Startup oferece serviço de namoros falsos no Facebook

namoro_fake

Publicado no Catraca Livre

Já pensou em contratar uma namorada falsa só para fazer bombar sua reputação no Facebook? Segundo Flávio Estevam, 33 anos, mais de 15 mil pessoas não só pensaram nisso mas também contrataram esse serviço específico.

O empreendedor, que há sete anos investe em startups online, criou o Namoro Fake, um site onde as pessoas podem contratar alguém para fingir estar em um relacionamento dentro do Facebook. A ideia surgiu após ajudar um amigo a causar ciúmes na ex-namorada por meio de um post de uma suposta “nova ficante.” A estratégia fez tanto sucesso que aguçou o “feeling” empresarial de Estevam.

iStock_000011272799_Small

“A ex-namorada reatou com ele e em cinco dias eu criei o modelo de negócio e fiz a primeira versão do site”, conta. “Exatamente no sétimo dia, após sair na mídia, 120 mil pessoas acessaram a plataforma e, em seguida, todos os perfis se esgotaram e iniciou uma longa fila de espera de mais de 5 mil clientes.”

A startup, que atende internautas 22 países diferentes, oferece pacotes de ficante, namorado(a), namorado(a) virtual e namorada(o) top. A diferença entre eles é o número de comentários e o período que serão postados, com duração que pode variar de três a 30 dias.

“Os preços vão de R$ 29 (por um ficante de três dias e com três comentários) a R$ 150, no caso do pacote namorado (a) top, (para uma mulher ou homem considerado com uma beleza superior do padrão postar cinco comentários em até cinco dias)” explica. “O pagamento é feito por bancos online e pode ser dividido em 12 vezes no cartão.”

Segundo Estevam, as pessoas ficam surpresas com comprovação de que há muita gente que busca viver na internet algo que não é real.

“Existe casos de homens que contratam até quatro ficantes de uma vez para simplesmente dar um fora nelas e fazer moral com as garotas e até com a namorada que vai se sentir mais valorizada.”

Leia Mais

Juiz obriga ex-namorado a pagar pensão por causa de status no Facebook

“Perfis e postagens em redes sociais podem ter o mesmo valor que uma certidão de casamento”.

casal

 

Por Renatto Neves, no Machos de Respeito

O juiz Antônio Nicolau Barbosa Sobrinho, da 2ª Vara de Família da Comarca da capital paraense, reconheceu na última sexta-feira (31/05/13) a união estável de um casal tomando como referência o status do Facebook assumido publicamente por ambos como “relacionamento sério”.

Uma jovem de 23 anos procurou a Justiça para requerer pensão alimentícia e a divisão de bens após o término de um namoro de quase dois anos. Tomando como referência os perfis de ambos nas redes sociais o juiz percebeu que, além de se declararem em “relacionamento sério”, o ex-namorado da jovem postou inúmeras fotos dividindo a mesma cama que a jovem e postagens públicas onde ela era chamada de “minha mulher”.

A união estável é o instituto jurídico que estabelece legalmente a convivência entre duas pessoas sem que seja necessária a celebração do casamento civil. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família.

O juiz fixou pensão alimentícia de R$900,00 e a divisão do valor de um veículo Celta 2007 adquirido após o começo do relacionamento. O juiz Antônio Nicolau orienta aos jovens casais que só se declarem em relacionamento sério no caso de existir real desejo de constituição familiar. Segundo ele “perfis e postagens em redes sociais podem ter o mesmo valor que uma certidão de casamento”.

Dica do Weuller P. Rogério Faria

Leia Mais

Homem ganha R$ 200 mil na TV e gasta tudo em 4 meses para não dividir com ex

publicado no F5

O inglês Scott Brown, 33, ganhou R$ 200 mil em um programa da televisão britânica, “Deal or No Deal”, e decidiu não dar um tostão para a mulher, de quem estava separado.

Ele tinha apenas quatro meses, antes de o programa ir ao ar, para torrar o dinheiro.

Brown disse que primeiro usou R$ 60 mil para quitar débitos dele e da mulher, Rachel, 29, com quem tem dois filhos, de seis e dois anos. Ele ainda reservou R$ 8.000 para cobrir gastos com o divórcio, além de comprar roupas, brinquedos e objetos para os filhos.

O resto, admitiu ao jornal “Daily Mail”, ele gastou se divertindo. Comprou um iPad, passou férias no México e comprou um Jaguar usado.

A última parte do dinheiro ele usou dias antes de seu próprio prazo, 21 de agosto, para pagar um curso de eletricista e começar uma nova carreira.

Como ele já havia suspeitado, a mulher, que havia pedido a separação no Natal do ano passado, após conhecer um caminhoneiro na internet, pediu parte do dinheiro quando assistiu o marido ganhá-lo na televisão.

Ela entrou na Justiça com um pedido de parte da pequena fortuna ganha pelo marido.

Um juiz determinou na quinta-feira passada que Brown escreva uma carta detalhando como gastou a quantia. Ele ainda foi impedido legalmente de continuar gastando e manter o dinheiro –ou o que havia sobrado dele– parado até que o caso se resolvesse.

Após ser ouvido no tribunal, Brown disse ao jornal como participar do programa mudou sua vida.

“Fiquei superfeliz de ganhar aquele dinheiro. Eu soube que Rachel poderia querer parte dele e eu decidi: ‘Ela não vai ganhar um tostão’.”

O homem contou que a mulher disse no ano passado que não o amava mais e que, na época que participou do game show, ele havia saído de casa e estava dormindo no chão na casa de seus pais.

“Como ela pode ter direito sobre esse dinheiro? Minha vida foi arrasada, não posso ver meus filhos todos os dias e perdi tudo que construí nos últimos onze anos”, disse.

Leia Mais

Você ainda é apaixonado por seu primeiro amor?


Justin e Britney – quem não lembra de como a separação de seu primeiro amor foi difícil para a cantora?

Lu Galastri, na Galileu

Quando você pensa na sua primeira paixão, é de um jeito bom ou ruim? Você sente saudades? Eu, particularmente, sinto várias pontadas de ‘vergonha alheia da pessoa que fui no passado’ e jamais voltaria atrás no término do relacionamento. Mas conheço várias pessoas que ainda são completamente apaixonadas pelo primeiro amor, mesmo anos depois do fim.

Por isso uma pesquisa feita na Universidade de Lancaster me chamou a atenção. Ela revela que, a cada 5 indivíduos, um quer voltar com o ‘primeiro ex’.

Aliás, segundo o estudo, 14% das pessoas entraram em contato com uma paixão do passado recentemente – e todo esse pessoal pretende voltar atrás e reconstruir o relacionamento.

Homens x Mulheres

Ao separar os voluntários da pesquisa por sexo, os pesquisadores notaram que os homens são os que mais buscam ‘reacender a velha chama’ – 24% deles tentariam voltar com suas ex. E, apesar das moças terem, em geral, menos vontade de entrar em contato com um ex, 4 a cada 10 das que fazem isso admitem que pretendem seduzi-lo.

O pivô? As redes sociais

Não faço ideia do que meu primeiro namorado esteja fazendo da vida hoje. Mas, se eu quisesse ir atrás dele e descobrir tudo isso seria muito fácil – basta pesquisar o nome dele no Facebook. Meio segundo depois, tcharam, toda a vida dele estaria escancarada na minha frente. Emprego, namorada atual (ou noiva!) e, mais importante, seus contatos.

E é esse o caminho seguido pelas mulheres que entram em contato com os ex. 74% daquelas que pretendem ter seus amores de volta (tire dessa conta aquelas que não querem ver o ex nem pintado de ouro) se comunicam com eles através do Facebook.

Para os homens o caminho é diferente. 33% deles preferem usar e-mails e 31% usam SMS.

É saudável?

Depende. Psicólogos alertam que colocar antigos relacionamentos, mesmo que tenham fracassado terrivelmente, em um pedestal pode trazer danos emocionais. É prejudicial lembrar ‘como era bom aquele tempo em que nós estávamos juntos’ e esquecer dos pepinos que vocês enfrentaram até o fim.

Segundo um dos responsáveis pela pesquisa, o professor Gary Cooper, o primeiro amor é responsável por um grande impacto na vida de uma pessoa. Por isso podemos facilmente esquecer o que era ruim no relacionamento e lembrar dele como uma ‘época cor-de-rosa’. “Mas engana-se quem pensa que pode retomar o namoro de onde parou depois de algum tempo. As circunstâncias mudam”, completa.

Sobre aqueles que pensam em reatar um namoro antigo mesmo quando estão comprometidas com outras pessoas no momento, Cooper afirma que é uma espécie de escapismo. A ideia é que você pense em outra época como ideal porque não está satisfeito com a situação em que se encontra, mas tem medo de confrontá-la.

Não confunda as coisas – pode ser que você tenha, sim, uma história digna de cinema e que, após algum tempo separados, você e seu primeiro amor se reúnam e sejam felizes. Mas, para que isso aconteça, é preciso aceitar que vocês não são mais as mesmas pessoas e que muita coisa pode ter acontecido em seu período de separação.

E você, pensa em reatar um namoro antigo? Já voltou com um/uma ex? Divida suas experiências pelos comentários ou através do meu e-mail – o endereço está do lado direito da tela.

Estudo via DailyMail

 

 

Leia Mais

9 em cada 10 pessoas espionam o perfil do ex no Facebook

Facebook (Foto: Getty Images)

Publicado originalmente na Época

Sim, a maioria dos usuários do Facebook usa a rede social para espionar o ex ou a ex-namorada. Um estudo da Universidade de Western Ontario, no Canadá, buscou entender a relação entre o sofrimento causado por um rompimento e o uso do Facebook. Assim, Veronika Lukacs, que conduziu a pesquisa, descobriu que 88% das pessoas que passaram por términos nos últimos doze meses utilizam a rede para ficar de olho na vida do antigo parceiro.

Com o título “É complicado: rompimentos românticos e suas consequências no Facebook” (em tradução livre), o estudo entrevistou homens e mulheres usuários da rede social, que haviam passado por um fim de relacionamento no último ano. Os participantes tiveram ainda que responder a um questionário escrito sobre o comportamento no Facebook depois de um término.

“O que eu descobri foi que o nível de sofrimento muda de acordo com a quantidade de tempo que você passa espionando o ex na internet. Quanto mais a pessoa fiscaliza, mais aflita e angustiada ela fica”, diz Veronika. “Você fica angustiado porque espiona ou espiona porque está angustiado? Meu palpite é que é um pouco de cada”, afirma.

O estudo chegou ainda a outros números interessantes. Sete em cada dez pessoas conferem o perfil do ex a partir de amigos em comum ou até mesmo fazendo o login com a senha de um amigo. Além disso, 74% dos usuários não se contentam em espionar o perfil do ex e ficam de olho também no perfil da nova ou possível nova namorada do antigo parceiro. Abaixo, outras descobertas curiosas.

Infográfico - O ex e o Facebook (Foto: Gustavo Campoy (gráfico); Veronika Lukacs (pesquisa))

Gustavo Campoy (gráfico); Veronika Lukacs (pesquisa)

Foto: Getty Images

Leia Mais