Arquivo da tag: facebook

‘Facebook é maior perda de tempo que já conheci’

14031786Marion Strecker, na Folha de S. Paulo

Hoje comecei um teste. Decidi experimentar ficar sem o Facebook no meu celular. Se der certo, vou estender o experimento ao iPad e, quem sabe, também ao computador.

Impetuosa, botei o dedo sobre o ícone do aplicativo e esperei ele começar a tremelicar, como é a regra no iPhone. Ele tremelicou. Respirei fundo e apertei o pequeno xis, que simboliza o apagar. Veio o alerta: se apagar o aplicativo, todos os dados serão apagados também.

Que ameaça! Sei bem que não basta apagar o aplicativo para todos os dados pessoais sumirem do Facebook. Isto requer outro tipo de iniciativa. Então por que mentem? O Facebook vai dizer que é coisa da Apple. A Apple pode responder que trabalha com “padrões de mercado”. E a gente que reclame nas redes sociais!

Suponho que esse tipo de ameaça seja apenas um dos maus hábitos da indústria de aplicativos (ou “‘éps”, da abreviatura em inglês “apps”, como os mais pedantes se referem a “software” hoje em dia). Nessa indústria, o número de “usuários” valoriza um negócio, ainda que os “usuários” sejam “inativos”, o que a empresa só vai informar se não tiver como ocultar. Isto me lembra Rubens Ricupero, aquele ministro da Fazenda que, sem saber que o sinal já estava aberto para antenas parabólicas, disse à TV Globo: “O que é bom a gente fatura; o que é ruim, esconde-se!”

O fato é que sumi com o aplicativo do Facebook. Senti uma sensação boa. Aproveitei o entusiasmo e apaguei também os aplicativos do LinkedIn, do Lulu (que instalei para testar e achei simplesmente péssimo) e até do Viber (algo entre o Skype e o WhatsApp). Combinei comigo mesma que vou observar o que acontecerá com as minhas mãos da próxima vez que ficar à toa com o telefone na mão. Será que vou tremer? Será que entrarei na App Store e baixarei tudo de novo? Ou vou me esquecer aos poucos dessa mania de ficar fazendo a ronda na internet, checando as atualizações das redes e esperando reações a cada coisa que publico, nem sei bem por quê?

Sério mesmo: o Facebook é a maior perda de tempo que conheci na vida. Quanto mais amigos eu “faço”, mais me distancio das pessoas que são realmente importantes para mim. A fatalidade é que sempre perco informações de quem me importa no meio da balbúrdia da multidão a que estou conectada.

Quando fiz essa observação outro dia, o engenheiro Luís Villani comentou que eu havia descoberto o “segredo de Tostines”. Evocava a memória de uma velha propaganda de televisão, que explorou o seguinte mote: o biscoito vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais? O Facebook é relevante porque estamos conectados a pessoas relevantes ou o Facebook é medíocre porque nossos “amigos” são medíocres? Ou uma rede social teria a capacidade de deixar as pessoas medíocres?

Será que nós, brasileiros, parecemos tão “sociáveis” porque achamos rude não aceitar “pedidos de amizade”? Será que supervalorizamos nossa imagem “popular”, por isso colecionamos conexões como se fossem figurinhas de um álbum da Copa? Vamos fazer o quê? Começar de novo? E por que não?

Facebook está ‘morto e sepultado’ para adolescentes mais velhos, diz estudo

Publicado no Terra

Segundo um extenso estudo europeu, o Facebook está “morto e sepultado” para os adolescentes mais velhos, que estão migrando para Twitter, Instagram, WhatsApp e Snapchat.

Ao pesquisar o uso da rede social por pessoas entre 16 e 18 anos em oito países da União Europeia, o estudo Global Social Media Impact diz que, enquanto pais, mães e usuários mais velhos saturam o Facebook, os mais jovens vão para plataformas alternativas.

“O Facebook não está apenas em queda –está basicamente morto e enterrado”, escreveu Daniel Miller, antropólogo que liderou a equipe da pesquisa e professor de cultura material na UCL (University College London).

Adolescentes estão migrando do Facebook para serviços alternativos por causa de usuários mais velhos, segundo estudo

Adolescentes estão migrando do Facebook para serviços alternativos por causa de usuários mais velhos, segundo estudo

“A maioria até se sente envergonhada por ser associada à rede. Antes os pais se preocupavam com os adolescentes se inscrevendo no Facebook, mas agora eles dizem que suas famílias querem que eles permaneçam lá, compartilhando coisas sobre suas vidas.”

Os adolescentes não se importam se os serviços alternativos são menos funcionais ou sofisticados, e eles também não estão cientes de como suas informações pessoais são usadas comercialmente ou vigiadas por serviços de segurança, concluiu a pesquisa.

“Aparentemente o momento crucial em que um jovem decide sair do Facebook é quando sua mãe lhe envia uma solicitação de amizade”, escreveu Miller. “Não é novidade que os mais novos se importam com estilo e status em relação a seus amigos, e o Facebook simplesmente não é mais tão legal.”

 

O melhor e o pior do Facebook. Ou a vida como ela não é

facebook_addiction-620x400

 

Publicado na Revista Bula

Segunda-feira. O sujeito acorda atrasado às sete horas da manhã. Levanta-se às pressas, segue tropeçando até o chuveiro, lava rápida e porcamente suas vergonhas, se veste mal e segue acelerado para o trabalho, enquanto lamenta mais uma vez não ter sido sorteado na mega-sena do final de semana.

No trânsito, ele não dá passagem aos motoristas das faixas ao lado, avança contra pedestres, buzina ameaçador para os motoqueiros que o ultrapassam por todos os lados — por cima, por baixo, por dentro — e deseja a morte sofrida de todos que saíram de casa só para impedi-lo de correr mais rápido na avenida congestionada.

Ele chega ao trabalho e não responde a nenhum “bom dia” no elevador, reclama em voz alta da moça da faxina que mudou a posição de seu teclado dois centímetros para o lado na hora da limpeza, liga o computador, entra em seu perfil no facebook e digita:

“Uma semana de paz e amor a todos. Que Deus ilumine seus corações e encha seus caminhos de alegrias. Bom dia, planeta face!”

O dia é produtivo. Ele puxa o tapete de seus colegas, pressiona fornecedores, chantageia a ex-mulher, esculhamba em pensamento a Deus e aos 12 apóstolos. Porque já provou ao universo que é “do bem” e, afinal, quem é “do bem” pode odiar o mundo em paz. Mas precisa ser em silêncio. Você sabe, algumas coisas a gente não pode tornar públicas, sobretudo aquelas que a gente realmente sente. Então, é melhor dizer sobre você apenas aquilo que o mundo vá curtir e compartilhar.

Então cai do céu a migalha mais gorda de felicidade em seu dia: a hora do almoço. No restaurante por quilo, com os colegas “da firma” ele engole apressado seu arroz, feijão e carne de todos os dias. A moça ao lado fotografa o próprio prato. Ele conta um monte de mentiras sobre seu final de semana. Ninguém ouve. Ninguém tira os olhos do celular, o wifi daqui funciona bem, cala a boca e aproveita.

O almoço termina e é hora de dar um passeio. Fazer a digestão. Não na praça, não há mais praças. Ali mesmo, à mesa. É tempo de passear os olhos por sua “linha do tempo”. Cachorro perdido, gente desaparecida, cachoeira, pôr do sol, frase feita, cerveja na praia, piada velha, indireta para ex-namorado, fulana mudou foto do perfil, pose com celular no espelho, Clarice Lispector, Mussum, cachorro desaparecido, gente perdida, “diga não ao preconceito” aqui, “mais amor, por favor” ali, “todos contra a homofobia” acolá.

Ele curte tudo e compartilha, arrotando alho e satisfação. Agora o mundo sabe o quanto está diante de um sujeito bacana, querido, amoroso, crítico, inteligente, sagaz. Tão esperto que foi o primeiro a perceber uma aberração: todos os seus colegas de mesa estavam se transformando em jacarés. E eram jacarés enormes, cinza-esverdeados, arregalando os olhos vermelhos em sua direção.

Antes que ele consiga gritar de pânico, um dos jacarés abocanha sua cabeça e o arrasta para o fundo do lago verde e viscoso em que tudo de repente se converteu. Lá nas profundezas, naquela região em que as máscaras caem e à qual ninguém costuma descer — porque só na superfície podemos ser perfeitos — todos os jacarés se masturbam em público, cagam nas esquinas e jogam merda em quem passa, limpam o popô com ouriços, apontam suas unhas e suas caudas uns contra os outros, ferem, matam e falam com a boca cheia. Lá no fundo, a intolerância nada pelada. Lá, o mais justo sacerdote se transforma num flagrante cretino, a mais tradicional família perfeitinha se torna um pavoroso esquadrão da morte. Lá, somos todos jacarés e a tolerância é o escambau.

Gritando, se contorcendo e tentando se libertar do monstro que o agarrara, ele percebe que também se transformou num jacaré. Tenta respirar como gente e não consegue. Ele agora é um maldito réptil, e precisa aprender a respirar como tal. Sem sucesso, se desespera, se machuca, debate seu corpanzil bizarro e tenta voltar à superfície. Um som de sirene explode em seu sentido auditivo de réptil. “Protocolo 28! Protocolo 28!”, grita alguém a seu lado. Então um grupo de superjacarés o imobiliza e se põe a fazer cócegas em sua barriga. Aos poucos, o desespero vai desaparecendo, rareando, até finalmente sua carcaça e sua alma serem tomadas por um estranho torpor. Tudo agora ao seu redor é calma. Lá no fundo, somos todos jacarés.

Na superfície, no restaurante por quilo onde ele almoçava todos os dias, seu corpo aguarda no chão.

“Ele está morto”, declara o paramédico. Infarto fulminante.

Nenhum de seus colegas do trabalho espera a chegada do rabecão do IML.

A moça ao lado, aquela que fotografava o próprio prato no começo do almoço, olha chocada o corpo sem vida:

— E nem fechou o facebook.

dica do Marcos Florentino

Por que o botão “não gostei” está fora do Facebook

amadurecermos-1

Publicado no Papo de Homem

O Facebook nos trata como crianças.

A justificativa para manter o botão “não gosto” fora de seus domínios é estimular o reforço positivo e evitar a punição.

Nas palavras de Tom Whitnah, engenheiro do Facebook:

Enquanto muitos usuários amam a ideia do Facebook adicionar um botão “não gosto”, não creio que existam muitos usuários loucos para terem seu conteúdo desaprovado. Como a opção de música com auto-play em seus perfis e a opção de ter backgrounds animados, há muitas coisas que os usuários querem para si, mas que não apreciam quando outros têm em sua rede social.

Apesar de existirem posts nos quais o botão “não gosto” poderia ser usado para expressar simpatia ou comiseração, estimo que a grande maioria de seu uso seria apenas de negatividade ambígua, que desmoralizasse o autor da postagem.

O que poderia frequentemente ser uma brincadeira para quem clicou “não gosto” poderia gerar um sentimento de crítica ou julgamento em quem recebeu o “não gosto”. As pessoas podem expressar sentimentos amplos em suas respostas nos comentários, incluindo críticas, negatividade, simpatia e piedade. Mas ao remover o aspecto negativo desses comentários e cementá-los como uma interação proeminente, o Facebook iria encorajar e facilitar muito mais negatividade do que os usuários gostariam de ver fluindo em sua comunidade.

“Não gostar” dá um tipo de feedback que, de modo geral, desencorajaria o compartilhamento. “Gostar” dá feedback ao autor do conteúdo postado e é também um mecanismo que auxilia no compartilhamento de bom conteúdo com amigos nos News Feeds. “Não gostar” resultaria em nada sendo compartilhado (porque algum de seus amigos gostaria de ver o conteúdo que você “não gostou”?), então seria uma funcionalidade bem mais castradora do que o “gostar”.

Traduzindo: Receber muitos likes é reforço positivo, estimula a continuidade do ato de postar.

A simples ausência dos likes, ou apenas receber menos do que se espera, tende a estimular mais postagens desejáveis – embora não garanta. E, nesse caso, as postagens desejáveis são conteúdos apreciados por seu círculo de amigos e conhecidos.

A punição tende a eliminar a ação como um todo. Ou seja, o Facebook acredita que a tendência das pessoas após serem punidas seria parar de postar; e não postar menos conteúdo pouco apreciado por seus amigos.

Além disso, as pessoas estão bem mais inclinadas a serem agressivas gratuitamente do que a elogiarem. Um botão “não gostei” detonaria inúmeros processos de bullying, talvez tornando a própria plataforma um local onde não se quer estar.

A punição castra, gera reação de fuga. Uma rede social na qual ninguém posta perderia seu propósito – para os usuários e, em especial, para os investidores.

Portanto, toma-se a escolha de reforçar a positividade. A decisão de Mark faz bastante sentido, tendo em vista a escala e contexto atuais do Facebook. Mas condicionar as pessoas a expressões emotivas de um click tem seus contras.

Dêem uma olhada nesse vídeo, inspirado na obra “Alone together” (Conectado mas só), de Sherry Turkle:   

Nos tornarmos experts em editar perfis, respostas e personalidades, maximizando o reforço positivo obtido, continuamente. Atores de nós mesmos.

Como seria o Facebook com o botão “não gostei”?

Menos popular, com certeza.

Hoje o padrão é ter tudo que publicamos acessível a todos que nos adicionaram. Em um contexto no qual há um instrumento punitivo à disposição de todos, talvez nossa escolha envolvesse não só postar menos, mas também reduzir o tamanho de nossos círculos e pensar com mais cuidado a quem disponibilizar cada coisa. Seríamos mais reservados, oferecendo e aceitando menos pedidos de amizade. Menor quantidade de interações e mais atenção a cada uma delas. Arrisco palpitar que, por termos mais atenção disponível a ser dividida entre menos pessoas e menos postagens, teríamos melhores conversas.

Afinal, é justo pensar que crianças fogem após palmadas. Mas adultos são um tanto mais capazes ao lidar com situações complexas. O Facebook poderia se tornar mais maduro – e não somente um hub de entretenimento e lubrificante turbinado de interações.

O norte estaria nos poucos likes de quem realmente importa pra mim, nos círculos de pessoas que possuem significado em minha vida.

A serendipidade (descobertas afortunadas feitas, aparentemente, por acaso) seria menor, é verdade. Mas será mesmo tão útil fazermos incontáveis descobertas cotidianas? Sturgeon nos diz que 90% de tudo é lixo. Eu certamente perco bem mais tempo com bobagem do que gostaria.

Claro, posso estar viajando por completo. A presença do botão “não gostei” poderia ser um desastre, dar vazão a surtos terríveis de negatividade e depressão entre os usuários.

O que nos leva a outra ótima questão…

Qual a real utilidade do like?

É gostoso receber. Mas se alguém deu 50 likes em um único dia, teria aquela pessoa visto 50 coisas espetaculares? Ou teria usado um crivo mais frouxo, ambíguo e automatizado ao distribuir seus cumprimentos?

O like é um excelente motor para o crescimento da rede, mas não necessariamente favorece maior significado e relevância nas interações. Ainda que uma vasta rede social seja atraente às pessoas – e aos investidores –, buscar torná-la cada vez maior pode jogar contra elas.

Minha rede social dos sonhos seria orientada a relações e conversas mais significativas e menos ansiosas. Nada de investidores anjo por trás, colocando 10 milhões hoje para receber 1 bilhão amanhã. Nada de anunciantes, financiamento direto pelas pessoas. Sem botões nos condicionando a interações vazias e busca eterna por aplausos. Que as pessoas se expressem, seja positiva ou negativamente, com mais lucidez. Menos “amigos”, menores círculos e menos ruído.

Pagaria R$10/mês sem piscar para algo assim. Uma rede social para adultos.