As cantadas ofendem

Uma pesquisa mostra que as mulheres têm medo de andar sozinhas por causa das agressões verbais – e físicas – que recebem dos homens. Quando haverá uma campanha oficial contra isso?

Manifestantes na Marcha das Vadias, em julho, no Rio de Janeiro. Elas defendem o respeito ao corpo e à dignidade feminina, ofendidos pelas “cantadas” (Foto: Marcelo Fonseca/Brazil Photo Press/Folhapress)
Manifestantes na Marcha das Vadias, em julho, no Rio de Janeiro. Elas defendem o respeito ao corpo e à dignidade feminina, ofendidos pelas “cantadas” (Foto: Marcelo Fonseca/Brazil Photo Press/Folhapress)

Karin Hueck, na Época

Natália, de 28 anos, andava por uma avenida movimentada de São Paulo com uma amiga. O rapaz que vinha na direção oposta se esgueirou entre as duas. Encarou-as de alto a baixo e soltou: “Sem calcinha vocês devem ser uma delícia”. Débora, de 29 anos, esperava o semáforo abrir para atravessar uma avenida. Foi abordada por um estranho que a convidava para um café. Puxou-a pelo braço, insistiu e depois começou a segui-la. Thatiane, de 23 anos, estava numa festa. Sentiu alguém deslizar a mão por seu corpo. Ela se voltou para tirar satisfação, e o rapaz a chamou de vagabunda. Thatiane jogou o conteúdo do copo que tinha nas mãos sobre ele. Levou um tapa na cara. Laura tinha 14 anos, estudava no centro de Porto Alegre e saiu para almoçar. Três homens cruzaram seu caminho, passaram a mão no meio de suas pernas e discorreram sobre suas partes íntimas, com uma frase que jamais poderia ser publicada em ÉPOCA.

Natália, Débora, Thatiane e Laura são minhas amigas. Não precisei ir longe para reunir essas histórias assustadoras, porque elas não são exceção. Assim como minhas amigas e eu, já passaram por situações constrangedoras nas ruas 99,6% das quase 8 mil mulheres que responderam a um questionário on-line elaborado por mim. O levantamento, promovido entre julho e agosto, faz parte da campanha “Chega de Fiu-Fiu”, organizada pelo blog Think Olga, um espaço virtual para discutir questões femininas. O percentual de mais de 99% é parecido com o encontrado num trabalho feito nos Estados Unidos pela organização Stop Street Harassment (Parem com Assédio nas Ruas). Lá, 99% das mulheres afirmaram ser incomodadas nas ruas. Como não sou pesquisadora e não usei metodologia científica, sei que meus resultados podem não ser exatos. Mas eles traçam um bom panorama do que as mulheres enfrentam – e do que sentem – quando andam pelas ruas. Como mulher e jornalista, foi a maneira que encontrei de mostrar que esse tipo de “elogio” não agrada. Ofende, humilha e causa medo.

É tão comum que uma mulher ouça cantadas ou passe por situações que beiram ao assédio que o assunto é pouquíssimo discutido. Parece apenas mais um fato da existência. A chuva molha. Seres humanos envelhecem. Mulheres são importunadas nas ruas. É tão frequente que algumas dizem não se importar. Parecem ter se conformado. De acordo com a pesquisa, 17% consideram cantadas algo legal.

Imaginando que algum comentário sobre nosso corpo feito por estranhos seja admissível, qual o limite entre o elogio aceitável e a cantada ofensiva? Pode chamar de princesa? Pode passar a mão no cabelo? E colocar a mão no corpo, pode? Parece que muitos acham que sim. No levantamento, 85% das mulheres afirmaram já ter sido tocadas ao andar sozinhas. Nas nádegas (88%), na cintura (56%), nos seios (20%), entre as pernas (17%). Se isso não é agressão sexual, o que será?

Todas essas “cantadas” – da “princesa” à passada de mão – violam a intimidade feminina. O assediador parte de um princípio: o corpo da mulher é visto como público, algo sobre o qual se pode opinar e, por que não, do qual pode se servir à vontade. Como essa percepção é generalizada, a mulher que decide se manifestar contra o assédio corre o risco de ser ofendida. Vira metida, baranga e outros insultos que não cabem neste artigo. Entre as voluntárias que responderam ao questionário, 68% relataram ter sofrido intimidações verbais ao revidar. Talvez por isso, poucas mulheres reajam às cantadas que ouvem: apenas 27%. “Medo de apanhar” é uma das principais justificativas para o silêncio delas, e faz sentido. Dados da Secretaria de Política para as Mulheres mostram que 37% das brasileiras foram agredidas em vias públicas, e 29% foram atacadas por desconhecidos.

Isso significa que mais da metade da população brasileira – 51,5% de mulheres – sente medo quando sai à rua. Isso faz com que esse enorme grupo não se expresse da maneira como gostaria. Meu levantamento revela que 90% das mulheres já trocaram de roupa para sair de casa, com medo de chamar a atenção. Mais de 80% mudaram de caminho, desistiram de sair a pé ou até de ir aonde desejavam, por medo da atitude dos homens. As cantadas tolhem a liberdade da mulher. Lembro-me de como abaixava a cabeça e fingia chorar quando passava na frente de um aglomerado de homens durante a adolescência. Torcia para que se enternecessem e não me dissessem nada.

A intimidação não acontece só nas ruas. Sofri ataques pelo simples fato de ter lançado o questionário. Internautas anônimos mandaram mensagens de ódio e ameaças para o blog que hospedou o formulário. “Por fora vocês não gostam, mas por dentro adoram”, escreveu um. “Que mimimi é esse? Tem de olhar reto e, se não quiser aparecer, põe uma roupa maior”, escreveu outro. E o campeão: “Essa pesquisa é a coisa mais imbecil que já li. Vocês merecem ser estupradas”, de um usuário cujo e-mail era rapist@raperz…(estuprador@estupradores…). Gente assim deve achar que é direito dos homens cantar as mulheres. Que homem nenhum deveria se controlar perto de uma mulher, passando por cima – imagine, que absurdo! – do impulso de falar obscenidades.

Engana-se quem acha que esse tipo de violência é exclusividade do Brasil. Débora, citada no começo do texto, foi perseguida pelo rapaz em Berlim, na Alemanha. Nos Estados Unidos, o problema é tão comum que uma jornalista criou o site ihollaback.org para receber e divulgar vídeos e relatos de mulheres que passaram por situações constrangedoras. O site, que funciona a partir de financiamentos coletivos, também treina pessoas de 64 cidades em 22 países para gravar pequenos filmes de celular com flagrantes de assédio nas ruas.

Para as mulheres, é incômodo falar sobre o assunto. Elas sentem vergonha, como sugerem os relatos das voluntárias que participaram da pesquisa (além de responder às perguntas de múltipla escolha, elas podiam relatar casos que tivessem vivido). Por que as mulheres têm vergonha? Atrevo-me a sugerir uma explicação: muitas podem pensar que tiveram culpa, que provocaram de alguma maneira o comportamento dos homens. Não raro, quando sofremos uma agressão dessas, pensamos: “Como eu estava vestida?”. Como se isso fosse uma justificativa. Como se isso importasse. Esse raciocínio já é uma forma de violência. É a velha cultura do estupro, absorvida pelas próprias mulheres: “Ela mereceu”. As histórias contadas pelas mulheres que responderam ao questionário são tão chocantes, que é de estranhar que não exista nenhuma campanha pública educativa contra esse tipo de comportamento. Há adolescentes e meninas pré-púberes ouvindo ameaças à virgindade nas ruas, sob o olhar complacente de todo mundo. Essas meninas aprendem desde cedo que, em pleno Brasil do século XXI, a rua pertence aos homens, e nela a mulher anda de cabeça baixa. Já passou da hora de levantarmos a cabeça.

pesqui

Leia Mais

No fundo, evangélicos são fanáticos sexuais, diz Gregório Duvivier

Publicado na Folha de S.Paulo

O colunista da Folha Gregório Duvivier fala sobre o sexo entre evangélicos. “Eu acho que tudo é sexo, religião é sexo, é erótico. E a proibição do sexo banal gera um sexo espetacular”, afirma.

Duvivier faz parte do grupo de humor “Porta dos Fundos” criticado pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP) após publicar um vídeo, disponível no YouTube, em que faz piada com um médico que vê a figura de Jesus Cristo na vagina de uma mulher durante exame ginecológico.

“Ele disse que ia processar a gente, até agora não processou”, afirma. “No fundo, ele gosta.”

Leia Mais

Google diz que usuários do Gmail não esperam por confidencialidade

Gmail

 

Publicado no G1

Google afirmou, por meio de documentos entregues à Justiça dos Estados Unidos, que os usuários de seu serviço de e-mail, o Gmail, não possuem expectativa de que as mensagens enviadas e recebidas sejam confidenciais.

Segundo reportagem do jornal britânico “Guardian”, o grupo que defende o consumidor Consumer Watchdog chamou a afirmação do Google de “admissão chocante”.

“O Google enfim admitiu que não respeita a privacidade”, disse John Simpson, diretor da entidade. “Se você se incomoda com a privacidade de sua correspondência via e-mail, não use o Gmail.”

O documento do qual faz parte a declaração do Google foi apresentado à Justiça em julho. O texto consta da defesa da empresa para encerrar um processo em que a empresa é acusada de acessar o conteúdo dos e-mails para direcionar anúncios aos usuários.

Alegando que isso violaria leis de privacidade, a ação judicial, aberta em maio, afirma que a companhia não só abre e lê os e-mails como também obtém o conteúdo ilegalmente.

“Todos os usuários de e-mail devem necessariamente esperar que seus e-mails sejam sujeitos a processamento automático”, afirma o Google no documento judicial, afirmando que a acusação tenta “criminalizar práticas comuns de negócios”.

“Da mesma forma que quem envia uma carta a um parceiro de negócio não pode se surpreender se a secretária ele abrir a carta, as pessoas que usam e-mail baseado não devem se surpreender se sua comunicação for processada pelo serviço de comunicações eletrônicas do destinatário durante o processo de entrega”, escrevem os advogados do Google.

Desdenhando do argumento, Simpson diz que não espera que o carteiro leia suas correspondências.

Leia Mais

Comparado a Louis Armstrong e Tim Maia, cantor evangélico vira hit na web

Publicado no UOL

A capacidade vocal do cantor evangélico Davi Basílio impressionou internautas em um vídeo que virou sucesso na web, gerando comparações de seu estilo de cantar com os de nomes como Louis ArmstrongEd MottaTim Maia e até Tetê Espíndola.

“Nunca fiz aula de canto, eu gosto de cantar, é meu jeito de adorar. E fui fazendo meu estilo próprio, nunca imitei ninguém. Mas não nego, admiro todos esses cantores que as pessoas citam nos comentários”, disse Basílio em entrevista por telefone ao UOL nesta quarta-feira (14).

Evangelista da Assembleia de Deus Primitiva do Amor, em Jacarezinho, zona norte do Rio, Basílio tem orgulho em dizer que é “nascido e criado” evangélico e que não canta outros tipos de música, apesar dos convites que já recebeu, “inclusive na Itália”. “Por que Chorar”, a música interpretada no vídeo que ficou famoso, faz parte de seu primeiro CD, que leva o mesmo nome da canção.
cantor-davi-basilio-ficou-famoso-na-web-por-sua-capacidade-vocal

O vídeo, postado em julho como “cantor gospel exaltado”, foi originalmente gravado há nove anos, na Nova Assembleia de Deus de Agostinho Porto, em São João do Meriti (RJ). “Eu nunca tinha visto, não sei se já estava antes na internet antes, não sei quem postou agora. Eu estava viajando, quando um amigo meu viu e me disse ‘Negão, você tá famoso’”, contou, aos risos.

Apesar de insistir que não tem o costume de ouvir músicas não evangélicas em casa, Basílio acabou revelando ao UOL seu gosto por cantores rapidamente identificados como influências por quem assiste às suas interpretações. “Não costumo ouvir, não. Não paro para ouvir música popular, mas se estou na internet ouço alguma coisa que eu possa usar na minha música”, admitiu.

Além de Armstrong, citou Frank SinatraRay Charles e George Benson como “vozes incríveis”. Entre os mais populares, citou o pagodeiro Belo (“Aquele branquelo loirinho canta bem, viu?”) e Freddie Mercury (“A prostituta do rock”). E suas cantoras preferidas são Whitney Houston (“Acho ela 10!), Alcione (“Apesar de não ser evangélica”) e Elza Soares (“Puxa, essa canta muito, ela tem um timbre perfeito para quem gosta de black music”).

Terno amarelo

Mesmo sem ser questionado sobre o figurino usado no vídeo, Basílio foi logo explicando que “tinha acabado de chegar da África, sem tempo de trocar de roupa”. O terno amarelo – que gerou comparações com o personagem de Jim Carey em “O Máscara” – foi um presente que ganhou quando passou três meses em missão em Luanda, na Angola.

“Costumo usar terno, mas não daquela cor. Mas me chamaram para cantar na igreja e eu fui direto, tinha chegado fazia três horas”, explicou.

O jeito irreverente, sorridente e brincalhão da apresentação, porém, é uma de suas marcas registradas, ele garante. “O louvor tem que ser alegre. A imagem que você tem que passar é de alegria. A música pergunta ‘por que chorar?’, eu não posso cantar chorando”, afirmou o cantor, que mantém um perfil no YouTube com vídeos de outras apresentações, quase todas da mesma “Por que Chorar”.

Leia Mais