Lições tardias para um coração ávido

Melting_Clock09Ricardo Gondim

O tempo tudo destrói. A poeira da história, tangida pelo fluir inevitável do tempo, cobre tudo. Na mitologia, Kronos, um titã, devorava os filhos. Depois de séculos, impérios outrora avassaladores, enchem os atuais alunos secundaristas de tédio. Napoleão virou nome de cachorro. Exércitos desapareceram. Templos magníficos hoje não passam de escombros. Livros importantes jazem nas bibliotecas. Nós também passaremos.

Vergílio Ferreira, escritor português, percebeu que tratados escritos sobre infância, juventude e idade adulta se fala de ir. Vai-se aonde? - pergunta. Ao futuro- responde.  Que futuro nos aguarda? Vergílio Ferreira conclui: esse tal “ir” é rumar para a velhice. E quando lá chegarmos, velhice é estar. De fato, velhice é o estágio em que gastamos o resto da nossa vida. Existencialmente, não sobram muitas opções: ou se morre cedo, como Camelot, ou se enfrenta a decrepitude. Desejos, sonhos e ambições nos impulsionam a caminhar. Rumamos, todavia, a um porvir que nos desfará em nada.

Embora não seja oficialmente idoso – ainda faltam alguns anos -, começo a me preparar para os derradeiros dias. Não pretendo viver a próxima etapa da existência, comendo o sobejo dos bons tempos já vividos. Reafirmo uma antiga crença: ninguém é velho enquanto estiver disposto a aprender. Na madureza, almejo continuar flexível. Quero sugar todo o conhecimento que puder. Sem nunca parar de repetir: Só sei que nada sei.

Treino despojar-me de falsas onipotências. Já confiei demais na própria capacidade de ordenar a vida. Imaginei certas convicções e práticas – principalmente as religiosas – capazes de me resguardar contra decepções, tristezas e contrapés. Contudo, como bem poetizou Chico Buarque, veio a Roda Viva e carregou o destino pra lá. Muitos dos meus pesares foram vãos, desnecessários. Tolo, superestimei a capacidade de aliviar o risco de viver. Arranhei a alma porque acreditei na possibilidade de blindar o corpo.

Abracei a mensagem religiosa que promete engrenar o cotidiano, garantindo vitória sobre vitória. Me esforcei ao máximo. Caso obedecesse regras, leis, preceitos, eu me livraria das dores que afligem tantas pessoas. Eu buscava a pureza espiritual que me abençoaria com um dia-a-dia protegido. Se fosse santo, viveria em estado nirvânico – na mais pura felicidade.

Depois de vários tombos, inúmeras bobagens, enormes desapontamentos e grandes decepções, acordei: a vida não se deixa encabrestar. Notei que nunca consegui alcançar a tal perfeição. Nessa busca, eu só me atolei na culpa – oprimido por um Superego cada vez mais gigante. Precisei criar espelhos distorcidos. A imagem que enxergava devia ser maior do que eu mesmo. Se a juventude engana e a meia-idade consegue ser um pouco mais coerente, a velhice se torna brutalmente honesta – ela nos esvazia dos delírios narcísicos.

Devido a minha sede de onipotência, idealizei auditórios. Acreditei na força da minha oratória. Eu me achava capaz não só de convencer como de arrebatar as multidões. Nas longas horas em que preparei sermões, pedi uma unção que me transformaria na extensão concreta e absoluta do próprio Deus. Eu não admitia ineficiência. Ambicionava converter indivíduos, transformar realidades e revolucionar o mundo. Confundi talento natural com eleição. Acabei inebriado com o meu discurso. Quando os meus cabelos começaram a pratear, dei-me conta: vários meninos e meninas da minha comunidade haviam desistido da fé; eu tinha sido chutado e espezinhado por colegas de ministério. Sofri. Toda a minha eloquência se mostrou, inapelavelmente, frágil.

Por me sentir um Atlas – com a responsabilidade de carregar o mundo nas costas – , raramente me permiti viver. Evitei alegrias e desperdicei momentos bonitos porque não os considerava úteis para o avanço da missão. Eu admitia o lazer caso servisse para me recompor, manter o vigor e me devolver ao trabalho. Poesia, nem pensar. Para minha vergonha, repeti inúmeras vezes que poesia não ajuda a argumentar.

Contentava-me em encaixar algum passeio na viagem missionária – com remorso. Celebrava o convite para falar em uma conferência, pela excelente ocasião de tirar uns poucos dias de férias. O correr dos anos minou esse ativismo messiânico. Agora aprendo a cantar com Almir Sater: Ando devagar porque já tive pressa/ E levo esse sorriso/porque já chorei demais/ Hoje me sinto mais forte,/ mais feliz quem sabe/ Eu só levo a certeza de que/ muito pouco eu sei, eu nada sei.

Minhas despedidas foram trágicas, os lutos, inconsoláveis e as decepções, amargas. Capitulei. Aceitei que a vida é frágil. Reconheci: não sou auto-suficiente. Ao confirmar a minha debilidade, reaprendi a ser grato. Gratidão nasce de uma memória modesta.

Pretendo seguir o restante da jornada com menos pretensão. Sem outros arroubos, quero conviver com as minhas frágeis intuições. Espero saber me gloriar nas fraquezas, nunca nos desempenhos. Anseio desvendar a beleza da confissão de Paulo: Porque, quando sou fraco, então é que sou forte (2Co 12.10).

Já dou de ombros ao imperativo religioso de superar a minha humanidade. Começo a reconhecer limites. Não sou anjo. Não me considero um conquistador das utopias – eu as guardo apenas como alavancas para novas iniciativas.

O tempo tudo desgasta. Paradoxalmente, o tempo avivou em mim a afirmação milenar do profeta: Ele te declarou, ó homem, o que é bom, e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus – [Miqueias 6.8].

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Leia Mais

‘Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura’

Ricardo Gondim recita “O Haver”, de Vinicius de Moraes. #purolirismo

Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura
Essa intimidade perfeita com o silêncio
Resta essa voz íntima pedindo perdão por tudo
- Perdoai-os! porque eles não têm culpa de ter nascido…

Resta esse antigo respeito pela noite, esse falar baixo
Essa mão que tateia antes de ter, esse medo
De ferir tocando, essa forte mão de homem
Cheia de mansidão para com tudo quanto existe.

Resta essa imobilidade, essa economia de gestos
Essa inércia cada vez maior diante do Infinito
Essa gagueira infantil de quem quer exprimir o inexprimível
Essa irredutível recusa à poesia não vivida.

Resta essa comunhão com os sons, esse sentimento
Da matéria em repouso, essa angústia da simultaneidade
Do tempo, essa lenta decomposição poética
Em busca de uma só vida, uma só morte, um só Vinicius.

Resta esse coração queimando como um círio
Numa catedral em ruínas, essa tristeza
Diante do cotidiano; ou essa súbita alegria
Ao ouvir passos na noite que se perdem sem história.

Resta essa vontade de chorar diante da beleza
Essa cólera em face da injustiça e o mal-entendido
Essa imensa piedade de si mesmo, essa imensa
Piedade de si mesmo e de sua força inútil.

Resta esse sentimento de infância subitamente desentranhado
De pequenos absurdos, essa capacidade
De rir à toa, esse ridículo desejo de ser útil
E essa coragem para comprometer-se sem necessidade.

Resta essa distração, essa disponibilidade, essa vagueza
De quem sabe que tudo já foi como será no vir-a-ser
E ao mesmo tempo essa vontade de servir, essa
Contemporaneidade com o amanhã dos que não tiveram ontem nem hoje.

Resta essa faculdade incoercível de sonhar
De transfigurar a realidade, dentro dessa incapacidade
De aceitá-la tal como é, e essa visão
Ampla dos acontecimentos, e essa impressionante

E desnecessária presciência, e essa memória anterior
De mundos inexistentes, e esse heroísmo
Estático, e essa pequenina luz indecifrável
A que às vezes os poetas dão o nome de esperança.

Resta esse desejo de sentir-se igual a todos
De refletir-se em olhares sem curiosidade e sem memória
Resta essa pobreza intrínseca, essa vaidade
De não querer ser príncipe senão do seu reino.

Resta esse diálogo cotidiano com a morte, essa curiosidade
Pelo momento a vir, quando, apressada
Ela virá me entreabrir a porta como uma velha amante
Mas recuará em véus ao ver-me junto à bem-amada…

Resta esse constante esforço para caminhar dentro do labirinto
Esse eterno levantar-se depois de cada queda
Essa busca de equilíbrio no fio da navalha
Essa terrível coragem diante do grande medo, e esse medo
Infantil de ter pequenas coragens.

15/04/1962

A poesia acima foi extraída do livro “Jardim Noturno – Poemas Inéditos”, Companhia das Letras – São Paulo, 1993, pág. 17.

Leia Mais

Joelma, da Calypso: ‘Já me considero uma cantora gospel há oito anos’

Joelma durante a gravação do sétimo DVD do Calypso, em Ceilândia (DF) Foto: Terceiro / Caio Paifer / Divulgação
Joelma durante a gravação do sétimo DVD do Calypso, em Ceilândia (DF) Foto: Terceiro / Caio Paifer / Divulgação

Título original: Joelma, da Calypso, sobre polêmica gay: ‘Não sou de fugir da raia, gosto de uma briga’

Publicado no Extra

Ela confessa: gosta de uma briga e colecionou algumas este ano. De opinião forte, a cantora Joelma, da Banda Calypso, foi acusada de comparar gays a drogados e precisou algumas vezes negar o fim do grupo, que já vendeu mais de 15 milhões de discos em 14 anos. Ao lado do marido e também parceiro de palco, Chimbinha, ela disse que “apanhou muito, mas se fortaleceu”. Em conversa com a Canal Extra na véspera da gravação do sétimo DVD da banda, no dia 9, em Ceilândia (DF), a dupla paraense negou a crise no casamento. Os dois ainda desabafaram sobre o preconceito que sofrem por produzirem música “brega”.

Isso é Calypso!

Numa entrevista em março, você disse que lutaria até a morte se tivesse um filho homossexual e foi acusada de comparar gays a drogados. Mas, ao mesmo tempo, a Banda Calypso tem um grande número de fãs gays. Como eles reagiram a tudo isso?

Joelma: Nossos fãs são, na maioria, gays e lésbicas. Eles podem falar de mim. Eles sabem da maneira como eu os trato. Eles sabem o que eu converso com eles, e eles conversam comigo. Agora, eu não sei se foi um mal-entendido ou se foi de maldade, porque vocês (jornalistas) que trabalham na mídia sabem que há uma imprensa marrom. Existe a galera do bem e a galera do mal. Mas eu fiquei tranquila, porque meus fãs me conhecem. Eu não sou mulher de fugir da raia, sou de encarar o negócio mesmo, até confesso que gosto muito de uma briga. Enfim, eu sempre tiro alguma coisa boa de tudo, uma lição.

Esse período foi o pior momento da banda?

Chimbinha: Bateram tanto, bateram tanto, e nós não caímos. As pessoas me chamaram de gay, disseram que eu estava com depressão. Acabaram com o meu casamento, depois falaram que nossa relação é de fachada. E estamos aqui, juntos, gravando mais um DVD.

J: A gente apanhou muito este ano! Eu trabalhei tanto que acho que o meu corpo melhorou mais, eu fiquei magrinha, acho que estou mais em forma. Aprendi muito com tudo isso. Muito mesmo. Não que eu tenha achado legal, né? Mas essa história me fortaleceu bastante.

Joelma e Chimbinha: a Banda Calypso já vendeu mais de 15 milhões de discos Foto: Caio Paifer / Divulgação
Joelma e Chimbinha: a Banda Calypso já vendeu mais de 15 milhões de discos Foto: Caio Paifer / Divulgação

Joelma, você vai lançar um CD de música gospel, e imediatamente surgiram boatos sobre o fim da Calypso. Afinal de contas, a banda vai acabar?

J: Eu já me considero uma cantora gospel há oito anos, desde a primeira vez que eu gravei a primeira música religiosa na vida. Foi a maneira que eu encontrei de agradecer a Deus por tudo que Ele fez na minha vida. Hoje, tudo que eu sou, eu devo a Ele. Só que a imprensa grandiosa não sabia disso. Mas deixar a Calypso, nunca, jamais. É um presente de Deus pra gente.

C: Eu parei o projeto de CD de guitarra, que planejava. Fiquei até com medo de lançar e as pessoas acharem que a banda vai acabar.

Quando surgiu a polêmica com os gays, apareceram informações de que o filme sobre a história da Calypso seria cancelado por falta de patrocínio. O filme vai sair mesmo?

J: A gente concordou em fazer o filme por insistência. E eu não estou muito por dentro de nada. Já que eu aceitei, falei tudo que eu queria. Eu só tive um encontro com a Deborah Secco (a atriz será Joelma no filme). Nós duas conversamos em casa. A gente cantou e brincou a noite toda e não conversou nada de filme. Eu acho que ela já estava me estudando naquele momento, porque a Deborah estava imitando alguns gestos meus.

Por vocês serem do Norte e cantarem músicas regionais, a Calypso sofreu muito preconceito no início da carreira?

C: Em 1999, o auge era o pagode. Eu mandava (as músicas) para as gravadoras, sem sucesso. Com insistência, lançamos o primeiro CD e vendemos 500 mil cópias. No segundo álbum, fomos para uma gravadora grande. Pedi para sair seis meses depois. Eles queriam mandar no repertório. Eu disse que não. Hoje vendemos mais de 15 milhões de discos. E se as pessoas falam que brega é isso, eu sou um bregueiro nato.

J: Até hoje sofremos. Acho que são pessoas ignorantes que se acham mais especiais do que outras. Eu conheço gente que não sabe nem assinar o nome, mas tem talento para outras coisas, ganha dinheiro e é rico.

Você pensa em engravidar mais uma vez (Joelma tem dois filhos de seu antigo relacionamento e um do casamento com Chimbinha)?

J: Toda vez que eu vejo um bebê, fico louca. Desperta em mim um sentimento materno. Eu estou me programando para daqui a cinco anos. Quero ter um bebê e dar uma parada básica de seis meses com licença-maternidade e tudo.

E como você consegue ser mãe e manter a sua agenda de shows com uma rotina agitada ?

J: O Yago (17 anos) e a Yasmin (9 anos) estudam música e fazem tanta coisa, que eu prefiro que eles fiquem em casa para não atrapalhar a rotina dos dois. Eu vejo meus filhos quando volto para casa (em São Paulo, onde a família mora) e tento ter uma agenda de shows um pouco mais tranquila hoje em dia.

Qual é a importância da religião na vida de vocês (Joelma e Chimbinha atualmente são evangélicos)?

J: Acho que é tudo. Dentro de mim melhorou tudo. Eu tenho paz, felicidade, família e trabalho. Consigo passar por momentos difíceis com tranquilidade graças a tudo que eu acredito. Você aprende a lidar com todas as situações e não sai por aí querendo dar um tiro na cabeça.

Qual é o segredo para se manter durante 14 anos na estrada?

C: Trabalho. Muito trabalho. E a gente não vive de modismo. Antes, o funk estava na moda. Hoje, o Brasil todo está passando por um momento do sertanejo. Que bom para eles. Mas em nenhum momento nós fomos para o ritmo desses cantores. Tocamos o que a gente acha ser o nosso ritmo.

Ano que vem, Joelma, você completa 40 anos de idade e 15 de Calypso. Haverá uma comemoração especial ?

J: Parece que foi hoje a gravação do DVD de dez anos. Ainda estamos focados neste projeto aqui em Ceilândia, mas teremos com certeza algo legal em 2014. E eu quero um festão de aniversário também (risos).

Como foi feita a escolha das músicas neste novo DVD?

J: Cinquenta por cento do DVD está voltado para um ritmo mais do início da nossa carreira, com uma pegada mais romântica. Mas não podemos deixar o estilo mais dançante da banda, que a maioria dos fãs prefere.

Quem escolhe seus figurinos?

J: Tenho estilistas que produzem as peças, mas eu palpito muito. Gosto de saber o que eu vou usar e falo tudo o que eu quero. Neste DVD, por exemplo, uso quatro figurinos diferentes.

Leia Mais

Cristãos queimados por estar lendo a bíblia

cristaos_queimados
Cristãos teriam sido queimados vivos por estarem lendo a bíblia! Verdadeiro ou falso? (foto: Reprodução/Facebook)

Publicado no E-Farsas

Será verdadeira a foto que mostra pessoas sendo queimadas em praça publica por estarem lendo a bíblia? Descubra aqui!

A imagem é muito forte e chocante! Uma multidão assistindo alguns corpos queimando em uma fogueira no chão. O texto que a acompanha afirma que se trata de cristãos que foram pegos lendo a bíblia e, por isso, teriam sido queimados vivos!

Alguns leitores entraram em contato com o E-farsas para que tentássemos descobrir se essa história é verdadeira ou falsa.

Verdadeiro ou falso?

O texto não dá maiores explicações de onde ou quando o fato teria ocorrido. Apenas dá a entender que muitas pessoas são perseguidas e sofrem por tentar ler a bíblia em outros países.

A ideia é fazer com que o leitor fique chocado com a cena e que se sinta culpado por “ter toda a liberdade para ler a bíblia e não o faz diariamente”. Muitas religiões fazem suas pregações através do medo, com histórias que não condizem com a verdade, para deixar seus fiéis assustados e com extrema quantidade de culpa.

Para que a sua carga de culpa fique um pouco mais leve, o internauta acaba repassando a história adiante – sem dar aquela pesquisada básica antes –, achando que está fazendo uma boa ação em divulgar as atrocidades que fazem com cristãos no mundo todo.

Somente no caso dessa postagem feita no Facebook, mais de 13.000 pessoas compartilharam a foto, além de mais de 800 usuários comentaram a respeito!

Mas e a foto? É real?

Infelizmente, a foto é real. Porém, a história é falsa!

No dia 14 de maio de 2008, uma multidão enfurecida linchou e ateou fogo em três ladrões que teriam roubado uma casa na cidade portuária de Karachi, no Paquistão.

Segundo apuramos em várias publicações (que não vamos mostrar aqui para poupar o seu estômago), depois de apanhar muito da multidão, os supostos criminosos tiveram grande quantidade de gasolina derramada sobre eles e foram incendiados para queimar dolorosamente até a morte.

A polícia da cidade afirmou que dois dos três supostos ladrões queimados morreram no local e o terceiro morreu no hospital. De acordo com a agência de notícias AFP, o chefe de polícia Babar Khattak disse que o incidente mostrou o aumento do comportamento violento na sociedade e qualquer processo contra os responsáveis ​​pelo ato seria decidido somente após um inquérito policial.

A foto original é propriedade das agências de notícias STRDEL, AFP, e Getty Images.

Já mostramos aqui no E-farsas algumas histórias semelhantes a essa onde alguns começam a espalhar histórias de cristãos que estariam sendo vítimas de perseguições em outros países de outras religiões. De fato, a perseguição contra cristãos (bem como também contra adeptos a outras religiões) ocorre em diversos locais e, muitas vezes, com ferocidade até muito maior do que as que vemos nessa imagem.  Mas não foi o que acorreu nessa foto.

Conclusão

A foto é real, mas a história é falsa! O crime foi cometido pela multidão, mas o motivo das mortes foi outro.

Dica do Deiner Urzedo

Leia Mais

Em protestos no Acre, polícia é exaltada em cartazes e slogans

manifestações-acre

Por Fábio Pontes, na BBC Brasil

A onda de manifestações que se espalhou pelo país resultou no Acre em um forte movimento de apoio à polícia – ao contrário do que vem ocorrendo em muitas capitais, onde as forças de segurança são alvo de críticas, pedradas e disparos de fogos de artifício. Um protesto ocorrido no sábado mostrou a insatisfação dos moradores com a corrupção e a mudança de fuso horário no Estado.

Nada de confrontos com tropas de choque, gás lacrimogêneo ou balas de borracha. Na manifestação que reuniu 20 mil pessoas em Rio Branco, um órgão de segurança – a Polícia Federal – foi a instituição mais enaltecida nos cartazes e slogans exibidos pelos manifestantes. Isso foi motivado pelo papel de seus agentes nas investigações de um escândalo de corrupção que supostamente envolve membros do governo estadual.

Havia até cartazes com dizeres como: “Obrigado Polícia Federal”, e “O Acre agradece ao trabalho da Polícia Federal”. E slogans como “Polícia, Polícia, Polícia Federal, prende todo mundo pra nação ficar legal”.

Em maio, a Polícia Federal realizou uma operação batizada de “G7″, que resultou na prisão de secretários e empreiteiros acusados de desvio de verbas públicas.

Ao todo, 15 pessoas foram presas –incluindo o sobrinho do governador Tião Viana (PT), Thiago Paiva – e 29 foram indiciadas. De acordo com a polícia, um grupo de sete empreiteiras teria se reunido em cartel para dominar as licitações e eliminar a concorrência em obras públicas.

Em seis contratos analisados foi apurado o desvio de R$ 4 milhões. O foco de atuação do G7, segundo a PF, estava no Ruas do Povo, programa de pavimentação e saneamento básico nas 22 cidades do Acre.

Já Thiago Paiva está sendo acusado de desvio de verbas do Sistema Único de Saúde (SUS). A polícia diz que, em parceria com um empresário, Paiva, que ainda continua como diretor de análises clínicas da Secretaria de Saúde, estaria autorizando a realização de exames sem pacientes para receber verbas do SUS.

manifestações-acre 1

“Tudo isso estava acontecendo bem debaixo de nosso nariz e foi preciso a Polícia Federal entrar no caso para combater os corruptos e colocá-los na cadeia. Imagina se no Acre não houvesse a atuação de instituições sérias como a Federal? Estaríamos perdidos”, diz o estudante história Cláudio Nunes, de 21 anos.

Referências à operação G7 estavam entre as expressões mais comuns vistas nos cartazes pintados pelos manifestantes. Eles se mobilizaram por meio das redes sociais numa ampla campanha de divulgação e convite.

‘O Acre existe’

A grande maioria dos mais de 20 mil presentes ao protesto eram jovens.

“O Acre Existe. E tem corrupção”, dizia uma das faixas. A frase expressa o que muitos acreanos identificam como sendo um sentimento de rejeição do Brasil pelo Estado amazônico, com piadas recorrentes sobre a possível inexistência do Estado.

Outra bandeira levantada pelos acreanos foi o seu polêmico fuso horário. Até 2008 eram duas horas de diferença em relação a Brasília, mas foi reduzida para uma hora, por meio de projeto de lei, aprovado sem consulta popular, pelo então senador e hoje governador Tião Viana.

manifestações-acre-2

Em 2010 a população foi às urnas em referendo e decidiu pela volta do antigo fuso. Passados mais de três anos, a opção expressa pelo povo acreano ainda perambula pelo Congresso Nacional por meio de um projeto de lei que ainda não foi votado.

Uma das faixas carregadas por manifestantes dizia: “Ditadura: mudar a hora sem ouvir o povo”. Outra afirmava: “Golpe: negar ao povo o referendo da hora”, se lia em outra faixa. A passeata parou o centro de Rio Branco e seguiu pacífica. A polícia acompanhou de longe. E alguns poucos policiais atuaram para organizar o trânsito.

Um ou outro ato de vandalismo foi repreendido pela multidão. Um das poucas marcas de depredação do patrimônio público foi a pichação no muro do Palácio Rio Branco que dizia: “Fora PT”.

“No caso muito particular do Acre, este evento satisfez a vontade do acreano de se impor e falar, de recolocar governo e governistas no lugar de ouvintes dos clamores das ruas”, analisa a socióloga Letícia Mamed, da Universidade Federal do Acre (Ufac).

Leia Mais