Suspeito de matar 39 pessoas em GO é calado e frequenta igreja evangélica

Juliana Coissi, na Folha de S.Paulo

O homem apontado como responsável por esganar, esfaquear e atirar em 39 pessoas em Goiânia desde 2011 é descrito pela família como alguém calado, de poucos amigos e que não costuma sair à noite.

Tiago Henrique Gomes da Rocha relatou à polícia que namora desde agosto e passou a frequentar a Assembleia de Deus. Foi levado à igreja pela moça, uma jovem bonita de cabelos compridos, como algumas das 15 mulheres mortas neste ano por um motociclista na cidade.

A mãe de Rocha não sabia que ele tinha uma companheira, segundo o advogado do suspeito, Thiago Huascar Santana Vidal.

O suspeito tem um irmão mais novo e mora com a mãe, funcionária pública, e o padrasto. Segundo o delegado Douglas Pedrosa, o vigilante disse que nunca conheceu o pai –a identidade, de fato, não traz o nome dele.

Questionado sobre se sofreu abusos na infância, ele negou. Também negou aos policiais ser homossexual –pergunta feita por ter matado homens que achava serem gays.

Disse que essa é sua primeira namorada.

O jeito calado o acompanha desde a infância. À polícia ele contou que chegou a ser perseguido na escola, na adolescência, por ser muito quieto. Disse ainda nunca ter feito tratamento psicológico.

O vigilante concluiu o ensino médio e trabalhou entre 2011 e 2013 em uma empresa de segurança privada. Foi nela, segundo relato à polícia, que furtou a arma calibre 38 utilizada nos crimes. Ele não respondeu se tinha porte de armas regularizado.

Depois de ficar desempregado neste ano, voltou há quatro meses a trabalhar como vigilante, à noite. Ele cumpria o turno da noite em um hospital da capital goiana.

142891030

Leia Mais

Suspeito de divulgar vídeo de sexo faz acordo na Justiça, em Goiânia

Empresário terá que prestar serviços comunitários durante cinco meses.
Vítima, que teve imagens postadas na web, ficou revoltada: ‘Ele saiu rindo’.

inocente

Publicado no G1

O empresário de 23 anos, suspeito de divulgar vídeos de sexo de uma estudante, de 20, com que se relacionou e ficou conhecida como Fran, foi julgado na tarde desta quarta-feira (8), em Goiânia. O caso foi encerrado depois que ele aceitou um acordo proposto pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) para prestar serviços comunitários por cinco meses.

A audiência, que durou cerca de 1h, ocorreu no 3º Juizado Especial Criminal de Goiânia, no Setor Parque Atheneu. O empresário, que respondia por injúria e difamação e sempre negou ter divulgado os vídeos, chegou e saiu sem falar com a imprensa. Já a vítima ficou revoltada com o resultado da sessão.

“[Sensação de] impunidade, porque cinco meses de pena para ajudar as pessoas não vai pagar o que ele me fez. Eu não me conformo. Ele saiu rindo da minha cara, disse que não é ele. Eu estou com muita raiva, sentida mesmo com essa situação toda”, afirmou chorando.

A advogada da vítima, Darlene Liberato, também lamentou a punição branda do empresário, mas disse que foi melhor do que ele ter sido inocentado. “Muito embora não tenha havido uma condenação como deveria, pelo menos foi um princípio. Ele não saiu impune e durante cinco meses ele vai ter que prestar serviços à comunidade”, pontuou.

O caso ocorreu há um ano. Mãe de uma menina fruto de outro relacionamento e atualmente com 3 anos, a estudante perdeu o emprego e interrompeu a faculdade devido a divulgação das imagens.

“A vida dele continua normal. Quem sofreu as consequências fui eu. Eu quero que o meu caso sirva de lição para outras meninas. que passem pelo que eu passei. Eu fui bastante forte em lidar com essa situação, mas várias meninas não”, afirmou.

No fim da audiência, o carro que foi buscar o empresário entrou pelo estacionamento exclusivo para funcionários do juizado. A juíza Sandra Regina Teixeira Mendes, responsável pelo caso, afirmou que abriu uma exceção para evitar tumulto na saída dele.

Sobre o processo, ela disse que não poderia conceder entrevista porque o caso corre em segredo de Justiça.

Vítima saiu chorando da audiência: 'Não me conformo' (foto: Sebastião Nogueira/O Popular)
Vítima saiu chorando da audiência: ‘Não me
conformo’ (foto: Sebastião Nogueira/O Popular)

Vídeos
Os vídeos foram divulgados em outubro do ano passado via mensagens de celular e na web. Nas imagens, é possível ver a estudante em atos sexuais. O caso ganhou repercussão e virou meme [termo usado para frases, imagens e vídeos que se disseminam na internet de forma viral].

As gravações se propagaram rapidamente pelo aplicativo de celular. Em um dos vídeos, a jovem aparece fazendo um sinal de ‘OK’. O símbolo virou piada nas redes, com montagens de políticos. Fotos de celebridades fazendo o gesto também começaram a ser usadas pelos internautas. No entanto, algumas imagens teriam sido tiradas antes da polêmica e não se referiam ao caso.

Na época em que as imagens foram divulgadas, Fran afirmou que não se arrependeu de gravar os vídeos porque fez por amor. “Era com uma pessoa que eu amava e em quem eu confiava”. Só que isso não deveria ter sido mostrado para ninguém”, disse. No entanto, por causa da publicação dos vídeos, ela disse que sua vida “virou um inferno”.

Leia Mais

ETs aprovam Copa e veem jogos de naves em cima dos estádios, dizem ufólogos

 

estatua-de-extraterrestre-decora-a-entrada-de-loja-de-souvenirs-de-sao-thome-das-letras-1379362943515_615x300

Publicado no UOL

A Copa do Mundo está sendo acompanhada por bilhões de pessoas do mundo inteiro. Mas, além desse povo todo, ela pode ser vista por seres de outros planetas. E in loco. Especialistas no assunto dizem que extraterrestres aprovam o Mundial no Brasil e até estacionam suas naves espaciais em cima dos estádios durante as partidas.

A teoria pode parecer inverossímil, mas é levada a sério pelo Círculo Quântico de Expansão Humana, uma instituição de Goiânia focada em ações de espiritualidade e que defende a comunicação com ETs por meio de médiuns. É uma doutrina bem semelhante à pregada pelo espiritismo.

Segundo um dos médiuns da entidade, Alexandre Sperchi Wahbe, reuniões semanais são feitas com ETs mais evoluídos que terráqueos para que eles deem diretrizes que contribuam para a evolução da Terra. Nos últimos meses, um dos assuntos em pauta vêm sendo a realização da Copa do Mundo no Brasil.

Alexandre diz que os extraterrestres aprovam o evento no país, que é considerado peça fundamental no atual momento que eles chamam de  ‘transição planetária’.

“É um mometo de congregração mundial e de união planetária. É preciso um estimulo à cidadania planetária. Precisamos ter a ideia de que eu não sou brasileiro ou de outro país, todos somos um. E o Brasil é o melhor país do mundo para ter esse sentimento”, afirmou.

Alexandre afirma que, na visão dos ETs, o Brasil é um símbolo da tolerância e da união dos povos por reunir as mais diversas culturas eetnias. Por isso, os extraterrestres consideram que sediar a Copa do Mundo e das Olimpíadas de 2016 não é por acaso.  É a chance de o Brasil ensinar o mundo a amar sem discriminação. Esse será o maior legado da Copa.

“Eles dizem que o Brasil tem a maior tecnologia que existe, que é o amor e a integração sem fronteiras. O legado da Copa não é para o Brasil, mas sim para o planeta. O grande legado é a assimilação da cultura brasileira pelo mundo. O mundo precisa aprender a amar e conviver com a gente. É o amor sem preconceitos e sem fronteiras, todos vêm ao Brasil para aprender a amar”.

Para os céticos, a comunicação com os extraterrestres pode parecer loucura, mas muitas pessoas levam a sério. Com apenas três anos de existência, o Circulo Quântico de Expansão Humana já conta com 20 médiuns em Goiânia e já atendeu a mais de mil pessoas.

Cerca de 200 adeptos da doutrina já participaram de cursos e palestras, enquanto outros 1000 simpatizantes já fizeram um mapa ascencional, uma espécie de mapa astral que faz o ‘diagnóstico da alma’.

No Centro Quântico, os médiuns fazem contatos diários com extratrerestres. Eles ainda participam das reuniões semanais nos trabalhos de orientação personalizada nas quintas e sextas-feiras.

Apesar da curiosidade que desperta, a imagem do ET que já faz parte do imaginário popular com aspecto bizarro e cabeça grande não fazem jus à realidade. Alexandre explica que por habitarem outras dimensões na maior parte das vezes, eles costumam se comunicar por meio de médiuns e raramente se materializam, podendo ser até com aspecto humano.

Os médiuns do Círculo Quântico contam ainda outras curiosidades. Eles são bem-humorados, gostam de brincadeiras e até passeiam pelo país. Alexandre conta que muitos deles vêm ao Brasil em naves espaciais e estacionam o veículo em cima dos estádios durante os jogos. Tudo isso para captar a energia transmitida pelas pessoas dentros das arenas.

Eles costumam transportar essa energia para locais que são mais necessitados como países em guerra ou em grandes dficuldades. A ideia é amenizar o sofrimento e transformar o pensamento das pessoas qe vivem naquele local.

“Eles param as naves no estádios para usufruir da energia que as pessoas de lá transmitem. Um estádio de futebol é uma fonte muito grande de energia. As pessoas gritam, comemoram gol, extravasam.. são milhares de pessoas pensando a mesma coisa. Isso é muito poderoso”, conta.

Apesar de aprovarem a Copa e gostarem do ambiente dos estádios, os extaterrestres não se manifestaram sobre os resultados da Copa do Mundo. “Eles são muito brincalhões e tiram sarro da gente o tempo inteiro. Mas a gente leva o trabalho muito a sério, é algo sagrado, não fazemos esse tipo de pergunta. Preferimos não abordar futilidades”, finaliza Alexandre.

Leia Mais

Brasil tem 11 das 30 cidades mais violentas do mundo, diz ONU

Maceió está na quinta posição da lista da violência, seguida por Fortaleza, na sétima
Levantamento aponta 437 mil assassinatos em 2012; do total, 36% ocorreram nas Américas

280313cnnMarcelo Remigio, em O Globo

RIO – O Brasil tem 11 das 30 cidades mais violentas do mundo. Levantamento do Escritório sobre Drogas e Crime das Nações Unidas com base em assassinatos ocorridos no ano de 2012 aponta Maceió como a quinta cidade em homicídios por cada 100 mil habitantes. Fortaleza está na sétima posição e João Pessoa, em nono. A América Latina desbancou a África como a região mais violenta. Já Honduras é hoje o país com maior número de assassinatos por 100 mil habitantes. O índice registrado naquele país aponta para o que os pesquisadores chamam de “situação fora de controle”. O segundo país mais violento é a Venezuela, seguido por Belize e El Salvador.

De acordo com a pesquisa da ONU, foram assassinadas 437 mil pessoas em 2012, das quais 36% nas Américas, a maior parte na Central e na do Sul. O Brasil é o país com mais cidades na lista da violência, seguindo pelo México, com seis – ambos são os países mais populosos da América Latina. Venezuela e Colômbia têm três cidades e Honduras e Estados Unidos, duas. Além de Maceió, Fortaleza e João Pessoa, foram listadas pelo levantamento das Nações Unidas Natal (12ª posição); Salvador (13ª); Vitória (14ª); São Luís (15ª); Belém (23ª); Campina Grande (25ª); Goiânia (28ª); e Cuiabá (29ª).

Para os pesquisadores da ONU, o elevado índice de homicídios na América Latina está ligado ao crime organizado e à violência política, que persiste há décadas nos países latinoamericanos. A maior parte das mortes (66%) foram provocadas por armas de fogo. Os cartéis do narcotráfico mexicanos são citados como responsáveis pela violência também em Honduras, El Salvador e Guatemala, países que integram rotas de distribuição de drogas que têm como destino os Estados Unidos. Já na Venezuela, os assassinatos são atribuídos à violência urbana.

Taxas de homicídios acima de 20 por 100 mil habitantes são consideradas pelos especialistas como graves. Em Honduras, são 90,4 homicídios por 100 mil habitantes. Já na Venezuela, a taxa chega a 53,7; em Belize, 44,7; em El Salvador, 41,2; na Guatemala, 39,9; na África do Sul, 31; na Colômbia, 30,8; no Gabão, 28; no Brasil, 25,2; e no México, 21,5. Países em conflitos têm taxas inferiores às da América Latina, como Iraque, no Oriente Médio, onde o índice registrado é de oito para 100 mil habitantes.

As cidades mais violentas do mundo são: San Pedro Sula (Honduras), Caracas (Venezuela), Acapulco (México), Cali (Colômbia), Maceió; Distrito Central (Honduras), Fortaleza; Cidade da Guatemala (Guatemala), João Pessoas, Barquisimeto (Venezuela), Palmira (Colômbia), Natal, Salvador, Vitória, São Luís, Culiacán (México), Guayana (Venezuela), Torreón (México), Kingston (Jamaica), Cidade do Cabo (África do Sul), Chihuahua (México), Victoria (México), Belém, Detroit (Estados Unidos), Campina Grande, Nova Orleans (Estados Unidos), San Salvador (El Salvador), Goiânia, Cuiabá e Nuevo Laredo.

Taxa média de homicídios global é de 6,2 por 100 mil/hab

Segundo o estudo da ONU, cerca de 750 milhões de pessoas vivem em países com as maiores taxas de homicídio do mundo, o que significa que quase metade de todos os homicídios acontece nos países onde moram apenas 11% da população mundial. Europa, Ásia e Oceania, onde estão cerca de 3 bilhões de pessoas, as taxas de homicídios são consideradas relativamente baixas.

A taxa média de homicídios global é de 6,2 por 100 mil habitantes, mas o Sul da África e a América Central registraram mais de quatro vezes esse número, 30 e 26 vítimas por 100 mil habitantes, respectivamente, os números mais altos do mundo. Enquanto isso, com taxas cerca de cinco vezes menores do que a média global, Ásia Oriental, sul da Europa e Europa Ocidental registraram os níveis mais baixos de homicídio em 2012. Ainda de acordo com a pesquisa, os níveis de homicídios no norte da África, na África Oriental e em partes do sul da Ásia estão aumentando em meio à instabilidade social e política. Já a África do Sul apresenta tendência de queda das taxas de homicídio: os assassinatos caíram pela metade, de 64,5 por 100 mil habitantes em 1995 para 31 por 100 mil habitantes em 2012.

Os homicídios ligados ao crime organizado, gangues e facções representam 30% de todos os assassinatos da América, em comparação com menos de 1% na Ásia, Europa e Oceania. Ainda que picos de homicídio estejam muitas vezes ligados a este tipo de violência, a América tem níveis de homicídio cinco a oito vezes maiores do que a Europa e a Ásia desde a década de 1950, aponta a ONU.

Cerca de 80% das vítimas de homicídio são homens, assim como 95% dos autores dos crimes; 15% de todos os assassinatos resultam de violência doméstica e a maioria (70%) das vítimas domésticas são mulheres. Mais da metade das vítimas de homicídios têm menos de 30 anos de idade, com crianças menores de 15 anos de idade representando pouco mais de 8% de todos os homicídios.

ONU confirma dados sobre violência divulgados por ONG mexicana

A pesquisa da ONU confirma dados sobre violência apresentados em levantamento elaborado pela ONG mexicana Conselho Cidadão para Segurança Pública e Justiça Penal AC divulgado em março deste ano. Segundo a pesquisa mexicana, o Brasil é o país com mais municípios no ranking: 16; e Maceió a quinta cidade mais violenta do mundo. O México aparece em segundo, com nove. Apenas sete cidades da lista não estão na América Latina: quatro dos Estados Unidos (Detroit, Nova Orleans, Baltimore e Saint Louis) e três da África do Sul.

O levantamento leva em conta a taxa de homicídios por grupo de 100 mil habitantes no ano passado. De acordo com a ONG, foram levantados dados disponibilizados pelos governos em suas páginas na internet e consideradas só cidades com mais de 300 mil. Essa foi a quarta edição do ranking. Dos 16 municípios do Brasil no ranking das cidades mais violentas do mundo, seis vão receber jogos da Copa do Mundo: Fortaleza, Natal, Salvador, Manaus, Recife e Belo Horizonte.

As brasileiras da lista mexicana

Maceió (5ª colocada) – 79,76 homicídios por 100 mil habitantes; Fortaleza (7ª) – 72,81; João Pessoa (9ª) – 66,92; Natal (12ª) – 57,62; Salvador (13ª) – 57,51; Vitória (14ª) – 57,39; São Luís (15ª) – 57,04; Belém (16ª) – 48,23; Campina Grande (25ª) – 46; Goiânia (28ª) – 44,56; Cuiabá (29ª) – 43,95; Manaus (31ª) – 42,53; Recife (39ª) – 36,82; Macapá (40ª) – 36,59; Belo Horizonte (44ª) – 34,73 e Aracaju (46ª) – 33,36.

Leia Mais