Igreja publica cartilha com dicas de moda para orientar evangélicos

Larissa Oliveira aposta em terno e salto para levantar a produção (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
Larissa Oliveira aposta em terno e salto para levantar a produção (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

Pedro Diniz, na Folha de S.Paulo

“Minha mãe quase me levou para a Febem. Eu usava drogas, namorava um traficante e sempre estava com roupas muito curtas, vulgares. Hoje o Espírito Santo me toca quando me visto.”

Esse é o testemunho que Ana Carolina Xavier, 18, dá quando quer evangelizar as amigas que não entendem seu look atual: uma blusa branca abotoada até o colo e uma calça jeans que pouco delineia o corpo.

Com peças apropriadas “para adorar a Deus”, ela frequenta o Templo de Salomão, espaço de proporções faraônicas para 10 mil pessoas construído pela Igreja Universal, aberto há um mês no Brás, zona leste de SP.

Como a maioria das 33 pessoas entrevistadas pela Folha na saída de três encontros religiosos no templo, Ana Carolina não lê revistas de moda. Mas está atenta às instruções de sites evangélicos e às de Flavia Francellino, uma jovem repórter de comportamento do jornal institucional da igreja, a “Folha Universal”.

“Esqueça legging”, “observe se algo está marcando” e “não se maquie como se fosse para a São Paulo Fashion Week” estão entre as recomendações de Flavia, que publicou neste mês um texto chamado “O que vestir para ir ao Templo de Salomão”, reproduzido nas redes sociais. Ela não quis dar entrevista para esta reportagem.

“Me vestia como uma qualquer, com shorts curtos para chamar a atenção”, conta a auxiliar de enfermagem Tatiane Cardoso, 34.

“Perdi meu amor antes de entrar para a igreja porque usava tudo de forma vulgar. Hoje, se for para usar renda, que seja com uma blusa por baixo”, diz a manicure e cabeleireira Aline de Jesus, 24.

VIRTUOSA ELEGANTE

As fieis afirmam que, independentemente da roupa, a mulher tem de estar “virtuosa”. Isto é, “andar na moda, elegante, mas não mostrar tanto o corpo num lugar que é para você se reportar a Deus”, explica a secretária curitibana Fernanda Martins, 21.

Ela, que usava um vestido estampado em tons de azul, diz escolher também as roupas do namorado, o eletricista Felipe José, 24. O casal se conheceu num programa de reuniões da igreja para aproximar jovens.

“Gosto de vesti-lo no estilo esporte fino”, conta ela, enquanto ele, tímido, concorda com tudo. “Mas tem que estar com todos os botões fechados, né? Não gosto se ele sai com a camisa aberta.”

À RISCA

Por meio de sua assessoria, a Igreja Universal afirma que não há regras de vestimenta para frequentar o Templo de Salomão e que as informações publicadas são pontos de vista dos profissionais do jornal.

A diarista Maria Helena Soares, 43, porém, gosta de seguir à risca as orientações dos pastores para não usar “regatas, bermudas, maquiagem pesada e bonés dentro do Templo.” Ela usava uma saia até os pés combinada com blusa lilás e cachecol.

Dona de casa, Cleide Santos, 55, diz que “Deus vem mudando a visão do povo, evangelizando o mundo e fazendo as pessoas perceberem que o que importa é o caráter e a integridade. Amém?”.

Dicas de moda da ‘Folha Universal’

  • Jeans são megaconfortáveis, mas para esta ocasião não devem sair do armário
  • Estampas chamativas, como animal print, devem ficar aposentadas
  • Esqueça legging, faça isso um mantra na sua vida
  • Blusas transparentes usadas com segunda peça por baixo propõem um visual contemporâneo
  • Saia mídi [na altura do joelho] deixa a composição para lá de elegante, enquanto a combinação com pantalona a deixa despretensiosa

Leia depoimentos de fieis sobre moda no blog Peça Única.

Jenifer Almeida usa meia grossa para não mostrar as pernas (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
Jenifer Almeida usa meia grossa para não mostrar as pernas (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
Maria Helena Soares arremata a saia longa com um cachecol (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
Maria Helena Soares arremata a saia longa com um cachecol (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
Felipe e Fernanda Martins em looks escolhidos por ela (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
Felipe e Fernanda Martins em looks escolhidos por ela (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
A cabeleireira Fabrícia Almeida, 25 (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
A cabeleireira Fabrícia Almeida, 25 (foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

 

Leia Mais

12 cidades que parecem ter parado no tempo

Em Little Woodham vive-se como se estivesse no século XVII
Em Little Woodham vive-se como se estivesse no século XVII

Publicado no El Hombre

No dicionário o verbo viajar aparece sucedido de uma definição singela, no entanto, coerente: “Fazer uma viagem; ir de um lugar para outro ou outros”.

Às vezes, entretanto, uma viagem pode representar muito mais do que um deslocamento no espaço – pode designar um deslocamento temporal.

Sim, sei que parece loucura, mas depois de ler este texto você irá compreender meu raciocínio. Alguns locais, especialmente na Europa, parecem ter congelado no tempo. Uns pelo fato de terem se tornado museus a céu aberto e outros por preservarem uma determinada cultura e história que permanece inalteradas através do tempo.
Bom, antes que você me considere louco, confira 12 destes lugares espalhados pelo mundo:

Den Gamle By — Dinamarca

dem-gamle-by-el-hombre

Den Gamle By (ou em português “A Cidade Velha”) é um museu a céu aberto instalado na cidade de Aarhus. São edificações históricas construídas entre os séculos XVI e XIX, sendo que a mais antiga delas é um armazém de 1550.
O Den Gamle By foi inaugurado em 1914, sendo o primeiro museu desse tipo no mundo. No total, é composto por 75 construções de todo o país que foram desmontadas e remontadas em Aarhus para evitar que parte da história da nação fosse perdida.

Cidadela de Carcassonne – França

cidadela-de-carcassonne-el-hombre

Localizado no município de Carcassonne, cerca de 80 km de Toulouse, este local constitui um conjunto arquitetônico medieval que, inclusive, foi tombado como Patrimônio Mundial em 1997.
Apesar de terem sido feitas restaurações no final do século XIX, boa parte das construções foi realizada durante o século XI e permanece quase intocada. Chama atenção os três quilômetros de fortificações e as 52 torres que rodeiam o imponente castelo.

Archeon — Holanda

archeon-el-hombre

Archeon é um museu arqueológico situado em Alphen aan den Rijn, na Holanda. Em Archeon é possível realmente viajar no tempo, já que o local traz o passado à vida em vários contextos históricos de várias épocas da história holandesa.
Entre os períodos retratados estão a Idade da Pedra, a época romana e o período medieval. Inaugurada em 1994, já serviu de palco para vários festivais, tal como o Archeon Roman Festival.

Xinye Village — China

xinye-village-el-hombre

Xinye Village é uma aldeia chinesa, uma cidadezinha histórica situada em Jiande tendo sido fundada na Dinastia Song do Sul. Xinye é reconhecida por sua exuberante e bem preservada arquitetura das dinastias Ming e Qing.

Algumas das edificações mais antigas datam do século XIV, sendo que a vila foi originalmente fundada no século anterior. Hoje, a maioria dos moradores carrega o sobrenome Ye, do fundador Ye Kun. Xinye Village é, para muitos, o maior museu ao ar livre de residências antigas na China.

Almedina de Fez – Marrocos

almedina-de-fez-el-hombre

Almedina é o nome dado à área histórica de diversas cidades do noroeste da África. Comumente contêm fontes, palácios, mesquitas, dentre diversas edificações e monumentos históricos de inestimável valor cultural.

E dentre as Almedinas, a da cidade de Fez é a maior e mais bem preservada do continente. Boa parte do que está construído por lá data dos séculos XIII e XIV, quando Fez se tornou capital do Império Merínda, substituindo Marrakech. No local você também pode conhecer a universidade mais antiga do mundo ainda em funcionamente segundo o Guinness Book: a Universidade de Karueein, fundada em 859.

Little Woodham – Inglaterra

little-woogham-el-hombre

Little Woodham Living History Village é um museu vivo dedicado a recriar a vida em uma aldeia rural de meados do século XVII. Os moradores são voluntários que se vestem em trajes e agem como se estivessem no verão de 1642. Estes voluntários realmente encarnam personagens da época e discutem sobre assuntos da vila, sobre Charles I e sobre a iminente guerra entre o rei e o parlamento.

A vila de Little Woodham foi inicialmente criada em 1984 como uma reconstituição temporária da vida na região às vésperas da Guerra Civil Inglesa. Após isso, os próprios moradores da região fundaram uma sociedade e levantaram fundos para manter o projeto vivo até os dias de hoje.

Shikoku Mura — Japão

shikou-mura-el-hombre

Shikoku Mura é um parque dedicado a preservar a arquitetura regional dos séculos XVII a XIX situado em Takamatsu, no Japão. Hoje, o parque abriga mais de vinte edifícios datados desde o período Edo,iniciado em no século XVII.

O parque foi inaugurado em 1976 e ocupa uma área de cerca de cinquenta mil metros quadrados. Muito do que se encontra por lá hoje está relativamente intocado desde o começo do último século.

Kizhi Island — Rússia

khizi-island-el-hombre

Kizhi é nome dado a uma pequena ilha no Lago Onega, na Rússia. Por lá, você pode encontrar alguns edifícios dos séculos XV ao XVII, entre eles duas igrejas e uma torre de sino conhecida como Kizhi Pogost, construída em 1700.
O que acontece é que durante a década de 1950 edifícios históricos de regiões próximas foram transferidos para a ilha como meio de preservação. Hoje, portanto, todo lugar transformou-se num museu a céu aberto.

Rothenburg ob der Tauber — Alemanha

rothenburg-ob-der-taubern-el-hombre

O nome “Rothenburg ob der Tauber” significa, em alemão, “fortaleza vermelha acima do Tauber”. A cidade é chamada assim devido à localização em um platô com vista para o rio Tauber e o vermelho é uma referência a cor dos telhados das casas com vista para o rio.

Hoje o lugar se transformou em um destino turístico bastante conhecido pela arquitetura medieval bem preservada. Talvez você até tenha visto imagens desta cidade, pois cenas de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 foram filmadas em Rothenburg.

Havana – Cuba

havana-el-hombre

Cuba, esta pequena ilha caribenha, simplesmente não poderia deixar de contribuir com esta lista. Afinal, após o embargo sofrido durante a Guerra Fria, muito do que se vê por ali parece congelado no tempo.

A capital Havana – especialmente a Velha Havana, no centro da cidade – reúne belas construções arquitetônicas antigas, do período colonial. Os automóveis, todos antigos, também irão te fazer sentir em outro tempo.

Ouro Preto – Brasil

ouro-preto-el-hombre

Ouro Preto, em Minas Gerais, é famosíssima por ser uma cidade histórica que retrata os tempos a era Colonial. Além de ser um museu a céu aberto, a cidade também abriga incontáveis museus em seu território. Por lá encontramos trabalhos de diversos artistas, principalmente do grande escultor e arquiteto brasileiro Aleijadinho.

Lá igualmente é famoso por contar a história da Inconfidência Mineira, homenageando Tiradentes de diversas formas, por abrigar incontáveis igrejas bem antigas e por hospedar a Casa da Ópera (Teatro Municipal de Outro Preto), teatro mais antigo em funcionamento na América Latina.

Pompeia – Itália

pompeia-el-hombre

Talvez a cidade que apresente a história mais curiosa dessa lista é Pompeia. Depois de ter sido destruída pela erupção de um vulcão no ano de 79 d.c. o lugar ficou absolutamente soterrado por cinzas. E assim foi por longos 16 séculos.

Somente em 1748 que a humanidade descobriu as ruínas de Pompeia. E a surpresa foi imensa ao observar que a arquitetura permanecia por lá, revelando como era uma cidade no tempo do Império Romano. Outro grande impacto foi ver que os corpos das pessoas que haviam sido atacadas pelas lavas permaneciam por lá na mesma posição em que foram atingidas pela erupção.

Leia Mais

Casais que postam muitas fotos no Facebook são os mais inseguros

Quem usa a rede social para divulgar seus momentos com o amado tem o objetivo de mostrar para os outros que vive um momento feliz

foto: Nicholas KAMM / AFP
foto: Nicholas KAMM / AFP

Publicado no Zero Hora

Aquele casal que posta foto o tempo inteiro no Facebook realmente pode estar apaixonado, mas tem uma grande probabilidade de ser inseguro, aponta uma pesquisa realizada pela Albright College. De acordo com o estudo, quem usa a rede social para divulgar seus momentos com o amado tem o objetivo de mostrar para os outros que vive um momento feliz.

O psicólogo Gwendolyn Seidman pesquisou usuários do Facebook “em relacionamentos sérios” e descobriu que os satisfeitos com seu relacionamento são os mais propensos a utilizar a rede social para postar fotos e alguns detalhes de seu relacionamento, bem como comentários carinhosos na página do seu parceiro.

Segundo o professor, essas pessoas também sentiram a necessidade de se gabar de sua relação e também utilizam o Facebook para monitorar as atividades de seu namorado ou namorada.

— Estes resultados sugerem que os menos confiantes sentem a necessidade de mostrar seus relacionamentos aos outros e dizer que estão tão bem quanto seu relacionamento — disse Seidman.

No estudo, os participantes foram convidados a preencher um questionário sobre os seus comportamentos e hábitos no Facebook. Os pesquisadores também mediram os traços de personalidade — que incluem o quanto uma pessoa se expõe, se é extrovertida e carinhosa, e também aspectos neurológicos. De acordo com os pesquisadores, indivíduos mais neuróticos também são mais propensos a usar a rede social para monitorar seu parceiro e mostrar o seu relacionamento.

— Isso é o que esperávamos, porque os neuróticos são geralmente mais ciumentos em seus relacionamentos amorosos — explicou Seidman.

O cientista sugere que estas pessoas usam o Facebook como uma maneira de diminuir os seus medos de rejeição e ansiedade dentro do relacionamento.

O que os pesquisadores não esperavam é que os extrovertidos — os que têm mais amigos no Facebook e são usuários mais ativos — são menos propensos a monitorar seus parceiros ou fazer posts afetuosos. Os introvertidos são os que mais publicam conteúdo afetivo e espionam os parceiros.

Leia Mais