova estratégia para dominar a mente das pessoas.

Sub-Diabo: Hum… deixa eu ver se descubro algo novo no Google.

Diabo: Tá… mas antes deixa eu ver meu face.

Sub Diabo: Isso chefe, o Face!

Diabo: Que tem o Face? Deixei o meu aberto?

Sub Diabo: Não chefe, o que eu quero dizer é que a gente tem q usar o Face pra conquistar a galera.

Diabo: Interessante, fale-me mais sobre isso!

Sub Diabo: Vamos criar uma charadinha com uma mensagem subliminar no meio, aí quem não acertar a gente domina a mente e faz ele fazer coisas imbecis…

Diabo: Ae… curti, pode entrar no meu face pra gente começar.

Sub Diabo: Vou entrar… opa, já tava logado… mas pera aí, esse é o perfil do Rafinha Bastos.

Diabo: Droga, esqueci de sair do meu fake… sai e entra de novo!

Sub Diabo: Beleza chefe, oq a gente faz agora?

Diabo: Antes de mais nada deixa eu cutucar o Feliciano… adorooo.

Sub Diabo: Boa.

Diabo: Bom, escreve ai uma historinha que se passa às 3 da manhã.

Sub Diabo: Mas chefe… assim o senhor está revelando o horário ultra-secreto em que os portais do inferno são abertos para nossos enviados espalhar a impureza sobre as vidas e…

Diabo: Heim?

Sub Diabo: Tá… depois não diga que eu avisei?

Diabo: Escreve aí que às 3 da manhã chega alguém pra tomar café na sua casa…

Sub Diabo: Até parece… a essa hora eu só abro a porta se for meus pais.

Diabo: Boa, escreve aí que quem chega são seus pais!

Sub Diabo: Meus pais?

Diabo: Não sua besta… os pais de quem ta lendo!

Sub Diabo: Ah tá…

Diabo: Diz aí que você tem algumas coisas pra oferecer.

Sub Diabo: Sei como é… charuto, farofa, galinha preta, pinga barata…

Diabo: Nãããoo… assim fica na cara, tem q colocar coisas inocentes tipo mel, geléia, pão, queijo…

Sub Diabo: Vinho?

Diabo: Tá… pode deixar o vinho vai!

Sub Diabo: Legal, e qual vai ser a charada?

Diabo: O que você abre primeiro?

Sub Diabo: O vinho, claro!

Diabo: Ahh… se ferrou trouxa, claro que a resposta certa é o olho!

Sub Diabo: Por que o olho?

Diabo: Porque? São 3 horas da manhã, você ta dormindo palhaço!

Sub Diabo: Tá… se eu tiver dormindo as 3 da manhã quem é que vai abrir o portal místico do inferno?

Diabo: Ah é!

Sub Diabo: Mas beleza, acho que a galera que não cuida do portal do inferno deve ta dormindo a essa hora, então pode ser essa a resposta certa!

Diabo: Legal… quem errar a pergunta vai ter que pagar uma prenda, tem que ser algo bobo, quase infantil, mas que traga uma legalidade nossa sobre a vida espiritual dessa pessoa.

Sub Diabo: E se a pessoa tiver que trocar sua foto de perfil?

Diabo: Pra que?

Sub Diabo: Pra mostrar ao mundo que aquela pessoa é nossa!

Diabo: Tipo marca da besta?

Sub Diabo: É… podia colocar uma foto de um animal bem besta mesmo!

Diabo: Macaco… eu acho macaco muito engraçado.

Sub Diabo: Não, macaco pode gerar piadas racistas, preconceituosas.

Diabo: Pô, meu fake ia curtir!

Sub Diabo: Elefante?

Diabo: Pô, legal… mas vai que a pessoa é gorda, olha o constrangimento que pode gerar.

Sub Diabo: Verdade… precisamos pensar em algo diferente, enxergar mais acima.

Diabo: Enxergar mais acima? Girafa! Esse é o bicho!

Sub Diabo: Boa chefe!

Diabo: Alem disso a girafa é um dos animais símbolos da sexualidade e que mais fazem uso do sexo com um parceiro do mesmo sexo…

Sub Diabo: Pô chefe, vc fica um saco quando assiste Discovery.

Diabo: Beleza… publica aí que ficou bom, publica aí…

Sub Diabo: Tá lá… já to vendo uma galera trocando a foto pra girafa.

Diabo: Finalmente vamos dominar o mundo!

Sub Diabo: Mas chefe, e se alguém descobrir nosso plano?

Diabo: Fácil, é só a gente trocar o avatar pra uma girafinha Tb!

Como o ano de 2000 era imaginado em 1910

he1Publicado no Conselhos do He-man

Um artista francês chamado Villemard produziu no ano de 1910 uma série de ilustrações imaginando como seria a vida em 2000. As ilustrações foram encontradas no na biblioteca nacional da França, e acredita-se que elas eram uma espécie de figurinhas colecionáveis que vinham em alimentos.

he2Os barcos voariam. Uma espécie de avião bem imbecil.

he3Essas moças estão usando patins motorizados.

he4Uma pessoa passa uma imagem que é enviada de outro lugar. bem parecido com o Skype.

he5Um aluno coloca livros em uma máquina de moer, e pelo jeito, as informações são transformadas em sinais elétricos que vão para a mente dos alunos.

he6Uma incrível máquina que faz uma peça de roupa por vez.

he7Carros de guerra em conflito.

he8O nome dessa imagem é “curiosidade”. Acreditava-se nessa época que a maioria dos animais estariam extintos no ano 2000. As pessoas admiram um cavalo, que na cabeça do artista, seria raro hoje em dia.

he9Segundo a ilustração, é um trem elétrico que liga Paris a Beijing.

he10Um helicóptero sendo detectado por uma torre de comando.

he11Uma patrulha e suas bicicletas armadas.

he12As pessoas poderiam no ano 2000 ouvir o seu jornal favorito. Já pensou?

he13Um policial voador para um avião que está cometendo alguma infração de trânsito aéreo.

he14Um banheiro com vários mecanismos, alavancas e engrenagens. A eletrônica era inimaginável nesse mundo mecânico.

he15Um arquiteto seria o responsável por uma obra inteira, apenas controlando botões. Um dos botões ativa um auto-falante que solta cantadas para as gostosas que passam na rua.

Vi no Ovelhas Voadoras

dica do Guilherme Massuia

Pesquisa liga tamanho de testículo a participação de pai na criação dos filhos

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos relaciona o tamanho dos testículos dos pais ao quão ativos eles são na criação de seus filhos.

Publicado originalmente por BBC Brasil

Pesquisa não levou em consideração fatores culturais na criação dos filhos

Pesquisa não levou em consideração fatores culturais na criação dos filhos

Segundo os pesquisadores da Universidade Emory, de Atlanta, os homens com testículos menores têm mais chances de se envolver mais com tarefas como trocas de fraldas, alimentação e banho.

Eles também encontraram diferenças nas atividades cerebrais dos pais quando eles olhavam imagens de seus filhos, de acordo com o tamanho dos testículos.

Apesar disso, os pesquisadores observam que outros fatores, como normas culturais, também representam um fator importante.

Mundo animal

Os níveis de promiscuidade e os tamanhos dos testículos têm uma ligação forte no mundo animal, com a tendência dos animais com testículos maiores de copular com o maior número de fêmeas.

Os pesquisadores estavam investigando uma teoria evolutiva sobre o balanço entre investir tempo e esforços para copular ou empregar essa energia em criar os filhos.

A ideia é que os testículos maiores sugeririam uma tendência maior em fazer mais filhos do que em criá-los.

O estudo, publicado na publicação científica Proceedings of the National Academy of Science, verificou a relação entre o tamanho dos testículos e a paternidade em 70 homens com filhos entre um e dois anos de idade.

Inclinação natural

A equipe da Universidade Emory analisou a atividade cerebral dos homens enquanto eles viam fotos de seus filhos.

A análise mostrou que aqueles com testículos menores tendiam a ter uma resposta maior na área do cérebro relacionada à recompensa do que naqueles com testículos maiores.

Os homens com testículos menores também tinham uma tendência maior, segundo os questionários respondidos pelos objetos da pesquisa, a ter um papel mais ativo na criação dos filhos.

“A pesquisa nos mostra que alguns homens são naturalmente mais inclinados a cuidar do que outros, mas não acho que isso possa servir de desculpas para os outros homens”, disse à BBC um dos pesquisadores, James Rilling. “Isso somente mostra que isso pode exigir mais esforço para alguns do que para outros”, observa.

Papel da testosterona

Os pesquisadores não souberam explicar a exata natureza da relação. Eles acreditam que o tamanho dos testículos, provavelmente determinado pelo hormônio testosterona, afeta o comportamento dos homens.

Mas não está claro se o processo de ter um filho tem algum efeito sobre os pais.

“Sabemos, por exemplo, que os níveis de testosterona baixam quando os homens se tornam pais participativos”, diz Rilling.

Segundo os pesquisadores, novos estudos que analisem o tamanho dos testículos antes e depois de o homem se tornar pai são necessários.

As expectativas culturais e sociais sobre o papel dos pais também não foram levadas em conta no estudo.

Além disso, todos os homens analisados eram da região de Atlanta, então o impacto relativo da sociedade não foi mensurado.

dica do Givaldo Corcinio

Terapia de choque para curar vício em Facebook

A técnica foi batizada de “Pavlov Poke” (cutucada de Pavlov), em homenagem ao cientista russo que treinava cães através de choques

0,,69830667,00

Luciana Galastri, na Revista Galileu

Dois cientistas do MIT, Robert Morris e Dan McDuff, estavam frustrados com o tempo que eles gastavam no Facebook. Durante uma semana, os dois, combinados, passavam 50 horas na rede. E, para aproveitarem melhor seu tempo e perder o hábito, eles resolveram criar uma terapia de choque – literalmente.

Inspirados por Ivan Pavlov, fisiólogo russo que estudava o comportamento dos animais através de choques, condicionando-os a uma determinada ação, eles criaram o “Pavlov Poke”. A ideia é que, a cada período de tempo ‘perdido’ em redes sociais ou em sites de entretenimento, o usuário leve um choque. A descarga elétrica não é grande o suficiente para ser perigosa, mas ela, de acordo com os cientistas, é definitivamente desagradável. Isso condicionaria o cérebro do internauta a associar o Facebook com a sensação ruim – e, logo, evitá-lo.

Editora Globo

O resultado foi que, depois de usar a técnica em si mesmo, Morris afirma que não deixou de acessar a rede, mas o tempo que passa lá agora é bem menor. “Depois de alguns choques esses comportamentos automáticos foram reprogramados. Eu não visito o site a não ser que eu realmente queira. Eu ainda visito, mas não sou levado até ele por uma compulsão misteriosa”, escreveu o cientista em seu blog. Mesmo assim, ele esclarece que não espera que o método se popularize e que o concebeu como uma piada do que como uma intervenção legítima.

Confira a demonstração:

Além do Pavlov Poke, os dois criaram outro método menos dolorido (mas nem por isso menos violento) para diminuir o vício em Facebook. Se o usuário excede o tempo limite de uso do Facebook, uma pessoa contratada especificamente para isso é notificada pelo sistema, liga para o viciado e grita com ele até ele sair da rede. Sutil.

Você usaria um método desse para aumentar sua produtividade? Ou indicaria um amigo viciado em redes sociais para participar de um experimento do tipo?

Emoção marca reencontro de idosa com a macaca ‘Chico’ em São Carlos

Após 16 dias, animal foi entregue à dona na noite desta segunda-feira.
‘Não tenho palavras, sonhava com esse momento’, declarou aposentada.

Chico ganhará novo espaço em São Carlos e terá a alimentação controloda (foto: Fabio Rodrigues/G1)

Chico ganhará novo espaço em São Carlos e terá a alimentação controloda (foto: Fabio Rodrigues/G1)

Fabio Rodrigues, no G1

“Não tenho palavras, parece mentira. Eu sonhava com esse momento”. Foi assim que a aposentada Elizete Farias Carmona relatou na noite desta segunda-feira (19) a emoção que sentiu em São Carlos (SP) ao pegar no colo novamente a macaca-prego ‘Chico’, de quem ficou separada por 16 dias.

O animal que ela criou por 37 anos foi retirado pela Justiça no dia 3 deste mês e levado para a Associação Protetora dos Animais Silvestres (APASS) de Assis (SP), distante a 330 quilômetros, onde ganhou o nome de ‘Carla’, já que se trata de uma fêmea. Uma liminar concedida pela juíza Gabriela Muller Carioba Attanasio, na terça-feira (13), determinou o regresso do animal a São Carlos.

“Foi uma judiação tirar o bicho daqui. Para mim, ele vai ser sempre o meu filho Chico. Estou muito feliz porque agora a família está completa”, declarou dona Elizete, que precisou tomar remédios e se acalmar devido à ansiedade de receber o animal na noite desta segunda-feira.

Por volta das 23h20, a equipe da Polícia Ambiental chegou à casa da aposentada, que aguardava na garagem. Vizinhos e a imprensa também apareceram para registrar o momento do reencontro. Por questão de segurança, o capitão Gilson Silva de Souza, que comanda a Polícia Ambiental na região de Ribeirão Preto e São Carlos, pediu à aposentada que recebesse o animal dentro da residência porque não daria para saber como a macaca reagiria.

Ao sair gaiola em que foi transportada na viagem de três horas e meia de uma cidade a outra, a macaca foi para o colo da dona. “Surpreendeu porque nós esperávamos que ela pudesse ter alguma reação agressiva devido à presença de várias pessoas. Mas ela reconheceu muito rapidamente a dona e demonstrou afetividade. Isso todos viram muito claramente”, afirmou o capitão.

Para o advogado da família, Flávio Lazzarotto, o caso teve um desdobramento positivo. “Foi uma forma legal de demonstrar que nem sempre a lei, se vista friamente, vai cumprir o fim dela, que é proteger a vida e o bem-estar do animal. Para mim, o bem-estar dele é com a família, como é o entendimento da jurisprudência. Prevaleceu o bom senso”, avaliou.

Macaca-prego 'Chico' com a dona após 16 dias separados (foto: Fabio Rodrigues/G1)

Macaca-prego ‘Chico’ com a dona após 16 dias
separados (foto: Fabio Rodrigues/G1)

Adaptações

A aposentada terá um prazo de dez dias para providenciar local adequado para o bicho ficar e ainda ter atenção especial quanto à alimentação da macaca, o que deverá ser comprovado por um laudo profissional. A nova vida da macaca Chico será acompanhada pela bióloga Ariane Maria Leoni, que contará com a ajuda de uma veterinária.

“Faremos um trabalho conjunto. Quanto à alimentação, vamos introduzir, aos poucos, ração, legumes e frutas que ele já comia aqui na casa e outras que ele não conhece. Em relação ao lugar a macaca vai ficar, faremos adaptações de forma que ela possa receber itens de enriquecimento ambiental”, disse.