Identificados jovens que seriam de grupos que fazem pacto suicida nas redes sociais

Os dois adolescentes se enforcaram em suas casas e tinham a mesma idade: 15 anos. (foto: Reprodução Faceook)
Os dois adolescentes se enforcaram em suas casas e tinham a mesma idade: 15 anos. (foto: Reprodução Faceook)

Publicado no Diário do Vale

Integrantes de dois grupos de uma rede social – um conhecido como “Eu, posso” e o outro como “roleta” – foram identificados pela polícia. A administradora de um dos grupos que promove pacto suicida já foi, inclusive, identificada, mas não teve o nome revelado. Entre os participantes de um dos grupos tem uma menor de 12 anos, segundo informou a polícia. Alguns pais e funcionários da escola já foram localizados e outros foram ouvidos no fim de semana.

No fim de semana, o delegado da 93ª DP (Volta Redonda), Antônio Furtado, recebeu novas denúncias dos grupos de redes sociais que estariam induzindo jovens a cometerem suicídios. A polícia, no entanto, não quis dar maiores detalhes para não atrapalhar as investigações, iniciadas após dois alunos do Colégio Municipal Getúlio Vargas cometerem suicídio num prazo de sete dias. Os dois se enforcaram em suas casas e tinham a mesma idade: 15 anos. Segundo parentes de uma das vítimas, um grupo de uma rede social teria incitado o suicídio.

– Estamos investigando todas as informações sobre esses grupos de roleta russa. Nós já estamos sabendo do caso de uma menina que, em conversa com uma amiga, disse que se trata de um pacto de morte feito na internet e que ela seria a próxima a cometer o suicídio. Nós já localizamos o pai dela e estamos aguardando a presença dele na delegacia para conversar e tentar impedir que isso aconteça – afirmou Furtado.

O delegado disse que está investigando os participantes desses grupos e que eles podem responder criminalmente.

– Como disse, na sexta-feira, se verificarmos que há participação de maiores de idade podemos indiciá-los pelo crime de induzimento ao homicídio, com pena de até 20 anos. Os menores poderão ser apreendidos e ficam internados, como uma medida socioeducativa, por até três anos por ato infracional análogo ao crime de homicídio.

Estudantes com medo

No sábado, o DIÁRIO DO VALE recebeu, além de imagens dos grupos, relatos de alunos do Colégio Getúlio Vargas afirmando estarem com medo de que novos casos de suicídios aconteçam no colégio.

Uma aluna gravou um áudio relatando a situação. Em um dos trechos, ela diz que circulam vários boatos sobre as motivações para o suicídio de Gabriel e Maisa. Segundo a menina, há um grupo, com a participação de cinco adolescentes, todos homossexuais, em que todos iriam morrer e com o suicídio de Maisa e Gabriel restariam outros três jovens.

– O negócio na nossa escola tá bem pesado. Uma colega estava escrevendo no quadro e quando se virou disse ter visto a alma de Maisa e logo desmaiou- disse a jovem num áudio que circula no WhatsApp.

Em um trecho ela cita um outro grupo com a participação de 17 adolescentes. Ela diz não saber se são todos do Colégio Getúlio Vargas ou se há adolescentes de outras unidades de ensino. No final ela pede ajuda e orações para a escola voltar á normalidade.

– Sinceramente se não fizermos nada isso será cobrado de cada um de nós, precisamos agir. Peço que você orem por cada um, para que cada um possa fazer momentos de oração por todos os jovens – acrescentou a jovem.

Fevre emite nota sobre o caso

A Fevre (Fundação Educacional de Volta Redonda)emitiu nota na sexta-feira sobre o suicídio de dois alunos do Colégio Municipal Getúlio Vargas, ocorridos em suas residências, nas duas últimas semanas. A fundação informou que buscou o apoio dos órgãos competentes do município para dar a assistência necessária à direção do colégio em seu trabalho de restabelecimento da ordem afetiva.

A nota informou ainda que foi montada uma equipe envolvendo a Secretaria Municipal de Saúde – através dos Psicólogos do Programa de Saúde Mental, da Área Técnica Programática da Saúde da Criança e do Adolescente, do CAPSI (Centro de Atenção Psico-Social) – os implementadores educacionais da Secretaria Municipal de Educação, Membros do Conselho Tutelar, psicólogos da Secretaria Municipal de Ação Comunitária, Secretaria Municipal de Políticas Públicas para a Mulher, o serviço de Orientação Educacional do Colégio e a equipe pedagógica da Fevre.

– Essa equipe quando tomou ciência do estado emocional em que se encontra a comunidade escolar fez a proposta de assistência à unidade escolar durante esse período que antecede o final do ano letivo, iniciando, já a partir das 13h de sexta, um trabalho junto aos professores e alunos – explica a nota.

“A Fevre e a equipe ora constituída, sensibilizadas com o ocorrido e cientes da importância de um trabalho preventivo, já está estabelecendo um cronograma de atendimento a toda essa comunidade”, conclui a nota.

Leia Mais

Criança protesta contra o racismo em prova da escola e faz sucesso na web

foto: Reprodução/Facebook
foto: Reprodução/Facebook

Publicado no Extra

A professora Joice Oliveira Nunes teve uma surpresa ao receber a prova bimestral de um de seus alunos do 5º ano, da Escola Municipal Professora Irene da Silva Oliveira, no bairro Vila Cava, em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro. Ao ver mais uma vez um desenho com personagens que não se pareciam com ele, a criança, identificada como Cleidison, resolveu fazer uma manifestação artística contra a falta de representatividade para as crianças negras e pintou todos os personagens.

Joice abraçou a causa do menino e compartilhou a imagem no Facebook. Na mensagem, ela dá a entender que vai procurar diversificar os desenhos.

“Todo bimestre tem votação na minha sala para escolher a capa da prova. A capa desta vez foi da Turma da Mônica. Meu aluno Cleidison me entrega a capa da prova me avisando: ‘Pintei da minha cor, tá? Cansei desses desenhos diferentes de mim’. Recado dado”, escreveu a professora no Facebook.

A história, claro, fez sucesso entre os usuários das redes sociais. Alguns deles brincaram com a professora, torcendo por uma nota dez para o aluno engajado. A imagem já foi compartilhada mais de 1.200 vezes.

foto: Reprodução/Facebook
foto: Reprodução/Facebook

Leia Mais

Crianças protegidas e inseguras

crianca-triste

Contardo Calligaris, na Folha de S.Paulo

Durante a minha infância, quanto tempo eu passava sem a supervisão de um adulto?

Grosso modo, dos sete aos 12 anos, eu ia para escola sozinho, de “tramway”. Pegava o bondinho a três quadras de casa, e a escola era a segunda parada: digamos que o conjunto levasse meia hora.

A volta da escola era a pé, com os amigos, brincando e conversando. Não levava menos de uma hora; eu chegava sempre atrasado para o almoço, mas isso era tolerado. Nos dias em que a escola se estendia até a tarde, a volta era mais longa: parávamos para brincar nas quadras de escombros dos bombardeios de 1943.

Eram lugares proibidos e perigosos; havia bombas não explodidas (é o que diziam), estruturas periclitantes e ratos, muitos ratos. Duvido que meus pais não soubessem: afinal, a cidade não tinha recuperado seus parquinhos e gramados –no lugar desses, havia os escombros. Nestes dias, então, a volta durava duas horas.

Uma vez em casa, eu me instalava à minha mesa de trabalho e estudava, direto, até o jantar. Claro, havia adultos no apartamento, mas, até o fim do dia, ninguém sequer entrava no meu quarto, nunca –ninguém, por exemplo, tentava saber o que eu estava lendo. Só na hora do jantar, minha mãe aparecia para verificar (por cima) se eu tinha terminado meus deveres. Eu ficava portanto sem adultos entre quatro e seis horas, a cada tarde.

No sábado, a partir dos oito anos, eu saía depois do almoço e voltava à noite –ia para o cineclube da escola, onde ficava por duas sessões seguidas.

Conclusão, eu ficava sem supervisão adulta sete horas por dia: uma média baixa, pois a maioria dos meus colegas dispunha do domingo (que eu passava obrigatoriamente com meus pais).

Claro, a diferença cultural entre Europa e Brasil se reflete na maneira de criar os filhos: na Europa, de qualquer criança, espera-se que, na medida do possível e antes de mais nada, ela “se vire”. Mas, além dessa diferença cultural, os tempos mudaram.

Num artigo na revista “The Atlantic” de abril, Hanna Rosin lembra que, nos EUA, em 1971, 80% das crianças de oito anos iam para escola sozinhos. Em 1990, só 9% pareciam ser considerados capazes dessa “ousadia”. Não temos os números de hoje, mas, se a tendência tiver continuado, não deve haver mais ninguém ou quase.

Agora, olhe ao seu redor e faça a conta: seus filhos, enteados, sobrinhos, quanto tempo eles passam efetivamente sem a supervisão de um adulto? Na classe média, entre motoristas, babás, professores particulares, repetidores, terapeutas, ortodontistas e bedéis onipresentes nos recreios, será que esse tempo existe?

A resposta tradicional a essa observação é que o mundo se tornou mais perigoso: haveria mais adultos mal intencionados, mais riscos –é preciso proteger as crianças. Pois é, Rosin lembra que, neste tempo, a taxa de acidentes sofridos por crianças não mudou.

Ou seja, o aumento do tempo de supervisão adulta e as novas regras de segurança (formais ou caseiras –nos equipamentos dos parquinhos, nas escolas, em casa etc.) certamente salvaram algumas vidas, mas não alteraram a estatística.

O que aumentou neste período, segundo Rosin, não foi a segurança, mas as fobias das crianças, que ficaram com medo dos comportamentos que lhes foram proibidos. Ou seja, as crianças não podem mais subir numa árvore; o número de acidentes em que uma criança cai de uma árvore não muda, mas aumenta o número de crianças que tem medo de alturas.

Não encorajo ninguém a, de repente, autorizar suas crianças a circular sozinhas e se aventurar por penhascos. Provavelmente, elas não saberiam o que fazer com essa liberdade inesperada.

Mas vale a pena se perguntar: se o mundo não é mais perigoso do que já foi, o que aconteceu? Por que nos tornamos supervisores compulsivos de nossas crianças?

Pois bem, o mundo não é mais hostil do que já foi, mas nossa confiança nele diminuiu, e talvez compensemos nossa falta de confiança protegendo nossas crianças da hostilidade que nós enxergamos no mundo.

Nota: como era previsível, proteger excessivamente nossas crianças as torna mais desconfiadas –não mais seguras. Se quiséssemos que nossas crianças fossem confiantes, seria preciso que elas fossem mais autônomas.

Regra sobre a qual valeria a pena voltar: a autonomia produz confiança, a proteção, ao contrário, produz insegurança.

Leia Mais

Crianças expostas à religião têm mais dificuldade em distinguir o que é real

Pesquisadores descobriram que os pequenos que frequentam instituições religiosas têm mais probabilidade de acreditar que elementos sobrenaturais, como animais falantes, podem ser reais

(foto: Flickr/Creative Commons/ Panoramas)
(foto: Flickr/Creative Commons/ Panoramas)

Publicado na Galileu

De acordo com um novo estudo, publicado na revista Cognitive Science, crianças que crescem próximas à religião têm mais dificuldade de separar fato da ficção. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores responsáveis analisaram 66 meninos e meninas com idades entre 5 e 6 anos. Metade ia a escola paroquial e a outra metade frequentava escolas laicas.

A metade que ia para a igreja com frequência tinha mais dificuldade de separar elementos sobrenaturais da realidade. Acreditavam, por exemplo, que animais falantes poderiam ser reais. E elas confiavam em elementos da religião para justificar esse tipo de crença.

O estudo refuta hipóteses anteriores de que crianças “nascem” com uma predisposição para a fé. Os autores sugerem que “a exposição a histórias sobre milagres, faz com que crianças tenham uma receptividade mais genérica para o impossível, uma aceitação maior de que coisas podem desafiar a realidade, sem relações causais”.

Via Huffington Post

Leia Mais

Aluna evangélica é proibida de estudar por usar saia em escola

Publicado em O Globo

Um impasse envolvendo o uso de uniforme está causando polêmica na escola estadual Caic Euclides da Cunha, em Rio das Pedras. Com o sonho de se formar no ensino médio, a diarista Ana Cristina Silva Torres, de 37 anos, contou que, há cerca de duas semanas, foi impedida de frequentar as aulas do curso de Educação Para Jovens e Adultos (EJA), à noite, porque a direção da unidade proibiu o uso de saia para as alunas. Nos últimos dias, Ana Cristina conseguiu voltar a estudar, mas ainda não sabe como sua situação será resolvida. A Secretaria estadual de Educação informou que existe um padrão de uniforme escolar na rede pública de ensino, composto por calça, camisa e tênis, que deve ser respeitado por todos os alunos.

— Sou evangélica e a saia é a vestimenta que eu costumo utilizar no meu dia a dia. Não é nem que a religião me obrigue a só usar saia, mas é como eu me sinto bem. A direção da escola foi trocada e o novo diretor disse para mim que não podia abrir mão do (uso) do uniforme, e que iria cortar o meu nome da lista de alunos matriculados no colégio. E ele nem quis conversar, ouvir meus argumentos. Foi uma situação que me deixou muito magoada — contou a diarista.

Ana Cristina era analfabeta até seis anos atrás, quando começou a estudar, pensando principalmente em poder acompanhar os estudos das duas filhas. Depois de completar a alfabetização, a diarista resolveu fazer o curso supletivo do ensino fundamental e agora se esforça para conseguir o diploma do ensino médio.

— Essa decisão me pegou de surpresa. (O diretor) falar que iria cortar meu nome da lista (dos matriculados) foi um golpe num sonho que eu tenho desde criança, de conseguir me formar. Os meus pais não me deixaram estudar. Hoje, é um objetivo não só meu como também das minhas filhas. É como se tivessem jogado um balde de água fria na gente — acrescentou Ana Cristina.

Em nota, a secretaria argumentou que “todas as escolas, (das redes) pública ou privada, têm que possuir regras, como o uso do uniforme, para garantir a segurança de toda a comunidade escolar. Os direitos e deveres são para todos, independentemente da religião que professem”.

Sobre o caso específico da diarista, a secretaria disse ainda que “caso o diretor abra exceção, terá que liberar para todos, acabando com o uso do uniforme”. E concluiu afirmando que a estudante foi a única pessoa que se recusou a frequentar a escola com o padrão exigido de calça, camisa e tênis.

Caso é comparado à proibição do uso de burca por alunas na França

Especialistas ouvidos pelo GLOBO foram unânimes em questionar a postura da escola e da secretaria. Consideram que o exercício da manifestação religiosa, refletido na roupa, não pode ser tolhido. O coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, compara a restrição de que a aluna foi vítima à situação das estudantes muçulmanas na França, que foram proibidas de usar a burca para ter acesso às escolas:

— É uma luta entre o sistema de ensino, querendo impor regras de comportamento, versus uma opção religiosa. A restrição é equivocada, e tanto a identidade individual quanto sua cidadania estão sendo desrespeitadas.

O educador destaca que a escola é laica, o que não significa que ela tenha que obrigar um padrão de comportamento e impedir a manifestação religiosa.

O sociólogo e diretor do Iuperj, Geraldo Tadeu Monteiro, chama atenção para semelhanças entre a situação carioca e a polêmica nas escolas francesas, em que “uma norma religiosa colide com uma outra norma, secular”:

— A estudante não está pedindo nada de mais, ela não quer ficar nua, por exemplo. E a obediência às normas religiosas não traz prejuízo aos outros alunos. Pelo que temos visto em termos de decisão judicial nos últimos tempos e pela nossa cultura, é possível que a Justiça se posicione favoravelmente à aluna.

Ao ser informada pelo GLOBO sobre a polêmica, a Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ ofereceu amparo jurídico à estudante. O vice-presiente da comissão, Aderson Bussinger, defende que, frente a uma situação de convicção religiosa “profunda”, tem que haver flexibilidade. Diz que o caso deve ser tratado como algo de caráter excepcional, para que ela use a roupa que quiser.

— Considerando o preceito da liberdade religiosa como causa pétrea da nossa Constituição e uma questão internacional de direitos humanos, a escola tem que se adequar a essa realidade religiosa.

Saia e vestido rosa choque

Em fevereiro deste ano, sem ar-condicionado no local de trabalho e proibido de entrar de bermuda, o funcionário público André Amaral Silva foi trabalhar de saia no Rio e virou notícia.

Em 2009, Geisy Arruda foi hostilizada por causa de um vestido rosa choque, considerado curto demais por outros alunos de sua faculdade, em São Paulo, e tornou-se uma celebridade.

Leia Mais