12 cidades que parecem ter parado no tempo

Em Little Woodham vive-se como se estivesse no século XVII
Em Little Woodham vive-se como se estivesse no século XVII

Publicado no El Hombre

No dicionário o verbo viajar aparece sucedido de uma definição singela, no entanto, coerente: “Fazer uma viagem; ir de um lugar para outro ou outros”.

Às vezes, entretanto, uma viagem pode representar muito mais do que um deslocamento no espaço – pode designar um deslocamento temporal.

Sim, sei que parece loucura, mas depois de ler este texto você irá compreender meu raciocínio. Alguns locais, especialmente na Europa, parecem ter congelado no tempo. Uns pelo fato de terem se tornado museus a céu aberto e outros por preservarem uma determinada cultura e história que permanece inalteradas através do tempo.
Bom, antes que você me considere louco, confira 12 destes lugares espalhados pelo mundo:

Den Gamle By — Dinamarca

dem-gamle-by-el-hombre

Den Gamle By (ou em português “A Cidade Velha”) é um museu a céu aberto instalado na cidade de Aarhus. São edificações históricas construídas entre os séculos XVI e XIX, sendo que a mais antiga delas é um armazém de 1550.
O Den Gamle By foi inaugurado em 1914, sendo o primeiro museu desse tipo no mundo. No total, é composto por 75 construções de todo o país que foram desmontadas e remontadas em Aarhus para evitar que parte da história da nação fosse perdida.

Cidadela de Carcassonne – França

cidadela-de-carcassonne-el-hombre

Localizado no município de Carcassonne, cerca de 80 km de Toulouse, este local constitui um conjunto arquitetônico medieval que, inclusive, foi tombado como Patrimônio Mundial em 1997.
Apesar de terem sido feitas restaurações no final do século XIX, boa parte das construções foi realizada durante o século XI e permanece quase intocada. Chama atenção os três quilômetros de fortificações e as 52 torres que rodeiam o imponente castelo.

Archeon — Holanda

archeon-el-hombre

Archeon é um museu arqueológico situado em Alphen aan den Rijn, na Holanda. Em Archeon é possível realmente viajar no tempo, já que o local traz o passado à vida em vários contextos históricos de várias épocas da história holandesa.
Entre os períodos retratados estão a Idade da Pedra, a época romana e o período medieval. Inaugurada em 1994, já serviu de palco para vários festivais, tal como o Archeon Roman Festival.

Xinye Village — China

xinye-village-el-hombre

Xinye Village é uma aldeia chinesa, uma cidadezinha histórica situada em Jiande tendo sido fundada na Dinastia Song do Sul. Xinye é reconhecida por sua exuberante e bem preservada arquitetura das dinastias Ming e Qing.

Algumas das edificações mais antigas datam do século XIV, sendo que a vila foi originalmente fundada no século anterior. Hoje, a maioria dos moradores carrega o sobrenome Ye, do fundador Ye Kun. Xinye Village é, para muitos, o maior museu ao ar livre de residências antigas na China.

Almedina de Fez – Marrocos

almedina-de-fez-el-hombre

Almedina é o nome dado à área histórica de diversas cidades do noroeste da África. Comumente contêm fontes, palácios, mesquitas, dentre diversas edificações e monumentos históricos de inestimável valor cultural.

E dentre as Almedinas, a da cidade de Fez é a maior e mais bem preservada do continente. Boa parte do que está construído por lá data dos séculos XIII e XIV, quando Fez se tornou capital do Império Merínda, substituindo Marrakech. No local você também pode conhecer a universidade mais antiga do mundo ainda em funcionamente segundo o Guinness Book: a Universidade de Karueein, fundada em 859.

Little Woodham – Inglaterra

little-woogham-el-hombre

Little Woodham Living History Village é um museu vivo dedicado a recriar a vida em uma aldeia rural de meados do século XVII. Os moradores são voluntários que se vestem em trajes e agem como se estivessem no verão de 1642. Estes voluntários realmente encarnam personagens da época e discutem sobre assuntos da vila, sobre Charles I e sobre a iminente guerra entre o rei e o parlamento.

A vila de Little Woodham foi inicialmente criada em 1984 como uma reconstituição temporária da vida na região às vésperas da Guerra Civil Inglesa. Após isso, os próprios moradores da região fundaram uma sociedade e levantaram fundos para manter o projeto vivo até os dias de hoje.

Shikoku Mura — Japão

shikou-mura-el-hombre

Shikoku Mura é um parque dedicado a preservar a arquitetura regional dos séculos XVII a XIX situado em Takamatsu, no Japão. Hoje, o parque abriga mais de vinte edifícios datados desde o período Edo,iniciado em no século XVII.

O parque foi inaugurado em 1976 e ocupa uma área de cerca de cinquenta mil metros quadrados. Muito do que se encontra por lá hoje está relativamente intocado desde o começo do último século.

Kizhi Island — Rússia

khizi-island-el-hombre

Kizhi é nome dado a uma pequena ilha no Lago Onega, na Rússia. Por lá, você pode encontrar alguns edifícios dos séculos XV ao XVII, entre eles duas igrejas e uma torre de sino conhecida como Kizhi Pogost, construída em 1700.
O que acontece é que durante a década de 1950 edifícios históricos de regiões próximas foram transferidos para a ilha como meio de preservação. Hoje, portanto, todo lugar transformou-se num museu a céu aberto.

Rothenburg ob der Tauber — Alemanha

rothenburg-ob-der-taubern-el-hombre

O nome “Rothenburg ob der Tauber” significa, em alemão, “fortaleza vermelha acima do Tauber”. A cidade é chamada assim devido à localização em um platô com vista para o rio Tauber e o vermelho é uma referência a cor dos telhados das casas com vista para o rio.

Hoje o lugar se transformou em um destino turístico bastante conhecido pela arquitetura medieval bem preservada. Talvez você até tenha visto imagens desta cidade, pois cenas de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 foram filmadas em Rothenburg.

Havana – Cuba

havana-el-hombre

Cuba, esta pequena ilha caribenha, simplesmente não poderia deixar de contribuir com esta lista. Afinal, após o embargo sofrido durante a Guerra Fria, muito do que se vê por ali parece congelado no tempo.

A capital Havana – especialmente a Velha Havana, no centro da cidade – reúne belas construções arquitetônicas antigas, do período colonial. Os automóveis, todos antigos, também irão te fazer sentir em outro tempo.

Ouro Preto – Brasil

ouro-preto-el-hombre

Ouro Preto, em Minas Gerais, é famosíssima por ser uma cidade histórica que retrata os tempos a era Colonial. Além de ser um museu a céu aberto, a cidade também abriga incontáveis museus em seu território. Por lá encontramos trabalhos de diversos artistas, principalmente do grande escultor e arquiteto brasileiro Aleijadinho.

Lá igualmente é famoso por contar a história da Inconfidência Mineira, homenageando Tiradentes de diversas formas, por abrigar incontáveis igrejas bem antigas e por hospedar a Casa da Ópera (Teatro Municipal de Outro Preto), teatro mais antigo em funcionamento na América Latina.

Pompeia – Itália

pompeia-el-hombre

Talvez a cidade que apresente a história mais curiosa dessa lista é Pompeia. Depois de ter sido destruída pela erupção de um vulcão no ano de 79 d.c. o lugar ficou absolutamente soterrado por cinzas. E assim foi por longos 16 séculos.

Somente em 1748 que a humanidade descobriu as ruínas de Pompeia. E a surpresa foi imensa ao observar que a arquitetura permanecia por lá, revelando como era uma cidade no tempo do Império Romano. Outro grande impacto foi ver que os corpos das pessoas que haviam sido atacadas pelas lavas permaneciam por lá na mesma posição em que foram atingidas pela erupção.

Leia Mais

Casais que postam muitas fotos no Facebook são os mais inseguros

Quem usa a rede social para divulgar seus momentos com o amado tem o objetivo de mostrar para os outros que vive um momento feliz

foto: Nicholas KAMM / AFP
foto: Nicholas KAMM / AFP

Publicado no Zero Hora

Aquele casal que posta foto o tempo inteiro no Facebook realmente pode estar apaixonado, mas tem uma grande probabilidade de ser inseguro, aponta uma pesquisa realizada pela Albright College. De acordo com o estudo, quem usa a rede social para divulgar seus momentos com o amado tem o objetivo de mostrar para os outros que vive um momento feliz.

O psicólogo Gwendolyn Seidman pesquisou usuários do Facebook “em relacionamentos sérios” e descobriu que os satisfeitos com seu relacionamento são os mais propensos a utilizar a rede social para postar fotos e alguns detalhes de seu relacionamento, bem como comentários carinhosos na página do seu parceiro.

Segundo o professor, essas pessoas também sentiram a necessidade de se gabar de sua relação e também utilizam o Facebook para monitorar as atividades de seu namorado ou namorada.

— Estes resultados sugerem que os menos confiantes sentem a necessidade de mostrar seus relacionamentos aos outros e dizer que estão tão bem quanto seu relacionamento — disse Seidman.

No estudo, os participantes foram convidados a preencher um questionário sobre os seus comportamentos e hábitos no Facebook. Os pesquisadores também mediram os traços de personalidade — que incluem o quanto uma pessoa se expõe, se é extrovertida e carinhosa, e também aspectos neurológicos. De acordo com os pesquisadores, indivíduos mais neuróticos também são mais propensos a usar a rede social para monitorar seu parceiro e mostrar o seu relacionamento.

— Isso é o que esperávamos, porque os neuróticos são geralmente mais ciumentos em seus relacionamentos amorosos — explicou Seidman.

O cientista sugere que estas pessoas usam o Facebook como uma maneira de diminuir os seus medos de rejeição e ansiedade dentro do relacionamento.

O que os pesquisadores não esperavam é que os extrovertidos — os que têm mais amigos no Facebook e são usuários mais ativos — são menos propensos a monitorar seus parceiros ou fazer posts afetuosos. Os introvertidos são os que mais publicam conteúdo afetivo e espionam os parceiros.

Leia Mais

10 fotografias raras e reais de escravos brasileiros há 150 anos

Publicado no Somente Coisas Legais

Estas imagens, tiradas há mais de 150 anos, são registros únicos de uma das épocas mais cruéis da sociedade brasileira. Quando estudamos sobre a escravidão no Brasil, temos acesso a ilustrações, encenações e, é claro, descrições do período na literatura. Desta vez, poderemos observar imagens que mostram realmente pessoas da época que eram submetidas à escravidão.

Quando nos deparamos com o post do blog História Ilustrada e nos surpreendemos com a qualidade das imagens, decidimos também mostrar aqui esse conteúdo tão importante – e lamentável – da história brasileira.

O que tornou possível tamanha riqueza de imagens de época, segundo o site, foi o interesse do Imperador Pedro II pela fotografia, o que tornou o Brasil um dos países em que primeiro se desenvolveu esta prática.

Todas as fotos são do período entre 1860 e 1885 e têm como fonte o Acervo Instituto Moreira Salles, de onde ainda pretendemos escrever alguns posts sobre outros assuntos históricos. :)

Senhora na liteira (uma espécie de "cadeira portátil") com dois escravos, Bahia, 1860 (Acervo Instituto Moreira Salles)
Senhora na liteira (uma espécie de “cadeira portátil”) com dois escravos, Bahia, 1860 (Acervo Instituto Moreira Salles)
Primeira foto do trabalho no interior de uma mina de ouro, 1888, Minas Gerais. (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Primeira foto do trabalho no interior de uma mina de ouro, 1888, Minas Gerais. (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Negra com uma criança branca nas costas, Bahia, 1870. (Acervo Instituto Moreira Salles)
Negra com uma criança branca nas costas, Bahia, 1870. (Acervo Instituto Moreira Salles)

 

Negra com o filho, Salvador, em 1884 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Negra com o filho, Salvador, em 1884 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)

 

Foto da Fazenda Quititi, no Rio de Janeiro, 1865. Observe o impressionante contraste entre a criança branca com seu brinquedo e os pequenos escravos descalços aos farrapos (Georges Leuzinger_Acervo Instituto Moreira Salles)
Foto da Fazenda Quititi, no Rio de Janeiro, 1865. Observe o impressionante contraste entre a criança branca com seu brinquedo e os pequenos escravos descalços e aos farrapos (Georges Leuzinger_Acervo Instituto Moreira Salles)
Escravos na colheita do café, Rio de Janeiro, 1882 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Escravos na colheita do café, Rio de Janeiro, 1882 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Escravos na colheita de café, Vale do Paraíba, 1882 (Marc Ferrez_Colección Gilberto Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Escravos na colheita de café, Vale do Paraíba, 1882 (Marc Ferrez_Colección Gilberto Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Quitandeiras em rua do Rio de Janeiro, 1875 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
Quitandeiras em rua do Rio de Janeiro, 1875 (Marc Ferrez_Acervo Instituto Moreira Salles)
A Glória, vista do Passeio Público, Rio de Janeiro, 1861 (Revert Henrique Klumb_Acervo Instituto Moreira Salles)
A Glória, vista do Passeio Público, Rio de Janeiro, 1861 (Revert Henrique Klumb_Acervo Instituto Moreira Salles)

Veja no vídeo uma compilação de várias imagens tiradas do Acervo Instituto Moreira Salles.

Leia Mais

O pão

pao com bolor

Ed René Kivitz

Construíram altares para o pão.
Espalharam pelas paredes fotos de pão.
Debateram receitas de pão.
Escreveram poemas exaltando o pão.
Distribuíram amuletos com miniaturas de pão.
Fabricaram réplicas de pão em ouro, prata e bronze.
Editaram manuais para o consumo do pão.
Instituíram sociedades do pão.
Discutiram a importância do pão.
Elaboraram regras para o acesso ao pão.
Formaram padeiros e especialistas em pão.
Edificaram casas do pão.
Criaram rituais para degustação do pão.
Dançaram ao redor do pão.
Assaram o pão.
Publicaram livros a respeito do pão.
Ensinaram as crianças a gostar de pão.
Patentearam o pão.
Elegeram guardiões do pão.
Mataram em nome do pão.
Recusaram o pão a milhares.
Organizaram romarias para ver o pão.
Venderam o pão.
Entoaram canções em louvação ao pão.
Ficaram de joelhos diante do pão.
Mas jamais comeram o pão.

fonte: Facebook

Leia Mais