Arquivo da tag: foto

Bióloga Raquel Arouca: “Creio em um Deus criador, mas não sou criacionista”

debatemack

Alex Fajardo, no Facebook

Ontem (17) à noite no Mackenzie Campinas o debate “Fé e Ciência” rendeu. A mesa foi formada pelo mestre em História da Ciência Enézio Almeida e a bióloga e doutora em Entomologia Raquel Arouca.

Ambos os debatedores evangélicos em um Universidade Presbiteriana. Poderia ter sido um “debate” unilateral acerca do tema, até Raquel Arouca (foto) afirmar: “Eu creio em um Deus criador, mas não sou criacionista. Os criacionistas leem a Bíblia literal, como se fosse um artigo científico”.

No momento das perguntas, a primeira questão foi como ela conseguia ser evangélica, acreditar na Bíblia e não ser criacionista?

Ela respondeu: “Eu prefiro acreditar em um Deus muito mais criativo, inteligente e complexo do que o eu chamo de um deus fada que fez o mundo pronto. Por que não crer em um Deus que criou por meio de um processo, um processo mais longo, criativo e mais complexo?”

Deputado do PSC, Mário de Oliveira renuncia ao mandato na Câmara

Deputado Mário de Oliveira (PSC-MG), em imagem de 2008 (Foto: Fábio Pozzebom / Agência Brasil)

Deputado Mário de Oliveira (PSC-MG), em imagem de 2008 (Foto: Fábio Pozzebom / Agência Brasil)

Fabiano Costa e Nathalia Passarinho, no G1

Mário de Oliveira (PSC-MG)  apresentou nesta segunda-feira (15) ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, pedido de renúncia do cargo de deputado federal. A carta foi lida no plenário da Câmara pelo deputado Mauro Benevides (PMDB-CE), que presidia a Casa. Mário de Oliveira informou ao G1 que deixou a Câmara por motivos de saúde.

“Sr. Presidente, nos termos dos arts. 238, inciso II, e 239, caput, do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, renuncio ao mandato de Deputado Federal a partir de 15/07/2013″, disse a carta lida por Mauro Benevides às 14h45 desta segunda.

Mário de Oliveira disse que teve um infarto em novembro do ano passado e tentou conciliar a vida política com os tratamentos, mas percebeu que era impossível conciliar as duas coisas. Segundo ele, os médicos recomendaram que ele diminuisse o ritmo de trabalho.

“Eu tive um infarto com três paradas cardíacas. Venho tentando desde então acumular os cuidados com a saúde com a vida pública. Mas estou em tratamento e cheguei à conclusão de que não tem mais condições”, disse.

O deputado afirmou que estuda desde janeiro a possibilidade de deixar a Câmara. “Foi muito difícil tomar essa decisão por causa dos meus eleitores. O médico disse que eu teria que ficar um ano em tratamento. Decidi me dedicar à família e à igreja.”

‘Unilateral de vontade’
Benevides afirmou que lia a carta porque a renúncia é “ao unilateral de vontade”. “Naturalmente o expediente dirigido ao presidente Henrique Eduardo Alves foi transmitido porque sabem os nobres deputados que renúncia, dentro de um axioma jurídico consagrado, é um ato unilateral de vontade. Portanto, cabe a esta Casa apenas tomar conhecimento da decisão do ilustre representante nesta Casa.”

No mandato anterior, em 2007, Mário de Oliveira foi investigado no Conselho de Ética após acusações de que encomendou assassinato, que não se concretizou, do também parlamentar à época Carlos Willian (PTC-MG). O Conselho de Ética da Câmara chegou a abrir processo, mas arquivou por falta de provas. A Polícia Federal continuou investigando o caso.

Além disso, o parlamentar responde a inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por crimes contra a lei de licitações e há em andamento outra investigação penal, cujas informações não estão disponíveis.

Ao ler a carta de renúncia, Mauro Benevides lembrou que Mário de Oliveira é um dos líderes da Igreja Quadrangular no país. “Aliás, ao tomar conhecimento dessa decisão, até comentei com o Chefe da Igreja Quadrangular, no Estado do Ceará, Pastor Nelson Carlson —uma das figuras proeminentes da Igreja Quadrangular —, essa decisão agora anunciada e, formalizadamente, o fez o nobre Deputado Mário de Oliveira, que exercia a chefia maior da Igreja Quadrangular em todo o país. Portanto, fica a comunicação, que independe de aceitação por parte da Mesa, porque como já destaquei o ato de renúncia é um ato unilateral de vontade.”

dica da Judith Almeida

Marco Feliciano recusa convite de Pedro Bial; Silas Malafaia aceita

Pedro Bial (foto: João Miguel Júnior / Agência O Globo)

Pedro Bial (foto: João Miguel Júnior / Agência O Globo)

Publicado originalmente no Extra

O deputado federal Marco Feliciano recusou o convite para participar do “Na moral”, apresentado por Pedro Bial. O entusiasta do polêmico projeto de “cura gay” será substituído pelo pastor Silas Malafaia. A gravação do programa, que terá como tema a homossexualidade, será no sábado. Aliás, Pedro Bial está estudando a fundo o assunto para enfrentar a batalha que será esse debate.

São Paulo é a cidade com mais problemas mentais no mundo

Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP

Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP

Charles Nisz, no Vi na Internet

Segundo um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), a região metropolitana de São Paulo tem a maior ocorrência de problemas mentais em todo o mundo, com cerca de 30% da população. Para fazer o levantamento, a OMS pesquisou 24 cidades em diferentes países.

A pesquisa São Paulo Megacity Mental Health Survey apurou uma incidência de problemas mentais em 29,6% da população ao redor de São Paulo. Entre os problemas mais comuns estão a ansiedade, mudanças comportamentais e abuso de substâncias químicas, nos 12 meses anteriores à entrevista.

De acordo com os pesquisadores, a alta incidência de problemas mentais é causada pela alta urbanização juntamente com privações sociais. A ansiedade é o problema mais comum, afetando 19,9% dos 5037 entrevistados pela pesquisa. Os mais afetados são homens migrantes e mulheres em regiões de instabilidade social.

Em São Paulo também há a maior ocorrência de casos graves, com 10%, à frente dos Estados Unidos, com 5,7%, de da Nova Zelândia, com 4,7%. Depois de São Paulo, representante brasileira no ranking da OMS, Saúde (OMS), aparece a cidade norte-americana, com pouco menos de 25% de incidência de perturbações mentais. (vi no Jornal de Notícias)