EUA lançam primeiro ataque aéreo contra EI em Bagdá

size_590_bagda-ataque-eua

publicado na EXAME.com

Os Estados Unidos realizaram seu primeiro ataque aéreo contra o Estado Islâmico (EI) na região de Bagdá, informou nesta segunda-feira o Comando Central (Centcom) americano.

Na primeira operação contra combatentes jihadistas nos arredores da capital iraquiana, aviões americanos atacaram posições a sudoeste de Bagdá, enquanto outras aeronaves bombardearam as montanhas de Sinjar, a oeste de Mossul, no norte do Iraque, revelou o Centcom.

As posições a sudoeste de Bagdá eram utilizadas por combatentes do Estado Islâmico para “disparar contra soldados iraquianos”.

No ataque às montanhas de Sinjar, a aviação americana destruiu veículos utilizados pelo EI.

Desde o dia 8 de agosto, as forças americanas já realizaram 162 incursões aéreas contra os jihadistas do EI, que proclamou um califado envolvendo uma ampla região entre o Iraque e a Síria, defendido por mais de 31 mil combatentes.

Até o momento, as operações aéreas americanas contra os jihadistas se limitaram ao território iraquiano.

O presidente Barack Obama anunciou na quarta-feira passada uma nova estratégia para conter e destruir as forças do EI, que inclui a possibilidade de ataques aéreos na Síria, mas exclui qualquer possibilidade de cooperação com o regime em Damasco.

Leia Mais

Campanha instala letreiro com frase ‘Deus ama os gays’ nos Estados Unidos

gay-church

 

Publicado em O Globo

O primeiro letreiro com a frase “God loves gays” (“Deus ama os gays”), fruto de uma ação viabilizada por meio da internet, foi instalado em Topeka, capital do estado americano de Kansas. A cidade foi escolhida por abrigar a sede da igreja Westboro Baptist Church, conhecida por pregar uma ideologia extrema contra o público LGBT.

A campanha é de autoria da página de humor no Facebook “God”, com quase dois milhões de seguidores. O letreiro foi feito com ajuda de internautas, que contribuíram financeiramente pela plataforma de crouwdfunding Indiegogo. A campanha também tem um site próprio.

“Este grupo protesta em funerais de soldados, crianças assassinadas, e muito mais”, escreveram os responsáveis no site da campanha, referindo-se a ações dos membros da igreja que elegem locais onde possam atrair atenção da mídia. “Eles carregam consigo uma mensagem marcada pelo ódio de que Deus odeia os gays”.

“Esta mentira do mal vem sendo disseminada pelo mundo por fanáticos como eles há milhares de anos. Chegou a hora de mostrarmos que isso está errado. Deus ama gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros!”

Ao todo, o projeto conseguiu reunir mais de US$ 80 mil, excedendo a meta inicial de captar U$ 50 mil. A ideia é espalhar mais letreiros como este por vários pontos dos Estados Unidos.

Leia Mais

Mulheres se casam após 70 anos de namoro nos Estados Unidos

newlyweds-in-their-90_fran_1

publicado no G1

Mais de sete décadas depois de começarem a namorar, Vivian Boyack e Alice “Nonie” Dubes se casaram. Boyack, de 91 anos, e Dubes, de 90 anos, se uniram em uma cerimônia no sábado (6), em Davenport, no estado de Iowa, nos Estados Unidos. Ambas assistiram à celebração em cadeiras de rodas.

“Esta é a celebração de algo que deveria ter acontecido há muito tempo”, disse a reverenda Linda Sunsaker ao pequeno grupo de amigos e familiares que presenciaram a cerimônia.

As mulheres se conheceram quando ainda eram adolescentes em Yale, Iowa, e se mudaram juntas para Davenport em 1947, onde Boyack trabalhou como professora e Dubes se tornou bancária.

Dubes disse que as duas aproveitaram bastante a vida juntas, e ao longo dos anos viajaram por todos os 50 estados do país e todas as províncias do Canadá, além de visitarem a Inglaterra duas vezes. “Nós nos divertimos”, afirmou.

Já Boyack comentou que é preciso muito amor e esforço para manter um relacionamento durante 72 anos.

Um dos convidados da cerimônia, Jerry Yeast é amigo do casal desde que era um adolescente e trabalhou como jardineiro na casa delas. “Conheci essas duas mulheres minha vida toda, e posso lhe garantir, elas são especiais”, disse.

O estado de Iowa passou a permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2009. Sobre a decisão de finalmente se unirem legalmente, as duas mulheres disseram que nunca é tarde demais para um novo capítulo na vida.

Leia Mais

Cidade da Califórnia aprova lei que garante maconha medicinal gratuita à população de baixa renda

Los Angeles City Council Votes To Ban Medical Marijuana Dispensaries

Publicado no Brasil Post

Uma cidade da Califórnia está oferecendo um benefício ímpar para os moradores de baixa renda: maconha gratuita.

A partir de agosto de 2015, os moradores de Berkeley que ganham menos de US$ 32 mil por ano (ou US$ 46 mil por família) e possuem uma prescrição para maconha medicinal, poderão obter a erva gratuitamente em uma das farmácias da cidade.

De acordo com a lei aprovada por unanimidade pelo conselho da cidade, os estabelecimentos terão que reservar 2% do estoque de maconha para ser distribuído para os pobres.

Todavia, nem todos estão de acordo com a medida.

“É ridículo, uma absoluta loucura”, disse o bispo Ron Allen, chefe da Coalizão Internacional da Fé, à Fox News. “Por que a Câmara Municipal de Berkeley quer manter seus indigentes chapados, na pobreza e letárgicos?”.

Os defensores da lei dizem que a maconha é reconhecida como um medicamento legal no estado da Califórnia. Portanto, os cidadãos não poderiam ser privados do benefício por falta de dinheiro.

“Basicamente, a prefeitura quer ter certeza que as pessoas de baixa renda, sem teto e indigentes tenham acesso à maconha medicinal, ao seu remédio”, disse Darryl Moore, membro da Câmara Municipal à CBS.

Apesar da controvérsia, muitas farmácias disseram que a medida não afeta muito a prática, uma vez que os estabelecimentos já reservam uma certa quantidade da erva para a distribuição gratuita.

“Fazemos isso por conta própria, mas a obrigatoriedade é bem vinda, pois obriga todos a criarem esses tipos de programas”, disse Sean Luse, diretor de operações do Berkeley Patients Group.

No entanto, ele afirma achar que destinar 1% dos estoques à distribuição gratuita seria mais adequado.

“Eu creio que poderia haver problemas se nós entregarmos mais maconha do que é legitimamente necessário, suprindo em excesso a demanda”, disse. “Vamos ver como isso se desenrola”.

Leia Mais

Juiz legaliza parcialmente a poligamia em estado americano

Juiz legaliza parcialmente a poligamia em estado americano
Kody Brown pode viver legalmente com suas quatro esposas – Reprodução

Mórmons fundamentalistas de Utah podem ter quantas esposas quiserem, desde que não casem formalmente

Publicado em O Globo

UTAH – Os mórmons fundamentalistas que praticam a poligamia em Utah conseguiram uma vitória legal na última quarta-feira, quando um juiz federal deu razão a uma conhecida família em seu litígio contra o Estado. As leis estaduais proíbem o matrimônio múltiplo e a coabitação, mas o juiz Clark Waddoups decidiu que poligamia é legal, desde que não exista o casamento formal, informa o “El País”.

A decisão encerra uma batalha legal de três anos entre o estado de Utah e Kody Brown, conhecido por protagonizar o programa de TV “Sister Wives”, que mostra como Brown vive com suas quatro esposas e 16 filhos. Quando o programa começou, em 2010, a família vivia na cidade de Lehi, em Utah, e o estado iniciou uma investigação contra Brown. Apesar de nunca ter sido denunciado, o mórmon fundamentalista processou o estado por impedir a prática de sua religião.

Em sua decisão, Waddoups determina que a proibição da coabitação vai contra a proteção das liberdades individuais, presente na Constituição americana. Com isso, Brown pode continuar vivendo com suas quatro mulheres, desde que não casem formalmente.

Em dezembro do ano passado, Brown já havia conseguido sentença favorável, mas ela estava suspensa até a decisão do valor a ser pago pelo estado pelos danos causados. Entretanto, a família renunciou ao direito de ser ressarcido, cobrando apenas os custos processuais.

A promotoria do estado de Utah informou que irá recorrer à Corte de Apelações, mas até o momento nada foi feito. Em comunicado, a família Brown agradeceu o trabalho dos advogados e pediu respeito à prática religiosa.

Os casamentos múltiplos são ilegais nos EUA desde o século XIX. Os próprios mórmons condenam a prática há mais de um século, mas alguns membros da comunidade mórmon fundamentalista em Utah continuam com a prática. As estimativas apontam que 38 mil mórmons pratiquem a poligamia no estado.

– Agora não somos criminosos. É um grande alívio. Não precisamos temer que alguém bata na porta e leve os seus filhos. Espero que esta decisão elimine o estigma de viver sobre um princípio que é uma forte crença religiosa – disse Anne Wilde, cofundadora do grupo Principle Voices, que defende a poligamia, à agência AP.

Leia Mais