Cientistas descobrem gene que pode estar ligado à solteirice

Gene 5-HTA1 está ligado ao hormônio do humor, a serotonina, e pode determinar sucesso do relacionamento (foto: YASUYOSHI CHIBA / AFP)
Gene 5-HTA1 está ligado ao hormônio do humor, a serotonina, e pode determinar sucesso do relacionamento (foto: YASUYOSHI CHIBA / AFP)

Publicado no Extra

Uma variação genética relacionada à felicidade pode estar associada também a um aumento das chances de ter relações românticas, indica pesquisa realizada por cientistas chineses. O estudo descobriu que universitários que herdaram uma dose dupla da variação de um gene eram mais propensos a terem parceiros que outros estudantes, informou o jornal britânico “The Guardian”.

Esta seria a primeira evidência direta de que fatores genéticos têm papel na construção de relacionamentos, afirma a equipe, da Universidade de Pequim. O foco da pesquisa foi em um gene chamado 5-HTA1, que afeta o hormônio do humor, a serotonina. A variação C do gene leva a níveis mais elevados de serotonina que sua outra forma, a variante L. Todos têm duas cópias do gene, que podem ser uma dupla C, uma dupla G ou um de cada variação, dependendo da herança transmitida pelo pai e pela mãe.

O estudo fez testes com 579 estudantes da etnia Han e revelou que metade dos que herdaram dupla de genes C – um do pai e um da mãe – estavam em relacionamentos. Já os que tinham uma ou duas cópias da variante G tinham chance de apenas 40% de estar em um relacionamento. O resultado é relevante, estatisticamente. Os herdeiros da variante G, de acordo com os cientistas, estão mais propensos a serem neuróticos e depressivos.

“Como pessimismo e neuroticismo são prejudiciais para a formação, qualidade e estabilidade das relações, essa conexão entre a variante G e desordens psicológicas pode diminuir as oportunidades de namoro e levar ao fracasso do relacionamento romântico”, escreveu Xiaolin Zhou, da Universidade de Pequim.

Leia Mais

‘Genética feliz’ pode aumentar chances de relações românticas

Pesquisa indica associação entre gene que faz crescer níveis de serotonina e romances

Romance: estudo da Universidade de Pequim relaciona configuração genética a sucesso nos relacionamentos (foto: Free Images)
Romance: estudo da Universidade de Pequim relaciona configuração genética a sucesso nos relacionamentos (foto: Free Images)

Publicado em O Globo

Uma variação genética relacionada à felicidade pode estar associada também a um aumento das chances de ter relações românticas, indica pesquisa realizada por cientistas chineses. O estudo descobriu que universitários que herdaram uma dose dupla da variação de um gene eram mais propensos a terem parceiros que outros estudantes, informou o jornal britânico “The Guardian”.

Esta seria a primeira evidência direta de que fatores genéticos têm papel na construção de relacionamentos, afirma a equipe, da Universidade de Pequim. O foco da pesquisa foi em um gene chamado 5-HTA1, que afeta o hormônio do humor, a serotonina. A variação C do gene leva a níveis mais elevados de serotonina que sua outra forma, a variante L. Todos têm duas cópias do gene, que podem ser uma dupla C, uma dupla G ou um de cada variação, dependendo da herança transmitida pelo pai e pela mãe.

O estudo fez testes com 579 estudantes da etnia Han e revelou que metade dos que herdaram dupla de genes C – um do pai e um da mãe – estavam em relacionamentos. Já os que tinham uma ou duas cópias da variante G tinham chance de apenas 40% de estar em um relacionamento. O resultado é relevante, estatisticamente. Os herdeiros da variante G, de acordo com os cientistas, estão mais propensos a serem neuróticos e depressivos.

“Como pessimismo e neuroticismo são prejudiciais para a formação, qualidade e estabilidade das relações, essa conexão entre a variante G e desordens psicológicas pode diminuir as oportunidades de namoro e levar ao fracasso do relacionamento romântico”, escreveu Xiaolin Zhou, da Universidade de Pequim.

Leia Mais

Pessoas em casamentos felizes vivem mais, afirmam pesquisadores

foto: Corbis
foto: Corbis

Publicado no F5

Quanto tempo uma pessoa pode viver?

Tentando responder a essa questão, dois pesquisadores da Universidade da Pensilvânia desenvolveram um questionário com oito perguntas.

Elas foram desenvolvidas baseadas em dados da população americana e está disponível em inglês.

O internauta responde se é casado (ou pretende se casar ou está solteiro), cor, sexo, se fuma, idade e quanto tempo se exercita por semana, além de confessar se usa sempre cinto de segurança e quantas milhas roda de carro por ano.

“Esses são os maiores fatores de risco que nós temos sólidas evidências”, disse Lyle Ungar, professor de ciência da computação e informação da Universidade da Pensilvânia, à revista “Time”.

“Se você está em um casamento feliz, você tem grandes chances de viver mais. Isso talvez seja mais importante quanto fumar, o que quer dizer que é muito importante”, ele acrescentou.

Leia Mais

7 hábitos que tornam você infeliz e incompleto

noticia_93699
publicado no Administradores

Fazemos muitas coisas para sermos felizes, mas não importa o que fazemos ou o quanto conquistamos, às vezes ainda nos sentimentos miseráveis e incompletos. Ser feliz não é apenas sobre fazer mais, mas fazer as coisas certas.

O site Lifehack listou sete coisas que você (provavelmente) não está fazendo e, por isso, se sente infeliz, miserável e incompleto na maior parte do tempo. Confira:

1. Você não descobriu seu propósito

As pessoas mais felizes e mais satisfeitas são aquelas que acordam sabendo o que vão fazer a cada dia. Elas sabem o que as deixam felizes, o que as excita e isso é o que dá sentido às tarefas do seu trabalho. Se você está se sentindo infeliz e preso ao seu trabalho é porque ainda não descobriu o te move. Não tenha medo de fazer essa incrível descoberta e, se necessário, começar tudo de novo.

2. Você não sabe qual o seu potencial

Não importa qual seja o seu propósito, persegui-lo nem sempre é um mar de rosas. Haverá dias que você não se sentirá com vontade de trabalhar, vai estar desanimado com seus resultados ou a falta deles e é por isso que as pessoas desistem de seus propósitos. Quando você sabe o que pode realizar, também é capaz de se esforçar para atingir o máximo do seu potencial mesmo que apareçam os maiores obstáculos no caminho.

3. Você não está recebendo amor

Muitas pessoas se sentem infelizes porque procuram o amor e aprovação de outras pessoas. Elas buscam afirmação de chefes, colegas e outras pessoas. Elas procuram constantemente por amor nos lugares errados. Abra-se e receba o amor que já está disponível para você e você vai perceber o quão abençoado realmente é. Existem pessoas que te amam mais do que você sabe e eles te amam incondicionalmente. Você apenas tem que olhar nos lugares certos.

4. Você não está dando amor

Ao contrário da maioria de nós, atletas e celebridades não têm nenhum problema de receber o amor de outras pessoas. Mas, muitos deles caem em depressão e dependência. Mesmo no auge de suas carreiras, muitos atletas e celebridades se tornam infelizes. Por quê? Porque assim balões como recebem ar, eles recebem muito amor até que simplesmente estouram. As pessoas não são projetados para apenas receber amor, mas também para dar amor. Elas têm uma profunda necessidade de fazer a diferença.

5. Você não assume responsabilidades

Costumávamos depender de nossos pais para decisões importantes em nossas vidas, como qual escola se matricular em que rumo tomar. Dependemos até mesmo dos nossos chefes para nos dar direção para nossas vidas. Então, perguntamos por que se sentir miserável e culpar outras pessoas! Mas a realidade é que eles não assumem o controle de nossas vidas. Damos-lhes o controle. As pessoas felizes e satisfeitas tomam de volta o controle das outros pessoas. Elas pegam de volta a responsabilidade por suas vidas. Eles fazem suas próprias escolhas e as suas próprias decisões. Eles agem e vivem a vida que eles querem, não o que os outros querem viver. Não permita que ninguém ou nada para impedi-lo de prosseguir com o seu propósito.

6. Você não consegue se livrar de crenças limitantes e responsabilidades auto-impostas

Na maioria das vezes, não são as outras pessoas que estão impedindo você de alcançar a grandeza dentro de você. Na maioria das vezes, é você que impede a si mesmo, desencorajando a conversa interior. Deixe de lado suas crenças limitantes. As coisas podem não ser tão fáceis como parecem ser. Mas, elas não são tão duro como você acha que são. Você provavelmente irá ter sucesso no que você tenta. É só tentar. Além disso, deixe de lado suas responsabilidades auto-impostas. O mundo tem muitos problemas, mas não é você que irá resolver todos eles.

7. Você não está focando no momento presente

Muitas pessoas são infelizes porque estão muito presas no passado ou vivendo muito longe no futuro. Elas estão presos em suas mágoas ou na glória do passado, se preocupando muito com as coisas que provavelmente não vão acontecer, ou com o futuro sucesso, portando não podem desfrutar do que já têm. A única maneira que você pode viver uma vida feliz e realizada é vivê-la ao máximo um dia de cada vez.

Leia Mais

7 maneiras de aumentar felicidade e sua satisfação com a vida

aumentar-felicidade-838x711

Natasha Romanzoti, no Hypescience

Felicidade é a maior busca humana. Todos nós experimentamos picos emocionais ao longo de nossas vidas – com uma promoção no trabalho, no dia do nosso casamento, com o nascimento de um filho etc. Mas esses momentos produzem sentimentos temporários de euforia, e especialistas dizem que não são suficientes para alcançar a verdadeira felicidade.

A felicidade não é apenas um estado emocional. Décadas de pesquisa provam que é algo muito mais profundo. Na verdade, a ciência mostra que as pessoas felizes vivem vidas mais longas e saudáveis.

A boa notícia é que possível ser feliz tomando pequenas atitudes, independentemente do nosso meio ambiente ou genética.

Confira sete maneiras de aumentar felicidade e sua satisfação com a vida:

Seja positivo

Um estudo da Universidade de Harvard (EUA) descobriu que os otimistas não só são mais felizes, como são 50% menos propensos a ter doença cardíaca, um ataque cardíaco ou um acidente vascular cerebral.

A conclusão é que manter uma perspectiva positiva oferece proteção contra doenças cardiovasculares. Já os pessimistas têm níveis mais baixos de felicidade em comparação com os otimistas e têm três vezes mais chances de desenvolver problemas de saúde à medida que envelhecem.

Aprenda com as pessoas que já são felizes

A Dinamarca vira e mexe ganha o primeiro lugar em qualquer índice que mede o bem-estar e a felicidade dos países de todo o mundo. O que faz dessa a nação a mais feliz do mundo?

Claro, coisas como a expectativa de vida, produto interno bruto e baixa corrupção ajudam – e muito. Mas o nível geral de felicidade na Dinamarca tem mais a ver com a generosidade que é comum entre os cidadãos, a liberdade que eles têm para fazer escolhas de vida e um sistema de apoio social forte, de acordo com a Organização das Nações Unidas.

Trabalhe menos

Os dinamarqueses parecem ter um grande equilíbrio entre vida e trabalho, o que aumenta seu nível de felicidade. Simplificando: eles não trabalham em excesso. Na verdade, a semana de trabalho média na Dinamarca é de 33 horas – apenas 2% dos dinamarqueses trabalham mais de 40 horas por semana.

Quase 80% das mães na Dinamarca voltam ao trabalho depois de ter um filho, mas equilibram o seu tempo livre entre a família, amigos e programas na sua comunidade.

Concentre-se em experiências

Dinamarqueses também dão menos atenção a dispositivos eletrônicos e coisas, e mais atenção para a construção de memórias. Estudos mostram que pessoas que se concentram em experiências ao invés de se focar em “ter coisas” têm níveis mais elevados de satisfação, mesmo muito tempo depois que a experiência passou.

Comprar muitas vezes leva a dívidas, para não mencionar o tempo e o estresse associado com a manutenção de todos os dispositivos, carros, propriedades, roupas, etc.

Os pesquisadores dizem que quando as pessoas se concentram em experiências, elas sentem uma maior sensação de vitalidade ou “de estar vivo” tanto durante o momento quanto depois.

As experiências também unem mais as pessoas, o que pode contribuir para a sua felicidade.

Construa uma rede social

Ao simplesmente ser social, você poderia viver mais tempo. A pesquisa mostra que um sistema de apoio social forte pode aumentar nossa expectativa de vida.

Os telômeros são as pequenas tampas em nossos cromossomos do DNA que indicam a nossa idade celular. De acordo com especialistas, não ter amigos pode ser igual a telômeros mais curtos e, por sua vez, uma vida mais curta.

Outros estudos mostraram que a solidão leva a maiores taxas de depressão, problemas de saúde e estresse. Ou seja, vale a pena ter pelo menos um amigo próximo para aumentar seu nível de felicidade e saúde.

Se voluntarie

Pessoas que se voluntariam são mais felizes, concluíram dezenas de estudos. A ONU credita o voluntariado como uma das razões para a Dinamarca ser o país mais feliz do mundo – 43% dos dinamarqueses regularmente doam seu tempo para boas ações em sua comunidade.

A alegria de ajudar os outros começa cedo. Um estudo de 2012 descobriu que crianças preferem dar do que receber. Os pesquisadores deram a dois grupos de crianças lanches e, em seguida, pediram que um dos grupos oferecesse esses lanches a outras pessoas. As crianças que entregaram os seus lanches mostraram maior felicidade sobre a partilha de seus bens, o que sugere que o ato de sacrifício pessoal é emocionalmente gratificante.

O sacrifício não tem que ser grande – pesquisas já sugeriram que doar tão pouco quanto US$ 5 gera benefícios emocionais.
Realizar atos de bondade, se voluntariar e doar dinheiro aumentam a felicidade, melhorando o seu senso de comunidade, propósito e autoimagem.

Comece a rir

Estudos mostram que rir não apenas sinaliza felicidade, mas sim a produz. Quando rimos, nossos hormônios do estresse diminuem e nossas endorfinas aumentam. Endorfinas são as mesmas substâncias químicas que o cérebro associa com aquele “impulso” que as pessoas recebem do exercício físico.

Rir também faz bem para o coração. Um estudo descobriu que apenas 8% dos pacientes cardíacos que riram diariamente tiveram um segundo ataque cardíaco dentro de um ano, em comparação com 42% dos que não riram.

Estudos ainda mostram que nosso corpo não consegue diferenciar entre o riso falso e o real – as pessoas recebem benefícios de saúde de qualquer maneira. Sendo assim, você pode forçar-se a rir mais, pelo menos um pouco todos os dias, até que você tenha verdadeiros motivos para sorrir. [CNN]

Leia Mais