Não me delete, por favor

Zygmunt-Bauman--miniatura-600x360-57970

 

Por Luciana Chardelli, no Obvious

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman declara que vivemos em um tempo que escorre pelas mãos, um tempo líquido em que nada é para persistir. Não há nada tão intenso que consiga permanecer e se tornar verdadeiramente necessário. Tudo é transitório. Não há a observação pausada daquilo que experimentamos, é preciso fotografar, filmar, comentar, curtir, mostrar, comprar e comparar.

O desejo habita a ansiedade e se perde no consumismo imediato. A sociedade está marcada pela ansiedade, reina uma inabilidade de experimentar profundamente o que nos chega, o que importa é poder descrever aos demais o que se está fazendo.
Em tempos de Facebook e Twitter não há desagrados, se não gosto de uma declaração ou um pensamento, deleto, desconecto, bloqueio.

Perde-se a profundidade das relações; perde-se a conversa que possibilita a harmonia e também o destoar. Nas relações virtuais não existem discussões que terminem em abraços vivos, as discussões são mudas, distantes. As relações começam ou terminam sem contato algum. Analisamos o outro por suas fotos e frases de efeito. Não existe a troca vivida.

Ao mesmo tempo em que experimentamos um isolamento protetor, vivenciamos uma absoluta exposição. Não há o privado, tudo é desvendado: o que se come, o que se compra; o que nos atormenta e o que nos alegra.
O amor é mais falado do que vivido. Vivemos um tempo de secreta angustia. Filosoficamente a angustia é o sentimento do nada. O corpo se inquieta e a alma sufoca. Há uma vertigem permeando as relações, tudo se torna vacilante, tudo pode ser deletado: o amor e os amigos.

Leia Mais

Compartilhar para falar mal. Apenas parem

 

fafc2860-a56c-49b3-bf6d-85a36932de2e

 

Por Lino Bocchini, na Carta Capital

 

“Que capa absurda! Vou denunciar pra todo mundo que a revista X é mentirosa!”

“Ridícula essa reportagem da TV Tal, é muito tendenciosa! Vou descer o pau!”

“Esse colunista fulano é um imbecil! Vou acabar com ele no meu perfil!”

Pode apostar: a revista X, a TV Tal e o colunista fulano agradecem de coração a sua divulgação. Graças a atitudes assim eles seguem firmes no centro do debate. Tanto faz se quem divulgou os aprova ou critica. A cada clique no “compartilhar” do Facebook eles pautam mais gente, inclusive você e a sua rede de conhecidos.

E não interessa o comentário que acompanha o link. Compartilhar é reconhecer a importância. É legitimar. A mensagem passada para toda a sua rede de conhecidos é: esse veículo (ou articulista) é o fórum adequado para se debater determinado assunto. Pouco importa se as opiniões serão, em sua maioria, contrárias ou favoráveis. O que interessa é que inevitavelmente todo debate se dará a partir do ponto de vista da revista X, da TV Tal ou do colunista fulano.

Eles serão o ponto de partida, e tudo o que vier a seguir vai girar em torno deles.

Alguns dirão: “Mas agora existem encurtadores que criam um link que não gera audiência para o site tal. Então posso espalhar à vontade o conteúdo que o fulano não vai ganhar nenhum clique a mais.”

Verdade. É o que faz, por exemplo, o popular Naofo.de, que tem o sugestivo slogan “Encurtador higiênico de chorume”. Ao usar esse serviço e seus similares, seus contatos verão o conteúdo sem, entretanto, dar audiência para o site-destino. Funciona assim: a ferramenta gera uma cópia idêntica à página que você quer divulgar. Gera também um link encurtado para essa cópia. É ele que você usará para espalhar o conteúdo. Ao clicar no link, seus amigos verão uma página igualzinha ao endereço original, só que o site real não ganha nenhum acesso.

A invenção é interessante, mas ela embute uma armadilha.

Acontece que, com o advento destes encurtadores “higiênicos”, as pessoas estão sentindo-se ainda mais estimuladas a divulgar “chorume”. É um efeito colateral terrível que, ao invés de tornar um ambiente como o Facebook mais habitável, acaba poluindo ainda mais as chamadas linhas do tempo da rede social. E, de quebra, dá ainda mais cartaz e respaldo para quem você não gosta.

Evitar dar audiência é o de menos. O ponto central é o seu aval. E ele segue intacto, com ou sem o repasse da audiência.

Por outro lado, é compreensível o argumento de que às vezes “não dá para aguentar”. Em alguns casos o conteúdo nos revolta tanto que nos sentimos “obrigados” a criticá-lo publicamente.

Para esses momentos de crise, sugiro um exercício que leva poucos segundos e é de extremo valor: da próxima vez que for clicar no “compartilhar” do seu Facebook, pare, respire por 3 segundos e se faça a seguinte pergunta: “essa pessoa ou veículo merece MESMO ainda mais divulgação e ainda mais legitimidade entre os meus amigos, familiares e colegas de trabalho?”.

Em geral, não vale a pena.

Acredite, nesse caso o dito popular “falem mal, mas falem de mim” funciona. E muito. Já passou da hora de mudar de estratégia. Basta lembrar qual a TV, o jornal, a rádio ou a revista mais poderosa do Brasil. Qual sua opinião sobre elas?

Leia Mais

‘Black blocs’ são ‘esquerda caviar’, diz juiz que negou liberdade a jovens

Rafael Lusvargh e Fabio Hideki Harano (à esq.) foram presos (foto: Avener Prado/Folhapressapós protesto anti-Copa na av. Paulista)
Rafael Lusvargh e Fabio Hideki Harano (à esq.) foram presos (foto: Avener Prado/Folhapressapós protesto anti-Copa na av. Paulista)

Giba Bergamim Jr., na Folha de S.Paulo

O juiz da 10ª Vara Criminal, Marcelo Matias Pereira, disse que os “black blocs” –que promovem manifestações com depredação de patrimônio público e privado– atuam ao gosto do que ele chamou de “esquerda caviar”.

Esse termo –de origem francesa– costuma ser usado para designar ativistas que dizem ser de esquerda, defendem socialismo, mas que usufruem de todos os benefícios do capitalismo.

A declaração está na decisão proferida pelo juiz, na última sexta-feira (1º), quando ele negou um pedido de liberdade para Fábio Hideki Harano e Rafael Lusvarghi.

Segundo o juiz, os “black blocs” atentam contra os poderes constituídos, desrespeitando as leis e os policiais que têm o dever de preservar a ordem, a segurança e o direito de manifestação pacífica.

“Além de descaradamente atacarem o patrimônio particular de pessoas que tanto trabalharam para conquistá-lo, sob o argumento de que são contra o capitalismo, mas usam tênis da Nike, telefone celular, conforme se verifica nas imagens, postam fotos no Facebook e até utilizam uma denominação grafada em língua inglesa, bem ao gosto da denominada esquerda caviar”, afirma o juiz.

Para o magistrado, as manifestações no país perderam a legitimidade por causa da infiltração dos “black blocs”.

Segundo ele, as atitudes dos manifestantes violentos tiraram o direito dos que buscavam se manifestar pacificamente. De acordo com o juiz, ficou provado que Hideki e Lusvarghi tinham “liderança sobre as massas”.

Para o advogado de Hideki, Luiz Eduardo Greenhalgh, a manifestação do juiz foi “absolutamente ideológica”.

“Isso [declaração do juiz] me lembrou a época da ditadura militar, da lei de Segurança Nacional, sem nenhum fundamento”, disse Greenhalgh.

Leia Mais

Podemos esquecer um rosto, mas não esquecemos um post no Facebook

giphy-6Ana Carolina Prado, no blog Como as Pessoas Funcionam

Não é nenhum segredo que é bem mais fácil lembrarmos frases simples e coloquiais do que aquelas construídas mais cuidadosamente. Você provavelmente percebeu isso logo na escola: quando seus professores explicavam a matéria de maneira informal tudo ficava muito melhor do que se você se pautasse pela linguagem formal dos livros. A novidade é que essas falas simples são mais pegajosas para o seu cérebro do que imagens do rosto de pessoas – e essa lógica também se aplica a posts no Facebook.

A conclusão é de um estudo da Universidade de Warwick, do Reino Unido, e da Universidade da Califórnia em San Diego (EUA), publicado no periódico “Memory and Cognition” no ano passado. Os pesquisadores testaram a memória de voluntários para posts no Facebook de anônimos, sem imagens e retirados de contexto, e compararam os resultados com testes de memória para frases tiradas de livros e também para rostos humanos (de pessoas desconhecidas).

No primeiro teste, a memória dos participantes para posts aleatórios do Facebook foi 150% melhor do que para frases de livros e 250% (!) melhor em relação a rostos de desconhecidos. A principal autora do estudo, Laura Mickes, ficou impressionada: “Esses tipos de lacunas no desempenho estão em uma escala semelhante às diferenças entre amnésicos e pessoas com memória saudável“, afirmou.

Uma das razões por trás disso está relacionada ao tipo de conteúdo: as atualizações do Facebook são mais fáceis de memorizar porque geralmente envolvem tipos de informação de natureza “fofoqueira”, que tendem a se espalhar mais facilmente (leia sobre isso aqui).

Christine Harris, professora da Universidade da Califórnia que também fez parte da equipe de pesquisa, explica o porquê: tanto a memória quanto o mundo social foram fundamentais para a sobrevivência ao longo da história ancestral dos seres humanos, uma vez que os outros podem ser fontes tanto de ameaças quanto de recompensas. “Portanto, faz sentido que nossas mentes seriam ajustadas para ter em especial atenção as atividades e pensamentos das pessoas e para lembrar a informação veiculada por elas“, completa.

Porém, o estudo sugere que outra coisa também está em jogo: a linguagem espontânea dos posts, sem muita edição e mais perto da fala. Testes com posts no Twitter e com comentários sob artigos de notícias on-line revelaram os mesmos resultados, indicando que não se trata apenas do tipo de informação e do fato de ser o Facebook.

Sobre esse aspecto, outro pesquisador da equipe, Nicholas Christenfeld, acredita que nossa capacidade de linguagem ainda não evoluiu completamente para processar textos cuidadosamente editados e polidos. “Pode-se ver os últimos cinco mil anos de escrita cuidadosa como uma anomalia. Tanto que as tecnologias modernas estão permitindo que a linguagem escrita retorne ao estilo casual e pessoal da comunicação pré-alfabetização. E esse é o estilo que ressoa e é lembrado”, acrescenta.

Por que a pesquisa é útil

Os resultados do estudo têm implicações importantes. Primeiro, porque ele mostra que os incontáveis posts que chegam para nós pelo Facebook não são assim tão triviais e esquecíveis: eles ficam na nossa cabeça mais do que livros de alta literatura.

Além disso, revela que a escrita mais fácil e rápida de produzir é também a mais fácil de lembrar. Saber dessas duas coisas pode ajudar na concepção de melhores ferramentas educacionais, além de serem úteis para quem trabalha na área de comunicação e publicidade.

“É claro que não estamos sugerindo livros escritos em tweets, nem que editores são inúteis, mas escritores de livros didáticos ou professores que usam o PowerPoint certamente poderiam se beneficiar do uso de uma voz mais natural”, diz Mickes.

E ela acrescenta outro ponto importante para todo mundo, independente da área em que trabalhemos: “Os resultados do estudo deveriam, no mínimo, nos fazer ver que talvez devêssemos tomar mais cuidado sobre o que postamos no Facebook, já que esses posts podem ser lembrados por muito tempo.”

(Via Futurity)

 

Leia Mais

Com Facebook fora do ar, americanos pedem ajuda à polícia

size_590_1975037_10152612184566729_756631254_n

Publicado na Exame

Na tarde desta sexta-feira (1), o Facebook ficou fora do ar mundialmente durante aproximadamente duas horas. Com isso, usuários americanos da rede social recorreram à polícia para tentar resolver o problema.

O sargento Burton Brink, xerife do condado de Los Angeles, recorreu ao Twitter para explicar que a instabilidade do Facebook não era problema da polícia.

“#Facebook não é um problema legal, por favor, não nos ligue para avisar que ele está fora do ar, nós não sabemos quando o FB estará de volta!” Veja o tweet abaixo:

#Facebook is not a Law Enforcement issue, please don’t call us about it being down, we don’t know when FB will be back up!

— Sgt. Brink (@LASDBrink) 1 agosto 2014
O twitter oficial de comunicação do departamento também falou sobre o ocorrido, tweetando: “Por favor. Sem perguntas sobre quando o #Facebook estará de volta, nós não sabemos…Obrigada!”. Veja abaixo:

Pls. No questions about when #Facebook will be back up, we do not know… Thx! #LAPD

— LAPD Communications (@911LAPD) 1 agosto 2014
Segundo o Facebook, o problema afetava todas as APIs e superfícies web da rede social. “O Facebook passa por problemas que estão afetando todas as suas APIs e superfícies web.

Nosso engenheiros detectaram o problema e estão trabalhando para resolvê-lo rapidamente”, disse a empresa ontem, em comunicado. Por volta das 15 horas, o Facebook já se encontrava estável novamente.

Leia Mais