Estudante da UFPA é chamada de ‘negra suja’ nas redes sociais

Polícia diz que suspeito pode ser identificado e responsabilizado.
Movimento Negro cobra providências e punição para criminoso.crimeracial

Publicado no G1

A estudante Sonia Regina Abreu, do campus da Universidade Federal do Pará de Altamira, relatou ter sofrido ofensas através das redes sociais. Segundo a Polícia Civil, o agressor utilizou um perfil falso para praticar injúria racial e disse para a vítima que, em Altamira, “não há lugar para negros sujos”. Ainda segundo a polícia, além do cunho racista, o suspeito ainda teria ameaçado a jovem de 27 anos com os seguintes dizeres: “neguinha como você a gente estupra e depois queima para não poluir o solo. Lugar de negro é na senzala ou a sete palmos”.

De acordo com a Ordem dos Advogados do Brasil, a vítima procurou a direção da universidade, e um professor decidiu encaminhar a denúncia para a OAB, onde caso está sendo acompanhado pelas comissões de Direitos Humanos e Igualdade Racial. “É a tolerância da sociedade e a impunidade que faz com que os ofensores, os racistas, ajam com mais desenvoltura”, critica Jorge Farias, presidente da Comissão de Igualdade Racial.

Nesta segunda-feira (15), a vítima registrou um boletim de ocorrência na delegacia. Um inquérito foi aberto para investigar a origem das ofensas. Segundo a vítima, apesar da denúncia, o autor dos insultos não se intimidou: ele mandou um e-mail para a jovem falando que usou um computador acessado pela própria Sonia na faculdade para postar as ofensas, e diz que foi “fácil como tirar bala de criança”. Ainda no e-mail, o autor diz para a estudante que isso é “só o começo. Vamos limpar Altamira desta peste negra. Nenhum lugar será seguro para negros nesta cidade”.

Sonia disse ao G1 que está assustada com as ameaças. “Estou chocada e horrorizada. Aqui sempre foi tranquilo, tem muita gente de fora. Agora a cidade é outra porque muitas pessoas se mudam pra cá para trabalhar na Usina Belo Monte, então são muitas pessoas, a cidade se tornou uma coisa que a gente não conhece mais. Não sei a origem disso. Não tenho a menor ideia do que tenha motivado isso”, desabafa.

Segundo a advogada Luana Thomaz, que faz parte da Comissão de Direitos Humanos da OAB, o autor destas ofensas precisa ser investigado por incitar a formação de organizações criminosas, como grupos de extermínio. “Isto pode também ter uma organização criminosa envolvida, um grupo de extermínio, uma quadrilha”, disse.

A polícia acredita que pode localizar o agressor. “A Polícia Civil dispõe de mecanismos eficazes que, trabalhando em parceria com o poder judiciário e o Ministério Público, chega-se na autoria daquela postagem”, disse o delegado Samuelson Igaki. “Nós vamos fazer a diligência de quebra de sigilo, caso seja necessário, a fim de identificar este autor para que ele seja punido pelo crime que cometeu”, disse o delegado Rodrigo Leôncio.

Para o Movimento Negro no Pará, o caso é grave e vai além da injúria racial. “Também é crime de racismo porque ele generalizou o seu ódio a toda a população negra do país. O importante para nós, do Movimento Negro, é que o criminoso seja punido”.

Leia Mais

Alunos de colégio no RJ fazem ‘saiaço’ em apoio a estudante transgênero

Publicado no Catraca Livre

No último dia 2 de setembro, uma cena chamou atenção no Colégio Dom Pedro II, na unidade São Cristóvão, zona norte do Rio de Janeiro. Diversos alunos fizeram um “saiaço” em solidariedade a uma aluna transgênero, que foi proibida pela direção de ir de saia à escola.

fwafaf

A imagem, compartilhada pela comunidade Os Cariocas, repercutiu e chamou muita atenção nas redes sociais. A adolescente, que nasceu com sexo masculino, foi impedida de entrar no colégio no dia 23 de agosto. Em resposta ao ocorrido, o movimento #VouDeSaia invadiu as salas de aula já na semana seguinte.

e2kbnp3j9qzk388l1m28wh6su

A imagem, compartilhada pela comunidade Os Cariocas, repercutiu e chamou muita atenção nas redes sociais. A adolescente, que nasceu com sexo masculino, foi impedida de entrar no colégio no dia 23 de agosto. Em resposta ao ocorrido, o movimento #VouDeSaia invadiu as salas de aula já na semana seguinte.

dica da Marjory Albuquerque

Leia Mais

Estudante cria prato comestível para quem não gosta de lavar louça

Publicado no Estadão

Um estudante iraniano inventou um aparelho que pode significar o fim do trabalho de lavar louça após as refeições.

O aparelho transforma massa de pão em pratos e vasilhas comestíveis nos mais diversos formatos, com diâmetro de até 40 centímetros. Os pratos são comestíveis e contém fibras.

O aparelho fabrica pratos e tigelas que podem armazenar vários tipos de alimentos. O projeto é do estudante de design industrial Saeed Rahiminejad, de 26 anos,que mora em Teerã.

O aparelho batizado de Bake.A.Dish (asse a louça) foi premiado pelo laboratório de design da Electrolux.. Os pratos feitos de massa de pão podem ser usados até para alimentos líquidos, como sopas.

bake3

O aparelho transforma farinha em água em pratos comestíveis ricos em fibras (Foto: Divulgação)

O estudante está agora à procura de financiamento para ajudar a colocar o seu conceito em produção.

“O produto ajuda a personalizar a louça, e funciona como uma alternativa mais sustentável para a louça descartável e ainda acrescenta mais fibras à dieta diária”, afirmou o estudante em entrevista ao Dailly Mail.

“O prato comestível é personalizado de acordo com nossas necessidades e adicionam uma quantidade controlada de fibras e carboidratos na alimentação, para que ela se torne mais saudável”, acrescenta ele.

A massa de pão, basicamente farinha e água, é assada com energia coletada por painéis solares. O estudante diz que o processo contém um segredo para impedir que a massa amoleça com o líquido contido nos alimentos.

A máquina pode ser controlada por um aplicativo de telefone móvel, que calcula o tamanho da tigela ou do prato de acordo com a quantidade de calorias que a pessoa deseja consumir.

bake4

Leia Mais

Estudante com leucemia mobiliza doações de sangue pelo Facebook

Publicado no R7

Ele foi diagnosticado com a doença no fim do ano passado

O estudante de Direito Marcus Vinícius Nery, 20 anos, mobilizou uma grande doação de sangue pelo Facebook. Ele tem leucemia e precisa de 28 bolsas de sangue por dia. O jovem foi diagnosticado com a doença no final do ano passado.

Um evento foi criado na rede social e mais de 4.000 pessoas já confirmaram a doação. Segundo o irmão do estudante, Pedro Nery, mais de 100 pessoas doaram em menos de 24 horas e desde que o evento foi criado, mais de 400 já compareceram ao hospital.

Nery vive em Recife, em Pernambuco, e as doações ocorrem no Instituto de Hematologia do Nordeste. Ele deve receber sangue por pelo menos 45 dias.

O tipo de câncer dele não requer transplante de medula óssea. Ele está internado em um quarto no Real Hospital Português para receber sangue e depois deve continuar o tratamento em casa. O hospital informou que serão necessárias mais de 1.200 bolsas.

Leia Mais

Cinco coisas que preciso fazer antes dos 40 anos

Arte de Van Dongen

Publicado por Blog do Carpinejar

Por um golpe do acaso, reencontrei minha agenda de estudante da 8ª série. Estava dentro da caixa dos troféus e medalhas de futebol, na garagem.

Cometi o erro de abri-la. Não se mexe em arquivos impunemente. Não dá para passar os olhos e deixar por isso mesmo. Somos absorvidos, tragados pela curiosidade da comparação. Os cinco minutinhos destinados ao assunto se transformam em dez horas. Nem notamos o dia migrar para a noite. Interrompemos uma encomenda urgente, apagamos reuniões, desaparecemos para a família, seduzidos pela nossa caligrafia desgovernada e antiga.

O que me espantou é que havia uma cartinha presa com clipe nas costas do volume: Cinco coisas que desejo fazer antes dos 40 anos.

(Em tempo, completo 40 anos em outubro. Não duvido que não tenha programado meu corpo a procurar a agenda perto do aniversário. Foi um alarme posto na memória para soar num prazo de vinte e sete anos.)

Mas por que 40, e não 30? Juntei as pontas e identifiquei que era a idade de meus pais na época.

Eu gargalhei quando li o que esperava de mim em 2012:

1) Saltar de paraquedas.
2) Não casar.
3) Conhecer Tóquio.
4) Aprender francês e italiano.
5) Ser milionário com a indústria de cinema.

Tive 100% de fracasso. Não cumpri nenhuma das alternativas. Assinei o atestado de incompetência perante aquele adolescente disposto a ganhar o mundo.

E me deu orgulho. Fiquei orgulhoso da decepção. Ri emocionado de minha invalidez estratégica, da minha nulidade profética.

Foi um sinal de saúde. Quem cumpre objetivos é neurótico.

É bobagem elaborar metas para atingir em determinada idade. Felicidade não se planeja, felicidade se descobre.

Ingenuidade congelar lista de intenções como se a vida não nos transformasse dia a dia.

O que vale alcançar objetivos como uma maratona turística? Para quê?

Nosso legado é o que falamos aos outros, não o que aparentamos ser. Todos os desejos terminam, no fundo, iguais porque não temos a coragem da simplicidade.

Amigos não admitem morrer sem visitar as pirâmides, por exemplo. Eu não quero morrer sem visitar meu pai ou minha mãe.

Ainda que eu tivesse apenas uma semana de vida não mudaria meu temperamento. Felicidade é improvisar, é estar disposto não sabendo o que vai acontecer.

Não troco em nada o inventário do que realizei nestas quatro décadas.

(X) Dois filhos
(X) Casado
(X) Vinte livros
(X) Lê espanhol e desenha inglês
(X) Apartamento financiado.

Não é mais verdadeiro?

Leia Mais