Contra padrão de beleza irreal, revista do Chile bane retoques em fotos

atrizes-de-novela-do-chile-posam-para-foto-sem-photoshop-de-revista-ya-ulises-nilo-1398279932162_615x300
Atrizes de novela do Chile posam para foto sem Photoshop de revista “Ya” Ulises Nilo

Publicado no UOL

Em janeiro deste ano, a revista “Ya”, do jornal El Mercurio, a publicação feminina mais lida do Chile, resolveu parar de retocar as fotos de modelos com a ajuda do programa Photoshop. A seguir, a editora de revistas do jornal, Paula Escobar, explica as razões da mudança e as reações provocadas por ela:

“Uma contradição passou a rondar as reuniões de pauta da revista ‘Ya’.

Por um lado, queríamos falar de temas relevantes sobre a mulher moderna e com pés no século 21, como prova nossa cobertura de assuntos da atualidade, de questões sociais e de entrevistas com mulheres influentes, como a empresária e ativista Sheryl Sandberg, a presidente Michelle Bachelet, várias ministras e reitoras de universidades, economistas e empreendedoras.

Mas as páginas de moda e beleza –as seções mais tradicionais de uma revista feminina– iam contra esse princípio: com frequência, exibiam modelos muito jovens e magras que eram assim de verdade ou, pior, que eram rejuvenescidas ou ‘perdiam peso’ com as técnicas do Photoshop, que alguns de nossos fotógrafos externos usavam, apesar de pedirmos para não fazerem isso.

Começamos a persuadir esses fotógrafos e as agências a nos enviar modelos mais velhas e com corpos mais saudáveis e que suas fotos não fossem alteradas digitalmente. Mesmo assim, não funcionou completamente, porque muitos têm uma visão de estilo e beleza que está ligada aos corpos mais jovens e andróginos.

A ideia de beleza, por assim dizer, é sem curvas, sem rugas, sem carne ou sem marcas do tempo. Sem humanidade.

Que liberdade é essa?
Ao mesmo tempo, tanto no Chile quanto em outras partes do mundo, duas epidemias avançam: os problemas alimentares e a cirurgia plástica, ambos consequências desta cultura que impõe um ideal de beleza tão inalcançável quanto irreal e, muitas vezes, perigoso para a saúde.

Se não se pode nem comer ou envelhecer, qual é a liberdade que estamos propondo para essas mulheres?

É paradoxal que o século 21, época em que as mulheres têm mais direitos do que nunca, seja o século em que prevaleça a ideia de que, para ser bela, é necessário ter um determinado tipo de corpo que não o seu próprio e, além disso, um tipo que requer privação de alimentos.

Por esse motivo, os corpos anoréxicos dizem muito sobre nossa sociedade, que diz que mulheres têm uma liberdade sem limites, e ao mesmo tempo impõe essa rejeição de seu próprio corpo.

Exemplos internacionais
Depois de muito buscar, nos inspiramos em várias iniciativas internacionais. Primeiro, estudamos o projeto de 2008 da deputada francesa Valerie Boyer, que, mesmo não tendo sido promulgado, deu início ao debate. Roselyne Bachelot, então ministra da Saúde da França, assinou a ‘Carta de Compromisso voluntário sobre a imagem corporal e contra a anorexia’.

Alguns anos antes, o governo havia começado um movimento parecido na Itália para regular a idade e o peso da participação de modelos nos eventos em Milão, a capital da moda italiana, e recomendar que não fossem contratadas jovens com um índice de massa corporal (IMC) inferior a 18,5 –determinado por uma proporção entre o peso e a altura– ou menores de 16 anos.

Também foi muito útil a recente lei aprovada em Nova York que estende a modelos menores de 18 anos os benefícios de qualquer outra criança que trabalha no mundo dos espetáculos. Essa lei impõe limites rígidos de tempo e horário de trabalho e cria um processo burocrático que busca desestimular o uso de meninas como modelos.

Mudança cultural
Tendo em vista esses exemplos e nosso compromisso com nossas milhares de leitoras, criamos a Campanha de Boas Práticas.

Em uma iniciativa de autorregulação inédita no Chile, nos comprometemos, em nossas páginas editoriais, a contratar modelos maiores de 18 anos e com um índice de massa corporal acima de 18,5, que é o estabelecido internacionalmente como um peso normal, certificado por um médico; a não usar o Photoshop para alterar a imagem real de uma pessoa; e a promover a reflexão sobre a imagem da mulher nos meios de comunicação, por meio de um seminário anual e fóruns com mulheres líderes nos meios de comunicação de nosso país.

Foi a nossa maneira de resolver essas contradições entre o discurso a favor da mulher e certas práticas da fotografia de moda e beleza.

Tem sido um caminho complexo, com vários obstáculos, mas também com aliados. A principal dificuldade é cultural: é preciso pensar as reportagens por outra lógica e, especialmente, romper com a ideia de que o corpo mais bonito é magro e jovem.

Desconstruir, de certa forma, a própria ideia do que é belo e dar a ela um novo significado, de acordo com a realidade chilena. E também evitar o tom de regra aos conselhos de beleza: fugir da armadilha de dizer que as mulheres ‘devem’ consumir certas coisas para ‘serem’ aceitas.

Nas revistas de estilo masculinas, o tom é mais lúdico e divertido. Estão orientadas ao prazer, não ao ‘dever ser’. Aí está outra inspiração.

Mesmo que alguns fotógrafos tenham me considerado exagerada ou dogmática, muitos se uniram com gosto à nossa campanha, porque estavam fartos do excesso de retoques digitais, que, ao serem mal usados, fazem com que a fotografia verdadeira seja criada no computador e não na realidade.

Por fim, várias agências de modelos quiseram participar e enviar suas modelos a uma consulta médica para obterem o certificado de idade e peso normal. Muitas mulheres influentes e formadoras de opinião também apoiaram nossa campanha.

Agora, estamos próximos de realizar nosso primeiro seminário sobre o tema. Convidaremos a uma reflexão sobre as mulheres e sua representação nos meios de comunicação. Não só nos jornais e nas revistas, mas também na televisão, no cinema e outros.

Sabemos que é só o começo, mas isso nos enche de esperança de que seja possível ajudar para que nossas filhas deixem de sonhar em ser bonecas quando crescerem e se aceitem como são.”

* A jornalista Paula Escobar Chavarría é editora de revistas do El Mercurio e autora de três livros. Em 2006, foi eleita uma das 100 mulheres líderes do Chile e nomeada Jovem Líder Global pelo Fórum Econômico Mundial.

Leia Mais

As fotos que Hitler não queria que você visse

08

Publicado no História Ilustrada

Hitler tinha certamente um grande talento retórico e era capaz de realizar discursos eloquentes. Ele então resolveu gravar um disco contendo discursos gravados em estúdio para popularizar suas ideias. Em1925 o futuro Führer chegou a posar para realizar uma foto para ilustrar a capa de seu disco, mas não se agradou dos resultados da seção fotográfica e exigiu que Heinrich Hoffmann, o seu fotógrafo oficial,  destruísse os negativos. Hoffmann acabou fazendo aquilo que muitos não ousavam fazer e decidiu desobedecer o poderoso Hitler. O resultado deste ato de insubordinação está aqui nestas fotos curiosas, com o Führer em poses forçadas e fazendo caras e bocas que vão do histérico ao patético (talvez por isso ele tenha detestado cada uma dessas fotos). 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

30 fotos antigas que mostram o quanto as coisas mudaram. Algumas são hilárias

Escolhemos 37 fotografias do passado. As pessoas faziam muitas coisas de forma muito diferente naquela época, mas algumas coisas continuam iguais.

Lucas Rabello, no Blogblux

O mais antigo selfie conhecido, datando de 1839. Robert Cornelius tirou essa foto de si mesmo e tornou-se famoso por criar o primeiro auto-retrato ou o que chamamos de selfie.

 

Pessoas posam ao lado da Estátua da Liberdade, uma vez que foi trazida da França em 1886.

 

Jovem posa com suas novas próteses em 1900.

 

Mulher “outdoor” em 1900.

 

Annette Kellerman, ativista dos direitos das mulheres, no traje de banho de uma peça que levou à sua prisão por indecência em 1907.

 

Um homem acordando seus clientes. Este era o despertador no início do século 20.

 

Um policial em uma Harley e uma cela móvel em 1921.

 

Duas das vencedoras de um concurso de beleza em 1922.

 

O leão da MGM em uma sessão de fotos.

 

Assim que os fabricantes de ônibus duplos de Londres provavam aos funcionários que eles não corriam perigo de queda, em 1933.

 

A encomenda postal foi iniciada em 1913, pouco depois que dois filhos foram enviados por um carteiro.

 

Antiproibicionistas zombam de seus oponentes em 1919.

 

Barris de álcool foram jogados durante a proibição, em Detroit, na década de 1920.
Trajes de banho não eram autorizados a terminar mais de 6 centímetros acima do joelho em 1920.
Um casal desfrutando de um velha tirolesa em 1923.
Este estranho capacete era usado para ajudar o usuário a ficar atento, o tornando temporariamente  surdo usuário e limitando sua visão e oxigênio.
Comunistas demonstram um grande porco esculpido em 1920.
Uma máscara que protegia contra os danos do sol em 1920.
Monte Rushmore, em 1927, antes que os rostos foram esculpidos.
Um tratador dá banho em pinguins na década de 1930.
Coletes salva-vidas na década de 1930.
Gaiolas bebê penduradas do lado de fora dos apartamentos para as crianças obter luz solar em 1930.
Coco Chanel e Salvador Dali compartilham um cigarro em 1938.
Soldados da Segunda Guerra Mundial se despedem de suas esposas.
Marilyn Monroe trabalhando em uma fábrica da Segunda Guerra Mundial, em 1944.
Um menino austríaco animado com seus sapatos novos em 1946.
Um urso bebê bebe uma taça de mel em um café, em 1950.
Um jovem Paul McCartney faz um selfie em um espelho em 1959.
Óculos de televisão em 1963.

Leia Mais

Vítimas de ‘nude selfie’ e ‘sexting’ na internet dobram no Brasil, diz ONG

Em 2013, 101 pessoas procuraram ajuda psicológica, informa Safernet.
SP responde pela maioria das consultas desde início de serviço de ajuda.

Campanha alerta para que imagens compartilhadas não caiam nas mãos de mais pessoas: 'A internet não guarda segredos'; 'mantenha sua intimidade off-line' (foto: Divulgação)
Campanha alerta para que imagens compartilhadas não caiam nas mãos de mais pessoas: ‘A internet não guarda segredos’; ‘mantenha sua intimidade off-line’ (foto: Divulgação)

Kleber Tomaz, no G1

O número de vítimas de “nude selfie” e “sexting” – o compartilhamento de fotos íntimas em sites e aplicativos de smartphone como WhatsApp – mais que dobrou nos últimos dois anos no país. Os dados são de um levantamento inédito feito pela ONG Safernet Brasil, entidade que monitora crimes e violações dos direitos humanos na internet em parceria com a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público (MP).

O estudo mostra que, em 2013, a Safernet atendeu 101 casos de pessoas que tiveram a intimidade exposta indevidamente na web. O número representa um crescimento de 110% em relação a 2012, quando a ONG contabilizou 48 pedidos de ajuda.

Os dados, aos quais o G1 obteve acesso, representam os atendimentos psicológicos on-line realizados pela Safernet. Foram contabilizadas como vítimas àquelas que procuraram o serviço gratuito Helpline Brasil ou Canal de Ajuda da ONG e denunciaram o uso e veiculação indevidos e sem autorizações de fotografias, filmagens e conversas com conteúdo erótico ou pornográfico.

Para Juliana Cunha, psicóloga da Safernet, os adolescentes e jovens encontraram nos smartphones uma nova maneira de expressar sua sexualidade. Por isso, o “nude selfie” e o “sexting” fazem parte dessa nova cultura. “O ‘selfie’ com nudez é mais um jogo sexual, numa fase de descobertas que sempre aconteceu na adolescência. Para muitas adolescentes, é uma prova de cumplicidade e intimidade com o parceiro”, afirma.

A tendência para 2014 é de aumento no número de consultas psicológicas on-line sobre o compartilhamento indevido de fotos íntimas, estima a ONG. Nos dois primeiros meses deste ano, foram mais 21 atendimentos. Para efeito comparativo, no mesmo período do ano passado foram três casos. De 2012 a 2014, os pedidos de ajuda tiveram origem em 166 cidades brasileiras.

Desde que o serviço de ajuda on-line começou há dois anos, o estado de São Paulo responde pelo maior número de casos. Entre janeiro de 2012 e fevereiro de 2014, foram 20 atendimentos oriundos de SP, seguidos por 11 da Bahia e seis do Rio de Janeiro.

Outra pesquisa feita pela Safernet em 2013, juntamente com a GVT, mostrou que 20% de 2.834 jovens brasileiros entrevistados afirmaram ter recebido conteúdos de “nude selfie” e “sexting”. E que 6% deles reenviaram essas imagens a outras pessoas.

Perfil das vítimas de ‘nude selfie’ e ‘sexting’ no levantamento da Safernet
Gênero:
feminino: 77,14%
masculino: 22,86%
Faixa etária:
10-12 anos: 7,14%
13-15 anos: 35,71%
16-17 anos: 17,86%
18-25 anos: 32,14%
acima de 25 anos: 7,15%

Vítimas
A pesquisa de atendimentos feita pela Safernet revela que garotas de 13 a 15 anos de idade representam a maioria das vítimas de “nude selfie” e “sexting” que procuram ajuda psicológica.

A maior preocupação relacionada a esta prática de compartilhamento é que, uma vez on-line, perde-se completamente o controle da foto ou vídeo íntimo publicado. “Queremos ajudar os adolescentes e jovens a fazerem boas escolhas na rede, sabendo administrar suas publicações e compartilhamentos para evitar arrependimentos e situações de perigo quando pessoas mal intencionadas se aproveitam dessas imagens”, afirmou Thiago Tavares, Presidente da Safernet e coordenador da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos.

Recentemente, uma estudante de 19 anos de São Paulo ficou constrangida após fotos suas fazendo sexo grupal com cinco universitários de um time de rugby da Universidade Mackenzie rodarem a internet.

Em novembro de 2013, Júlia Rebeca, de 17 anos, se suicidou em Parnaíba (PI) depois que um vídeo dela fazendo sexo começou a circular nas redes sociais.

Prevenção
Nesta segunda-feira (14), a Safernet lança uma campanha mundial contra a divulgação e o compartilhamento de fotos, vídeos e troca de mensagens íntimas de crianças, adolescentes e jovens nas redes sociais.

No cartaz da campanha aparecem mensagens de alerta para que imagens íntimas compartilhadas não caiam nas mãos de mais gente, como “A internet não guarda segredos” e “Mantenha sua intimidade off-line”.

Crime
A divulgação de fotos, vídeos e outros materiais com teor sexual sem o consentimento do dono pode ser interpretada pela Justiça como crime, de acordo com diversas leis.
O ato pode ser classificado como difamação (imputar fato ofensivo à reputação) ou injúria (ofender a dignidade ou decoro), segundo os artigos 139 e 140 do Código Penal.

O artigo 241 A do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) qualifica como crime grave a divulgação de fotos, vídeos ou imagens de crianças ou adolescentes em situação de sexo explícito ou pornográfica. Prevê pena de 3 a 6 anos de reclusão e multa para quem publicar materiais que contenham essas cenas com menores de 18 anos de idade.

A Lei 12.737, em vigor desde abril, criminaliza a invasão de dispositivo informático alheio para obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do titular. Quem tiver essa conduta pode pagar multa e ser preso por três meses a um ano. A lei foi apelidada de “Carolina Dieckmann” após a atriz ter seu computador hackeado e suas fotos íntimas, divulgadas.

O Marco Civil da Internet prevê no seu artigo 21, que aguarda aprovação pelo Senado para virar lei, que a vítima pode pedir ao provedor a retirada de conteúdo próprio de nudez, sem a necessidade de advogado ou de recorrer ao judiciário.

Leia Mais