Americana de 113 anos mente idade para entrar no Facebook

Face-da-Vovó

Publicado no Catraca Livre

Ontem, véspera de seu aniversário de 114 anos, a americana Anna Stoehr decidiu entrar no Facebook, mas percebeu que o ano de seu nascimento, 1900, não foi listado como uma opção para registro de idade na rede social.

Sem alternativa, recorreu ao que muitos jovens fazem todos os dias para ter acesso ao site: mentiu a idade, já que na rede social só é possível colocar a data a partir de 1905. Para o Facebook, Anna tem 99 anos.

Facebook-Vovó

A americana passou a se interessar por tecnologia quando ficou amiga de Joseph Ramireza, um representante de vendas da Verizon que vendeu um iPhone para seu filho de 85 anos de idade.

Ele comentou a idade da mãe, e Joseph quis conhecê-la. Ficaram tão amigos que ele passou a ensinar Anna a ser uma pessoa conectada. Hoje, com seu iPad, é comum vê-la conversando com amigos e familiares pelo Face Time.

Para chamar à atenção do fundador da rede social, Mark Zuckerberg, a americana, também com a ajuda de Joseph, escreveu uma carta, na qual ela diz: “Eu ainda estou aqui”. Sim, usando uma máquina de escrever.

Nos registros de uma organização que mapeia indivíduos centenários, Anna, que é de Minessota, é a sétima pessoa norte-americana mais velha. A mais idosa é uma morada de Arkansas, de 116 anos.

Leia Mais

Red Bull pagará US$ 13 mi a clientes ‘que não ganharam asas’

size_590_red-bull

publicado na Exame.com

O famoso slogan “Red Bull te dá asas” nunca custou tão caro à empresa.

Ele foi usado por mais de duas décadas nas campanhas da marca de bebidas energéticas. Mas agora custará 13 milhões de dólares.

A empresa topou pagar a quantia para encerrar uma ação coletiva nos EUA que a acusava de propaganda enganosa. Afinal, ninguém “ganhou asas”.

Em uma nota oficial, a Red Bull disse que aceitou pagar o dinheiro para evitar os custos do litígio. Os 13 milhões serão distribuídos entre milhões de consumidores.

Com o acordo, os clientes que compraram a bebida nos últimos dez anos poderão escolher entre ser reembolsados em dez dólares ou receber um voucher de 15 dólares para gastarem com produtos Red Bull.

A ação

O criador da ação – à qual se juntaram outros clientes posteriormente – é o americano Benjamin Careathers. Ela foi criada em 16 de janeiro de 2013, em uma corte distrital de Nova York.

Ele alegou consumir a bebida desde 2002, sem perceber resultados em seu desempenho. Disse que a empresa enganou os consumidores ao falar “Red Bull te dá asas” e ao dizer que a bebida aumenta a velocidade e capacidade de reação e concentração.

A marca deixou claro que “desistir” de lutar contra a ação não significa que concorda que praticou propaganda enganosa, sim que quer evitar mais custos.

“Defendemos que nossos comerciais e embalagens sempre foram verdadeiros e precisos. Negamos toda e qualquer irregularidade ou responsabilidade”, anunciaram ao site BevNet.

Veja alguns dos famosos comerciais da Red Bull:

Leia Mais

Álcool torna os sorrisos mais contagiantes para os homens, diz estudo

Cocktails

publicado no UOL

Beber pode tornar os homens mais sensíveis aos sorrisos dos outros, segundo pesquisa feita nos Estados Unidos. A conclusão pode ajudar a explicar por que os homens são cerca de 50% mais propensos a beber excessivamente do que as mulheres.

O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, e publicado na revista Clinical Psychological Science, da Associação Americana de Psicologia.

Os pesquisadores selecionaram aleatoriamente 720 bebedores sociais saudáveis, de ambos os sexos, com idades entre 21 e 28 anos, que foram separados em grupos convidados para sentar e beber numa mesa.

Uma parte recebeu bebida alcoólica (vodca com suco de cranberry), enquanto outra, uma bebida não alcoólica ou uma bebida sem álcool descrita como alcoólica. Todos receberam partes iguais enquanto interagiam livremente uns com os outros.

Ao analisar os registros em vídeos, os pesquisadores conseguiram observar o quanto os sorrisos foram replicados pelos participantes de cada grupo. A tendência foi clara entre os que consumiram álcool, mas só nas mesas compostas unicamente por homens.

Para os pesquisadores, o contágio pelo sorriso pode funcionar, para os homens, como um reforço positivo para beber, algo que talvez seja importante para estabelecer a dependência.

Leia Mais

Magnata britânico oferece férias ilimitadas aos funcionários

Empregados do grupo Virgin nos EUA e Reino Unido vão poder tirar dias, semanas ou até meses de férias sem pedir aos chefes

Publicado por BBC Brasil [via Terra]

 Richard Branson, dono do grupo Virgin, conglomerado com mais de 400 empresas. Foto: AP
Richard Branson, dono do grupo Virgin, conglomerado com mais de 400 empresas.
Foto: AP

Imagine trabalhar em um lugar onde é possível tirar férias ou dias de folga quando bem entender. Um magnata britânico decidiu conceder o privilégio aos funcionários. Eles vão poder tirar dias, semanas ou até meses para descansar sem pedir autorização dos chefes.

A iniciativa partiu do bilionário inglês Richard Branson, dono do grupo Virgin, conglomerado com mais de 400 empresas.

Em seu blog pessoal, ele anunciou a mudança e acrescentou que seus 170 funcionários nos Estados Unidos e no Reino Unido poderiam “tirar folga quando quiserem por quantos dias preferirem”.

Branson acrescentou ainda que o funcionário não vai precisar pedir a autorização dos chefes, nem mesmo dizer quando planeja retornar ao trabalho.

No entanto, o multimilionário pediu “bom senso” dos empregados.

“Cabe ao funcionário decidir se e quando precisa tirar algumas horas, um dia, uma semana ou um mês de férias, com a condição de que o faça quando estiver 100% certo de que ele/ela e a sua equipe têm todos os projetos em dia e que a ausência não vai provocar quaisquer danos à empresa”, disse Branson no blog.

Inspiração
A inspiração do magnata para tomar tal atitude foi sua filha, que leu algo sobre uma ação parecida na Netflix, uma empresa que oferece serviço de TV por internet.

A nova medida foi implementada para funcionários nos Estados Unidos e no Reino Unido “onde as políticas de férias podem ser consideradas bastante severas”.

Se der certo, Branson promete levá-la para outras filiais do grupo Virgin.

“Nós deveríamos nos concentrar no resultado do trabalho das pessoas, não em quantas horas ou dias ela trabalhou. Assim como nós não temos uma política de trabalho ‘das 9h às 17h’, nós não precisamos de uma política de férias”, escreveu Branson em seu blog.

O grupo Virgin emprega mais de 50 mil pessoas no mundo inteiro e opera em mais de 50 países. Richard Branson criou a empresa em 1970 como uma gravadora.

Desde então, a companhia evoluiu para um conglomerado que opera em diversas áreas de consumo, como aviação, música e telecomunicações.

Leia Mais

EUA lançam primeiro ataque aéreo contra EI em Bagdá

size_590_bagda-ataque-eua

publicado na EXAME.com

Os Estados Unidos realizaram seu primeiro ataque aéreo contra o Estado Islâmico (EI) na região de Bagdá, informou nesta segunda-feira o Comando Central (Centcom) americano.

Na primeira operação contra combatentes jihadistas nos arredores da capital iraquiana, aviões americanos atacaram posições a sudoeste de Bagdá, enquanto outras aeronaves bombardearam as montanhas de Sinjar, a oeste de Mossul, no norte do Iraque, revelou o Centcom.

As posições a sudoeste de Bagdá eram utilizadas por combatentes do Estado Islâmico para “disparar contra soldados iraquianos”.

No ataque às montanhas de Sinjar, a aviação americana destruiu veículos utilizados pelo EI.

Desde o dia 8 de agosto, as forças americanas já realizaram 162 incursões aéreas contra os jihadistas do EI, que proclamou um califado envolvendo uma ampla região entre o Iraque e a Síria, defendido por mais de 31 mil combatentes.

Até o momento, as operações aéreas americanas contra os jihadistas se limitaram ao território iraquiano.

O presidente Barack Obama anunciou na quarta-feira passada uma nova estratégia para conter e destruir as forças do EI, que inclui a possibilidade de ataques aéreos na Síria, mas exclui qualquer possibilidade de cooperação com o regime em Damasco.

Leia Mais