Deixa eu te falar uma coisa sobre os evangélicos…

Existem evangélicos que aceitam o casamento gay, evolução das espécies, vida extraterrestre, aborto, uso de drogas? Leia este texto e você vai se surpreender

fsm

Publicado por Marco Gomes

Eu sou evangélico desde os 8 anos de idade, me converti antes dos meus pais. Meus avós são evangélicos desde que nasci, mas houve um gap de gerações e meus pais não tinham religião até eu fazer 12 anos de idade. Se você quiser saber por que me converti, a história pode ser lida aqui.

Sendo orgulhosamente evangélico por escolha e iniciativa próprias há 20 anos, já sofri muitos preconceitos, quero tentar esclarecer aos não evangélicos alguns conceitos sobre os praticantes desta religião que é amplamente exposta na mídia mas, paradoxalmente, é desconhecida da maior parte dos brasileiros.

Não tratem com desprezo as escrituras, mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom. (Tessalonicenses 5:20-21)

Muitos evangélicos acreditam que a Terra foi criada há 6.500 anos, que Deus fez Adão usando barro e que Eva foi criada a partir de sua costela. Mas nem todos. Há evangélicos que lêem as escrituras como um registro (inspirado por Deus) do conhecimento e cultura de uma época, e neste caso específico da criação, como a síntese histórica de uma cultura oral criada antes mesmo da invenção da escrita. Para muitos evangélicos, os capítulos iniciais do Gênesis são uma explicação, para o homem de 4 mil anos atrás, de algo que ele não entenderia se exposto como entendemos hoje.

Os fatos da evolução das espécies existem, as múltiplas galáxias existem, os diferentes sóis e planetas existem, e muitos evangélicos aceitam isso perfeitamente bem. A criação e evolução da ciência nos últimos 500 anos não questionam a fé destes crentes, pelo contrário, reforçam sua crença em um Deus incrível e perfeito que gerou um ser humano com capacidade de entender o universo à sua volta.

Muitos evangélicos querem cuidar das genitálias dos gays, e querem que a “família” seja definida por 1 homem, 1 mulher e seus filhos. Mas nem todos. Há evangélicos que não querem se intrometer no uso que cada um faz de seu próprio corpo, e que se importam apenas em seguir as instruções que Jesus deixou de amar ao próximo independente de suas diferenças (ou precisamente por causa delas).

O interessante de ser um adolescente evangélico é que todos à sua volta querem cuidar de suas genitálias. Desde minha adolescência, muitas pessoas já propagavam o corretíssimo discurso de que os gays devem ter total controle sobre o próprio corpo, mas estas mesmas pessoas não deixam as genitálias dos evangélicos em paz. Acho curioso e patético ao mesmo tempo.

Muitos evangélicos querem introjetar seus dogmas e crenças na sociedade como um todo, tornando o Brasil “uma nação cujo Deus é o Senhor”, à revelia da preferência dos não-praticantes do cristianismo. Mas nem todos. Há evangélicos que defendem o estado laico, com separação total entre igreja e estado, e com liberdade de cultos e crenças independente de qual seja a sua escolha individual, dentro dos parâmetros democráticos de uma Constituição sólida e isenta.

Muitos evangélicos consideram qualquer outra manifestação cultural ou religiosa como algo demoníaco, em especial as religiões africanas, tão comuns no Brasil. Mas nem todos. Há evangélicos que valorizam e respeitam as culturas afro como uma preciosa e legítima manifestação cultural e importante componente da sociedade brasileira.

Muitos evangélicos crêem que a vida começa na fecundação, e que a vida do embrião é tão importante quanto da mãe que o carrega (ou mais importante). Mas nem todos. Há evangélicos que priorizam a vida e a vontade da mulher sobre o desenvolvimento do embrião, e que preferem preservar a liberdade da pessoa adulta de tomar decisões em relação ao seu corpo.

Há também os evangélicos que preferem não julgar religiosamente o gay, a mulher que abortou, o usuário de entorpecentes. Há os evangélicos que enxergam na história e nos ensinamentos de Jesus o caminho para aceitar e amar a pessoa independente do que ela fez ou faz.

Há evangélicos que não perdem tempo em discutir religiosamente a sexualidade, o aborto, as drogas; estes evangélicos estão mais preocupados em aceitar a pessoa com dúvidas sobre sua sexualidade, a mulher que abortou, o dependente de drogas.

Se vocês quiserem construir uma sociedade que apedreja pecadores, nós vamos nos apedrejar uns aos outros. O último apedreja a si mesmo e morre. Não se constrói uma sociedade que discute pecado e penaliza pecado. (Pr. Ed René Kivitz)

Nós evangélicos não somos um corpo homogêneo. Diferente da Igreja Católica, na religião evangélica não há um líder central nem uma carta unificada de regras e dogmas. O pastor fundamentalista não é a totalidade dos evangélicos. A celebridade polêmica da TV não é a totalidade dos evangélicos. O jogador de futebol que escolheu esperar não é a totalidade dos evangélicos. E a bancada evangélica no Congresso, meus amigos, graças a Deus, não é a totalidade dos evangélicos.

Leia Mais

Com Marina, intenções de voto no PSB sobem 300% entre jovens e pentecostais

marina9

Wellington Ramalhoso, na Folha de S.Paulo

A pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (18) mostra que a possibilidade de a ex-senadora Marina Silva encabeçar a chapa do PSB faz crescer as intenções de voto no partido e que o aumento é ainda mais expressivo entre os evangélicos pentecostais e os jovens. Nos dois segmentos, o salto é de 300%.

No total da amostra de 2.843 entrevistados, Marina aparece com 21% das intenções de voto, quase o triplo dos 8% que o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos tinha no levantamento anterior do instituto, divulgado em 17 de julho.

A presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, permaneceu na liderança com 36%. O senador Aécio Neves (MG), candidato a presidente pelo PSDB, se manteve com 20%.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, mas ela sobe nos estratos por causa do número menor de entrevistas feitas dentro de cada um deles.

Entre os evangélicos pentecostais, Campos estava com 6% em julho e Marina obtém agora 24%, o que a coloca em empate técnico com Dilma no primeiro lugar.

A petista tem 32% entre os pentecostais, mas o empate com Marina acontece porque a margem de erro no segmento é de quatro pontos para mais ou para menos.

Neste estrato religioso, Aécio aparece em terceiro lugar, com 15%, e a soma de indecisos e eleitores dispostos a votar em branco ou nulo despencou de 31% em julho para 17% em agosto.

Entre os eleitores de 16 a 24 anos, Campos possuía 7% no mês passado e Marina angaria o apoio de 28% em agosto. Neste segmento, a margem de erro é de cinco pontos. Dessa forma, a ex-senadora fica em empate técnico com Dilma, que soma 32%, mas também com Aécio, que tem 18%.

Com a hipótese de Marina ser candidata a presidente, a proporção de eleitores indecisos ou dispostos a votar em branco ou nulo caiu praticamente pela metade nesta faixa etária: de 29% para 15%.

Mesmo com a margem de erro mais elevada, o resultado indica o potencial de Marina nos dois segmentos. Candidata a vice, a ex-senadora deve ser elevada à condição de candidata a presidente depois da morte de Eduardo Campos em um acidente de avião na semana passada em Santos (SP).

Leia Mais

Jogadores católicos e evangélicos querem retirar mascote do Guarani – índio caboclo – do uniforme

guarani

Título Original: Pedido de elenco faz Guarani sacar índio caboclo de uniforme e vestiário

Publicado no Globo Esporte

Sobrou para o índio caboclo. Em má fase na Série C do Campeonato Brasileiro, já que não vence há quatro rodadas, o elenco do Guarani pediu à diretoria que retirasse a imagem dos uniformes e também do vestiário do Brinco de Ouro. O assunto foi conversado entre jogadores e comissão técnica, antes do treinamento desta quinta-feira de manhã, em Campinas.

O símbolo funciona como uma espécie de protetor do Guarani. Direta ou indiretamente, faz parte da rotina do clube desde a inauguração do Brinco de Ouro, no início dos anos 50, sob a administração do então presidente Jayme Silva. A imagem ficou mais concreta em 1977, quando o índio foi pintado na calçada do portão de entrada do estádio. Curiosamente, na temporada seguinte, o Bugre atingiu a maior glória de sua história: o título do Campeonato Brasileiro.

O tema já era motivo de discussão desde a colocação do símbolo nos uniformes, a pedido do presidente Álvaro Negrão, logo nas primeiras rodadas da Série C. Apesar de nunca admitirem oficialmente, alguns atletas se incomodaram com a importância dada à imagem em detrimento ao desempenho dos jogadores.
A questão também atinge o aspecto religioso: a figura do índio caboclo é ligada a crenças da umbanda e também ao espiritismo. Por essa razão, católicos e evangélicos enxergam a figura do índio caboclo de maneira diferente, o que provocou um “racha ideológico” no vestiário bugrino. Desde a primeira partida com o símbolo no peito (goleada por 5 a 1 para o Guaratinguetá, em Americana), o incômodo estava claro nas conversas entre integrantes do elenco e também da comissão.

O ápice foi nesta semana, quando o técnico Evaristo Piza levou um grupo de amigos pastores para conversar com o elenco, antes do treino desta quinta-feira de manhã. No bate-papo, surgiu o assunto do índio caboclo, que, a partir do jogo contra o Madureira, no sábado, não fará mais parte do uniforme. A diretoria acatou o pedido sem questionamentos.

– Para uns, incomoda. Para outros, não. O evangélico não acredita na imagem, é insignificante. O católico já acha que é um símbolo do candomblé. O que nos foi passado é que é um símbolo do Guarani. O pedido dos jogadores foi para tirar. Eles iam se sentir mais confortáveis para atuar. Isso foi atendido. Estamos fazendo de tudo para que os jogadores fiquem confortáveis – explicou o comandante, em apoio ao elenco.

Os números do índio caboclo em campo também não são favoráveis. Em seis jogos com o “talismã” no peito, o Bugre conquistou uma vitória, três empates e duas derrotas (sequência que mantém o clube entre os últimos colocados do Campeonato Brasileiro). Os jogadores têm a chance de provar que estão certos na próxima rodada, contra o Madureira, no Rio de Janeiro.

Leia Mais

Monte atrai evangélicos em busca de cura na região de Ribeirão Preto

O pastor João Paulo Pinheiro Filho, que frequenta o 'monte da cordinha' desde 94, na região de Ribeirão (foto: Silva Junior/Folhapress)
O pastor João Paulo Pinheiro Filho, que frequenta o ‘monte da cordinha’ desde 94, na região de Ribeirão (foto: Silva Junior/Folhapress)

Camila Turtelli, na Folha de S.Paulo

Bem longe da ostentação do Templo de Salomão –nova e luxuosa sede da Igreja Universal do Reino de Deus inaugurada em julho em São Paulo– o “monte da cordinha”, na região de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), atrai centenas de evangélicos diariamente que buscam “encontrar Deus” no local isolado.

O monte fica no quilômetro 324 da rodovia Candido Portinari e é visitado por religiosos, na maioria pentecostais, para orações, leituras e conversas sobre cristianismo.

Não há nenhum tipo de construção no local, apenas bancos de pedra, madeira e bambu na área que tem cerca de 12 clareiras espalhadas na mata e que são usadas como espaços para cultos.

O apelido dado ao local faz referência a uma corda amarrada em troncos de madeiras que forma um corrimão improvisado e ladeia o caminho que leva ao cume do monte.

A maioria dos fiéis se reúne no alto do monte durante a noite. Além da Bíblia, eles levam colchas e sacos de dormir para se sentarem na mata. Alguns chegam a passar várias noites e dias no local orando.

Eles vão em grupos de até cem pessoas, liderados por pastores, ou mesmo sozinhos.

Para chegar ao cume, é preciso subir com cuidado a trilha estreita e íngreme de cerca de 300 metros. É necessário também fôlego e preparo físico.

Apesar da dificuldade, doentes costumam subir em busca de cura espiritual.

“Quando fui, tinham medo que eu pudesse cair e despencar de lá, mas fui com um propósito e cheguei”, disse a enfermeira Francine de Arruda da Silva, 38.

Ela tinha 28 anos quando foi diagnosticada com síndrome do pânico e passou a tomar medicação controlada, que a deixava com tonturas.

“Não queria ficar viciada em remédio”, disse. “Então, resolvi ir ao monte pedir pela minha saúde e desci curada.”

Segundo Francine, ela deixou de tomar os remédios e suas crises cessaram.

Pastor em Jardinópolis, Givaldo Lima é um dos que costuma levar fiéis ao local. “É abençoado”, afirmou.

O professor de sociologia da teologia da PUC São Paulo Edin Sued Abu Manssur disse que a prática de buscar morros para rezar é comum entre os pentecostais e tem raízes bíblicas.

“Há vários locais desse tipo na região do ABC paulista, por exemplo.”

Apesar de receber uma grande quantidade de visitantes de forma livre, o “monte da cordinha” fica em uma área particular.

A Folha procurou o dono do local, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Leia Mais

Jean Wyllys cita ‘covil de ladrões’ para falar de novo templo da Igreja Universal

Reação de evangélicos leva deputado a ironizar erros de português dos internautas

jean_wyllysPublicado em O Dia

Após um comentário crítico sobre a inauguração do Templo de Salomão, a nova sede da Igreja Universal do Reino de Deus, em São Paulo, o deputado federal Jean Wyllys (Psol) travou uma verdadeira batalha religiosa com seus leitores nas redes sociais. O parlamentar, conhecido por legislar em favor de minorias, postou uma mensagem bíblica, em seu Facebook, afirmando que os líderes da igreja evangélica comandada pelo bispo Edir Macedo estão a transformando em um “covil de ladrões”.

“Lendo atentamente esta matéria, só me veio, à mente, as palavras (sic) de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus, que ouvi lá nos meus tempos de Pastoral da Juventude do meio popular: Está escrito: ‘A minha casa será chamada casa de oração'; mas vocês estão fazendo dela um ‘covil de ladrões'” (Mateus, 21, 13)”, escreveu ele na tarde de ontem, comentando uma reportagem que tratava da inauguração.

O Templo de Salomão, obra faraônica erguida no Brás, em São Paulo, foi inaugurado ontem em uma solenidade pomposa e repleta de autoridades, como a presidenta Dilma Rousseff e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O comentário provocou uma avalanche de respostas contrárias à manifestação do deputado. A assessoria do deputado se encarregou da tréplica, por vezes ríspida ou irônica . Um dos internautas chamou o deputado de “escroto ipocrita” e “acefalo dos inferno” (sic). Em resposta, a assessoria ironizou os erros de português: “a língua lhe manda lembranças. Está incomodado com as palavras de Jesus? Vai chamar Jesus de ‘acéfalo dos infernos’ – cadê o uso correto dos plurais e dos acentos, meu Deus?”.

Nesta sexta-feira, o senador Marcelo Crivela (PRB), da Igreja Universal, recebeu representantes da comunidade LGBT para se explicar sobre as declarações de que o homossexualismo é pecado.

 

Leia Mais