Pai de santo é morto em suposto crime de intolerância religiosa, na Zona Norte de Manaus

Rafael da Silva Medeiros, 28, morreu depois de ser esfaqueado durante uma briga entre vizinhos no bairro Cidade Nova. Moradores de religiões diferentes mantinham desentendimento há anos

O homicídio aconteceu na noite de sábado (3), na rua 93, núcleo 11, bairro Cidade Nova, Zona Norte da capital (foto: Antônio Lima)
O homicídio aconteceu na noite de sábado (3), na rua 93, núcleo 11, bairro Cidade Nova, Zona Norte da capital (foto: Antônio Lima)

Vinicius Leal, no A Crítica

Os motivos para um homicídio ocorrido neste fim de semana em Manaus serão questionados na manhã desta segunda-feira (5), às 8h, na sede do Governo do Amazonas por representantes de entidade que defende os direitos dos povos tradicionais de matriz africana. Rafael da Silva Medeiros, 28, que era pai de santo, foi morto a facadas em crime com supostas motivações de intolerância religiosa.

Na rua 93, núcleo 11, bairro Cidade Nova, Zona Norte, na noite de sábado (3), Rafael tentou apartar uma briga entre duas vizinhas que mantinham um desentendimento por conta da escolha religiosa de cada uma. Ele acabou atingido com dois golpes de faca no pescoço e nas costas deferidos por um homem identificado como “Raizinho”, que seria filho de uma das vizinhas.

“Há mais de duas semanas essa situação estava bastante tensa. A mãe do assassino fez muitas confusões com a vizinhança. Ela é evangélica e a dona da casa onde aconteceu o assassinato é do candomblé. Ele (‘Raizinho’) estava alcoolizado e drogado, e se meteu na discussão da mãe com a vizinha. E deu nisso”, relatou Alberto Jorge, da Articulação Amazônica dos Povos Tradicionais de Matriz Africana (Aratrama).

A vítima era carioca e, como de costume, segundo a polícia, estava em Manaus de férias na casa de amigos. Durante a briga, “Raizinho” estava armado e teria empurrado a vizinha do candomblé, que carregava uma criança no colo. Rafael foi acudi-la e acabou esfaqueado. “Há gravações no Whatsapp dele pedindo socorro. Esse é sim mais um caso de intolerância religiosa”, disse Alberto Jorge.

Rafael chegou a ser levado ao Hospital e Pronto Socorro Platão Araújo, na Zona Leste, mas não resistiu aos ferimentos. O caso já está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Sequestros (DEHS), que ainda não localizou e nem tem o nome completo de “Raizinho”. Familiares de Rafael estão vindo do Rio de Janeiro para autorizarem a liberação do corpo no Instituto Médico Legal (IML).

Sede do Governo

Conforme o representante da Aratrama, os membros da entidade se reuniram no domingo (4) e decidiram cobrar uma atitude do poder público sobre o assassinato de Rafael. “Entramos em contato com o Evandro Melo (secretário de Governo do Amazonas) e denunciamos essa situação de inoperância do Estado, de total falta de interesse e falta de resposta. É uma situação de guerra religiosa, reflexo do que acontece em todo o Brasil”, disse.

“Esse seria apenas um caso se não fosse somado aos três outros incidentes de 2012 e aos dois assassinatos de 2013. Isso foi só o grosso que pegamos”, disse Alberto. Segundo ele, ainda houve um caso de ameaça de morte por intolerância religiosa em 2011, outro de ameaça e um de agressão física em 2013 e um caso de ameaça já em 2014.

Conforme Alberto Jorge, todos os crimes são estudados e as denúncias de intolerância religiosa são enviadas à Secretaria de Segurança Pública do Amazonas e para duas secretarias da Presidência da República: a de Direitos Humanos (SDH) e a de Promoção de Política de Igualdade Racial (Seppir).

Omissão

O representante da Aratrama denuncia, ainda, a omissão do Estado brasileiro sobre crimes de intolerância religiosa. “Ele (Rafael) pediu socorro da polícia e esse socorro não chegou. É omissão do aparelho policial. O Estado tem se feito de inocente. A gente pede ajuda e não tem resposta”, disse. “O povo de matriz africana vem sofrendo e não tomam providências por conveniências políticas. Quem hoje é curral eleitoral? Os evangélicos. O Estado se diz laico, mas no fundo é teocrático”.

Leia Mais

Bruno Fernandes recebe visita do goleiro Fábio, do Cruzeiro

 

20140422233851304164e

Publicado em O Estado de Minas

“Uma visita apenas para falar de Deus”. Assim justificou o goleiro Fábio, do Cruzeiro, ao revelar que foi até a Penitenciária Nelson Hungria, na Grande BH, para visitar o ex-goleiro Bruno Fernandes, condenado a 22 anos e três meses de prisão pela morte da ex-amante Eliza Samudio. O encontro aconteceu no último dia 14 e foi revelado pelo atleta celeste nesta terça-feira, em entrevista à rádio Itatiaia.

Membro da Igreja Batista Getsêmani, Fábio foi à penitenciária acompanhado do Pastor Jorge Linhares. Sobre o encontro com o antigo rival dos gramados, o arqueiro celeste disse que eles não falaram sobre esporte. “Fizemos orações e não falamos sobre futebol”. Ainda segundo Fábio, há muito tempo ele queria ter feito esta visita. Participou ainda do encontro uma mulher que trabalha na Nelson Hungria e que frequenta a mesma igreja do camisa 1 celeste.

Fábio também comentou sobre a expectativa do ex-goleiro sobre a decisão judicial que pode permitir a transferência dele para Montes Claros, no Norte de Minas, e o possível retorno aos gramados, já que Bruno assinou contrato de cinco anos com uma equipe do município. “Ele está tranquilo. Está bem e, principalmente, buscando a Deus”, revelou o goleiro do Cruzeiro.

Para o advogado do ex-atleta, Tiago Lemoir, a visitia de Fábio a Bruno foi um “encontro espiritual”. “Foi um momento de muita emoção, de fé, em que Fábio chegou a pedir perdão pelas vezes que julgou Bruno. Deus, a família e o trabalho são os três pilares que contribuem de forma fundamental na ressocialização do preso”, afirmou o advogado.

dica do Thiago Morais

 

Leia Mais

Polícia apreende adolescente acusado de matar homossexuais no interior de SP

O rapaz, de 17 anos, disse ter ‘ódio de homossexuais’, mas mantinha relacionamento amoroso com as vítimas; crimes aconteceram em Agudos

Chico Siqueira, no Estadão

O adolescente N. A. R., de 17 anos, acusado de matar dois homossexuais e de preparar a morte de um terceiro, em Agudos, interior de São Paulo, disse que matou suas vítimas porque “tem ódio de gays”. Ele estava foragido desde 2 de abril, quando a polícia encontrou o corpo de Igor Alves, de 15 anos, uma de suas vítimas, numa floresta de pinus, na zona rural de Agudos.

O menor foi apreendido em Bauru, cidade para onde fugiu após o crime, em 29 de março. O adolescente tinha acabado de cumprir medida socioeducativa de internação na Fundação Casa pelo assassinato do empresário Waldiney Rocha, de 56 anos, em março de 2013. Em 27 de março de 2014, foi colocado em liberdade pelo Juizado de Menores de Marília (SP), e dois dias depois, matou Igor Alves.

Segundo o delegado Jader Biazon, de Agudos, Igor morreu porque estava apaixonado pelo adolescente. “Os dois mantinham um relacionamento amoroso, iniciado quando o adolescente, que cumpria pena de semiliberdade na Fundação Casa de Iaras (SP), vinha a Agudos nos fins de semana para visitar familiares”, explicou.

“Ao ser apreendido na segunda-feira, 6, ele disse, em vários momentos, que matou suas vítimas porque tem ódio de homossexuais e que pretendia matar outros gays”, contou Biazon. “Ele esfaqueou Igor diversas vezes na região do pescoço e nos contou, com frieza, que cravou a faca e pisoteou a cabeça da vítima”, disse. “E nos contou que no momento em que executava o crime, ficava com mais vontade de matar. Para mim, esse garoto sofre de algum transtorno mental”, comentou o delegado.

De acordo com o Biazon, N. confessou que pretendia continuar matando suas vítimas e que o próximo a morrer seria um adolescente de 15 anos, assediado por ele pela internet. “O plano não deu certo porque esclarecemos a morte de Igor”, contou o delegado.

Nos dois crimes que cometeu, o adolescente contou com ajuda de comparsas e usou facas para matar as suas vítimas. Na morte do empresário Waldiney Rocha, que na época namorava o menor, um rapaz de 18 anos foi preso por participar do crime. O empresário morreu com 16 facadas. Na morte de Igor, um outro adolescente, de 15 anos, confessou a participação e mostrou à polícia onde estava o corpo da vítima.

dica do Sergio Luiz SantAnna

Leia Mais

Veja lista de evangélicos e católicos vítimas da ditadura militar no Brasil

nuncamaisMagali do Nascimento Cunha, no Mídia, Religião e Política

Esta lista é resultado de colaboração do coordenador do Grupo de Trabalho “As igrejas e a ditadura militar” da Comissão Nacional da Verdade Anivaldo Padilha com a Rede Ecumênica de Juventude (REJU) e foi editada por Magali do Nascimento Cunha. A REJU realiza entre os dias 31/03 e 04/04, período em que se completam 50 anos do Golpe Militar e o início dos anos de ditadura no Brasil, uma mobilização por Memória, Verdade e Justiça. As intervenções acontecem com a participação da REJU em atividades e atos orientados por esta temática; e com a mobilização nas redes sociais com a marca #DitaduraNuncaMais, visibilizando os nomes e trajetórias de militantes do movimento ecumênico que resistiram e foram vítimas do Regime Militar. Segundo a divulgação da REJU,

Ao contar as histórias de lutadoras e lutadores – que impulsionadas(os) por um radical amor à vida, às liberdades e aos sonhos de justiça e paz, colocaram-se na linha de frente contra a ditadura – reafirmamos a necessidade de uma real justiça de transição em nosso país, com a revisão da lei de anistia e a punição dos torturadores e culpados pelas profundas violações de direitos neste período histórico. Além disto, ao buscarmos uma efetiva justiça de transição, relembramos as juventudes que ainda hoje sofrem reflexos deste passado, com torturas e extermínios nas periferias; jovens negros, pobres, que trazem em seus passos e corpos as violências da polícia e do estado.

Apresentamos aqui a lista que não é definitiva porque as pesquisas da Comissão Nacional da Verdade, certamente e lamentavelmente, a atualizarão com outros nomes.

Assassinadas/os e desaparecidas/os

Alexandre Vanucchi

alexandre vanucchiCatólico, estudante da USP. Assassinado pelas forças da repressão em 17/03/1973, aos 22 anos. Enquanto o governo afirmava publicamente que ele teria sido vítima de atropelamento, testemunhas declararam que a morte ocorrera por tortura em interrogatórios praticada por dois dias no DOI-CODI, o que foi reconhecido finalmente em 2014, com novo atestado de óbito emitido pela justiça.

 

 

Antônio Henrique Pereira da Silva Neto

Auxiliar direto de Dom Hélder Câmara “que, à época os militares rotulavam de arcebispo vermelho”, o padre Antônio Henrique Pereira da Silva Neto foi sequestrado e torturado até a morte, no Recife, entre a noite e a madrugada de 26 e 27 de maio de 1969. O crime, nunca esclarecido até a prescrição do processo aberto para apurar os fatos, teve o objetivo político de tentar barrar, através da violência física, o arcebispo nas suas ações e pregações em defesa da liberdade.

Heleny Guariba

heleny_guaribaLeiga da Igreja Metodista Central. Presa em 1970 e novamente em 1971 e desaparecida. Assassinada pela ditadura, possivelmente na “Casa da Morte” de Petrópolis, centro clandestino de torturas. Seu corpo nunca foi devolvido à sua família.

 

 

Ivan Motta Dias

ivanLíder estudantil presbiteriano. Foi preso em 1971, aos 28 anos, e está desaparecido. Foi preso por ter participado do XXX Congresso da UNE em Ibiúna, SP, e depois foi acusado de ligação com organizações subversivas. Há indícios de que tenha sido assassinado na “Casa da Morte”, em Petrópolis (RJ).

 

 

João Bosco Burnier

joão boscoPadre católico, assassinado em 12/10/1976 pelas forças da repressão em Conceição do Araguaia, quando junto ao bispo D. Pedro Casaldaliga, defendia mulheres que estavam sendo torturadas.

 

 

 

 

Juarez Guimarães de Brito

Juarez Guimaraes De BritoLeigo presbiteriano. Líder estudantil, preso aos 32 anos no DOPS de Porto Alegre em 1970, desde então está desaparecido.

 

 

 

 

Paulo Stuart Wright

paulo erightLíder da juventude presbiteriana, foi eleito deputado Estadual em Santa Catarina, defensor das cooperativas de pescadores. Foi um dos fundadores da Ação Popular. Teve seu mandato cassado em 1964, exilou-se no México mas regressou clandestinamente ao Brasil. Foi preso aos 40 nos em 1973 e está desaparecido desde então. É possível que tenha sido assassinado na “Casa da Morte”, em Petrópolis.

 

 

Santo Dias da Silva

Santo Dias da SilvaLiderança da Pastoral Operária da Igreja Católica e representante dos leigos na CNBB. Numa das movimentações em torno da paralisação por campanha salarial em outubro de 1970, em São Paulo, em ação da polícia, o PM Herculano Leonel Morto atirou nas costas de Santo Dias e o matou, em 30 de outubro de 1970, no momento em que ele tentava dialogar com os policiais para libertar companheiros presos.

 

 

 

Tito de Alencar

titoFrei dominicano, preso em 1970, aos 24 anos, torturado nas dependências do DOI-CODI. Foi deportado para o Chile e depois fugiu para a Itália. Traumatizado pela tortura foi levado ao suicídio em 10/08/1974.

Presas/os, torturadas/os e exiladas/os

Ana Maria Ramos Estevão

ana mariaLeiga da Igreja Metodista Vila Nova Cachoeirinha. Presa e torturada em 1970 pelo DOI/CODI. Foi exilada na França. Retornou ao Brasil.

 

 

 

Anivaldo Padilha 

anivaldoLeigo da Igreja Metodista da Luz. Era líder de juventude na Igreja Metodista e no movimento ecumênico. Militante da Ação Popular. Preso em 28/02/1970 pelo DOI/CODI, onde foi barbaramente torturado por 20 dias. Foi denunciado pelo pastor José Sucasas Jr. e pelo bispo Isaías Fernandes Sucasas, ambos metodistas e já falecidos. Teve que se exilar no Chile, nos EUA e na Suíça por 13 anos. Passou a atuar no movimento ecumênico internacional. Voltou ao Brasil com a anistia em 1979.

Aristides Camiou e François Gouriou

aristides fançpoisPadres franceses da Igreja Católica. Lideres da Comissão Pastoral da Terra. Presos e torturados em agosto de 1981 na sede do GEAT (Grupo Executivo de Terras Araguaia/Tocantins) junto com outros 13 lavradores. Libertados em 1983. Deixaram o Brasil em 1991.

 

Carlos Alberto Libâneo de Christo (Frei Beto)

bettoFrei dominicano, preso pelas forças da repressão em 1964 e entre os anos de 1969-1973, quando foi torturado nas dependências do DOI-CODI. Colaborou com o Projeto Brasil: Nunca Mais, financiado pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Conta sua história e a dos dominicanos no livro “Batismo de Sangue” transformado em filme.

 

 

Celso Cardoso da Silva e Fernando Cardoso da Silva. Irmãos, eram membros da Igreja Metodista Central em São Paulo, presos por conta da denúncia dos irmãos Sucassas da Igreja Metodista, em 28/02/1970 pelo DOI/CODI onde sofreram tortura. Falecidos.

Claudius Ceccon

Claudius-278x278Arquiteto e cartunista que participava do CEI, foi preso em novembro de 1970 juntamente com toda a equipe de redação do jornal alternativo Pasquim, onde trabalhava como cartunista. O grupo ficou preso até fevereiro de 1971, momento em que Claudius Ceccon foi para o exílio em Genebra, passando a atuar no Conselho Mundial de Igrejas na área de educação popular junto com Paulo Freire.

 

Dorival Beulke

bulkePastor metodista preso em 1964 e 1965. Atuou em Recife, missionário na frente missionária metodista do Nordeste. Ficou preso por vários meses.

 

 

 

Eliana Bellini Rolemberg

elianarolemberg2Leiga luterana, militante da Ação Popular, presa em 28/02/1970 pelo DOI/CODI, em São Paulo, juntamente com Anivaldo Padilha, denunciada por membro da Igreja Metodista. Torturada por 20 dias, sendo transferida para o DEOPS, foi liberada no final de 1971. Teve que se exilar na França, onde foi em busca de sua filha e marido. Voltou ao Brasil com a anistia em 1979.

 

 

Françoies Jentel

jentelPadre católico, preso em 1972 por liderar uma revolta contra a invasão de terras por uma empresa que havia comprado parte do vilarejo que ficava no antigo Mato Grosso. Ficou preso por cerca de um ano até ser libertado, expulso do país de volta à França.

 

Fred Morris

Fred5Missionário da Igreja Metodista Unida dos EUA. Trabalhava no campo missionário em Recife. Foi preso pelo Exército em 1974, em Recife, e barbaramente torturado. Foi acusado de ligações com organizações clandestinas e expulso do Brasil.

 

 

Idinaura Tucunduva. Leiga da Igreja metodista da Lapa. Presa e torturada pelo DOI/CODI em 1970. Esteve exilada na França. Retornou ao Brasil.

Ives Lesbaupin

ivoFrei dominicano, preso aos 23 anos em 1969, quando foi torturado nas dependências do DOI-CODI, em São Paulo. Foi mantido em cárcere até 1973. Colaborou com a ALN (Ação Libertadora Nacional).

 

 

João Valença

Frei dominicano, preso em 1969 e torturado nas dependências do DOI-CODI em São Paulo. Colaborou com a ALN (Ação Libertadora Nacional).

Leonildo Silveira Campos

Leonildo SilveiraPastor da Igreja Presbiteriana Independente, foi preso nas dependências da Operação Bandeirante (OBAN), em São Paulo, em 1969.

 

 

 

 

Maurina Borges da Silveira

madremaurina1Madre católica, foi levada do Lar Santana, em Ribeirão Preto – orfanato no qual atuava como madre superiora – para o DOPS, na capital paulista em 1969. Foi torturada e estuprada acusada de subversão por envolvimento com a Força Armada de Libertação Nacional (FALN).

 

 

 

Renato Godinho Navarro. Leigo da Igreja Metodista Central de Belo Horizonte. Preso duas vezes. Uma em 1970 em MG e outra em 1971 em Salvador (BA).

Waldo César

wladoLeigo presbiteriano, sociólogo, secretário-executivo do Setor de Responsabilidade Social da Confederação Evangélica do Brasil. Foi um dos inspiradores do grupo ecumênico de resistência durante a ditadura – o Centro Ecumênico de Informação (CEI), 1965. Foi preso no final de fevereiro de 1967, quando sua casa foi invadida pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) e ele foi levado preso acusado de estar dirigindo um protesto da Associação de Estudantes Secundaristas. Waldo César esteve incomunicável por uma semana. Sofreu tortura psicológica. Seus livros e documentos foram apreendidos. Falecido.

Zwinglio Mota Dias

zwinglioPastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil. Irmão de Ivan Motta Dias. Um dos integrantes do Centro Ecumênico de Informação (CEI), resistência do movimento ecumênico, em especial de lideranças relacionadas à Confederação Evangélica do Brasil, que promovia reuniões para, entre outras ações, trocar informações sobre os companheiros que estavam sendo perseguidos. Foi preso no DOI-CODI do Rio de Janeiro em 1971.

 

Perseguidas/os

Antonio Ramozzi. Leigo da Igreja Metodista Central. Foi detido no dia 1 de março de 1971 ao sair do culto matutino da igreja denunciado pelo pastor metodista José Sucasas Jr como “amigo do Anivaldo”. Ficou detido por poucas horas.

Clara Amélia Evangelista e Domingos Alves de Lima. Membros da Igreja Metodista do Jabaquara e da Igreja do Ipiranga. Ambos conseguiram fugir quando o DOI/CODI invadiu a Igreja Central de São Paulo no dia 28/02/1970. Exilaram-se no Chile, e após o golpe contra Salvador Allende, exilaram-se no Panamá e posteriormente no Canadá. Retornaram ao Brasil com a anistia.

João Parahyba da Silva. Pastor metodista, Secretário Geral de Ação Social. Intimado a prestar depoimento no DOPS em função de denúncias feitas pelo pastor José Sucasas Jr. e pelo bispo Isaias Sucasas (Igreja Metodista). Falecido.

Lysâneas Maciel

lysaneasAdvogado, jornalista e político presbiteriano. Em abril de 1976 teve seu mandato de deputado cassado por se posicionar contra a Ditadura. Viveu exilado entre 1976-1978. Retornou ao Brasil com a anistia e retomou atividades políticas. Falecido.

 

 

Vito Miracapilo

vitoPadre católico italiano, banido do Brasil em setembro 1980. O decreto foi revogado em 1993. Somente em 2012 seu visto de permanência foi devolvido.

Leia Mais