Arquivo da tag: drogas

Empresa holandesa cria ‘baseado’ eletrônico

Publicado no Catraca Livre

Depois do cigarro, agora é a vez da maconha. A empresa holandesa E-Njoint BV diz que desenvolveu o “primeiro” baseado eletrônico do mundo. O E-Njoint é descartável e não contém THC (princípio ativo da maconha), tabaco ou nicotina, tornando o produto inofensivo e 100% legal.

O produto tem a forma típica de um cigarro de maconha e uma luz verde com o símbolo da folha de cannabis acende e aparece na ponta cromada toda vez que o usuário dá uma tragada. São oferecidos seis sabores diferentes de frutas.

baseado1

 

A questão agora é de como as instituições governamentais vão classificar esta nova invenção que está sendo atualmente comercializada na Europa.

Só mesmo os holandeses para pensarem numa versão eletrônica do baseado. “A Holanda é famosa no mundo inteiro por sua atitude tolerante e liberal com relação às drogas leves, sendo que a introdução deste novo produto defende claramente a posição de que, desde que você não perturbe ou prejudique outras pessoas e se mantenha dentro dos limites legais, tudo estará muito bem”, diz Menno Contant, CEO da E-Njoint.

The Dutch invent world’s first electric joint

Na realidade o E-Njoint não é o primeiro cigarro eletrônico de maconha. Desde o começo do ano, Open Vape fabrica e vende um produto similar nos Estados Unidos.

No caso do “baseado” eletrônico americano, o refil contém óleo extraído da folha e de partes da cannabis descartadas no processo de preparação da maconha para a venda, como caule e flores.

Defensoria quer proibir que presos do Rio sejam obrigados a tomar laxante

Marcelo Sperandio, na Época Online

Os presidiários do Rio de Janeiro são obrigados a passar por scanner corporal. Quando o exame mostra que os presos engoliram drogas para traficar dentro da cadeia, eles são obrigados a tomar laxante para expeli-las.

A Defensoria Pública quer acabar com esse expediente. Diz que o tratamento viola o direito à privacidade e que a medicação forçada é ilegal. O governo afirma que age para preservar a saúde dos detentos. O caso tramita na Justiça fluminense.

Filho de pais rigorosos tem mais chances de se tornar usuário de drogas

Pesquisa com 7 mil adolescentes na Europa sugere que controle balanceado é o ideal para educação

Filhos com pais rigorosos teriam mais risco de serem usuários de drogas Foto: Miguel Rojo / AFP

publicado no O Globo

Pais rigorosos conseguem manter os filhos sob controle? Pulsos firmes significam uma boa educação? Para pesquisadores do Instituto Europeu de Estudos de Prevenção, nem sempre. Estudo produzido pela instituição mostrou que as crianças que recebem educação muito rígida de seus pais são mais propensas a fumar cannabis, bem como o uso de tabaco e álcool.

A pesquisa ouviu mais de sete mil adolescentes entre 11 e 19 anos na Espanha, Suécia, República Checa, Reino Unido, Eslovênia e Portugal. O objetivo era saber de cada um como era a relação com seu pai e sua mãe. Com as respostas catalogadas, foi possível afirmar que pais que mantinham o controle balanceado eram mais eficazes em persuadir seus filhos a se absterem de drogas.

- Nossos resultados reforçam a ideia de que os extremos não são eficazes: nem o autoritarismo nem ausência de controle e afeto – disse à revista Drug and Alcohol Dependence o principal autor do estudo, Amador Calafat.

Calafat, no entanto, ressaltou que diferentes níveis de controle são mais eficientes dependendo de cada situação. Por exemplo, quando se lida com o desempenho escolar de uma criança, pais mais flexíveis e que deixam espaço para seus filhos são os mais eficazes.

Performance feminista é interpretada como “ritual satânico”

No evento “Xereca Satânica”, realizado na UFF, uma mulher teve sua vagina costurada como forma de protesto

xerek-890x395Publicado por Revista Forum

Para questionar a liberdade ao próprio corpo e denunciar o alto índice de estupro, uma mulher teve sua vagina costurada no meio de uma festa na quarta-feira (29). A confraternização integrava a programação do evento “Xereca Satânica”, realizado no campus de Rio das Ostras da Universidade Federal Fluminense. A performance, no entanto, ultrapassou as paredes do prédio onde foi realizada.

Após uma “denúncia” feita à grande mídia, o evento promovido por alunos do curso de Produção Cultural como parte da disciplina “Corpo e resistência” tornou-se polêmico. Até a Polícia Federal anunciou que abriu inquérito para investigar a festa, devido ao suposto consumo de drogas, álcool, orgias e rituais satânicos.

Todavia, o chefe de departamento em que o evento foi promovido, Daniel Caetano, contestou as acusações. “Embora não tenham sido feitos ‘rituais satânicos’ e o título do evento fosse essencialmente provocativo (ao contrário do que o jornalismo marrom afirmou), precisamos dizer que não haverá de nossa parte qualquer censura a atos do gênero”, afirmou em uma publicação do Facebook.

Daniel apoia a performance, realizada por um coletivo de Minas Gerais que viajou para Rio das Ostras apenas para participar do evento. “É um coletivo que está habituado a fazer performances como a que aconteceu, feitas para chocar a sensibilidade das pessoas e fazê-las pensar sobre seus próprios limites”, explicou.

O principal objetivo da atividade era denunciar os altos índices de violência contra a mulher na cidade. Por isso, ele desafia: “Qualquer pessoa em cargo público que porventura se posicionar contra a performance será por nós inquirida acerca de suas atitudes prévias contra os estupros em Rio das Ostras”.

Autoras do Blogueiras Feministas divulgaram um texto em apoio ao evento. “Todos os dias violam nossos corpos, mutilam nossas expressões despadronizadas, todos os dias querem que nossas xerecas sejam santificadas”, ressaltaram. “Lamentamos informar a todos que continuaremos a produzir e construir formas antagônicas de valores e sociabilidade num mundo que caminha pela via da robotização das expressões do humano. Pedimos desculpas se incomodamos, mas somos humanos, demasiadamente humanos”.

dica do Gerson Caceres Martins

Universidade Federal Fluminense vai apurar denúncia de festa com ritual satânico, drogas e orgias

Evento foi realizado por universitários em unidade de Rio das Ostras, RJ.
Imagem mostra crânio humano usado em suposto ritual de magia negra.

Crânio humano foi usado em suposto ritual de magia negra em festa na UFF de Rio das Ostras (foto: Reprodução/Facebook)

Crânio humano foi usado em suposto ritual de magia negra em festa na UFF de Rio das Ostras
(foto: Reprodução/Facebook)

Júnior Costa, no G1

A reitoria da Universidade Federal Fluminense, em Rio das Ostras, na Região dos Lagos do Rio, anunciou nesta sexta-feira (30), que vai abrir sindicância urgente para investigar denúncias sobre uso de drogas e álcool no pólo da unidade. Denúncias também relataram orgias e rituais satânicos no evento, divulgado nas redes sociais com o título de “Xereca Satânik – A Festa”, em que foram convidadas mais de duas mil pessoas.

Imagens registradas por alunos durante a festa que aconteceu na última quarta-feira (28), mostram mulheres mascaradas e nuas. Em uma delas, a genitária de uma mulher estaria sendo costurada.

Em outras fotos mulheres aparecem nuas num suposto ritual de magia negra, inclusive, com uso de um crânio humano. Um estudante da instituição, que pediu para não ser identificado, contou que as bebidas alcoólicas usadas na festa ficaram armazenadas dentro do novo anexo da UFF.

“A festa ocorreu ao lado do prédio novo chamado multiuso. O diretor do pólo permitiu o armazenamento de bebidas dentro da universidade. O uso de drogas é praticamente liberado. Precisamos de uma intervenção urgente”, disse.

O G1 procurou a direção do pólo, mas nenhum pronunciamento foi feito. O reitor da UFF, Roberto Salles, informou à reportagem do G1 que além da abertura de uma sindicância, proibiu os diretores do pólo de se pronunciarem sobre as festas que acontecem dentro da instituição. Concluiu, afirmando que todas as informações serão apuradas e os responsáveis punidos.

O G1 não conseguiu contato com a organização do evento. No convite, na rede social, o evento foi divulgado como uma “Festa de confraternização do Seminário Corpo e Resistência e – 2° Seminário de INVESTIGAÇÃO & CRIAÇÃO do Grupo de Pesquisas/CNPq Cultura e Cidade Contemporânea”.