Arquivo da tag: Feito

Poupadores são mais atraentes que gastadores, diz pesquisa

pouparPublicado no UOL

Poupar uma parte do dinheiro que se ganha é uma das chaves do sucesso financeiro, proclamam todos os especialistas em finanças pessoais. Uma pesquisa divulgada recentemente nos Estados Unidos mostra que, além do campo das finanças, essa atitude pode ajudar também em outra área: a dos relacionamentos.

Segundo o estudo, feito pelo professor de marketing Scott Rick e pela estudante de doutorado em marketing Jenny G. Olson, da Universidade de Michigan, pessoas poupadoras são vistas como mais atraentes, até fisicamente, pelos outros.

O estudo “Penny Saved is a Partner Earned: The Romantic Appeal of Savers” (em tradução livre: “Um centavo que se poupa é um parceiro que se ganha: o apelo romântico dos poupadores”) foi feito com a ajuda de voluntários, homens e mulheres. Eles foram convidados a avaliar perfis de potenciais parceiros.

As fotos mostradas aos voluntários eram de um homem e de uma mulher de beleza considerada mediana (para que a aparência física não fosse determinante na avaliação). A cada teste, uma característica era atribuída a eles pelos pesquisadores. Eles eram mostrados como “gastadores”, “equilibrados” ou “poupadores”.

A conclusão foi que as pessoas mostradas como econômicas pareciam mais interessantes quando o assunto era uma relação romântica. Em segundo lugar apareceram os equilibrados e, em último, os gastadores.

Para os pesquisadores, o resultado desmente a ideia de que ostentar bens, como um carro novo ou um imóvel de alto padrão, ajuda a atrair parceiros.

Mais autocontrole e mais compromisso

Para os voluntários, os poupadores eram mais atraentes porque aparentavam ter mais autocontrole e, assim, pareciam ser mais capazes de levar a sério um compromisso.

A característica influenciou, até, na atração física exercida sobre os voluntários. Quem participou do teste considerou que os poupadores tinham mais disciplina para levar dietas adiante e fazer exercícios físicos regularmente. Assim, eles eram, também, fisicamente mais interessantes.

Os poupadores também foram vistos como menos aventureiros, divertidos e emocionantes do que os gastadores. Mas, para os voluntários, ainda assim eles eram mais interessantes.

Os pesquisadores fizeram apenas uma ressalva ao fim do estudo. A pesquisa foi feita num período em que os Estados Unidos enfrentam uma crise financeira. Não é possível saber, segundo os autores, se os poupadores continuariam parecendo tão interessantes em momentos econômicos mais tranquilos.

De 594 parlamentares em exercício, 190 foram condenados

Mapeamento da ONG Transparência Brasil mostra que praticamente um terço dos deputados e senadores em exercício recebeu sentenças condenatórias da Justiça ou de tribunais de contas

"Condenações confirmam uma avaliação muito negativa da composição do Congresso", diz o diretor executivo da ONG Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo (foto: Dida Sampaio/Agência Estado)

“Condenações confirmam uma avaliação muito negativa da composição do Congresso”, diz o diretor executivo da ONG Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo (foto: Dida Sampaio/Agência Estado)

Daniel Jelin, na Veja on-line

Levantamento inédito feito pela ONG Transparência Brasil aponta que 190 dos 594 deputados e senadores em exercício já foram condenados pela Justiça ou tribunais de conta. São 36 parlamentares do PMDB (35% da bancada), 28 do PT (28%), 22 do PSDB (37%), 16 do PR (37%), 14 do PP (32%), 14 do DEM (44%), 12 do PSB (41%), 10 do PDT (32%), 9 do PTB (36%) e 29 das demais siglas.

Sentenças dos tribunais de contas por irregularidades em convênios, contratos e licitações são as mais recorrentes, atingindo 66 parlamentares (11% do Congresso). Em segundo lugar aparecem as condenações da Justiça Eleitoral por irregularidades em contas de campanha, com 57 deputados e senadores encrencados (9,6% do Congresso). Em terceiro estão os atos de improbidade administrativa (como enriquecimento ilícito e dano ao erário), que levaram à condenação de 41 congressistas (7,1% do Congresso), de acordo com dados extraídos do projeto Excelências (http://www.excelencias.org.br/), recém relançado pela ONG, com apoio de VEJA.

Prisões – Para catorze parlamentares em exercício foram emitidas sentenças de prisão. É o caso, no Senado, de Ivo Cassol (PP-RO). Por unanimidade, ele foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a quatro anos, oito meses e 26 dias de prisão, em regime semiaberto, por fraude em licitações. O caso foi julgado em agosto de 2013 mas ainda não teve decretado o trânsito em julgado, a partir do que se dá o cumprimento da pena.

Na Câmara, são treze os deputados federais que receberam penas de reclusão, em alguns casos convertida em prestação de serviços e pagamento de multas, conforme o mapeamento da ONG. Anthony Garotinho (PR-RJ), condenado em 2010 a dois anos e meio por formação de quadrilha, teve a pena de prisão substituída por prestação de serviços e suspensão de direitos políticos, recorreu e aguarda tramitação do caso no STF; o deputado Asdrúbal Bentes (PMDB-PA), por prática irregular de cirurgias de esterilização em troca de votos, foi sentenciado em 2011 a três anos em regime aberto e também recorreu (por meio do famigerado embargo infringente); Carlos Roberto (PSDB-SP) foi punido com três anos de prisão e multa, por apropriação indébita e crimes contra o patrimônio, mas, passando de suplente a titular, a decisão foi anulada em 2013, e o caso, remetido ao STF; Celso Jacob (PMDB-RJ), por falsificar documento público e infringir a Lei de Licitações, foi condenado em primeira instância e também recorreu; João Arruda (PMDB-PR), sentenciado por homicídio culposo em acidente de trânsito, teve a pena convertida em indenização e serviço comunitário; Abelardo Camarinha (PSB-SP), por crime de responsabilidade, foi condenado em 2012 a quatro meses de detenção, pena que foi convertida em multa e prescreveu; Dr. Luiz Fernando (PSD-AM) teve a pena de três anos de prisão por estelionato convertida em prestação de serviços e aguarda recurso; Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) foi sentenciado em 2010 pela Justiça Federal a três anos e quatro meses de prisão por violação de sigilo funcional e fraude processual, pena substituída por prestação de serviços comunitários e restrições de direitos, e também entrou com recurso; Marco Tebaldi (PSDB-SC) foi condenado em primeira instância a pagamento de multa e prisão, teve a pena substituída por prestação de serviços, recorreu e aguarda a tramitação do caso no STF.

Mensalão – Há ainda o caso dos quatro deputados condenados em 2012 no processo do mensalão: João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP), Pedro Henry (PP-MT) e José Genoino (PT-SP). Os quatro foram condenados, respectivamente, a nove anos e quatro meses, sete anos e onze meses, sete anos e dois meses e seis anos e onze meses de prisão, mas todos aguardam em liberdade o desfecho do processo, adiado indefinidamente desde a admissão dos embargos infringentes. Ao contrário de Cassol, para os mensaleiros foi decidida, além da reclusão, a perda de mandato. Outros oito parlamentares atualmente em exercício também já tiveram sua cassação determinada pela Justiça para algum cargo anteriormente ocupado (prefeito, deputado estadual ou vereador).

Negativo – “Essas condenações confirmam uma avaliação muito negativa da composição do Congresso. É mais um elemento de decepção”, diz o diretor executivo da Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo. “Mas não surpreendem: mais da metade dos parlamentares tem algum problema na Justiça ou nos tribunais de contas.” Conforme o Excelências, citações nas cortes do país alcançam 54,2% dos deputados e 54,3% dos senadores.

parlamentares-condenados-por-partido2-size-620parlamentares-condenados-por-delito

Papa: Igreja não pode “interferir espiritualmente” na vida dos gays

Novas declarações de Francisco foram publicadas em uma revista jesuíta

manchetes-siria-papa-carta-atualiza

Publicado no Terra

O Papa disse que a Igreja tem o direito de expressar suas opiniões, mas não pode “interferir espiritualmente” nas vidas de gays e lésbicas. Em uma entrevista divulgada nesta quinta, Francisco afirmou também que as mulheres deveriam ter papel nas decisões da Igreja e desconsiderou as críticas daqueles que dizem que ele deveria lutar contra o aborto e o casamento entre homossexuais.

A entrevista, divulgada hoje pela revista La Civiltà Cattolica e traduzida em diferentes línguas (leia na íntegra, em inglês), aprofunda a visão de Franciso a respeito da Igreja Católica Romana. Eric Marrapodi e Daniel Burke, comentaristas de religião da rede de TV americana, acreditam que os comentários do Papa não fere a política ou a doutrina católica, mas mostram um movimento que vai da censura ao engajamento (em relação à polêmica).

“A Igreja, às vezes, se fecha em si mesma em coisas pequenas, em regras pequenas”, disse o chefe da Igreja de Roma. “As pessoas de Deus querem pastores, e não clérigos agindo como burocratas ou oficiais do governo”, acrescentou. Segundo Francisco, se a Igreja falhar em achar equilíbrio entre as missões espiritual e política, “vai ruir como um castelo de cartas”.

No final de julho, quando voltava a Roma depois da Jornada da Juventude, realizada no Rio de Janeiro, Francisco já havia feito declarações parecidas. “Se a pessoa é gay, procura a Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgar?”, disse o Papa na época.

Félix, o vilão bíblico de ‘Amor à Vida’

Félix (Mateus Solano): quem nunca repetiu um bordão de novela por aí, que atire a primeira pedra (Divulgação)

Félix (Mateus Solano): quem nunca repetiu um bordão de novela por aí, que atire a primeira pedra (Divulgação)

Patrícia Villalba, na Veja on-line

Bordão de novela é um deleite e um risco. Num primeiro momento, serve para que a trama invada o dia dos telespectadores, que saem repetindo as frases de efeitos de determinado personagem. Mas, passado algum tempo, não é raro que a repetição canse o mesmo público que a consagrou.

Foi assim com o Félix (Mateus Solano) e o seu “salguei a Santa Ceia”, em Amor a Vida (Globo, 21h15). Repetido e readaptado à exaustão – inclusive na variante “salgay”, que circula na internet numa à orientação sexual do vilão –, o bordão já vinha cansando quando o autor Walcyr Carrasco, de olho nos comentários nas redes sociais, resolveu abrir a Bíblia. Agora, nenhum ícone sacro escapa da língua ferina do nosso malvado favorito do horário nobre – terá ele um passado carola?

Confira 5 bordões bíblicos de Félix Khouri:

“Eu devo ter colado chiclete na Santa Cruz!”

“Devo ter feito uma peruca com os cabelos de Sansão!”

“Eu dancei pole dance na cruz!”

“Só posso ter assoado o nariz no Santo Sudário para merecer isso…”

“Será que eu engarrafei as águas do Rio Jordão?”

Chiquinho Scarpa mostra buraco onde diz que vai enterrar carro

Empresário quer enterrar um Bentley Continental no quintal de mansão.
‘Até o fim da semana eu enterro ele!’, escreveu o empresário.

Scarpa postou foto de buraco em jardim (foto: Reprodução/Facebook)

Scarpa postou foto de buraco em jardim (foto: Reprodução/Facebook)

Publicado no G1

O empresário Chiquinho Scarpa quer enterrar um Bentley Continental no quintal de sua mansão, nos Jardins, em São Paulo. O anúncio do enterro foi feito na página de Scarpa no Facebook, na segunda (16) e “confirmado” nesta terça-feira (17).

Nesta terça, ele postou a foto de um buraco, onde diz que vai enterrar o carro. “Para quem está duvidando, ontem mesmo já comecei a fazer o buraco no jardim para enterrar meu Bentley! Até o fim da semana eu enterro ele!”, disse. Um Bentley novo – atualmente, a versão comercializada é a Flying Spur – custa entre R$ 925 mil e R$ 1,075 milhão.

Na segunda-feira, Scarpa postou uma foto ao lado de seu veículo, com uma ave de estimação na mão. Na legenda, o anúncio do enterro: “Decidi fazer como os faraós: essa semana vou enterrar meu carro favorito, o Bentley, aqui no jardim de casa!! Enterrar meu tesouro no meu palácio rssss”. A data do enterro não foi informada pelo empresário na rede social.

Segundo Scarpa, a decisão foi tomada após ele assistir a um documentário “muito interessante” sobre os faraós do Egito, que eram enterrados junto com suas riquezas na época do Egito Antigo. “Eles enterravam toda a sua fortuna para ter uma vida confortável ‘do outro lado’!”, disse o empresário na rede social.

Por volta das 11h desta terça-feira, a foto já tinha mais de 1.700 curtidas, 700 compartilhamentos e quase 1 mil comentários. No horário, o empresário ainda não havia sido localizado pelo G1 para comentar o assunto.

Carro é avaliado em cerca de R$ 1 milhão (foto: Reprodução/Facebook)

Carro é avaliado em cerca de R$ 1 milhão (foto: Reprodução/Facebook)