O problema das Santas Casas é o problema dos santos

Atirador do CinemaPublicado por Ricardo Alexandre

Que se escancare, que se puna, que se apure a questão dos 2100 hospitais sem fins lucrativos brasileiros, que acumulam uma dívida de 15 bilhões de reais, que ameaçam baixar as portas e deixar milhares de pessoas sem atendimento.

Mas há uma questão periférica no problema que convém ser lembrada, especialmente depois que o maior de todos eles, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (foto acima), fechou temporariamente seu pronto-socorro porque seus fornecedores recrudesceram diante de uma dívida de 45 milhões de reais. É claro que, em tempos eleitoreiros, foi fogo no rastilho: onde está o repasse do governo federal, onde está o dinheiro que o governo federal disse que repassou ao governo estadual etc. Tudo importante, e tudo da maior importância.

Mas não me escapou o fato de que o agigantamento de uma Santa Casa tem muito a ver com o agigantamento das denominações religiosas, e a complexidade da questão com a velocidade de tempos em que sequer paramos para pensar no óbvio de que uma obra de filantropia (que tem todo o direito de buscar parcerias tanto na iniciativa privada quanto no governo) é, sim, um problema público, mas é um problema dos santos.

“Santos” (“separado”, “destacado”) era como os primeiros cristãos referiam-se uns aos outros nos tempos em que a palavra “cristão” ainda não havia sido cunhada. Na Bíblia, os apóstolos escreviam “aos santos de Corinto”, “aos santos de Tessalônica”etc. É por isso que a Santa Casa chama-se Santa Casa: porque foi obra de santos, gente destacada para uma missão muito específica, que buscou no governo apoio, mas que não esperou do governo o seu sustento.

A importância do cuidado com os pobres na igreja cristã primitiva era pivotal. Há um episódio na Bíblia que me espanta em particular. Conta que, um belo dia, aparece em Jerusalém um ex-oficial romano, algoz de vários cristãos, dizendo-se convertido ao cristianismo. Pior: dizendo ter encontrado o próprio Jesus Cristo ressuscitado, conversado com ele e tendo por ele próprio sido enviado para falar de sua mensagem. Em outras palavras, se dizendo tão apóstolo quanto os apóstolos originais. Depois de quebrar o gelo e se entenderem, o ex-oficial romano, hoje conhecido como São Paulo, saiu com uma única recomendação do grupo original de cristãos: que não se esquecesse dos pobres (Gálatas 2.10).

Nos séculos seguintes, a ideia de curar os doentes e cuidar dos pobres foi seguida tão a risca que logo após a descriminalização do cristianismo, os monastérios começaram a abrir suas portas para andarilhos e doentes pobres. Lá pelo século quarto, os monges já cultivavam ervas medicinais que seriam usadas para tratar os viajantes em alas chamadas “infirmitorium”, que é a raiz da palavra “enfermaria”.

Embora não seja muito correto dizer que os hospitais sejam criação cristã (há registros bissextos de reunião de médicos na Ásia, na Índia  e no império romano), foi definitivamente na cristandade que eles começaram a se espalhar. Acredita-se que só a Ordem de São Bento (do lema “ora e trabalha” e seus votos de pobreza e amparo aos peregrinos) tenha inaugurado mais de 2 mil deles.

O primeiro hospital brasileiro, aliás, foi criação dos jesuítas, a Santa Casa de Misericórdia de Santos, em 1543. “Criado” é um eufemismo para dizer que os monges limpavam o chão, atendiam os colonos, faziam cirurgias e manipulavam os remédios – na falta de profissionais que quisessem se aventurar em um país selvagem daqueles.

Nos anos 1960, o surgimento da teologia da libertação rachou a igreja católica. De uma hora para outra, quem tinha agenda social virou “marxista”. Quem não tinha virou alienado – não que não o fosse antes. Há poucos meses, o papa Francisco matou a charada: “O socialismo roubou a bandeira dos pobres dos cristãos”. Pior do que isso, os santos contemporâneos se esqueceram dos pobres, e aprenderam a fazer filantropia desde que seja com o dinheiro do estado.

A tradição protestante, com sua teologia da missão integral, aparentemente conseguiu acomodar as questões sociais dentro da ortodoxia. Eu, que não sei de nada, gosto muito da ideia por trás da Rede Ibab Solidária, da Igreja Batista de Água Branca, zona oeste de São Paulo, por exemplo: angariar dinheiro e contingente humano em sua própria comunidade e enviá-los a mais de 30 ONGs de São Paulo. Quando lancei meu livro mais recente, o Cheguei bem a tempo de ver o palco desabar, o lucro das noites de lançamento foi doado para a Casa de Acolhedora de Vinhedo, também uma parceria entre uma igreja e uma prefeitura. Em vez de servir “para dentro”, os cristãos servem “para fora”, conforme desejou o teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer. Mas é apenas um modelo possível. Sei que há outros mais institucionais, outros mais pessoais, frutos do mesmo espírito. Curiosamente, mesmo dentro deles a prática hospitalar tem tido cada vez menos espaço.

Hoje, discute-se muito sobre a isenção fiscal em relação a instituições religiosas. Semana passada, um vídeo do grupo Porta dos Fundos foi ao ar, no qual um sujeito camuflava uma padaria de igreja, a fim de não pagar impostos. É uma discussão boa, mas que não precisaria avançar para muito além do próprio entendimento do que é filantropia: amor ao ser humano, ao desfavorecido. O governo cuida das pessoas por intermédio de instituições que cuidam das pessoas, e as viabiliza por meio de certas isenções fiscais. A discussão razoável seria menos sobre o sentido da isenção e muito mais sobre quais instituições são, de fato, filantrópicas.

A dificuldade das Santas Casas é, em parte, a dificuldade de uma prática religiosa que, com o avançar dos séculos, se transformou em algo cada vez mais individualista, imediatista e distante de sua mensagem original. É falta de governo, é corrupção, é desvio de dinheiro, mas também é falta de mulheres e homens santos, dispostos a, literalmente, colocar as mãos nas chagas da sociedade.

Leia Mais

Canal no Youtube aborda o tema da espiritualidade com simplicidade

sauloheder

Publicado no Hypeness

A busca por algum tipo de espiritualidade faz parte da vida de muitas pessoas. Quando falamos em espiritualidade, nos referimos à qualquer coisa que traga conexão. Espiritualidade está em reconhecer que há algo maior do que a gente. Até os que negam esse fato, acabam se vendo pedindo forças para “algo” ou “alguém” superior nos momentos de angústia e desespero profundo. Independente do que você acredita, o importante é a conexão com esse “algo” que te faz vibrar, seja ele Deus, Jesus, Buda, Krishna, o Sol, Iemanjá, a natureza, o seu Eu Superior, ou qualquer outra coisa com a qual você consiga estabelecer uma sintonia.

Num tempo no qual religiões têm decepcionado por vários aspectos, muita gente tem voltado sua busca para a espiritualidade, em vez de seguir alguma religião ou doutrina. Aqui no Hypeness nosso objetivo sempre foi inspirar pessoas, mostrar novas possibilidades, mostrar o lado bom da vida, dar razões para acreditar no bem, espalhar o amor, as ideias revolucionárias, os casos de superação, as invenções que transformam o mundo. E se falamos sobre transformações dos mais diversos tipos, é natural que também possamos abordar a questão da espiritualidade, afinal, a transformação pessoal passa por ela.

Encontramos um canal no Youtube que chamou a nossa atenção por abordar o tema da espiritualidade sem mimimi. O responsável por ele é Saulo Calderon, fundador do IVA (Instituto Viagem Astral), e um dos maiores pesquisadores sobre o tema da projeção astral e espiritualidade no país. O canal tem como bordão “espiritualidade com simplicidade”. Para você que está nessa busca de responder algumas questões do tipo “de onde viemos? Para onde vamos? Qual o objetivo da vida? Qual o sentido da nossa existência?”, acompanhar o canal de Saulo Calderon pode ser uma experiência interessante.

Saulo não segue nenhuma religião específica, mas trata o tema da espiritualidade de forma lúcida, e assim tem ajudado a transformar a vida de muitas pessoas com seu trabalho.

Deixamos aqui alguns vídeos do canal para quem se interessar:

Finalizamos a matéria com consciência de que ainda há muito há ser discutido sobre o tema e que o assunto é sempre polêmico. Gostaríamos de deixar o debate aberto, para que vocês possam contribuir com seus pontos de vista, deixamos o pedido: que o espaço possa ser usado para gerar debates e discussões saudáveis, de forma respeitosa, sabendo que todos têm direito à liberdade de expressão, desde que seja sem ofensas e agressões.

Para saber mais, acesse o site de Saulo Calderon,  a fanpage do projeto ou seu canal no Youtube.

Leia Mais

Eu acredito no diabo

Ricardo Gondim

charge: Orlandeli
charge: Orlandeli

O diabo se tornou relevante. Hoje, como na Idade Média, fala-se muito nele. Com sua súbita ascensão, o Querubim Caído continua a pintar e bordar. Ele suga a fé, derruba figuras proeminentes, infiltra-se em redes de televisão, envia praga, fura pneu de carro, provoca terremoto, mata crianças e enferma idosos com doenças terríveis. Alguns círculos responsabilizam o Coisa Ruim por controlar municípios, respeitando, inclusive, fronteiras geográficas. Se na teoria, ele não passa de um anjo, na prática, Lúcifer compete e ganha de Deus.

Devido ao novo momento de popularidade do Grande Vilão, muitos identificam sua tristeza como resultado de artimanhas infernais. Para alguns, quando duvidam: o Capiroto mandou a incerteza. Como enorme tela, em Satanás se projetam todos os males do mundo. Os círculos religiosos mais conservadores acreditam mesmo que a existência está controlada, guiada, dominada, manipulada e organizada por Belzebu.

Dá para compreender a súbita importância de um anjo caído. Como se levantaria dinheiro nas igrejas se ele não fosse a estrela no show da fé? Como televangelistas inculcariam pavor nas pessoas se não revelassem um tinhoso tão medonho? Como poderosas multinacionais da fé subsidiariam projetos se o demo não ostentasse tamanha força? Religião que usa o mal como eixo de sua espiritualidade carece de uma figura mitológica arrasadora. Entretanto, igreja que não pode prescindir de ameaças se tornou uma ameaça. Ética que só tem relevância rodopiando em Satanás não é ética, apenas oportunismo.

Nem é preciso discutir a existência metafísica de uma entidade maligna que compete com Deus; a badalação já é suspeitosa. Nenhuma espiritualidade humana pode se deixar definir pela maldade. Integridade nunca vem do pavor de que Deus faça vista grossa – ou use de sua vontade permissiva – para que demônios devorem pessoas desobedientes.

Me perguntam se acredito em Satanás. – Sim, respondo rapidamente. Eu o tenho como espantalho alegórico ou metáfora angelical. Reconheço: o esforço de creditar-lhe todas as mazelas é interessante, já que assim nos absolvemos de todos os crimes. Não nego a maldade. Sei que existe perversidade por todos os lados. Todavia, nenhum ser sobrenatural, transcendental ou fantasmagórico seria capaz de imitar a iniquidade de homens e mulheres, quando se comportam como demônios.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Leia Mais

Lições que nascem com a simplicidade

centro-75170

Publicado por Ricardo Gondim

Quantas vezes perdemos o encanto de certos momentos por não sabermos valorizar os processos singelos da vida. Não entendemos uma existência perpassada pela simplicidade.

No enfrentamento dos pequenos medos, a vida se prepara para a grande coragem.
Perseverança depende do desânimo.
Esperança se anima na frustração.
Resiliência acontece desde as derrotas mais amargas.
Desestímulo alheio convida à ousadia.
Aprende-se ternura com as feridas.
Desprezo educa para o perdão.

Para ser simples, a virtude precisa andar quando outros, afobados, correm; sussurrar, quando outros, presunçosos, gritam; sorrir, quando outros, raivosos, destilam ranho; pensar, quando outros, iludidos, mistificam.

Quem deseja subir um degrau na existência, precisa descer dois. Humildade, o contrário de autocomiseração, significa apenas a capacidade de perceber as sombras com a mesma sensibilidade que a luz.

Perfeição não aparece nas simetrias extraordinárias. Perfeição se esconde no ordinário – no dia a dia – e só pede um olhar simples. Por isso alguém já disse que a camisa que tremula no varal pode conter a vela que empurra o navio; o fio que a aranha estende entre os galhos da árvore pode preceder a ponte suspensa sobre o abismo; a chaleira que chia no fogão pode inspirar o mecanismo da locomotiva; a maçã que despenca da árvore pode explicar a lei da gravidade; o pardal que voa no entardecer pode lembrar o cuidado universal de Deus, que ama a todos.

A grande tragédia de passar pela existência sem viver se dá nos que perdem a capacidade de apreciar o belo, escondido no banal. Resta ser “simples como as pombas”.

Leia Mais