Arquivo da tag: england

Parar de fumar diminui ansiedade, diz estudo

Um estudo feito na Inglaterra com fumantes que estavam tentando abandonar o cigarro revelou que os que conseguiram deixar o tabagismo tiveram uma diminuição ‘significativa’ de seus níveis de ansiedade.

cigarro

Para cientistas, preocupação com ansiedade entre os que tentam parar são infundadas

publicado na BBC Brasil

A pesquisa, divulgada pela publicação científicaBritish Journal of Psychiatry, acompanhou quase 500 fumantes que frequentam clínicas do sistema público de saúde britânico para parar de fumar.

Os 68 dos que tiveram sucesso após seis meses relataram ter sentido uma redução dos seus níveis de ansiedade.

A diminuição foi mais intensa entre aqueles que fumavam por transtornos de humor e ansiedade do que entre os que fumavam por prazer.

Temor infundado

Os pesquisadores – vindos de várias universidades, incluindo Cambridge, Oxford e Kings College de Londres – afirmam que os resultados devem ser usados para tranquilizar os fumantes que tentam parar, já que mostram que as preocupações com o aumento dos níveis de ansiedade são infundadas.

No entanto, o estudo sugere que uma tentativa frustrada de abandonar o cigarro pode aumentar levemente os níveis de ansiedade entre aqueles que fumam devido a transtornos de humor.

Para aqueles que fumaram por prazer, uma recaída não alterou os níveis de ansiedade.

O estudo foi publicado dias depois de o governo britânico ter lançado uma nova campanha de publicidade antitabagismo.

Paul McCartney recebe R$ 3 por show na abertura dos Jogos Olímpicos

publicado originalmente na Folha de S. Paulo

Os organizadores da Olimpíada de Londres afirmam que o ex-Beatles Paul McCartney e outros artistas que participaram da abertura do evento na sexta-feira essencialmente doaram seu tempo – recebendo apenas uma libra (equivalente hoje a R$ 3,17) pelas suas apresentações.

O cantor Paul McCartney se apresenta na cerimônia de abertura, no Estádio Olímpico

A taxa simbólica, necessária para fechar os contratos olímpicos, é magra se comparada com os milhões que grandes nomes como McCartney costumam ganhar em um megashow.

Outros artistas como Mike Oldfield, Dizzee Rascal e Emeli Sande parecem também ter ganhado apenas o valor simbólico.

O espetáculo de Danny Boyle’s, intitulado “Ilhas da Fantasia” contou com músicas britânicas que marcaram gerações e apresentações dos dois artistas da casa mais cotados do momento: Rascal e a banda Arctic Monkeys.

Pedófilos convencem crianças a fazer sexo online em 8 minutos

Publicado por Hype Science

Especialistas em crimes virtuais afirmam que pedófilos online possuem uma série de técnicas para “quebrar o gelo” com crianças de até 12 anos.

O tempo total até que o sexo saia apenas da conversa e se torne algo real: oito minutos.

Como manter seus filhos seguros na internet

O estudo, da Universidade Middlesex, de Londres, durou quatro anos e descobriu que após três minutos de conversa online, o pedófilo já conseguia mudar o tema da conversa para tópicos sexuais. Cinco minutos depois, um laço já havia sido formado, mesmo que a atmosfera seja “tranquila e inocente”.

Os pesquisadores comentam que, entre as “características mais comuns e alarmantes”, está a revelação de que a maior parte dos pedófilos acredita que na internet “tudo é aceitável”.

“A maior parte dos pedófilos virtuais enxerga a internet como um local seguro, onde todas as formas de comportamento são permitidas, incluindo o abuso infantil”, afirma a autora do estudo, Elena Martellozzo.
O trabalho surgiu com base em acesso ao arquivo da polícia. Elena descobriu que muitos dos acusados justificam suas ações afirmando que “estão ajudando a crianças a aprender sobre sexo”, e dois terços deles se expõe usando uma webcam.

“Esse tipo de comportamento online é geralmente diferente no ‘mundo real’. Isso porque os pedófilos passam menos tempo conversando para chegar logo ao ponto. Isso também sugere que a internet remove inibições que acontecem cara a cara”, afirma a pesquisadora.

Ela salienta que os pais devem cuidar das crianças no espaço virtual da mesma maneira que cuidam no mundo real. “As crianças fazem coisas online que geralmente não fariam normalmente, incluindo divulgar fotos sem sentir vergonha”.

“Eu já discuti comportamento online com centenas de crianças e muitas não se dão conta de que tudo que fazem online deixa uma marca que vai estar lá para sempre”, finaliza. [Telegraph]