“Mostramos Jesus de calça jeans e não de fraldas”, diz diretor de ópera rock

Em meio às criticas de religiosos, "Jesus Cristo Superstar" estreia nestas sexta-feira (14), no Teatro Tomie Ohtake (foto: Divulgação)
Em meio às criticas de religiosos, “Jesus Cristo Superstar” estreia nestas sexta-feira (14), no Teatro Tomie Ohtake (foto: Divulgação)

Publicado no UOL

A versão brasileira do espetáculo “Jesus Cristo Superstar” estreia no próximo dia 14 de março em meio a polêmicas com religiosos, quarenta e três anos após o lançamento da obra original nos EUA com letras de Tim Rice e música de Andrew Lloyd.

A Associação Devotos de Fátima recentemente publicou em seu site oficial uma petição endereçada à Ministra da Cultura Marta Suplicy para impedir a estreia do espetáculo no Teatro Tomie Ohtake, sob a alegação de que “não se pode promover com o dinheiro dos contribuintes atentados contra a fé dos brasileiros sob pretexto de promover a cultura”. A petição já conta com mais de 32 mil assinaturas e busca chegar ao número de 50 mil. Com produção da gigante do entretenimento nacional T4F, “Jesus Cristo Superstar” teve captação de recursos via Lei Rouanet.

Com Igor Rickli no papel do protagonista, Negra Li como Maria Madalena e Alírio Netto como Judas Iscariotes, a clássica peça de ópera-rock aborda a última semana de vida de Jesus Cristo na Terra – da chegada a Jerusalém ao momento de sua crucificação. “É uma obra com aspecto transgressor e jovem, e a expressão de rebeldia é universal e atemporal”, disse o diretor Jorge Takla, durante coletiva de imprensa realizada nesta segunda (10).

Takla ainda afirmou não se chocar com as críticas. “O Brasil é um Estado laico. Eu, por exemplo, sou católico praticante e uma peça como esta não abala a minha fé. Por ser uma obra de arte, é natural que ela gere polêmica. As pessoas podem se incomodar e achar o que quiserem. Mas vamos continuar trabalhando”, argumentou.

Quando questionado se a foto de divulgação do espetáculo não mostra Jesus de uma forma mais sexual – com Rickli usando apenas a coroa de espinhos e uma calça jeans -, o diretor rebateu. “Nós respeitamos a imagem que nos foi passada pela própria Igreja. É Jesus sem camisa. E na original ele ainda usa uma fraldinha e nós colocamos uma calça jeans”, disse, referindo-se ao pano utilizado para cobrir a região do quadril de Jesus durante sua crucificação.

“Senti abordagens diferentes. Tem pessoas que gostam e existem as que não gostam”, comentou Rickli. “Isso de estar sem camisa é tabu. Cada um tem a sua versão para Jesus e nesse trabalho foquei nesse personagem que transmite amor às pessoas. Sempre fui muito espiritual, então a pesquisa não foi difícil, mas precisei reforçar os estudos de canto. O teatro musical permite que o artista consiga expandir seu trabalho”

De acordo com o diretor, a ideia era criar um espetáculo mais autoral, já que “Jesus Cristo Superstar” nasceu em meio à contracultura e ao movimento hippie dos anos 60 e 70. “Buscamos abordar a peça de forma mais clean, elegante e mais atual. A versão de Vinicius de Moraes que estreou no Brasil em 1972 ainda trazia a estética hippie em peso. Nós quisemos mudar isso. Nos figurinos, trouxemos itens contemporâneos, como o jeans e os coturnos, e na parte de cima dos vestuários os elementos bíblicos”, explicou Takla.

Em termos de sonoridade, a diretora musical Vânia Pajares destaca que manteve as mesmas estruturas das canções originais, mas com abordagem acentuadamente rock’n’roll. “Muita coisa aconteceu na música nos últimos 40 anos, então trabalhamos com tudo isso. Tem muita farofa dos anos 80 também (risos)”, afirmou.

Negra Li, já conhecida do público como cantora, assume o posto de Maria Madalena e comenta as semelhanças do papel com os tempos de rapper integrante do grupo RZO. “Voltei à fase da minha vida em 1996, com a postura de mulher forte no rap porque essas mulheres que seguem Jesus são guerreiras, estão com ele por uma causa”, afirmou.

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

Leia Mais

‘Fui assassinada’, diz mulher que criou ONG contra ‘vingança pornô’

‘Marias da Internet’ foi criada para ajudar vítimas de crimes pela internet.
ONG completa um ano e já salvou algumas vidas, afirma Rose Leonel.

A jornalista Rose Leonel foi vítima de um crime pela internet, em 2008 (Foto: Arquivo pessoal)
A jornalista Rose Leonel foi vítima de um crime pela internet, em 2008 (Foto: Arquivo pessoal)

Erick Gimenes, no G1

A ONG Marias da Internet existe há um ano e já salvou algumas vidas, segundo a criadora dela, Rose Leonel, que mora em Maringá, no norte do Paraná. O trabalho é feito para ajudar mulheres que foram vítimas de ‘vingança pornô’, ou seja, que tiveram fotos ou vídeos íntimos espalhados pela internet por ex-companheiros.

“Crimes como esses acabam com a vida da vítima. É um crime que não se apaga. A imagem sempre vai estar na internet, já foi espalhada. Posso te dizer que, depois de passar por isso, a pessoa morre, moralmente e até fisicamente, em casos de adolescentes que não resistem a todo esse julgamento da sociedade, por exemplo. Meu objetivo é dar alento, dar a mão, dizer: ‘Olha, eu estou aqui e já passei por isso. Quero ajudá-la a salvar sua vida'”, explica a jornalista.

Rose é uma das muitas mulheres que vivenciaram e sofreram com a exposição causada por homens com quem se relacionam. Há oito anos, o ex-noivo divulgou fotos íntimas dela pela internet porque, de acordo com a jornalista, não aceitou o fim do noivado. Além de divulgar as imagens, ele ainda insinuou em redes sociais que ela era uma garota de programa. Rose entrou na Justiça e, em 2010, ganhou a causa.

“Fui assassinada. Fui morta moralmente. Hoje, eu ainda estou em recuperação, dia a dia. Não vai passar. Eu sofri com isso e decidi criar a ONG no auge da minha dor. Eu sei o que é estar desamparada em um momento desses. Em muitos casos, até a família se afasta e vira o rosto para você”, afirma Rose.

Como funciona

'É a minha bandeira', diz jornalista sobre a ONG Marias da Internet (Foto: Reprodução)
‘É a minha bandeira’, diz jornalista sobre a ONG
Marias da Internet (Foto: Reprodução)

A ONG funciona exclusivamente pela internet, como uma consultoria para vítimas de crimes virtuais. Por meio do site da Marias da Internet ou pelo Facebook, as mulheres contam as histórias pelas quais passaram, em mensagens que chegam diretamente para Rose. A jornalista lê, analisa e entra em contato com a pessoa que precisa de ajuda.

O primeiro passo é sempre o mesmo: oferecer uma palavra amiga, segundo ela. “Faço os primeiros socorros”, define. “Ligo para a pessoa e tento ouvi-la. Conto o que passei e acalmo a vítima. Tento mostrar que existe vida após um crime na internet”.

Depois da primeira conversa, Rose entra em contato com uma equipe de profissionais especializados em crimes pela internet, para oferecer assessoria à vítima. No time há advogados, peritos digitais e psicólogos, por exemplo – todos voluntários.

O grupo se mobiliza e aconselha a vítima sobre o que fazer e como agir a partir do crime. Além disso, os voluntários da ONG, incluindo Rose, também visitam escolas e proferem palestras em locais para os quais são convidados.

“O objetivo é informar, orientar e dar suporte para as vítimas. Sou uma mulher que quer lutar por todas as outras mulheres. Isso me fortalece, me faz caminhar. Me sinto sendo útil erguendo essa bandeira, tendo essa missão”, ressalta Rose. “Que bom seria se eu tivesse a oportunidade de conversar com todas as mulheres que passaram por isso. Quantas vidas seriam salvas, não é mesmo?”.

Onde encontrar
Qualquer mulher pode entrar em contato com a Marias da Internet para pedir ajuda, por meio do site da ONG ou pela página dela no Facebook.

Leia Mais

23 fotos que provam que a sociedade está perdida

Publicado no BuzzFeed

1. Essa foto de velhas amigas recordando sobre os bons e velhos tempos durante um brunch delicioso:

enhanced-buzz-3832-1371655608-27

2. Essa foto adorável de almas gêmeas se encontrado pela primeira vez.

enhanced-buzz-4333-1371655695-10

3. Essa foto de formandos indo embora da escola pela última vez, finalmente livres das algemas da educação.

enhanced-buzz-12189-1371655752-12

4. Essa foto inspiradora de fãs torcendo pelo seu time em uma importante final:

enhanced-buzz-24661-1371655696-10

5. Essa foto de amigas se deliciando com uma pizza:

enhanced-buzz-25649-1371658354-40

6. Essa foto de uma família maravilhosa agradecendo todas as sua bênçãos em um jantar de Ação de Graças.

enhanced-buzz-29144-1371657871-2

7. Essa foto de melhores amigas partindo para uma viagem de carro que vai mudar as suas vidas.

enhanced-buzz-11486-1371655695-27

8. Essa foto de adolescentes aproveitando as suas últimas férias de verão, que sem dúvida irá mudar as suas vidas:

enhanced-buzz-22954-1371655697-11

9. Essa foto de amigos discutindo as complexidades do amor e da vida enquanto degustam um bom vinho.

enhanced-buzz-12532-1371655698-18

10. Essa foto de cortar o coração de um irmão e uma irmã se reencontrando após uma década de separação.

enhanced-buzz-10712-1371655699-31

11. Essa foto de pessoas que gostam de ir a museus pra ver quadros lindos do Thomas Cole pela primeira vez, o tipo de arte que leva alguém às lágrimas.

enhanced-buzz-13722-1371655698-9

12. Essa foto de amigos muito animados durante um esquenta antes do jogo do ‘Niners.

enhanced-buzz-12519-1371655714-41 (mais…)

Leia Mais

Fotógrafo capta raro feixe de luz em meio à simplicidade e grandiosidade das cavernas

Publicado no Mais Positividade

Nas cavernas chamadas ‘Hang En’ e ‘Hang Son Doong’, no Parque Nacional do Vietnã, a luz do sol só aparece durante uma hora por dia, e somente nos meses de janeiro e fevereiro. O acesso a essas cavernas é bem complicado, e sua iluminação se trata apenas de um feixe de luz em meio à escuridão.

Mas, apesar das dificuldades, um fotógrafo chamado Ryan Deboodt resolveu tentar obter imagens do local. O resultado são fotografias encantadoras que mostram o contraste da luz adentrando as cavernas, enquanto o ser humano aparece pequeno, mas fazendo parte, em meio à simplicidade e grandiosidade da natureza.

Confira logo abaixo:

caverna-6 caverna-5 caverna-4 caverna-3 caverna-2 caverna-1

Leia Mais

Selfie, por sua conta e risco

Publicado no B9

Selfie virou palavra do ano em 2013, segundo o dicionário Oxford. Mas, pior do que ser a palavra do ano, foi a maneira como uma antiga prática de tirar foto de si mesmo se propagou pelas redes sociais, adquirindo um novo significado. Virou mote de propagandamotivo de discórdia no funeral de Nelson Mandela e até uma maneira de se ajudar a levantar uma grana para a caridade. E, agora, virou também uma animação muito legal, criada pelo diretor Andy Martin.

Ao longo de 60 segundos, Martin revela os riscos que uma pessoa obcecada por sua própria imagem pode correr. Tudo de uma maneira muito bem humorada, e que até pode gerar um pouco de reflexão (e não reflexo) naqueles que frequentemente fazem selfies.

A animação foi produzida para o Character Selfies, um projeto doPictoplasma Berlin Festival.

Leia Mais