Deputado propõe criação de Museu Cristão em São Paulo

Primeira tenda da Cruzada Nacional de Evangelização, no Cambuci, nos anos 1950
Primeira tenda da Cruzada Nacional de Evangelização, no Cambuci, nos anos 1950

Anna Virginia Balloussier, na Folha de S.Paulo

“Jesus Cristo é o mesmo – hontem, hoje e eternamente.”

A grafia de “ontem” com a letra “h” mudou faz tempos. Os evangélicos brasileiros também passaram por várias transformações após a Cruzada Nacional de Evangelização, que juntou centenas de fiéis sob uma lona na avenida Francisco Matarazzo, zona oeste paulistana, em 1953.

Levantado por dois missionários americanos, o “circo gospel” ajudou a renovar o pentecostalismo no país, com louvores à base de guitarra e conceitos como “cura divina”, aquela que promete fazer andar um cadeirante.

A foto que captura esse “hontem” compõe o acervo do Museu Cristão Brasileiro.

O projeto deu seu primeiro passo para sair do papel, com o lançamento do “primeiro tijolo simbólico” nesta quarta (20), na Assembleia Legislativa de São Paulo. O primeiro piloto da obra tem 10 mil m² (equivalente ao Masp) e capacidade para 1.500 pessoas.

Quatro pilastras gregas sustentam a entrada. No topo, uma cruz. Na fachada, duas Menorás -candelabro judaico comumente visto em igrejas evangélicas como a Universal do Reino de Deus e a Renascer em Cristo. Sobre a porta, a inscrição: “A Deus toda honra e toda glória”.

O deputado estadual Fernando Capez (PSDB-SP), “padrinho” da proposta, diz que correrá atrás de patrocinadores e de recursos da Secretaria da Cultura paulista.

Segundo Capez, o foco do museu seria “histórico e cultural”, e não religioso. “O Estado é laico, não posso mandar dinheiro para a igreja, mas posso me associar a entidades religiosas”, diz.

“Não vai ter culto no museu”, afirma Luciana Mazza, idealizadora do projeto ao lado do também jornalista Marcelo Rebello, seu marido.

O casal pretende recorrer a leis de incentivo fiscal como a Rouanet, do governo federal, para financiar o projeto (ainda não orçado). Eles também estão à frente do Salão Internacional Gospel, uma feira de negócios marcada para setembro, em São Paulo.

Ainda sem endereço, o museu seria particular e sem finalidade lucrativa, diz Capez, que se define como “um cristão que apoia o movimento evangélico” e frequenta igrejas como a Bola de Neve e “aquela que a MC Anitta vai”.

Já Luciana afirma que haverá cobrança “social” para entrar, “com preços bem acessíveis a todos”.

POLÊMICAS

Está nos planos uma seção dedicada a declarações polêmicas de líderes. Entre as pérolas, o dia em que o cantor gospel Thalles Roberto (ex-Jota Quest) mandou a mulherada “segurar a periquita”. Em outra ocasião, um reverendo causou um tsunami no meio evangélico ao chamar um pastor de “bundão”.

Outra mostra reunirá notícias insólitas do universo religioso. A curadoria já selecionou algumas, como a do pastor que simulou “cheirar” a Bíblia no convite para o culto “Quarta Louca por Jesus” e a da pastora e cantora Ana Paula Valadão, que imitou uma leoa no palco e foi criticada pelo “excesso” por fãs.

Para outra ala, uma exposição com os nomes mais curiosos de igrejas. Alguns: Assembleia de Deus Pavio que Fumega, Pentecostal Cristã Ore com Moderação, A Serpente de Moisés Aquela que Engoliu as Outras e Associação Fiel Até Debaixo D’Água.

Leia Mais

Selfie em velório de Campos gera indignação nas redes sociais

Autorretratos foram feitos ao lado do caixão e com pessoas próximas do ex-governador

Selfie é feita durante velório de Eduardo Campos (foto: Pedro Kirilos / Agencia O Globo)
Selfie é feita durante velório de Eduardo Campos (foto: Pedro Kirilos / Agencia O Globo)

Raphael Kapa, em O Globo

Entre os mais de 100 mil que foram ao velório de Eduardo Campos, no Palácio das Princesas, alguns aproveitaram o momento para tirarem uma selfie na cerimônia e despertaram a indignação de internautas nas redes sociais.

“Gente, que falta de respeito é esse? Tem gente tirando selfie no velório de Eduardo Campos!”, escreveu Alcielly Barbosa no Twitter.

A iniciativa foi vista como um desrespeito pela maioria dos internautas. Para o psicólogo Alexandre Mosso, é complicado avaliar este tipo de comportamento.

— O luto é pessoal. Cada pessoa enfrenta de maneira diferente e não se pode julgar isso. O que não pode acontecer é a invasão do luto do outro por qualquer motivo. Pedir uma foto com uma pessoa próxima ao falecido, neste momento, é uma violação — afirma Mosso.

Sobre o registro de uma mulher tirando um autorretrato ao lado do caixão de Campos que foi criticada nas redes sociais, o psicólogo afirma que existe uma necessidade de registrar presença e compartilhar com amigos que é prejudicial.

— Não posso avaliar as motivações desta pessoa especificamente. Mas o que ocorre hoje é quase um egoísmo. As pessoas esquecem que uma atitude delas pode ser mal vista por aqueles que estão em luto naquele momento — afirma.

Leia Mais

Marlon Teixeira: “Deus faz muito por mim, preciso agradecer”

Marlon Teixeira: contratos com a Avon, H&M e Carolina Herrera (foto: Lucas Lima)
Marlon Teixeira: contratos com a Avon, H&M e Carolina Herrera (foto: Lucas Lima)

título original: Marlon Teixeira no topo do mundo da moda

João Batista Jr., na Veja SP

Marlon Teixeira superou um câncer no mediastino, região central da caixa torácica, aos 3 anos de idade, e perdeu o pai um ano antes. Na adolescência, sonhou ser árbitro de futebol, influenciado pela família ligada ao universo da bola — seu avô paterno, Delfin Peixoto, venceu na chapa de Marco Polo Del Nero e assumirá a vice-presidência da CBF em 2015. “Mas virei modelo e comecei a trabalhar feito louco”, diz.

Aos 22 anos, ele é o top brasileiro mais bem cotado. Atualmente, figura em campanhas de grifes como Tommy Hilfiger, Avon, H&M e Carolina Herrera. “Passei por cada uma na vida, não tenho por que ser deslumbrado”, ponderou ele na semana passada em São Paulo, onde esteve a trabalho.

Quando vem de férias ao Brasil, gosta de surfar e frequentar a igreja evangélica Bola de Neve. “Deus faz muito por mim, preciso agradecer.”

Leia Mais

Homem finge que Bíblia é arma, tenta assaltar em frente a delegacia em Niterói (RJ) e acaba preso

Carlos Henrique da Silva Viana tentava assaltar nas mediações da 78ª DP (foto: Fabiano Rocha / Extra)
Carlos Henrique da Silva Viana tentava assaltar nas mediações da 78ª DP (foto: Fabiano Rocha / Extra)

Ricardo Rigel, no Extra

Com uma Bíblia na cintura para fingir estar armado, Carlos Henrique da Silva Viana, de 19 anos, tentou assaltar uma pessoa, na manhã desta sexta-feira, nas proximidades da 78ª DP, no Fonseca, em Niterói, Região Metropolitana do Rio. Ele abordou uma pessoa, deu um soco no rosto dela e tentou roubar sua mochila. Para intimidar a vítima, ele mostrou o volume na cintura. Os policiais da delegacia, porém, viram a cena e conseguiram capturar o rapaz.

Segundo o delegado José William de Medeiros, titular da 78ª DP, Carlos Henrique será será indiciado por tentativa de roubo:

- Ele parece estar sob efeito de drogas. Algumas pessoas estão chegando à delegacia relatando tentativas de assalto semelhantes.

Mais cedo, nas proximidades de outra delegacia, em São Gonçalo, também na Região Metropolitana, dois homens numa moto furtaram o celular de uma professora. Ela, que preferiu não se identificar, ficou indignada com a ação perto da 73ª DP (Neves).

- Estou chocada com isso. O pior é que o aparelho era novinho. Nem paguei a primeira prestação ainda – disse a vítima, de 33 anos.

Bíblia que era usada por Carlos Henrique da Silva Viana para assaltar pedestres (foto: Fabiano Rocha / Extra)
Bíblia que era usada por Carlos Henrique da Silva Viana para assaltar pedestres (foto: Fabiano Rocha / Extra)

Leia Mais

Preciso do voto do povo e da graça de Deus’, diz Dilma em igreja de SP

Presidente participou de encontro de mulheres da Assembleia de Deus.
‘Não se esqueçam de orar por mim’, disse a cerca de 5 mil pessoas.

A presidente Dilma Rousseff em congresso da igreja Assembleia de Deus, em São Paulo (foto: Glauco Araújo/G1)
A presidente Dilma Rousseff em congresso da igreja Assembleia de Deus, em São Paulo (foto: Glauco Araújo/G1)

Glauco Araújo, no G1

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, disse nesta sexta-feira (8), durante discurso no Congresso Nacional de Mulheres das Assembleia de Deus Ministério de Madureira, em São Paulo, que precisa “do voto do povo e da graça de Deus”.

Dilma discursou dentro da igreja para uma plateia formada na maioria por mulheres evangélicas. Segundo a organização do evento, cerca de 5 mil pessoas estavam no local.

 “Acredito naqueles que creem, acredito no poder da oração. Espero que ao voltarem para suas casas, não se esqueçam de orar por mim. Preciso do voto do povo e da graça de Deus”, disse a presidente.

Em sua fala, a presidente ressaltou programas sociais de sua gestão e disse que o governo tem em comum com os evangélicos “a dedicação àqueles que mais precisam”.

“Com o Brasil sem Miséria, 22 milhões de pessoas cadastradas como miseráveis saíram da extrema pobreza. O governo corre atrás dessas pessoas. Apoiamos a busca ativa. Vocês, evangélicos, fazem isso também e encontram essas pessoas durante a evangelização que fazem”, afirmou.

A presidente também disse que, com parcerias entre governo e entidades civis, entre elas as igrejas, os benefícios podem chegar de forma mais rápida à população pobre. Para ela, é preciso ter “humildade” para reconhecer o “trabalho de evangelização”.

“No semi-árido do país, nunca se construiu cisterna. Graças às parcerias com entidades diversas, nós chegamos a um milhão de cisternas instaladas. Há que ter a humildade política de reconhecer o trabalho de vocês, onde exercem a evangelização. Se nos unirmos, chegamos mais rápido”, disse.

Leia Mais