Arquivo da tag: folha

Pastores vão à escola aprender liderança

O pastor Lawton Ferreira, que coordena curso à distância para religiosos e presta consultoria a igrejas Foto: Karime Xavier/Folhapress

O pastor Lawton Ferreira, que coordena curso à distância para religiosos e presta consultoria a igrejas Foto: Karime Xavier/Folhapress

Clara Roman, na Folha de S.Paulo

Responsáveis por liderar uma comunidade de 42,3 milhões de pessoas, segundo o IBGE, pastores evangélicos têm buscado melhorar sua formação com cursos de especialização para o cargo.

As disciplinas alternam noções de teologia e entendimento da Bíblia com conceitos de administração e estratégias de liderança.

Entre 2000 e 2010, os evangélicos aumentaram sua fatia na população de 15,4% para 22,2%, impulsionando também a demanda por pastores e, consequentemente, a criação de cursos e escolas para sua formação.

Na Faculdade de Educação Teológica de São Paulo, o curso é on-line e tem duração de cerca de um ano, ao custo de R$ 999. O material didático consiste em 101 apostilas, com lições de antropologia, código civil e penal, administração eclesiástica, didática e ética, entre outras.

Na aula de administração, por exemplo, são ensinados conceitos clássicos como o PODC (planejar, organizar, decidir, controlar), da obra Administração, de James Stoner e Edward Freeman.

Na estrutura organizacional, um pastor tem a incumbência de um profissional na área de marketing e vendas, analisa Antonio Sauaia, professor da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade).

Ao término das disciplinas, o pastor Lawton Ferreira, coordenador do curso, oferece consultorias nas igrejas para acompanhar a prática dos pastores. Os pastores precisam melhorar a capacidade de liderança, de coordenar equipes, afirma Ferreira.

Lawton também ensina técnicas para melhorar a comunicação com o público, como utilizar linguagem mais acessível durante os cultos.

O pastor Emerson Acioli, 32, afirma que o curso o ajudou a desenvolver uma base teórica para construir seus discursos nas cerimônias.

Nos primeiros cinco meses, teve dificuldade em compreender a linguagem dos textos, conta. Hoje, ele afirma receber uma remuneração mensal de R$ 1.500, além de ter a moradia garantida pela igreja onde ministra os cultos, mas não possui direitos trabalhistas e recolhe o INSS como autônomo.

NOVO CURSO

Lawton pretende lançar um novo módulo, com o nome de Atividade Pastoral na Contemporaneidade. O objetivo desse novo curso é aumentar a expansão dos fiéis na igreja. Segundo
Lawton, sua nova técnica, que consiste em convencer os fiéis de que possuem os mesmos poderes de um pastor, fará a igreja angariar cerca de 8.000 seguidores por ano.

Métodos de administração para multiplicação de membros são também objeto de aulas na Faculdade Gospel, que mantém desde 1994, em um curso criado pelo pastor Omar Silva da Costa.

Segundo a escola, são ensinadas práticas usadas pelas igrejas Mundial e Universal do Reino de Deus. O curso tem ainda disciplinas como Estresse e Depressão ou Como Trabalhar com Homossexuais.

Apesar da multiplicação dos cursos e da perspectiva de altos salários o pastor Silas Malafaia, da Associação Vitória em Cristo, causou polêmica ao afirmar que os salários de seus pastores variam de R$ 4.000 a R$ 22 mil, a carreira religiosa ainda enfrenta percalços.

No fim do ano, o Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o vínculo empregatício entre um pastor evangélico e a igreja Universal do Reino de Deus.

O pastor Glauber Alencar, da Assembleia de Deus do Bom Retiro em São Paulo, central de cerca de 150 filiais na cidade, diz que a profissionalização do pastor, ou seja, seu reconhecimento como empregado, é uma discussão frequente dentro das igrejas.

Alencar defende a criação de um plano de carreira para os pastores, além de benefícios sociais, como plano de saúde e previdência, de modo a inserir uma gestão mais próxima à de uma empresa.

Segundo ele, a ideia encontra resistência em setores da comunidade evangélica, sobretudo em relação a remuneração por comissão, ou seja, proporcional ao número de seguidores angariados. A Assembleia de Deus, por exemplo, é contra essa ideia.

Um homem fiel

Ilustração de Bebel Franco

Ilustração de Bebel Franco

Danuza Leão, na Folha de S.Paulo

As mulheres são curiosas. Outro dia ouvi de uma amiga a seguinte pérola: “não é nem que eu esteja assim tão apaixonada, mas estou com XXX porque ele é incapaz de me trair”.

A certeza com que ela disse isso –e a felicidade–, me levaram a pensar: será que essa é mesmo a maior qualidade que se pode querer de um homem? Que ele seja incapaz de nos trair? É um caso a pensar.

Naturalmente nenhuma mulher está querendo que o homem com quem pretende compartilhar a vida saia atrás da primeira mulher que passar pela frente; mas é preciso que o homem que se ama seja capaz de quase tudo, e nesse quase tudo está incluída a capacidade de achar graça em muitas mulheres; aliás, em quase todas. E é essa capacidade que põe a mulher louca –por ele.

Está-se falando de amor, claro, e qual a mulher que consegue amar sabendo que o homem que ama é incapaz de traí-la, que ela pode passar a vida fazendo qualquer coisa –ou nada– que vai ser amada da mesma maneira?

O que conserva o amor em altíssima temperatura é a incerteza, é a dúvida. Será que ele foi mesmo a um jantar de trabalho? Será que foi mesmo ao futebol? E quando o celular tocou e ele disse que não podia falar, que ligava depois, não seria uma mulher? Claro que era, ela vai pensar. E vai viver no fio da navalha, sem certeza alguma do que está se passando, razão mais do que suficiente para não conseguir dormir, para viver atenta, prestando atenção a tudo, sobretudo aos silêncios.

Viver à beira do precipício é o maior combustível para uma paixão, e muitos confundem insegurança com sentimentos mais profundos.

Uma mulher que não tem muita certeza da fidelidade do seu parceiro nunca será vista precisando pintar a raiz dos cabelos ou sem pelo menos um pouquinho de maquiagem. Ela sabe que vive sempre por um fio, e nada melhor para alguém se sentir viva do que saber que a qualquer momento pode ganhar –ou perder– a vida, o dinheiro, o homem amado.

Estabilidade? E alguém tem estabilidade em alguma coisa? Se alguém achar que tem, além de ser um ingênuo, vai perceber que é a morte em vida.

Que você seja a pessoa mais rica do mundo, mais bonita, mais poderosa, pode acontecer de um dia, em um minuto, perder tudo.

Se houver uma revolução, o mais rico de todos pode ficar pobre –e até ser preso; se a mais linda tiver a pouca sorte de passar num desses bueiros que no Rio às vezes explodem, corre o risco de ir para o hospital para cuidar de suas queimaduras, e dizem que dor maior não há; e o poder– bem, basta ler os jornais, qualquer um, de qualquer país, para ver que se trata de uma gangorra.

Faça um exercício de memória e lembre dos nossos governantes do passado, que saíram debaixo de escândalos, e onde eles estão agora, poderosíssimos de novo; nesse ramo, mais do que em qualquer outro, tudo acontece, inclusive o impossível.

É essa certeza de não poder saber nada sobre o futuro que pode, às vezes, trazer uma notícia maravilhosa –embora seja raro–, ou acabar com suas ilusões e até com seu mundo.

Complicado, mas esse talvez seja o sal da vida.

Barbara Gancia saiu do armário com classe

Barbara Gancia

Barbara Gancia

Kiko Nogueira, no Diário do Centro do Mundo

Na semana passada, a colunista da Folha Barbara Gancia saiu do armário. Foi num artigo sobre a renúncia do papa. “Do jeito que esses senhores colocam, ou bem se é católico ou se é humano”, escreveu. “Bem, pessoalmente, opto por ser fiel a mim, da forma mais digna e transparente possível, caminhando no sentido contrário das farsas, da impostura e das trevas que me foram impostas pela herança de uma educação católica. O que significa impedir que esses malucos de batina queiram me afastar de Cristo sentenciando que minha homossexualidade não se encaixa no conceito que eles fazem de amor”.

Você pode dizer: eu já sabia. Ok. Mas o fato de Barbara se abrir desta maneira é um avanço. E o fato de isso não virar uma revolução é outro. Barbara comentou sobre sua sexualidade de uma maneira clara e sensível, sem se martirizar ou transformar essa revelação num factoide. Fez diferença na argumentação? Sim. Ela tinha a obrigação moral, como figura conhecida, de assumir? Não. Embora hoje não exista mais privacidade, o que ela faz em casa continua não sendo da conta de ninguém, a menos que você acredite no capítulo 487, versículo 7463 do Livro de Miguelito, que diz que toda pessoa que gosta de cupcake arderá no inferno.

Barbara dá um recado importante ao comentar o tema com naturalidade. Como no caso de Jodie Foster, que saiu do armário de maneira elegante no Globo de Ouro, ela deve ser julgada por sua obra. Nada além disso interessa (a não ser no submundo da fofoca, que é onde se arrastam as almas penadas de subjornalistas como a que “insinuou” que Rafinha Bastos é gay).

O Brasil ainda tem poucos exemplos de gente famosa que saiu do armário. Cauby Peixoto morrerá dizendo que gosta de mulheres. É direito dele. Só é bobo e inútil porque ninguém leva a sério. Ao embutir a confissão sobre sua sexualidade num texto sobre religião, Barbara não está fazendo proselitismo. Ela mesma disse para a ombudsman da Folha, Suzana Singer, que não quer ter apenas essa dimensão. “Tenho outros defeitos”, afirmou.

Recentemente, um amigo me contou que a filha, recém-saída da adolescência, é homossexual. Ele estava tendo algumas conversas com ela. Não para convencê-la a mudar de ideia — o que, de resto, não daria em nada –, mas que ficasse tranquila porque ele estava tranquilo. Ajudaria a menina se uma das 97 cantoras gays de MPB assumissem? Talvez. Mas a maior preocupação de pai e filha, na verdade, era outra: que ela passasse na faculdade e pudesse seguir com o plano de virar veterinária. Enfim, como todo pai, que ela fosse feliz e que ele a apoiaria diante das forças do mal, se elas aparecerem. E vida que segue.

Pedaços de meteorito já estão à venda em site russo

noticia_73426

publicado no Administradores

Conforme o ditado, enquanto uns choram, outros vendem lenços. A máxima também é válida na Rússia. Fragmentos do meteorito que atingiu a cidade de Tcheliabinsk, na Rússia, na última sexta-feira (15), já estão à venda em um site local. Os tamanhos e preços dos pedaços da rocha variam; alguns anunciantes afirmam que chegam a ter vários quilos.

De acordo com a Folha, no site Avito.ru, portal de classificados gratuitos semelhante ao Mercado Livre, pelo menos 10 anúncios de venda dos fragmentos do meteorito foram postados durante o fim de semana. Um dos vendedores alega que está vendendo um pedaço de 200 quilos. O anúncio, de autenticidade questionável, não continha preço nem fotografias do fragmento.

Outra postagem indicava 16 fragmentos maiores ao preço de 15 mil rublos a unidade (aproximadamente US$ 500, ou R$ 1000) e outros 77 pedaços menores, que valem 2 mil rublos cada (próximo de US$ 67, ou R$ 134).

O governo russo suspendeu a busca pelos fragmentos do meteorito, mas a região em torno do Lago Chebarkul, onde se formou uma cratera associada ao bólido, permanece isolada. Segundo a BBC, cientistas russos encontraram vários fragmentos no local, durante o último domingo (17).

Na última sexta-feira (15), o meteorito atingiu a cidade de Tcheliabinsk, localizada ao sul ocidental da Rússia, próxima aos Montes Urais. Cerca de mil pessoas ficaram feridas com o incidente. Cientistas estimam que a rocha tinha 15 metros de diâmetro, 10 toneladas e viajava a 54 mil quilômetros quando entrou na atmosfera terrestre.

A casinha espiritual de Julia Rodrigues

Nikita

publicado no Epimenta

Nikita

Julia Rodrigues tem um olho invulgar.

Aos 26 anos, a carioca desponta como uma das mais promissoras fotógrafas de sua geração.

Seu trabalho já apareceu nas páginas das revistas VIP, Veja, Época,

Vogue RG, Claudia, Capricho, Gloss, Quatro Rodas, Info,

Prazeres da Mesa e e São Paulo, a revista da Folha.

Mas se você visita o Tumblr da moça verá um pouco do trabalho autoral, de que gosto bastante. Fui falar com a Julia para entender melhor.

Julia e os amigos da Casinha Cósmica; ela é primeira no alto à esquerda

Julia e os amigos da Casinha Cósmica; ela é primeira no alto à esquerda

O projeto Casinha do Retiro Espiritual Cósmico

“É uma brincadeira que me ajuda a organizar o pensamento. Estou numa fase de entender o quê (e se) quero dizer alguma coisa mais pessoal. Então resolvi fazer um inventário de todo mundo que passa pela minha vida e pela Casinha do Retiro Espiritual Cósmico, que é o lugar onde eu moro com os meus amigos. O nome surgiu quando chamei o pessoal para dividir a casa, queria deixar bem claro que não seria bagunça. Doce ilusão. A gente recebe muita visita e foi justamente durante uma conversa entre amigos na cozinha que surgiu o primeiro retrato. A parede, a luz e o enquadramento são sempre os mesmos da primeira foto, mas cada retratado faz o que bem entende quando vai para a frente da câmera.

Jenny

Jenny

Convidados Intergaláticos

A maioria pede pra ser dirigida. Imagino que assim se sintam mais livres pra criar um personagem, sem medo de parecerem “ridiculos”. Pra mim “Convidados Intergaláticos” é uma maneira leve de aprender a lidar com os egos e entender como dirigir melhor um personagem. E eu sei, o nome é bem retardado, se eu soubesse que daria uma entrevista sobre isso, teria pensado em um nome melhor.

Marina

Marina

Carreira

Sou designer visual de formação e passei boa parte da infância em ambientes de ateliê, cercada de artes plásticas. Acho que sempre soube que trabalharia com algo relacionado a imagem. Logo que saí da faculdade fui fazer assistência para o fotógrafo Ernani d’Almeida, passei mais de um ano carregando muita mala, tomando bastante esporro, conhecendo muita gente e aprendendo fotografia na prática.

Nay

Nay

Jorge Bispo

Logo depois fui assistente do Jorge Bispo, foi um momento importante para entender que o que eu queria fazer mesmo era retrato. Como retratista, o fotógrafo tem permissão de fazer um contato mais profundo com as pessoas. Eu mesma como viro um personagem. Às vezes esse papel te dá livre acesso à intimidade de uma pessoa. Sou um pouco tímida e vi nessa profissão uma maneira de interagir.

Ariane Cerqueira para VIP

Ariane Cerqueira para VIP

Influências

Vi muito Man Ray, Carlos Zéfiro e Niki di Saint Phalle em casa. Na fase do autorretrato pirava na Francesca Woodman e na Cindy Sherman. Acho que as referências eternas são a Diane Arbus, Helmut Newton, Richard Avedon, August Sander, Mapplethorpe, Inez & Vinoodh, Annie Leibovitz e mais uma galera. Comprei um livro há pouco tempo chamado “Haunted Air” que é uma compilação do Ossian Brown de retratos de halloween de 1875 até 1955, é incrível. Tem a revista Treats também, os ensaios são de cair o queixo. Por último, mas não menos importante, tem o Tumblr. Sei que não é uma referência específica, sigo algumas centenas de blogs entre portfolios de fotografia, eróticos, retrato e moda. É uma avalanche de informação e sempre dá para pescar alguma referência útil e interessante.

Vallery

Vallery

Internet e a fotografia erótica

A internet tornou a fotografia erótica mais acessível. Sendo mais acessível, fica mais aceitável. As pessoas se sentem mais livres para produzir, divulgar e dizer que gostam também. Às vezes me pego vendo uns tumblrs de sacanagem no meio do metrô, esse tipo de acesso era inimaginável há pouco mais de uma década. Antes o público só tinha acesso a esse tipo de coisa em revistas e livros, agora as fontes são quase infinitas.

Kellen

Kellen

Erotismo versus vulgaridade

Depende do cenário em que é apresentado e do ambiente social de quem está recebendo a mensagem. Um nu do Avedon pode ser julgado como uma safadeza sem fim. Uma foto de um genital clicada sem preocupação artística aparente pode ser considerada uma obra de arte dentro de um contexto especifico.

Michel

Michel

E o Terry Richardson, é vulgar?
Se for no sentido do medíocre, acho que não. O cara deu um jeito de transformar o método cru, a direção “naughty” e a luz dura e direta em referência forte na fotografia. No sentido vulgar/vil também acho que não, mas aí a gente volta à linha tênue entre erotismo e vulgaridade, dependendo do que se tem como referência, pode ser diabo ou santo.