Juntos há 62 anos, casal morre com quatro horas de diferença nos EUA

Don e Maxine Simpson morreram de mãos dadas em Bakersfield, na Califórnia (foto: Kero/The Huffington Post)
Don e Maxine Simpson morreram de mãos dadas em Bakersfield, na Califórnia (foto: Kero/The Huffington Post)

Publicado no UOL

Don e Maxine Simpson morreram no mesmo dia, mas deixaram uma história de amor digna de Hollywood para ser contada. Segundo o jornal norte-americano “The Huffington Post”, os dois eram casados havia 62 anos e, deitados em camas lado a lado, deram as mãos momentos antes de morrerem.

De acordo com Melissa Sloan, neta do casal, Maxine morreu primeiro. Enquanto o corpo era retirado do quarto, ela diz ter percebido a respiração do avô diminuir. Quando ela voltou, Don também havia morrido. Médicos afirmam que o intervalo entre as mortes foi de quatro horas.

A neta ficou emocionada com a demonstração de amor dos avós mesmo após tantos anos de casamento. Segundo ela, era possível ver o avô sorrindo logo após a mulher ser colocada ao seu lado. “Foi incrível, uma verdadeira história de amor”, diz.

O drama começou duas semanas antes, quando Don caiu e quebrou a bacia. A família o levou para um hospital de Bakersfield, na Califórnia, mas seu estado de saúde piorou rapidamente.

Ao mesmo tempo, Maxine – que lutava contra um câncer – teve de ser internada por conta do avanço da doença.

Foi então que, sabendo do forte laço entre os dois, a família decidiu colocá-los lado a lado, no mesmo quarto, para que um desse forças ao outro. “Minha avó abriu os olhos e viu meu avô. Eles deram as mãos e sabiam que estavam próximos”, diz Sloan.

A neta fala, ainda, sobre o amor que o avô tinha pela companheira. “Tudo o que Don queria era estar com sua linda mulher. Ele adorava minha avó, amava-a mais do que tudo.”

Leia Mais

Plus size posta foto de lingerie e recebe comentários gordofóbicos

Para psicóloga, gordofobia é consequência da ‘ditadura da beleza’ atual.
Ciberbullying contra modelo causou indignação de amigos na web.

Modelo se envolveu em polêmica ao postar fotos de lingerie (foto: Arquivo Pessoal)
Modelo se envolveu em polêmica ao postar fotos de lingerie (foto: Arquivo Pessoal)

Natália Clementin, no G1

A plus size de São José do Rio Preto (SP) Evelise Nascimento, de 24 anos, encarou o trabalho como modelo de lingerie com naturalidade. Trabalhando na área há quase dois anos, já venceu concursos de beleza GG e faz diversos trabalhos de moda. O que não poderia prever é que, ao postar na internet as fotos de um desses ensaios, no início deste mês, seria alvo de ciberbullying e comentários gordofóbicos.

Segundo ela, tudo começou com um recado anônimo. Nele, a mulher dizia: “me diga, se você visse fotos de meninas de calcinha e sutiã acharia normal? Não acho legal meus filhos vendo fotos de meninas magrinhas, também não os quero vendo de cheinhas. A sociedade é assim, por mais que você tente mudá-la é quase uma luta perdida”. As fotos citadas eram de bastidores de um ensaio fotográfico para um catálogo de cunho comercial, sem nenhum apelo sexual. O comentário gerou revolta ao ser compartilhado por ela em seu perfil na internet, como forma de protesto.

Quando leu o comentário, Evelise não se importou, mas ao perceber o preconceito disfarçado, logo copiou o comentário e postou em sua página para “declarar guerra” ao preconceito. “Uma pessoa anônima dizendo que ver fotos de mulheres cheinhas de calcinha e sutiã não é normal? Ela nunca viu um catálogo de lingeries por acaso? Não são sensuais, apenas são fotos de roupas de baixo. Mas depois percebi que era o preconceito disfarçado de “cuidado com os filhos”. A frase que ela escreveu no final me fez pensar nessa tal sociedade preconceituosa que ela faz parte. Estou fora do “padrão Gisele de ser”, represento as mulheres que sofrem diariamente preconceito por se aceitarem ser gordinhas”, comenta a modelo.

Para Evelise, esta foi uma forma de manifestar a gordofobia, termo usado para indicar pessoas que tem preconceitos com pessoas acima do peso. “Fotografar com lingerie mesmo tendo um corpo avantajado é o que realmente muitos acham loucura, mas digo que fotografar só de calcinha e sutiã ė uma arte, exige muito do profissional, para buscar o melhor ângulo e também da modelo, para ter o equilíbrio entre o sensual e o vulgar. Nunca fui vulgar. Se alguém julgar assim, está sendo preconceituoso”, diz Evelise.

Outro comentário veio de um rapaz que disse: “desfiles de mulheres plus size nada mais é do que celulites ambulantes”. “Quando eu namorava, já ouvi dizerem “o que será que esse cara tá fazendo com essa gorda?”. Outra enviou um recado a um ex dizendo “tá namorando uma plus size, é?”, mas falando de maneira grosseira. Não entendo como pode existir tanta gente preconceituosa”, conta a modelo, que aproveitou o manifesto #lingerieday, na última quinta-feira (31), para reforçar a campanha de aceitação. “Temos que aceitar o corpo que temos e se preocupar mais com saúde do que com beleza. Se somos gordinhas, mas somos saudáveis, não tem porque recebermos tantas ofensas”, finaliza.

Gordofobia

Foto polêmica fazia parte de trabalho realizado para catálogo de lingeries (foto: Arquivo Pessoal)
Foto polêmica fazia parte de trabalho realizado para
catálogo de lingeries (foto: Arquivo Pessoal)

“Você tem um rosto tão lindo, nunca pensou em emagrecer?”, “Você não pensa futuramente, pode problemas devido seu tamanho?”. Para pessoas acima do peso, essas são frases típicas de gordofobia, mascarada como “preocupação com a saúde”. O incomodo das pessoas é causado pela aceitação do corpo das consideradas plus size. “Hoje essas críticas preconceituosas não me abalam. Recebo mensagens de carinho, de jovens que estão ou saíram de depressões por não aceitaram o corpo e que quando se deparam com alguma foto minha e percebem que podem ser bonitas apesar de gordinhas. Temos que vencer o preconceito externo e aceitarmos nossos corpos”, explica Evelise.

Para a psicóloga Etienne Janiake, a gordofobia é consequência da “ditadura da beleza” que vivemos atualmente. “Ela associa o belo a um ideal de magreza muitas vezes inatingível e não necessariamente saudável. Para atingir esse padrão imposto, muitas vezes os jovens se submetem a sacrifícios em prol do “corpo ideal” e o fato de ter pessoas que, por opção ou por imposições circunstanciais, não seguem esse padrão e estão acima do peso aceitável, incomoda”.

Para a especialista, a gordofobia se deve tanto a não aceitação do diferente, quanto à dificuldade de conceber que é possível optar por não seguir os padrões socialmente valorizados de corpo e de beleza. “É necessário que a pessoa compreenda que existe um padrão de beleza culturalmente construído, que se modifica conforme a época e local. Esse padrão, idealizado e distante da maioria das pessoas, desconsidera a diversidade natural da beleza humana, impondo certas características que não se adéquam a todas as pessoas. Viver se comparando e procurando atingir esse ideal de beleza imposto, muitas vezes acaba funcionando no sentido contrário, abafando a real beleza que vem do estar bem consigo mesmo, de ter uma boa auto-estima, e da valorização e livre expressão das diferenças individuais que faz de cada ser humano único, especial e belo”, orienta Etienne.

O cyberbullying é uma prática que envolve o uso de  tecnologias de informação e comunicação para dar apoio a comportamentos deliberados, repetidos e hostis praticados por um indivíduo ou grupo com a intenção de prejudicar o outro. Para lidar com esse fenômeno de forma preventiva, especialista indicam orientar e informar as crianças e adolescentes sobre os cuidados na exposição à mídia ou a importância de ter critério naquilo que publicam na rede.

Se o cyberbullying ocorre, é necessário avaliar o caso para fazer os encaminhamentos necessários. De forma geral são necessárias ações judiciais, para identificar e interromper o compartilhamento das mensagens prejudiciais, e por outro lado é importante contar com um apoio psicológico para a vítima, para que ela consiga lidar melhor com as conseqüências desestruturantes que essa exposição negativa pode acarretar.

Para psicóloga, é muito comum os jovens vítimas de cyberbullying terem como conseqüência problemas psicológicos sérios como depressão, síndrome do pânico e até ideias e comportamentos suicidas. “É importante quem estiver à volta estar atento aos seguintes sinais que podem ser indicativos de cyberbullying: isolamento, queda no rendimento escolar ou excesso repentino de dedicação aos estudos no caso de crianças e jovens, não querer estar com amigos ou não querer sair de casa”, explica Etienne.

Ainda segundo a especialista, as agressões feitas pela internet podem ter um efeito ainda mais prejudicial do que aquelas feitas pessoalmente, devido à dimensão de exposição que ela pode alcançar. “Uma agressão verbal feita de forma presencial fica restrita ao conhecimento das pessoas presentes, já uma ofensa publicada no meio virtual rapidamente pode se espalhar para um grande número de pessoas, comprometendo a imagem da pessoa agredida”, diz.

Leia Mais

35 Momentos que não podiam ser capturados em melhor hora

publicado no Tudo Interessante

Já mostramos aqui 17 fotos tiradas no momento perfeito e 21 Imagens do momento que antecede um desastre. E agora você vai ver mais algumas fotos que foram capturadas na melhor hora possível.

É impressionante a habilidade desses fotógrafos de tirar fotos no timing perfeito, mas claro que eles contaram com um pouco de sorte.

1 –

fotos-momento-perfeito-1 fotos-momento-perfeito-2 fotos-momento-perfeito-3 fotos-momento-perfeito-4 fotos-momento-perfeito-5 fotos-momento-perfeito-6 fotos-momento-perfeito-7 fotos-momento-perfeito-8 fotos-momento-perfeito-9

(mais…)

Leia Mais

Movimento dos Sem sexo

Alianças do movimento Eu escolhi esperar, que defende o sexo depois do casamento (foto:  Daniela Dacorso)
Alianças do movimento Eu escolhi esperar, que defende o sexo depois do casamento (foto: Daniela Dacorso)

Roberta Salomone, em O Globo

No último ano do curso de Turismo de uma universidade em Teresópolis, a carioca Bruna Nunes teve que conciliar os estudos com trabalho durante a Copa do Mundo. Selecionada entre várias outras meninas, ela conseguiu uma vaga de promotora de eventos do espaço de uma marca de sabão em pó na Granja Comary. Entre uma demonstração e outra do produto, a jovem, de 22 anos, via, de longe, a comissão técnica e os astros da seleção brasileira, que ficaram concentrados no local. Um dia, resolveu chegar mais perto de David Luiz.

— Descobri que ele também tinha escolhido esperar. Como eu — conta, enigmática.

A opção de Bruna e David Luiz é um dos pilares do movimento Eu Escolhi Esperar (EEE), que defende o sexo somente depois do casamento:

Bruna Nunes e David Luiz
Bruna Nunes e David Luiz

— Entreguei um pacote com camiseta, livros e pulseiras da campanha, e a gente tirou uma foto que foi publicada em vários lugares, incluindo um jornal da Índia. Fiquei impressionada com a repercussão.

Antes do encontro e da pífia campanha do time no Mundial, o jogador do Paris Saint-Germain tinha citado o EEE duas vezes em suas redes sociais. Ao contrário do jogador Kaká, que afirmou ter casado virgem, David Luiz, de 27 anos, sempre foi discreto e pouco comenta sobre suas relações — muito menos as sexuais. Mas o fato é que, depois do breve encontro dos dois, a campanha atraiu milhares de adeptos e curiosos. Na página do grupo no Facebook, o número de curtidas quadruplicou desde 2012 e já batem os dois milhões. O zagueiro, que já conquistara a fama de muso fora de campo, acabou virando garoto-propaganda informal do movimento — a ponto de ganhar uma paródia, “David Luiz, eu resolvi esperar você”, numa página de fãs na internet.

— Graças a ele, o movimento saiu das quatro paredes das igrejas católica, batista e evangélica, gerou interesse num número ainda maior de pessoas e, para a nossa surpresa, foi parar até em outros países — comemora Carla Duarte, secretária executiva de uma multinacional de Engenharia e integrante do EEE desde 2011.

No currículo da vida afetiva de Carla, de 27 anos, alguns rolos, namoros, um noivado, decepções amorosas e, sim, experiências sexuais. Ao contrário do que se imagina, quem não é mais virgem também pode voltar à sala de espera. O segredo está em não renegar o passado e aceitar que, a partir dali, é preciso se guardar totalmente para o futuro cônjuge.

— Algumas amigas me chamaram de louca, mas posso dizer que sou muito mais feliz assim — garante Carla, sem namorado há três anos. — É claro que tenho desejos. Eu não sou poste, né? O negócio é controlar a mente e não beijar ninguém na boca. Pra mim, se acender em cima, acaba esquentando embaixo.

Ana Carolina Terto, de 20 anos, é virgem e quer continuar assim, intacta, até o casamento. O grande desafio é segurar a vontade de acender em cima, já que está sem namorado firme no momento. Colunista do site do EEE, Ana escreve sobre os mais diferentes assuntos em seus posts. O último deles foi intitulado “Muita calma nessa hora”. Por causa de seus textos, recebe e-mails de gente de todo o país, e virou uma espécie de consultora virtual para quem quer aprender a resistir às tentações.

— Da noite para o dia virei uma referência para outros jovens, e o que eu explico é que não é exatamente a castidade que buscamos. Queremos relacionamentos saudáveis e duradouros — diz Ana Carolina, funcionária de uma seguradora.

A oficial da Marinha Mercante Nelsiane Carrara conheceu o Eu Escolhi Esperar via internet, há três anos. Desde então, ela confessa que teve algumas recaídas. Namorou durante seis meses e ainda ficou com alguns rapazes depois. Mas ela jura: não rolou nada além de beijo.

— Foi aí que eu percebi que isso não estava me fazendo bem e que estava indo contra o que eu mesmo acreditava. Agora, estou há um ano e três meses sem me envolver com ninguém. Ninguém mesmo — afirma Nelsiane, 25 anos.

Até antes de se conhecerem e começarem a namorar, Cássio Pedroso e Sara Costa pensavam como a colega do EEE. Juntos há pouco mais de um ano, não são mais tão radicais. Quando se encontram, por exemplo, não economizam nas carícias. Tem beijo, abraço e conversa ao pé do ouvido seguida de risadas e outros carinhos. Transar, eles garantem, só depois de subir ao altar, na noite de núpcias.

— Não me finjo de santa. Cássio sabe de tudo que já vivi e não tenho por que esconder nada. Mas agora tudo é diferente: resolvi esperar por ele — afirma a estudante de História, de 22 anos, ainda sem previsão de quando será o grande dia.

Como Cássio e Sara, cada casal tenta estabelecer suas próprias regras dentro do relacionamento. No entanto, o idealizador do movimento, o carioca Nelson Junior, destaca alguns “mandamentos’’ importantes. Em vídeo publicado no canal do EEE no YouTube, que tem mais de 1,3 milhão de visualizações, ele diz: “A maioria das pessoas que se casou virgem só guardou a merenda para o recreio. Mas o que adianta fazer isso se o parquinho está liberado? É uma hipocrisia.”

A masturbação, outro tema polêmico, é sumariamente condenada. “Toda pessoa que se masturba precisa abusar da criatividade sexual e fantasiar sendo tocado por uma outra pessoa. Por exemplo, ninguém se masturba pensando num iPhone”, brinca o pastor de 37 anos, sempre usando uma linguagem engraçadinha e cheia de gírias.

A história de Nelson foi a inspiração para a criação de uma conta no Twitter em 2011. Ele se casou virgem aos 21 anos e até hoje vive com a mesma mulher. Com a repercussão crescente, a campanha virou um instituto, tem uma equipe de oito pessoas baseada em Vila Velha, no Espírito Santo, e uma loja virtual que vende diversos produtos temáticos, como livros, DVDs, chaveiros e pulseiras.

— Eu mesmo sofri bullying por parte dos meus amigos quando dizia que não tinha tido relação sexual com ninguém, que foi uma decisão pessoal e não uma imposição religiosa. Mas hoje, mais do que falar sobre virgindade, queremos debater a cultura dos relacionamentos descartáveis e mostrar que não somos extraterrestres só porque achamos que prazer sexual não pode estar em primeiro lugar — acredita o pai de Ana Carolina, de 7 anos, e Milena, de 4 anos.

Com 80% dos integrantes mulheres e com idade entre 18 e 30 anos, o Eu Escolhi Esperar tem como símbolo uma mão espalmada com um anel no dedo anelar. A aliança é um dos produtos de maior sucesso, o único que não é vendido pelo site. Os aneis em prata só estão disponíveis para quem participa de encontros, que normalmente acontecem nos finais de semana e têm taxa simbólica de até R$ 20. Em fevereiro, cerca de oito mil pessoas estiveram em Fortaleza para ouvir Nelson e, por que não?, conhecer possíveis candidatos a futuros maridos e esposas.

— Acho que esse é o melhor lugar para você encontrar alguém que pense exatamente como você. Estou ansiosa aguardando o próximo evento no Rio — conta a corretora de seguros Adriana Laurindo, de 33 anos, simpatizante do grupo há sete meses.

Antes de São Gonçalo, que tem seminário marcado para o dia 22 de setembro, Nelson embarca no sábado que vem para Pernambuco, onde explana suas ideias sobre sexo, castidade e casamento em Recife e Caruaru. Até outubro, passará ainda por Brasília, Campinas, Carapicuíba, Goiânia e São José dos Campos. Em 29 de agosto, Coral Springs, na Flórida, será seu destino.

Para os próximos meses estão marcadas palestras para as comunidades brasileiras em Portugal, Itália, Japão e Guiné Bissau. No fim do ano, a grande atração é um cruzeiro com atividades para os “casados e os não casados”. O navio Costa Favolosa, com teatro, cinema 4D, piscinas e academia de ginástica, sai de Santos no dia 13 de dezembro, numa viagem de três dias por Angra dos Reis e Ilhabela, com preços entre R$ 1.266 (cabine interna dupla) e R$ 2.116 (externa single).

Escolha de alguns famosos, como Miley Cyrus, Jonas Brothers e Selena Gomez — ainda que muitos deles não tenham ido adiante no compromisso com a castidade —, a virgindade é tema também de um programa na MTV americana, que estreou no último dia 16. “Virgin territory” acompanha e mostra os questionamentos de 15 virgens entre 19 e 23 anos. Até o final da série, o público vai descobrir quem conseguiu (ou não) controlar os próprios desejos.

— É muito importante dar aos jovens alternativas para que eles possam, sem pressão, fazer escolhas verdadeiras — acredita a americana Wendy Shalit, especialista no assunto e autora dos livros “The good girl revolution” (2008) e “A return to modesty: discovering the lost virtue”, não lançados no Brasil.

Para a sexóloga e colunista do GLOBO Laura Muller, não há regra que funcione para todos quando o tema é sexo:

— Cada um deve escolher como viver sua própria sexualidade, descobrindo os seus limites e caminhos. Mas é importante lembrar que é possível, sim, viver o sexo com amor, e também apenas por prazer. Na minha opinião, a palavra de ordem deve ser respeito.

Leia Mais